BLOG

03/10/2016 -- 18:00

O novo beijo de Francisco

Facebook
Twitter
Google +
Whatsapp
Surgerir Pauta
Comunicar Erro

Francisco, o de Assis, tinha uma repulsa imensa pelos leprosos, nojo mesmo. Aversão pela então doença fatal e contagiante, que apodrecia a carne dos enfermos, desfigurava seus rostos e causava mau cheiro. Mas, como o jovem que queria vestir as mesmas vestes e comer a mesma comida dos pobres poderia evitar os mais miseráveis de todos?

Um encontro por acaso, tornou-se oportunidade dele firmar sua opção por Cristo, pobre e crucificado. Certo dia, passeando pelas campinas de Assis, Francisco desce do cavalo e a mão ensanguentada do leproso ganha não só uma moeda, mas também um beijo. Foi preciso um esforço sobre-humano, mas o santo diz em seu testamento: "o Senhor me conduziu entre eles, e fiz misericórdia com eles... aquilo que me parecia amargo se me converteu em doçura da alma e do corpo".

Hoje, 800 anos depois, em Assis, o Papa que escolheu se "vestir" de Francisco e "comer" com os pobres, aponta a grande doença do nosso tempo: a indiferença; "É um vírus que paralisa, nos torna inertes e insensíveis, um morbo (enfermidade) que afeta o próprio centro da religiosidade produzindo um novo e tristíssimo paganismo: o paganismo da indiferença".

Na cidade do santo dos pobres, para marcar os 30 anos do Encontro pela Paz, de São João Paulo II com líderes religiosos, Papa Francisco nos "sacode" e desperta para a cruel situação pela qual passam crianças, velhos, mulheres: "imploram paz os nossos irmãos e irmãs que vivem sob a ameaça dos bombardeamentos ou são forçados a deixar a casa e emigrar para o desconhecido, despojados de tudo".

Francisco, em Assis, repete e atualiza a mística do crucificado, do "amor (que) não é amado": "Todos eles são irmãos e irmãs do crucificado, pequeninos do seu Reino, membros feridos e sedentos da sua carne. Têm sede. Mas, frequentemente, é-lhes dado, como a Jesus, o vinagre amargo da rejeição. Quem os ouve? Quem se preocupa em responder-lhes? Deparam-se muitas vezes com o silêncio ensurdecedor da indiferença, o egoísmo de quem se sente incomodado, a frieza de quem apaga o seu grito de ajuda com a mesma facilidade com que muda de canal na televisão".

A volta da doçura do beijo, que quer espantar a barreira que nos prende em nós mesmos, na mediocridade de nossos "castelos". Francisco desceu de novo de seu cavalo e fez misericórdia com os que sofrem com a guerra.

Também precisamos "cair do cavalo" e fazer misericórdia. De quem temos mantido distância? De moradores de rua, de dependentes químicos, de pessoas que vivem em extrema pobreza? De Assis, diz Francisco: "os cristãos são chamados a ser 'árvores de vida', que absorvem a poluição da indiferença e restituem ao mundo o oxigênio do amor". Francisco ainda inspira amor.

Osvaldo Luiz Silva
é jornalista, editor da Revista Canção Nova, apresentador do programa "Café da Manhã", pela Rádio Canção Nova, e autor do livro "Ternura de Deus"
Leia também!
FÉZINHA
Mega-Sena sorteia R$ 6 milhões nesta quarta
Prêmio pode render R$ 31 mil mensais se aplicado na Poupança da CAIXA
PETS
Adestramento de cachorros: mitos e verdades
Segundo os especialistas, até mesmo gatos podem ser adestrados, pois todo animal tem um nível de inteligência
INTERIOR
Pelas minhas lentes, música em minha vida
Pelas minhas lentes, música em minha vida
Acesse a versão clássica
Redecity. © 2017
Google Twitter Whatsapp Facebook