24 de Outubro de 2017
17º/33º
ENTRETENIMENTO » HOLOFOTES
14/04/2017

Tatuadora de Assis faz tatuagem para alérgicos e portadores de doenças

Daniela Iartelli cobra apenas o preço de custo e busca ajudar as pessoas

A tatuadora Daniela Iartelli teve uma iniciativa que pode mudar a vida de pessoas alérgicas ou com alguma doença grave. Ela oferece, a preço de custo, tatuagens que informam sobre a saúde de cada pessoa.

"A primeira vez que alguém me procurou para fazer uma tatuagem assim foi uma senhora que quis tatuar o tipo sanguíneo dela. Ela disse que morava longe da família e ficava preocupada, caso acontecesse alguma coisa ou algum acidente, e isso evitaria uma possível demora do exame de sangue, por exemplo. Depois me lembrei de outra moça que tatuou um círculo azul escrito ‘sou diabética’. Esses dois casos me deram uma ideia e comecei a pensar em bolar algo nesse sentido", afirma.

Daniela disse que pesquisou na internet e descobriu que outras pessoas também tatuavam quando tinham alergia a algum medicamento, por exemplo.

"Comecei a pesquisar e descobri várias pessoas que tatuavam suas alergias a medicamentos. Algumas delas tinham alergia a látex, outras a penicilina, outras a dipirona, e por ai vai. Algumas pessoas também tatuaram ‘epilético’, por exemplo, para o caso de terem uma crise no meio da rua e poderem ser ajudadas. Outras pessoas querem tatuar que são doadoras de órgãos, para deixar clara sua decisão. Decidi fazer essa campanha e cobrar apenas o valor dos custos do material, que são todos descartáveis. O valor que cobraria pela mão de obra será todo gratuito", salienta.

"O que eu quero é poder ajudar as pessoas. Ter uma tatuagem assim pode ser um tipo de alerta e evitar que alguém morra. Imagine em um acidente de carro, a pessoa está sozinha e inconsciente, ajuda muito a informação de algum tipo de alergia que a vítima tenha. Inclusive uma interessada quer tatuar que tem hepatite, não só para o seu cuidado, como também para o cuidado de alguém que for socorrê-la, já que o contágio se dá pelo sangue", explica.

Daniela disse que até o momento quatro pessoas se mostraram interessadas e agora irá agendar as sessões.

"Não é uma promoção, mas uma iniciativa que vou manter até quando as pessoas continuarem me procurando. Chamei de Tatuagem do Bem. Também faço um trabalho com mulheres que tiveram câncer de mama e tatuo o seio delas, tudo para melhorar a autoestima. Agora quero ajudar quem tem alguma doença e também se sente inseguro em relação a isso", acrescenta.

Cleusa Regina Amâncio é uma das interessadas e disse que já correu risco de morte por conta da sua alergia.

"Tenho alergia a Diclofenaco, Paracetamol, Dipirona e outros medicamentos. Uma vez fui fazer uma cirurgia e quando vi, estavam injetando Dipirona na minha veia. Eu havia informado, mas ocorreu algum erro e eu quase morri. Desde então fiquei muito preocupada. Foi quando eu vi a publicação da Dani e sua iniciativa, por isso decidi fazer. Em casos de emergência, isso realmente pode salvar minha vida", conclui.

Para conhecer o trabalho da tatuadora, entre em contato pela sua página.


Daniela Iartelli

Cleusa Regina Amâncio


Alguns exemplos de tatuagens:




Redação AssisCity/ Fotos: Divulgação