16 de Junho de 2019
17º/33º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Suplente do vereador Pavão representa vereadores no Ministério Público por não assumir vaga em Assis

Ernesto Nóbile entende que deveria assumir cadeira após afastamento médico de Nilson Pavão

Nesta segunda-feira, 7, o advogado Ernesto Benedito Nóbile protocolou uma representação no Ministério Público contra a mesa diretora da Câmara Municipal de Assis, do exercício de 2018, composta pelos vereadores Eduardo Camargo Neto, Francisco de Assis e André Gomes.

A justificativa, em tese, segundo Ernesto Nóbile, foi Improbidade Administrativa, que segundo o advogado foi cometida pela mesa da Câmara. Segundo ele, os vereadores que ocupam a mesa não cumpriram a Constituição Federal, a Constituição Estadual e também a Lei Orgânica do município em relação às denúncias envolvendo o vereador Nilson da Silva, o Pavão.

A alegação é que Nilson deu entrada com um pedido de licença médica junto à Mesa, entregando um atestado médico que indicava licença por 30 dias. Segundo Ernesto, diante desse quadro e com base na Lei Orgânica, o presidente da Câmara teria que convocar o suplente do vereador imediatamente.

Ernesto, que já ocupou o cargo de vice-prefeito e prefeito municipal durante o período de 1997 a 2000, é o suplente de Pavão. "Por mera perseguição política contra minha pessoa e segundo comentários circulantes por toda a cidade, é que estão em pânico, com medo de eu vir a assumir uma cadeira no Legislativo”, afirma o advogado.

Segundo o documento protocolado no Ministério Público, os vereadores "descumpriram a Lei e cometeram, em tese, improbidade administrativa, devendo o nobre promotor instaurar inquérito civil público para apuração dos fatos”, afirma.

Além da Mesa, Ernesto cita a representação também de uma Ação Civil Pública contra os vereadores Eduardo Camargo Neto, Francisco de Assis e André Gomes.


Representação foi protocolada por Ernesto Nóbile contra a Mesa Diretora da Câmara do exercício de 2018


Redação AssisCity
+ VEJA TAMBÉM