13 de Novembro de 2019
17º/33º
NOTÍCIAS » BRASIL

Família registra queixa após jovem voltar de missão no Exército em surto psicótico

Felipe Carvalho foi para missão no 7º BEC e uma semana depois voltou para casa agitado, sem falar nem responder estímulos. Exército diz que ele apresentou 'alteração comportamental' e recebeu atendimento

A família do soldado Felipe da Silva Carvalho, de 19 anos, tenta entender o que aconteceu com o rapaz durante os dias em que ficou sob os cuidados do Exército Brasileiro.

O rapaz foi levado para uma missão após se alistar no início deste mês e, em menos de dez dias, voltou para casa em surto psicótico. Agora, não fala, não anda e nem responde a estímulos.

O pai do soldado, o funcionário público Gilson Rocha, registrou um boletim de ocorrência e exige explicações do 7° Batalhão de Engenharia de Construção (7° BEC), em Rio Branco. Em foto tirada no dia em que ele foi para a missão, o rapaz estava feliz e saudável.

Ao G1, o comandante do 7° Batalhão de Engenharia de Construção, Flávio do Prado, explicou, por meio de nota, que o soldado entrou no Exército no dia 1º de março de 2019 e, com menos de uma semana de atividades, os colegas perceberam que ele passou a apresentar "algumas alterações em seu padrão comportamental”.

Ainda segundo a nota, o soldado foi encaminhado para acompanhamento com o médico do batalhão, onde recebeu toda assistência e depois foi encaminhado "para um hospital especializado e recomendando a convalescença domiciliar”.

O pai contou que o rapaz foi para missão na Quarta-feira de Cinzas (6), no domingo (10) a mãe foi visitá-lo e estava tudo normal. Na sexta (15), a família diz que um tenente do 7º BEC deixou o rapaz no trabalho da mãe dele afirmando que foram feitos testes e Carvalho não estava apto para o exercício militar.

"Parece uma criança, está travado, foi hospitalizado na UPA [Unidade de Pronto Atendimento> do Segundo Distrito, no domingo [16>, esteve no Hosmac [Hospital de Saúde Mental do Acre> , agora estamos retornando. Meu filho está em estado lastimável e o 7º BEC simplesmente entregou ele”, lamentou o pai.

Possível surto

Ainda segundo Rocha, os médicos não sabem informar ao certo o que o jovem tem, mas suspeitam de um quadro de esquizofrenia. Um psiquiatra pediu um tempo para estudar o quadro do rapaz e dar um posicionamento para a família.

"Não sei o que houve com ele, não sei o que acontece com esses recrutas. Meu filho estava normal antes de ir para lá. Na semana inicial estava bem e foi para esse chamado na Quarta-feira de Cinzas e na sexta aconteceu isso”, lamentou.

O recruta esteve no Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac) nos dias 14, 17 e 18. Segundo a direção, ele apresentava um quadro de surto psicótico nos atendimentos emergenciais em que compareceu à unidade. Ainda segundo o hospital, inúmeras possibilidades podem desencadear um quadro como esse, como uso e abuso de álcool ou drogas e herança familiar.

O hospital informou que só pode passar as informações de atendimento emergencial durante o período em que ele foi atendido. Já a família diz que vai procurar atendimento para o jovem.

O funcionário público criticou também a forma como o rapaz foi devolvido para a família e como o assunto tem sido tratado pelo Exército. A família contratou uma advogada para exigir explicações oficiais do 7º BEC.

"Meu contato tem sido com dois oficiais, um tenente médico que foi na UPA me afrontar e intimidar e outro, o tenente Matos, que falou desse quadro e o levou no Hosmac. Disse que o médico plantonista não receitou nada e tiveram que dar algo no alojamento para ele se acalmar e não se acalmou”, complementou.

Sonho
O pai diz também que foi avisado que em 30 dias a família e o rapaz serão chamados para receber o certificado de dispensa. O Exército afirmou aos pais que abriu uma sindicância para apurar o que aconteceu ao jovem.

"Entregamos nosso filho para o Exército Brasileiro, era o sonho dele, estava animado e agora está assim. Não responde estímulos, não anda, parece um robô. Repetia que me ama e ama a mãe dele, mas agora não fala mais nada. Meu filho não é um coturno que foi jogado lá e devolvido”, criticou.

Emocionado, Gilson Rocha contou que o filho estava no segundo período do curso de educação física, mas decidiu trancar o curso para se alistar. O pai acrescentou que Felipe nunca teve um surto assim, é um rapaz normal, tem vários amigos e é caseiro.

"Alegam que pode estar desenvolvendo um quadro esquizofrênico, mas estava a cargo do Exército e não poderia ter sido devolvido dessa forma. Foram no trabalho da mãe dele, exposto a todos e, inclusive, ela é vigilante e teve até problemas no trabalho. Condenamos a forma que deixaram, forma desumana", desabafou.


Felipe Carvalho com a família antes de ir para missão e no hospital depois que foi devolvido pelo Exército


Rapaz foi internado na UPA do Segundo Distrito de Rio Branco


G1
+ VEJA TAMBÉM