10 de Dezembro de 2019
17º/33º
ENTRETENIMENTO » COMPORTAMENTO

Como precificar os meus trabalhos como freelancer?

Esse é um questionamento comum para quase todos os profissionais freelancers, principalmente aqueles que estão iniciando nessa empreitada.

Saber cobrar pelos seus trabalhos é um dos fatores de sucesso de qualquer profissional. Por isso, antes de se lançar no mercado é preciso ter isso bem definido.

No entanto, é importante frisar que cada profissional tem total liberdade para estabelecer os seus próprios preços de acordo com suas experiências e conhecimentos.

Se você é um desses que não sabe como cobrar ou "treme na base” na hora de elaborar um orçamento para o cliente, então esse post é para você.

Cada área possui as suas particularidades

Antes de começar a pensar em preços é imprescindível ter em mente que cada área possui suas particularidades e por conta disso, não é possível comparar os valores entre as profissões.

Sendo assim, vamos ver algumas formas possíveis de precificação de algumas áreas e profissionais.

Webdesigners
Quem trabalha com desenvolvimento web geralmente precifica os seus serviços por projetos ou por horas trabalhadas. Tudo vai depender da complexidade do projeto.
Criação de sites demanda um valor, já a criação de materiais para redes sociais demanda outros valores, assim como a criação de outros materiais para web.

Redatores
Aqui temos uma área onde os preços também podem variar bastante. Muitos profissionais cobram a partir de caracteres ou palavras produzidas.
No entanto, há alguns profissionais que também cobram por horas trabalhadas ou possuem valores fechados para certas quantidades de palavras.

Programadores
Similar aos webdesigners, os programadores também precificam os seus trabalhos por hora ou por projeto. No entanto, esses valores podem ser praticados de forma diferente.
Na área de programação, há um fator que diferencia muito os preços. Esse fator é o tipo de linguagem que será usada no projeto. Logo, profissionais que dominam PHP podem cobrar valores diferentes daqueles especializados em JavaScript, por exemplo.

Administradores de redes e servidores
Esses profissionais geralmente trabalham gerenciando redes e mantendo servidores de hospedagem de sites sempre em bom funcionamento.
Suas tarefas são amplas e também envolvem o conhecimento de algumas linguagens, bem como o funcionamento de programas e as tecnologias por trás dos sistemas de internet.
Profissionais de outras áreas
Profissionais de marketing, publicitários, contadores ou organizadores de eventos podem ter suas "fórmulas” de precificação diferentes de outros profissionais. E está tudo bem!
Em geral, em todas as áreas é comum cobrar por hora trabalhada ou pelo projeto finalizado. No entanto, leva-se em conta algum "norte” que pode ser a média salarial da área ou o piso estabelecido por algum órgão de classe.

Cobrar por hora, por projeto ou cada caso é um caso?
Agora que você já viu algumas formas possíveis de precificação vamos entrar mais a fundo e entender cada situação.

Quando cobrar por hora?
O cliente já tem tudo definido e você só precisa executar o trabalho ou serviço? Você tem todos os materiais e mão de obra necessária para execução do mesmo? Você já tem uma média de tempo gasto para concluir a tarefa?

Nesses casos vale estipular um valor por hora e assim facilitar a negociação com o cliente. O valor da hora deve englobar a média salarial da área, a média dos concorrentes e também outros custos como alimentação e deslocamento (se houver).

Quando cobrar por projeto?
O cliente não tem muita coisa definida? O projeto aparenta demandar horas indefinidas ou irá se estender por longos períodos? Levará muito tempo para execução?

Nesses casos vale negociar o "preço fechado”, ainda mais se você precisará de mão de obra extra para ajudar a concluir o projeto. Calcule os custos do trabalho em si, do pagamento de terceiros, alimentação, deslocamento e possíveis custos extras.

Quando unir as duas formas?
Tem como unir preço por hora e por projeto em uma mesma proposta? Tem sim, mas para isso é preciso conhecer com exatidão todos os processos do trabalho ou serviço a ser executado.

Nessas situações o mais indicado é deixar claro o valor da sua hora/trabalho para o cliente de acordo com as especificações do projeto. Com isso é possível chegar a um valor final com mais precisão e fazer com que o cliente entenda o valor do trabalho.

O que considerar para precificar o seu trabalho
Para chegar a tudo isso que citamos anteriormente é importante saber o que compõe o preço de um determinado serviço. Por isso, logo abaixo veremos alguns dos fatores mais importantes que você deve levar em conta na hora de precificar o seu tralho.

Tempo de experiência
Quanto tempo de experiência você tem na área? Começou agora ou já executou muitos projetos? Quais foram as experiências obtidas? Consegue resolver o problema ou as demandas do cliente em pouco tempo?

Tudo isso deve ser levado em conta para então precificar o seu trabalho. Profissionais que estão começando geralmente não possuem as mesmas habilidades de quem já atua há anos. Logo, o valor do trabalho aumentará em relação à qualidade.

Concorrência
Quais valores e preços a concorrência anda praticando? O seu preço está muito acima ou abaixo deles? Por que o cliente escolheria os seus serviços e não os dos concorrentes?
O principal ponto em relação aos concorrentes está na diferenciação do seu trabalho. Você possui processos melhores? Entrega mais rápido ou oferece mais qualidade? Esses fatores interferem significativamente no seu preço final.

Média salarial
Qual é a média salarial da sua profissão? Você se considera um profissional acima da média? Possui alguma habilidade ou conhecimento exclusivo?
A média salarial é o "norte” que falamos anteriormente, pois a partir dessa média é possível calcular o preço da hora trabalhada e assim ter mais exatidão dos valores praticados.

Complexidade
O trabalho a ser executado é muito difícil? Poucos profissionais realizam tal tarefa? É muito complicado resolver ou demanda muito tempo?

Esse é um fator que pode aumentar drasticamente o valor e o preço do seu serviço. Por isso, uma dica para se destacar dos concorrentes é sempre se especializar, pois o que é fácil todo mundo pode fazer.

Como agregar valor ao seu trabalho freelance?

Mesmo com essas dicas, é possível que muitos ainda fiquem na dúvida ou não encontre uma forma sólida de justificar os seus preços ou transmitir os seus valores de forma clara.
Sendo assim, algumas ações e atitudes podem ser essenciais para impulsionar a sua carreira e o seu nome como profissional. Veja algumas dicas.

Crie uma marca
A Coca-Cola e Harley-Davidson não construíram os seus nomes da noite para o dia, pois os seus atributos e qualidades foram sendo reconhecidos ao longo do tempo.

No entanto, não são só as grandes corporações que podem fazer uso de marcas para transmitirem seus valores. Ao criar um marca, você consegue transmitir mais profissionalismo e simbolizar todos os seus atributos e competências.

Para a realidade de um freelancer, uma marca pode ser um diferencial e criar a imagem de valor profissional. Além disso, uma marca é sempre mais memorável que um nome comum.

Tenha um site ou blog

Assim como ter uma marca, ter um blog ou site também transmite mais profissionalismo aos contratantes, pois mostra que o profissional é atualizado com as novas demandas do mercado.
No entanto, é preciso estruturar bem esse canal com uma boa plataforma e um bom serviço de hospedagem de sites. Seja para contar a sua história ou para mostrar o seu portfólio, um site ou blog é um canal indispensável para qualquer profissional.

Registre um domínio
Por falar em marca, site e blog, o registro de domínio é um recurso essencial para fortalecer a sua presença digital como profissional freelancer e mostrar o seu diferencial.
Além de ser fácil registrar um domínio, esse serviço é barato e confere mais exclusividade ao seu site ou blog.

No entanto, se você quiser personalizar ainda mais o seu canal, é possível optar por uma extensão de domínio especial e que seja condizente com a sua atuação.

Conclusão
Encontrar o preço ideal para o nosso trabalho não é muito simples, porém, seguindo os parâmetros certos tudo fica mais fácil de ser calculado.

Sendo assim, média salarial, tempo de experiência, projetos executados e problemas resolvidos valem como referência para você justificar e precificar o seu trabalho.
Por isso, antes de elaborar suas propostas pense nessas dicas e ofereça valores que serão condizentes com a sua realidade e a do cliente. E antes de mostrar preço, mostre os valores que o cliente obterá ao escolhê-lo como profissional.

Divulgação
+ VEJA TAMBÉM