18 de Setembro de 2019
17º/33º
ENTRETENIMENTO » BLOG

Tutores buscam por cachorra desaparecida no Jd.Paraná em Assis

Ela desapareceu na altura da Rua Cambé

Os tutores de uma cachorra que atende pelo nome de Meg estão à sua procura após ela ter fugido no Jardim Paraná, em Assis.

A cachorra é da raça Shitzu e tem a pelagem preta.

Caso alguém tenha informações da Meg, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99769 6393 e falar com Daniele.

Tutora busca por cachorra que desapareceu na vila Palhares em Assis

Hope desapareceu na segunda-feira, 2 de setembro

Ana Jancovic, tutora da cachorrinha Hope, está à sua procura desde que ela sumiu da casa da família, em Assis.

A família mora na Rua Gonçalves Dias, na Vila Palhares, onde a cachorra acabou fugindo no final da tarde desta segunda-feira, 2 de setembro.

Segundo a tutora, Hope é castrada, tem três anos, não tem costume de sair e é um animal de difícil convivência, pois é muito apegada à sua família, que está sofrendo muito com sua ausência.

Se alguém tiver notícias que ajudem na sua localização pode entrar em contato pelos telefones (18) 99755-3961 ou (18) 99807-8417.

Arquivo Pessoal - Hope é castrada e tem três anos
Hope é castrada e tem três anos


Tutora busca por cachorra desaparecida no Parque Universitário em Assis

Fêmea é da raça Pinscher e atende pelo nome de Rebeca

A tutora de uma cachorra que atende pelo nome de Rebeca está à sua procura após ela fugir no Parque Universitário, em Assis.

Rebeca é da raça Pinscher, tem a pelagem marrom clara e é de pequeno porte.

A família tem uma criança que está chorando muito pelo desaparecimento da cachorra.

Caso alguém tenha informações sobre seu paradeiro pode entrar em contato pelo telefone (18) 99737-2175 (Rita) ou (18) 99692-6949 (Tatiane).

Divulgação - Cachorra atende pelo nome de Rebeca e é da raça Pinscher
Cachorra atende pelo nome de Rebeca e é da raça Pinscher


Conservantes em rações não influenciam nas causas de doenças em pets

Médica veterinária esclarece a utilização dessas substâncias em alimentos industrializados

Você sabia que os pets têm necessidades nutricionais diferentes de nós, humanos. Para garantir a qualidade de vida do seu gato ou cão, a alimentação deve ser feita com ração. Mas, muitos tutores se preocupam com alimentos industrializados devido aos conservantes químicos.

A médica veterinária e coordenadora de Comunicação Científica das rações Nero e Líder (Total Alimentos), Bárbara Benitez, explica que os conservantes artificiais são substâncias que estão presentes nas rações para retardar a alteração do alimento para aumento do tempo de vida útil. Os conservantes artificiais são sintéticos e acabam sendo mais utilizados em razão da pureza e qualidade ser relativamente maior.

"Existem evidências científicas que, comprovam que o excesso de conservantes químicos em rações industrializadas não causa doenças, como câncer. As empresas de nutrição animal passam por certificações rigorosas e utilizam conservadores químicos em baixíssima quantidade.”, explica a médica veterinária.

Benitez também afirma que a associação de outras doenças com os conservantes é muito comum por parte dos tutores, porém, é necessário esclarecer que a nutrição é somente um dos possíveis fatores. "As doenças têm causas multifatoriais. Portanto, afirmar que o pet sofreu de alguma síndrome em consequência da alimentação é errônea.”, esclarece.

Para evitar qualquer enfermidade, a médica veterinária orienta aos tutores para se informar a respeito sobre a fabricação das rações e consumir aquelas que são livres de corantes, conservantes e aromatizantes artificiais. "Além disso, conversar com um médico veterinário de confiança é importante, pois ele vai indicar a melhor dieta alimentar para o seu pet. Eu recomendo as rações com fibras de qualidade, na medida certa, que contenham cereais integrais, extrato de frutas e vegetais incorporados nas partículas.”, explica Bárbara

Por fim, a médica veterinária alerta sobre a comida caseira, que pode levar à desnutrição e como consequência causar algumas doenças, como obesidade, problemas cardíacos, ósseos e de desenvolvimento entre outras. Por isso, evite ao máximo oferecer ao seu animal de estimação esse tipo de alimento.

Divulgação - Segundo médica veterinária, os conservantes artificiais são sintéticos e acabam sendo mais utilizados em razão da pureza e qualidade ser relativamente maior
Segundo médica veterinária, os conservantes artificiais são sintéticos e acabam sendo mais utilizados em razão da pureza e qualidade ser relativamente maior


Divulgação - Médica veterinária Bárbara Benitez
Médica veterinária Bárbara Benitez


Voluntários de Assis pedem ajuda para custear tratamento de cachorro atropelado

Os custos com o tratamento de Peter ficará em torno de R$ 2,5 mil

A ONG Coisa de Bicho está pedindo o auxílio da comunidade para custar o tratamento do cachorro Peter.

As voluntárias contam que o animal foi atropelado no final da tarde de segunda-feira, 26 de agosto, em Cândido Mota. Segundo elas, quem o atropelou, deixou o cachorro no meio da rua, porém com muito sacrifício o animal conseguiu ir até a sarjeta.

Uma das voluntárias que estava próxima ao local foi ao socorro de Peter, verificando uma possível fratura na pata dianteira esquerda.

Peter foi levado até uma clínica de Cândido Mota, onde é acompanhado por um veterinário, porém ele necessita passar por uma cirurgia para que possa se recuperar.

O cachorro precisa fazer a cirurgia o mais rápido possível e que custará R$ 1,8 mil, além dos custos com medicamentos. Os primeiros atendimentos, medicações e internação já representam gastos de R$ 425. Os custos totais ficarão em torno de R$ 2,5 mil.

As voluntárias ressaltam que qualquer ajuda é bem vinda. Quem puder colaborar, pode ir diretamente na Clínica Agromotta, na Rua Ângelo Pipolo, 218, ou depositar as doações nas seguintes contas:

Bradesco: agência 0004, conta corrente 823-0, CPF 300.571.898-03
Banco Brasil: agência 6570-6, conta corrente 25901-2.

Mais informações pelos telefones (18) 99608-3418 ou (18) 99726-2181.

divulgação - O cachorrinho Peter precisa fazer uma cirurgia na pata dianteira
O cachorrinho Peter precisa fazer uma cirurgia na pata dianteira


Toc: transtorno compulsivo em cães

Alguns comportamentos de cachorros podem ser de origem psicológica, o que implica na realização de tratamentos que devem incluir, acima de tudo, a atenção total ao corpo e à mente de um cão

O tutor deve ficar sempre atento aos comportamentos do seu pet para ser capaz de perceber sinais que extrapolam o contexto de simples manias e indicam quadros que merecem tratamentos mais específicos.

O desenvolvimento de manias e comportamentos obsessivos pode estar relacionado a históricos de abuso físico ou emocional. Se o cão foi resgatado, era vítima de maus tratos ou das ruas, deve prestar atenção em suas funções sensoriais.

Sintomas

Os primeiros sintomas decorrem da intensificação do comportamento canino. Isso quer dizer que as atividades que o pet desempenha são muito mais potencializadas.

Dessa forma, os latidos são mais frequentes, assim como o ato de se coçar é realizado em uma intensidade além do normal. O mesmo serve para escavar e arranhar excessivamente.

Destruir as coisas

Quem tem cachorro em casa já se deparou, pelo menos uma vez, com móveis, sapatos, roupas ou outros objetos destruídos. Esse comportamento, muito comum em filhotes, pode acompanhar o pet ao longo da vida.

O que ocorre é que, ao perceber que não tem ninguém com quem interagir, o cachorro desenvolve um quadro de ansiedade e ele precisa extravasar. Essa situação de estresse em cães, geralmente, é acometida pela chamada ansiedade de separação.

O termo diz respeito ao comportamento que o pet desenvolve ao sentir que está sozinho. Para ele, isso pode significar abandono. Por isso, pode latir por muito tempo, chorar, uivar ou destruir seus objetos.

Essa mania tende a diminuir quando ele percebe que há uma rotina na casa e sabe que você irá chegar.

No entanto, se for um comportamento persistente, é necessário levá-lo ao veterinário para que seja realizada uma avaliação mais detalhada e prosseguir com o tratamento adequado.

Correr atrás do rabo

Existem diversos fatores que podem levar a esse tipo de comportamento. Por isso, é importante identificar as reais causas para proceder com as intervenções mais adequadas.

Caso seu pet corra atrás do rabo com muita frequência, leve ao veterinário para que ele seja capaz de fazer a avaliação e encontrar o real motivo. Cães podem fazer isso por predisposição genética a comportamentos compulsivos.

Perseguir o rabo também pode estar relacionado à idade do cão. Filhotes o fazem como forma de brincadeira. Se esse comportamento for identificado nos idosos, pode ser indício de problemas relacionados à senilidade ou demência, afirma a veterinária Livia Romeiro, especialista em comportamento canino da Vet Quality Centro Veterinário 24h.

A falta de exercícios físicos e brincadeiras também podem fazer com que os pets corram atrás do rabo porque eles têm tendência a ficarem entediados por conta do excesso de energia acumulada.

Quadros de ansiedade, necessidade de atenção do dono, vermes e machucados na região também podem ser a causa desse comportamento. Outro ponto que importante é que raças com instinto muito forte de caça tendem a ver no rabo uma espécie de presa.

Lamber as patas

Esse comportamento é uma estratégia que o pet utiliza para informar que está entediado e precisa de uma atividade que o entretenha. Em outras palavras, é um sinal que indica que ele precisa de uma distração.

Nesse caso, o melhor a ser feito é proporcionar momentos de interação. Pode ser com brinquedos, levando ele para passear ou fazendo carinho. A rotina desses tipos de atividades deve ser sempre mantida para evitar outros problemas.

Apesar de ser um comportamento relativamente comum, o ato de lamber as patas é uma das manias que devem ser observadas com atenção para que não se transforme em compulsão.

Caso perceba que o cão está se lambendo além dos limites a ponto de provocar ferimentos, um especialista veterinário deve ser procurado.

Os veterinários serão capazes de fornecer um diagnóstico preciso a partir da avaliação clínica e exames laboratoriais. Se o comportamento indicar que ele apresenta um quadro de ansiedade, os profissionais prescreverão o tratamento mais adequado.

Fazer xixi em lugares inapropriados

Alguns cães fazem xixi na cama ou no travesseiro de quem lhe deu bronca. Isso não acontece porque eles são desaforados. Na verdade, trata-se de um sintoma que pode estar relacionado ao medo.

Após receber uma bronca ou correção, é comum que o cachorro trema e encolha o rabo. Nesse processo, o xixi acaba vazando.

Além disso, fazer xixi pode ser sinônimo de marcação de território. Se o pet estiver em um contexto que faça com que ele se sinta desafiado, pode sentir a necessidade de deixar seu cheiro em lugares específicos.

É importante lembrar que a punição só é eficaz quando o pet é pego em flagrante. Sua memória não é como a nossa e ele não é capaz de associar a bronca ao ocorrido. Além disso, ele pode entender que o erro está no próprio ato de urinar.

Tratamentos

Nunca deixe de lembrar que um cachorro com transtorno compulsivo apresenta um desequilíbrio emocional e isso exige muita paciência e dedicação para que ele possa se recuperar em um ambiente que forneça equilíbrio e bem-estar.

Do ponto de vista da saúde física, é preciso intervir com soluções que tratam os sintomas. Em casos de feridas pelo corpo causadas por mordidas ou lambedura, pode ser que o médico veterinário prescreva medicamentos para inflamação.

Além disso, talvez seja necessário o uso de ataduras ou colar elizabetano.

Do ponto de vista comportamental, é necessário que o pet passe por um processo de reeducação e socialização. Isso é fundamental para que ele seja capaz de fortalecer a autoconfiança e se sentir seguro no ambiente onde ele vive.

Todos os tratamentos devem ser acompanhados de perto por um especialista em neurologia veterinária.

Como evitar transtornos compulsivos em cães

É necessário que o tutor forneça um ambiente saudável e aconchegante para seu pet. Ele deve se sentir protegido e amado. Caso ele faça xixi fora do lugar ou destrua algum objeto, jamais use a violência física ou emocional como corretivo.

É necessário promover a realização de atividades físicas regularmente. Caminhar, pular, brincar e correr são exercícios que aliviam a tensão acumulada e previnem depressão e ansiedade.

Ofereça uma dieta equilibrada. Mantenha o calendário de vacinas e vermifugação sempre atualizado e não deixe de fazer consultas regulares com o veterinário.

Ilustrativa - Lamber as patas é um sinal que indica que seu pet precisa de uma distração
Lamber as patas é um sinal que indica que seu pet precisa de uma distração


Tutor procura por cachorro que desapareceu no Park Colinas em Assis

O cachorro sumiu no dia dois de agosto

Welinton Diniz, tutor do cachorro da raça Yorkshire, Fred, está a sua procura.

Fred desapareceu no dia dois de agosto da casa da família no Park Colinas.

Quem tiver informações que ajudem a localizá-lo deve entrar em contato pelos números (18) 99736-5916 e (18) 99824-2021.

arquivo pessoal - Fred é a raça Yorkshire
Fred é a raça Yorkshire


Tutores buscam por cachorra que desapareceu em Assis

A cachorrinha Luna faz um tratamento e precisa tomar seus medicamentos com frequência

Desapareceu neste sábado, 24 de agosto, por volta das 12 horas, a cachorrinha da raça schnauzer Luna.

Ela vive com a família na rua Senhorinha de Souza, próximo ao cruzamento com a avenida Armando Sales de Oliveira na vila Xavier.

Seus tutores contam que estão muito preocupados com o sumiço de Luna, pois ela faz um tratamento e toma medicamentos com frequência.

Eles pedem que quem tenha notícias que ajudem na sua localização para que entre em contato com Rafael pelos números (18) 99759-1798 e (18) 3323 2325. A família gratificará quem a encontrar.

arquivo pessoal - Luna tem pelagem clara
Luna tem pelagem clara


Tutora busca por cachorra que sumiu na vila Xavier em Assis

Sássi sumiu na tarde desta sexta-feira, 23 de agosto

A tutora da cachorrinha Sássi, da raça Pinscher, está a sua procura.

Roseli conta que Sássi sumiu por volta das 14 horas, desta sexta-feira, 23 e agosto nos arredores da rua Emílio de Menezes, na vila Xavier.

Ela pede que se alguém tiver informações que ajudem na localização de Sássi para que entre em contato pelo número (18) 99822-5831.

divulgação - Sássi é da raça Pinscher
Sássi é da raça Pinscher


Meu cachorro come as próprias fezes. E agora?

Por Renata Basile Medina

Você já ouviu falar em coprofagia? A prática do animal comer as próprias fezes parece assustadora, mas é preciso cautela para identificar as causas e buscar ajuda. Vários fatores podem estar envolvidos, como desnutrição, verminoses, deficiência de vitaminas e até mesmo problema comportamental.

Nos casos de desnutrição ou má nutrição, o tutor deve ficar atento se não está alimentando o pet com uma ração de má qualidade. Acontece também em cães resgatados, que demoram a recuperar o score corporal. Em ambos os casos, o cão tenta buscar mais nutrientes para o organismo, então, reage comendo as próprias fezes.

O tutor deve ficar atento também na rotina de alimentação do cachorro. Não se deve dar uma única dose de ração, mesmo que seja a quantidade diária recomendada pelo veterinário. Essa prática pode desenvolver uma sobrecarga do sistema digestório, o que leva as fezes a terem um alto grau de produtos alimentares não digeridos. O ideal é alimentar em pequenas doses durante todo o dia.

A apresentação da coprofagia pode ser também uma reação comportamental. Muitas vezes, quando o tutor repreende de forma rígida o local em que o pet defecou, ele pode entender que defecar é errado. Assim, começa a comer as fezes para "esconder o erro grave".

As verminoses, causadas por parasitas gastrointestinais, são causas muito comuns para o desenvolvimento da coprofagia. Em casos mais raros, há também a possibilidade do pet estar com pancreatite exócrina ou deficiência de vitaminas.

A procura por um profissional especializado em saúde animal é indispensável em todos os casos. Desta forma evitamos tomar medidas equivocadas que podem piorar o quadro do seu animal de estimação. O tutor e o médico veterinário devem entender as causas juntos. Com o diagnóstico preciso, é possível prescrever vermífugo, ajustar a dieta, solicitar exames e obter a solução do problema com mais agilidade e menos sofrimento para seu melhor amigo.

Divulgação - Vários fatores podem estar envolvidos neste hábito, como desnutrição, verminoses, deficiência de vitaminas e até mesmo problema comportamental
Vários fatores podem estar envolvidos neste hábito, como desnutrição, verminoses, deficiência de vitaminas e até mesmo problema comportamental


Família de Assis procura por cachorro que fugiu no Parque Colinas

Neguinho, como é chamado, fugiu na manhã desta quarta-feira, 21 de agosto

O cachorro que atende pelo nome de Neguinho fugiu na manhã desta quarta-feira, 21 de agosto, da casa de sua tutora, em Assis. O imóvel fica na Rua Grisantos Barchi, no Parque Colinas.

O animal é de porte grande, tem a pelagem preta e possui uma macha branca no peito. Segundo a tutora, ele estava usando uma coleira de corrente.

A tutora Gislaine pede que, caso alguém tenha informações sobre o cachorro, entre em contato pelo telefone (18) 99769-8256.

divulgação - O cachorro é preto e possui uma mancha branca no peito
O cachorro é preto e possui uma mancha branca no peito


ONG Pets Feliz realiza bazar beneficente neste sábado em Assis

Evento será realizado a partir das 9h

A ONG Pets Feliz realiza neste sábado, 24 de agosto, um bazar beneficente em prol dos animais abandonados em Assis. As peças de roupas serão vendidas pelo valor de R$ 1,00 cada.

A entidade atua em Assis fazendo trabalho de resgate, castração e vacinas. Todos os dias, os voluntários alimentam mais de 100 animais de rua com água e ração. Duas vezes ao mês, a Pets Feliz organiza o bazar arrecadando fundos para ajudar neste trabalho social.

O evento será na Rua cruz e Souza, 145, Vila Xavier, a partir das 9h da manhã.

A organização aceita doações de roupas até o dia do evento no mesmo endereço.

Mais informações pelo telefone (18) 99708-7656.

Tutora procura por cachorro que desapareceu na Vila Central em Assis

Zeus, como é chamado, tem uma mancha marrom nas costas

A tutora do cachorro da raça pitbull e que atende pelo nome de Zeus está a sua procura desde a semana passada.

O cachorro sumiu da casa da família, localizada na Rua Campos Novos, Vila Central, em Assis.

Zeus tem a pelagem toda branca e uma mancha marrom nas costas.

Meire pede que quem tiver informações que ajudem na localização do animal entre em contato através do telefone (18) 99765-2881.

divulgação - Zeus está desaparecido desde a semana passada
Zeus está desaparecido desde a semana passada


Cachorra que foi atropelada precisará passar por cirurgia na bacia em Assis

A cachorrinha Nina está sob os cuidados de uma voluntária

Na manhã desta sexta-feira, 9 de agosto, a cachorrinha Nina foi atropelada na rua Leonor na vila Progresso, um grupo de voluntárias a recolheram e levaram ao veterinário, onde foi constatado que a cachorra havia fraturado a bacia.

Nathalia Soares que está cuidando de Nina, conta que ela precisa passar por cirurgia com urgência, pois quanto mais demorar para que a cirurgia seja feita, menores as chances de recuperação.

"Ela está em minha casa, recebendo as medicações, mas a cirurgia ficará em R$ 1,5 mil, e precisamos da ajuda de todos para que ela tenha a chance de se recuperar”, considera Nathalia.

Uma campanha para a arrecadação de recursos para a cirurgia de Nina é feita pela internet () , quem puder colaborar pode ainda entrar em contato com Nathalia pelo telefone (18) 99633-7373, ou procurar pelas voluntárias da SOS Pets ou ainda diretamente na clínica Vitrine Animal, informando que a doação é para auxiliar na cirurgia da Nina.

divulgação - Nina foi atropelada na manhã desta sexta-feira, 9 de agosto
Nina foi atropelada na manhã desta sexta-feira, 9 de agosto


Tutora busca por cachorra desaparecida no Parque das Flores em Assis

A cachorra foi vista perto do Parque Buracão

A tutora da cachorra Lolinha está a sua procura desde a semana passada, quando o animal fugiu de casa.

Lolinha é bem cuidada e já foi castrada. Tanto sua tutora, como o outro cachorrinho da família estão muito preocupados e tristes com a falta dela.

Lolinha foi vista pela última vez perto do Parque Buracão.

É solicitada que, caso alguém tenha informações que ajudem a localizá-la, que entre em contato pelo número (18) 99749-3550 ou na página da SOS Pets.

divulgação - Lolinha está desaparecida desde a semana passada
Lolinha está desaparecida desde a semana passada


Voluntárias de Assis pedem doação de medicamentos para cadela de rua

A cadela foi recolhida na manhã desta terça-feira, 23, com um anzol no focinho

Voluntárias do grupo Pets Feliz, pedem a doação dos medicamentos doxiciclina 100 ml e Hemolitan comprimidos, para o tratamento de cadela Lili, recolhida na rua na manhã desta terça-feira, 23 de julho, com um anzol preso ao focinho.

A voluntária Eliane, conta que é cada vez mais comum o salvamento de animais ferido com anzol.

"Algumas pessoas são muito maldosas e colocam a carne presa ao anzol, quando o cachorro vai comer a carne fica com o anzol ferindo seu focinho, isto é muito perigoso”, considera.

Ela conta que a cadelinha foi recolhida e está em uma clínica veterinária, mas que os exames indicam que ela está com as plaquetas muito baixas, sendo necessário os medicamentos para sua plena recuperação.

divulgação - A cadela Lili está internada e precisa dos medicamentos
A cadela Lili está internada e precisa dos medicamentos


Filhotes abandonados em Assis estão à procura de um lar

Os filhotes foram abandonados na vila Carvalho neste sábado, 20 de julho

Moradores da vila Carvalho em Assis, encontraram neste sábado, 20 de julho, dois filhotes de cachorro de aproximadamente 30 dias, abandonados nas proximidades das ruas Vicente Mercadante e São Sebastião.

Com medo de que os filhotes fossem atropelados, os moradores os recolheram até um terreno na rua São Sebastião, e estão se revezando para da água e comida aos animais, porém não podem ficar com eles.

Eles pedem que quem puder adotar os filhotes de forma responsável quem entre em contato pelo número (18) 99680-3020.

divulgação - Os filhotes aparentam ser de porte pequeno
Os filhotes aparentam ser de porte pequeno


Voluntárias de Assis organizam bazar em prol aos animais de rua neste sábado

O bazar começa às 9 horas na rua Cruz e Souza, 145

Um grupo de voluntárias de Assis realiza neste sábado, 20 de julho, um bazar com a oferta de peças de roupas, calçados, acessórios e utensílios domésticos, em prol aos animais abandonados.

De acordo com a voluntária Elaine Souza Freira, o bazar terá início às 9 horas, na rua Cruz e Souza, 145 na vila Xavier, e as peças serão a partir de R$ 1.

"O valor arrecadado será utilizado no tratamento dos animais de rua que cuidamos, com a compra de medicamentos, pagamento de consultas veterinárias e compra de ração”, explica.

Elaine lembra que o grupo de voluntárias cuida de mais de 100 animais de rua, oferecendo diariamente alimentos a eles, e pedem que quem puder colaborar com doações de ração tanto para gato quanto para cães podem levar os alimentos até o bazar.

Aplicativo doará R$ 1 de cada compra para a ONG SOS Pets de Assis

A campanha ocorre entre os dias 15 e 21 de julho

O aplicativo Delivery Much de Assis está promovendo a campanha de Ração Solidária, em benefício à ONG SOS Pets.

Durante a ação, que ocorre entre os dias 15 e 21 de julho, a cada compra realizada através do aplicativo, será doado R$ 1 para a ONG, que investirá o valor na aquisição de ração para animais de rua.

A campanha é válida para pedidos feitos através do aplicativo e também no site.

divulgação - Cartaz da campanha que ocorre entre os dias 15 e 21 de julho
Cartaz da campanha que ocorre entre os dias 15 e 21 de julho


Tutores buscam por casal de Boxers em Assis

Cachorros fugiram na manhã desta sexta-feira, 28, na Vila Palhares

Na manhã desta sexta-feira, 28, um casal de cachorros da raça Boxer fugiu de uma casa na Rua Joaquim Galvão de França, em Assis.

Os tutores estão em busca dos animais, que desapareceram por volta das 9h, na Vila Palhares.

A fêmea atende pelo nome de Bambina e tem a pelagem branca, enquanto o macho atende pelo nome de Brack e tem uma mancha no olho esquerdo.

Os tutores dizem que ambos são muito dóceis e não sabem se estão juntos. Eles também pedem para que, caso alguém tenha visto ou resgatado os animais, que entre em contato pelos telefones (18) 99609-0912 (Ariana) e (18) 99743-3290 (Junior).


Bambina


Brack


Na evolução, cachorros passaram a levantar sobrancelhas para ter atenção dos humanos

Movimento dos músculos acima dos olhos não ocorre com a mesma intensidade em lobos. Ao erguer as sobrancelhas, cães atraem os cuidados dos donos

Seu cachorro faz, de vez em quando, uma carinha especialmente fofa, que desperta sua atenção? Esse comportamento pode ser proposital, justamente para atrair mais cuidados dos seres humanos. Pesquisadores dos Estados Unidos e do Reino Unido descobriram que, ao longo do processo evolutivo, esses animais desenvolveram novos músculos faciais. Com isso, conseguem elevar as sobrancelhas intencionalmente e imitar os olhos arredondados de filhotes.

Essa expressão desencadeia, instantaneamente, uma resposta nos humanos. "Quando cachorros fazem esse movimento, despertam um desejo mais forte de cuidarmos deles. Isso deu aos que conseguiam mexer a sobrancelha uma vantagem maior em relação aos demais. Essa característica foi transmitida para as gerações seguintes", explica um dos pesquisadores.

Os autores do estudo, liderados pela psicóloga Juliane Kaminski, da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, compararam lobos e cães. Os primeiros não conseguem movimentar a sobrancelha, porque não desenvolveram esses mesmos músculos acima dos olhos. Ao que parece, foi uma diferença decisiva entre as espécies - cachorros têm uma capacidade maior de interação social com humanos.



Ao erguer as sobrancelhas, cachorros ficam mais parecidos com filhotes e atraem a atenção dos humanos


Assisense pede ajuda para encontrar cavalo que fugiu

Animal desapareceu nas proximidades do Jardim Santa Amélia, em Assis

Os tutores de um cavalo estão em busca do paradeiro do animal, após ele fugir em Assis.

Segundo Lucas Almeida, ele deu o cavalo para seu irmão menor e a criança está muito triste, já que o animal fazia parte da família.

O animal estava em um pasto no Jardim Santa Amélia, nas proximidades do antigo colégio Diocesano. Ele atende pelo nome de Juvenal, tem a pelagem marrom escura e uma mancha branca entre a boca e a testa.

Caso alguém tenha informações do cavalo, pode entrar em contato com a família pelo telefone (18) 99690-3588.


Cavalo atende pelo nome de Juvenal e tem uma mancha branca que pode ajudar na identificação


Animais enxergam as cores de maneira diferente do ser humano

Para que um animal possa perceber as inúmeras cores, precisa ter pelo menos duas classes diferentes de células sensíveis à cor em seu olho

A retina das pessoas capta três tipos de cores: o azul, vermelho e verde, o que permite enxergar uma variedade enorme de cores. Existem dois tipos de células sensíveis à luz no olho: os cones e os bastonetes. Os humanos possuem até seis milhões de cones na retina. Enquanto os bastonetes respondem à intensidade luminosa (níveis baixos ou altos de luz), os cones leem as frequências da luz, permitindo que as cores sejam identificadas, informa Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News.

Assim, os bastonetes permitem ver de noite ou com pouca luz e os cones possibilitam perceber distintas cores. Tanto nos bastonetes como nos cones, existem moléculas de um tamanho relativamente grande que absorvem os fótons que chegam a elas e que são as que produzem finalmente impulsos elétricos no nervo óptico.

O cérebro dos animais interpreta a combinação das frequências de uma forma diferente. Para que um animal possa perceber as inúmeras cores, precisa ter pelo menos duas classes diferentes de células sensíveis à cor em seu olho, os cones, e uma capacidade cerebral que possa entender as mensagens que recebe destas células.

Os gatos reagem apenas às cores violeta, azul, verde e amarelo. Como resultado dessa condição, a visão deles é embaçada e eles não conseguem ver os detalhes de objetos. Apesar de não terem uma visão capaz de distinguir muitas cores, eles são capazes de detectar qualquer movimento. Isto também é reflexo do campo de visão dos gatos, que é de 200°. O do ser humano é de 180°. Tal característica permite que o animal tenha uma visão panorâmica mais ampla.

"O gato enxerga no escuro cerca de seis a oito vezes melhor do que os humanos, e isso se deve a presença de diversos bastonetes na visão, que é um componente da retina responsável pela recepção de luz no escuro", salienta Vininha F. Carvalho.

O cão pode ver em cor, mas não tantas cores como os humanos, já que possui só dois tipos distintos de cones. Ele consegue distinguir o azul do amarelo, do vermelho ou do verde, mas não diferencia o vermelho do verde. Os caninos veem na escuridão de quatro a cinco vezes melhor do que o ser humano.

A pomba possui até cinco tipos diferentes de cones, logo percebe mais cores do que um ser humano. A borboleta possui quatro tipos diferentes de cones. Um tipo de camarão tem pelo menos doze classes de células sensíveis à cor e provavelmente seja o animal que mais cores percebam.

Há casos de animais que não possuem cones e só disponha de bastonetes em seu olho. Eles não poderão perceber cor alguma, apenas mudanças de intensidade de luz. Seu mundo é um mundo de sombras, no qual as sombras menos escuras correspondem a mais luz e as menos escuras, a menos luz. Este é o caso, por exemplo, das salamandras.

Também não verá a cor um animal que, além de bastonetes, só possua um tipo de cone (são necessários dois, no mínimo, para distinguir cores). Assim, seu mundo não será em escala de cinzas como, no caso da salamandra, mas na escala da única cor que percebam seus cones. Isso é que acontece com o polvo.

Ainda há o caso de animais que possuem células sensíveis a frequências que ficam em faixa do espectro eletromagnético não visível para os olhos humanos. É o caso das abelhas, que veem a luz ultravioleta (UV), uma frequência que é invisível para os humanos. "As abelhas usam esta visão em UV para ver os padrões das pétalas florais, os quais lhe indicam onde se encontra o néctar", conclui Vininha F. Carvalho.


Gatos enxergam no escuro cerca de seis a oito vezes melhor do que os humanos


Cães e gatos também passam pela adolescência, explica especialista

Preguiça, desobediência e desejo de liberdade são algumas das características desse período

Acredite: animais também têm adolescência e passam por essa fase difícil com rebeldia. Preguiça, desobediência e desejo de liberdade são algumas das características desse período após a infância para as crianças, mas cães e gatos também apresentam os mesmos sintomas.

O médico veterinário Cleiton Rupolo, especialista da Nutrire – indústria de alimentos de alta performance para pets, explica o que ocorre nessa fase e de que forma os tutores devem agir para garantir bem-estar ao animal.

Cães

Tal e qual acontece com as crianças, os cães também saem da infância para aquela mais conhecida como "fase da rebeldia". Além das mudanças físicas, alterações comportamentais acontecem e saber como lidar nesse período é muito importante.

"A adolescência de um cão surge no começo dos seis meses de idade e vai até os 18 meses, no máximo. A produção maior de hormônios acarreta nas mudanças de interesses e podem complicar a relação dos pets com seus tutores”, explica. Mas, afeto e determinação vão auxiliar a passar etapa de forma tranquila e feliz com seu pet.

Nessa fase, o treinamento do cachorro requer mais paciência, consistência e persistência. "É bom que todos utilizem as mesmas palavras de comando e compreendam que tudo o que o animal aprender agora, vai levar para a fase adulta”, acrescenta. Quando o cão já é adestrado, pode acontecer dele não obedecer como antes, por isso, a paciência é o segredo da comunicação eficiente. "A fase da adolescência não é fácil para o animal e a rebeldia vai passar com o tempo”, diz.

Além disso, o cachorro pode ficar mais corajoso e instigado a novas descobertas. O ideal é não abrir mão da coleira na hora do passeio, por exemplo, principalmente porque eles desejarão explorar novos lugares e há perigos iminentes se o pet sair correndo pela rua. "O animal adolescente pode desejar a presença de outros companheiros, mas as brincadeiras não devem passar do limite. Muitas fêmeas, por exemplo, não aceitarão a companhia de outras fêmeas - o que pode gerar confrontos”, alerta Dr. Rupolo.

Os machos costumam se interessar pelas fêmeas nesse período e também tendenciam a marcar o território, o que também pode gerar brigas com outros machos. Todo cuidado é pouco. "Não se esqueça de deixar sempre claro quem é o líder, mas evite punições, gritos e xingamentos - isso só afasta seu cãozinho de você. Afeto é sempre a melhor forma lidar com a rebeldia do seu pet”, avalia.

Gatos

Aprender e brincar são os lemas de um gato adolescente. Além de mais carinhoso, o pet nessa fase da vida é cheio de energia e precisa se divertir bastante para gastar tudo isso. Ao mesmo tempo, os felinos também costumam dormir mais do que quando eram filhotes. "Portanto, não estranhe se o animal descansar por 15 ou 16 horas no dia”, diz o especialista.

Dr. Rupolo também alerta para os incômodos de móveis estragados. "Se você não deseja ter sofás e poltronas arranhadas, o ideal é investir em um arranhador, pois o gatinho adolescente é extremamente curioso e qualquer ambiente pode ter coisas interessantes e atrativas para afiar as unhas”, sugere.

Apesar das brincadeiras ainda serem a grande atração do gato adolescente, outra questão importante é a demarcação do território - feito tanto por machos como pelas fêmeas. "O xixi fora da caixa de areia é a forma mais comum do animal demonstrar que aquele ambiente é dele e de mais ninguém”, diz.

A castração é a forma mais segura de evitar esse comportamento - além de ser importantíssimo para a saúde do felino. Uma gata no cio pode incomodar os vizinhos e é muito desconfortável para o bichano. Por isso, é sempre indicado pedir orientação sobre o procedimento com um veterinário de confiança. "Tendo em vista que a superpopulação de animais domésticos é um caso de saúde pública, a castração auxilia a evitar o abandono de filhotes, impede as ninhadas não desejadas e prolifera a cultura da posse responsável”, diz.

"Independente de o seu companheiro ser filhote, adolescente, adulto ou idoso, seja paciente e afetuoso com ele. Há muitos mitos em torno dos gatos, um deles é de que não são tão apegados às pessoas”, completa o especialista. Porém, esses animais também sentem-se acolhidos, cuidados e seguros quando estão com seus tutores. Um gatinho adolescente só precisa de atenção e interação para que cresça saudável e se torne um adulto feliz.


Além das mudanças físicas, alterações comportamentais acontecem e saber como lidar nesse período é muito importante


Doença silenciosa: especialista alerta para a doença renal nos gatos

50% dos felinos com mais de 12 anos são acometidos por alguma doença renal

50% dos felinos com mais de 12 anos são acometidos por alguma doença renal e, infelizmente, os sintomas podem aparecer quando os rins já estão com mais de 75% das funções comprometidas. Quem alerta é o médico veterinário Thiago Marçal, especialista técnico da Nutrire.

"A doença renal crônica (DRC) é um mal silencioso e progressivo, que afeta os gatos mais velhos, mas pode aparecer em qualquer idade. As complicações variam de acordo com o estágio da doença e a prevenção ainda é o melhor remédio”, explica o veterinário. Como a DRC não tem cura, o que se faz com os tratamentos disponíveis é garantir qualidade de vida aos pacientes. "Todos os animais precisam ir ao médico ao menos duas vezes ao ano, os pets acima dos oito anos necessitam de acompanhamento médico a cada quatro meses”, conta.

São essas idas ao veterinário que garantem a descoberta precoce da doença”, diz Dr. Thiago. Segundo o especialista, é preciso estar atento às reações dos felinos, como o emagrecimento repentino e a perda de apetite. O aumento do consumo de água é um dos sintomas mais comuns em gatos com problemas renais. Consequentemente, é possível verificar também o aumento do volume da urina. "Se o animal apresenta letargia, depressão e se movimenta pouco também pode ser que esteja desenvolvendo a doença”, explica.

Os vômitos aparecem em estágios mais avançados e podem definir o tipo de tratamento, que vai desde medicamentos até internação com hemodiálise. "Se o animal faz exames de sangue e de imagem regularmente, muito dificilmente chegará de surpresa ao estágio avançado da DRC, visto que os níveis da creatinina, aliados a outros fatores, normalmente apresentam elevação. Além disso, as ecografias e ressonâncias mostram perfeitamente o estado de preservação dos rins e se os mesmos apresentam algum sinal de desgaste. O conjunto desses dois elementos é a segurança de que o pet está sendo monitorado constantemente", alerta.

Além das idas frequentes ao veterinário, Dr. Thiago indica que o tutor fique de olho no consumo de água e na alimentação do seu felino. "A ingestão da água é uma das formas de retardar a doença. Vasilhas ou fontes em diferentes locais da casa podem motivar o pet a beber mais ainda quando jovem - o que faz toda diferença na fase adulta e idosa do animal. A alimentação precisa ser balanceada, com fonte de proteína de alta qualidade e níveis controlados de fósforo, magnésio e sódio”, conta.


Vasilhas ou fontes em diferentes locais da casa podem motivar o pet a beber mais ainda quando jovem


Tutor procura por éguas que desapareceram entre Maracaí e Paraguaçu Paulista

As éguas estavam em um pasto arrendado

Duas éguas desapareceram de um pasto arrendado próximo ao Posto São Mateus, na estrada que liga Maracaí a Paraguaçu Paulista.

O proprietário dos animais acredita que elas foram roubadas, pois o local é cercado e não teria como os animais saírem de lá.

Ele pede que, se alguém souber do paradeiro das éguas, que entre em contato com Gustavo pelo número (18) 99652-8998.


As éguas estavam em um pasto arrendado e sumiram do local



Cavalo morre picado por cobra e mãe pede ajuda para conseguir outro animal para o filho, em Assis

Guilherme Henrique vendia latinhas para conseguir comprar a ração do seu cavalo

Lusiani Inácio, moradora do Jardim Santa Clara em Assis, pede a ajuda da comunidade para conseguir a doação de um cavalo para seu filho Guilherme Henrique, de 12 anos.

Ela conta que Guilherme ganhou um cavalo, batizado de Maverick, há cerca de dois anos, e sempre cuidou do animal da melhor forma possível.

"Ele vendia latinhas para conseguir juntar dinheiro para comprar ração, aveia e o que mais o cavalo pudesse precisar. Ele sempre cuidou dele com muito carinho, mas há cerca de 15 dias, o cavalo foi picado por uma cobra e morreu. O Guilherme ficou muito triste, fizemos até um velório para o cavalo, e agora ele me pede um outro cavalo, mas não tenho como comprar um cavalo pra ele. Por isto peço que quem puder, nos doe um cavalo”, conta.

Ela relata que, na internet, conhecidos da família estão fazendo uma campanha para comprar um novo cavalo para Guilherme.

Quem puder colaborar com Lusiani, pode entrar em contato através do telefone (18) 99706-8281.


Guilherme Henrique e seu cavalo Maverick


Mulher pede ajuda para castrar gatas em Cândido Mota

Márcia conseguiu castrar a mãe das gatinhas

A moradora de Cândido Mota, Márcia Durcelia Honorato, pede ajuda para castrar duas gatinhas, que atualmente tem três meses.

Ela conta que está desempregada e não tem condições de castrar as gatinhas, mas que durante quatro meses juntou dinheiro e conseguiu castrar a mãe das gatinhas.

"Eu não tenho condições de castrar as gatinhas, e não gostaria de doa-las pois cuido delas desde que nasceram, por isto peço ajuda da comunidade”, conta.

Quem puder ajuda-la, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99821-1019, ou pessoalmente na rua Mariana Alves Borges, 242, bairro Alvorada.


As gatinhas tem três meses


Dois filhotes de cachorro abandonados estão para adoção responsável em Paraguaçu

Os animais estão agora no Corpo de Bombeiros

Em pleno mês de Abril Laranja, quando se trabalha a prevenção de maus tratos contra animais, o Departamento de Agricultura, Meio Ambiente, Urbanismo e Habitação da Prefeitura registra quase que diariamente pedido de ajuda para o encaminhamento ou divulgação de filhotes abandonados de cachorro que precisam de adoção responsável.

Dessa vez, trata-se de dois filhotes de cachorro que foram recolhidos pelo Corpo de Bombeiros de Paraguaçu Paulista. Quem quiser adotar ou ajudar no encaminhamento para adoção responsável, o telefone do Corpo de Bombeiros, sem ser a linha de emergência, é o (18) 3361-6600.

Chamado de Abril Laranja, este mês é dedicado à prevenção de maus tratos contra animais, especialmente aqueles em situação de rua. No caso da posse responsável, o futuro dono deve observar se está preparado para ter um animal em casa e considerar alguns fatores como: o tempo de vida do animal; as despesas com alimentação e tratamentos de saúde; a adequação do espaço físico disponível para a criação; tem que ter tempo para passear e/ou interagir com o animal; tem que ter alguém para alimentá-lo durante eventuais ausências prolongadas do dono.


Filhotes de cachorro foram recolhidos pelo Corpo de Bombeiros de Paraguaçu Paulista


Ambos estão disponíveis para adoção responsável


Movimento Salva Patas de Cândido Mota promove Noite Festiva nesta sexta-feira, 5

Os voluntários querem arrecadar recursos para a castração de animais de rua

Nesta sexta-feira, 5, o Movimento Salva Patas de Cândido Mota promove uma Noite Festiva na cidade. O objetivo do evento é arrecadar recursos para a castração de animais e pagamentos de dívidas já existentes.

A voluntária Mallu Parra explica que o grupo não possui um abrigo, porém promove a castração de animais de rua e busca pessoas que queiram adotá-los de forma responsável.

"A castração é um método seguro realizado pelo veterinário de sua confiança e, além de evitar a superpopulação dos animais de rua, comum em nosso país, onde há mais de 30 milhões nas ruas, segundo dados da OMS, traz benefícios para os bichinhos. O procedimento também aumenta a longevidade, reduz a agressividade, reduz demarcação, reduz risco de câncer e reduz fugas”, conta.

A Noite Festiva será realizada no Salão do Clube da Terceira Idade de Cândido Mota, a partir das 19h30.

As cartelas serão vendidas no local e com antecedência podem ser adquiridas a R$ 10, em Assis na Anjo Ki Late e em Cândido Mota na Agromotta.


Noite Festiva será em prol da castração de animais de rua assistidos pelo Movimento Salva Patas


Movimento Salva Patas de Cândido Mota promove Noite Festiva no dia 5 de abril

Os voluntários querem arrecadar recursos para a castração de animais de rua

No dia 5 de abril, sexta-feira, o Movimento Salva Patas de Cândido Mota promove uma Noite Festiva, em Cândido Mota. O objetivo do evento é arrecadar recursos para a castração de animais e pagamentos de dívidas já existentes.

A voluntária Mallu Parra explica que o grupo não possui um abrigo, porém promove a castração de animais de rua e busca pessoas que queiram adotá-los de forma responsável.

"A castração é um método seguro realizado pelo veterinário de sua confiança e, além de evitar a superpopulação dos animais de rua, comum em nosso país, onde há mais de 30 milhões nas ruas, segundo dados da OMS, traz benefícios para os bichinhos. O procedimento também aumenta a longevidade, reduz a agressividade, reduz demarcação, reduz risco de câncer e reduz fugas”, conta.

A Noite Festiva será realizada no Salão do Clube da Terceira Idade de Cândido Mota, a partir das 19h30.

As cartelas serão vendidas no local e com antecedência podem ser adquiridas a R$ 10, em Assis na Anjo Ki Late e em Cândido Mota na Agromotta.

Voluntárias de Assis pedem ajuda para castrar cachorra abandonada

As doações podem ser feitas na clínica São Francisco, onde o animal está internado

Um grupo de voluntários que moram no Parque Colinas e na Avenida Perimetral, em Assis, realiza uma campanha para arrecadar fundos para a castração de uma cadelinha que vive na rua e é alimentada pelos moradores.

A cachorra passa a maior parte do tempo embaixo de uma figueira no final da avenida e, segundo os voluntários, é um pouco arisca e já teve diversas crias.

"Ela precisa ser cadastrada com urgência pois já tem certa idade e está internada na clínica São Francisco. Ela ficará lá até que esteja totalmente recuperada após a castração. Todo o tratamento custará R$ 300, devido aos medicamentos que serão usados depois da castração", contam.

Os voluntários pedem que, quem puder colaborar, leve sua doação até a Clínica São Francisco, na Avenida Perimetral, 115, informando que a doação é para a 'cadelinha da figueira'.


A cadelinha vive na rua e precisa ser castrada com urgência


Rata 'gordinha' é resgatada após ficar entalada em bueiro na Alemanha

Houve quem questionasse tal esforço para salvá-la, mas especialista em resgates do tipo diz que 'mesmo os animais mais odiados merecem respeito'

Na cidade alemã de Bensheim, no sudoeste do país, equipes de resgate receberam um telefonema incomum: uma rata gordinha precisava de ajuda depois de ficar presa em um bueiro de esgoto.

"Ela tinha engordado no inverno e ficado presa pelo quadril, não tinha como sair ou voltar", disse à imprensa local Michael Sehr, especialista em salvamento de animais que auxiliou na operação.

Um esforço razoável foi feito para livrar a rata, o que levou algumas pessoas a questionarem por que se dar a esse trabalho para tirar um rato de um bueiro. "Mesmo os animais que são odiados por muitos merecem respeito", disse Sehr.

Voluntários entraram em ação após uma chamada ser feita na tarde de domingo, informou o Corpo de Bombeiros da cidade. Sehr, que faz parte da equipe de resgate de animais, já estava lá, mas não conseguia libertar o roedor da tampa do bueiro.

Com a ajuda de bombeiros, a tampa do bueiro foi elevada enquanto Sehr tentava soltar o animal. A rata foi libertada diretamente no esgoto, mas não antes que algumas fotos fossem tiradas.

O caso foi divulgado na página da equipe de resgate de animais no Facebook, onde centenas de comentários parabenizaram o cuidado dado a um animal que é frequentemente alvo de extermínio.

Por sua vez, Sehr recebeu um desenho da rata cercada por corações feito pela menina que primeiro encontrou o animal em apuros.


A rata era pequena, mas não o suficiente para passar pela tampa de um bueiro


Foram necessários oito bombeiros e um especialista em resgate de animais para retirar a rata da tampa do bueiro


Como cuidar dos cães no verão e evitar a hipertermia

Em dias quentes, é preciso redobrar a atenção para proteger e manter a saúde dos pets

Assim como nós, os cães também sofrem com os efeitos do calor excessivo no verão. O principal risco para eles é a hipertermia, que ocorre quando a temperatura corpórea passa dos 40ºC. Os sintomas, que normalmente podem parecer corriqueiros, são identificados por uma respiração ofegante, vômitos, diarreias, salivação abundante, tonturas e, em casos extremos, confusão mental, desmaios e convulsões.

"Além do calor excessivo, esse contratempo está relacionado também a exposição solar em altas temperaturas, excesso de exercícios físicos e a obesidade, sendo que é normal no verão os cães terem um comportamento menos ativo durante o dia”, explica o veterinário Jorge Morais, fundador da Animal Place. Donos de raças como Pug, Buldogues e Shih Tzu, provavelmente já se depararam com essa situação, que segundo o especialista, pode levar o bicho a uma parada cardíaca se não tomadas as precauções necessárias.

Ainda segundo o Dr. Morais, a tosa como medida de prevenção ao calor pode ser um risco, visto que os pelos protegem o pet tanto do frio quanto do calor. Os cães regulam sua temperatura através da língua, diferente dos humanos que possuem glândulas sudoríparas, e, em determinadas situações, a falta deles podem superaquecer o animal, gerar queimaduras solares dolorosas e aumentar o risco do câncer de pele. Cães de pelo curto, como labradores, rottweilers e pit bull, e os de pelo médio, como goldens, corgis e pastores, não devem ser tosados, pois esse procedimento prejudica o mecanismo natural de compensação térmica deles.

Outra dica é evitar passear com o animal nas horas mais quentes do dia, optando por locais arejados para que ele possa descansar e oferecer petiscos gelados para refrescar. Andar com água e vasilhame é também fundamental durante as caminhadas. "Caso perceba algum dos sintomas de hipertermia no seu pet, coloque sobre ele uma toalha molhada para que a temperatura corpórea diminua e o leve imediatamente ao veterinário”, finaliza Dr. Morais.

Coisa de Bicho realiza bazar neste final de semana, dias 9 e 10

Peças serão vendidas com o preço único de R$1,00

O grupo de apoio ao animal de rua Coisa de Bicho realiza neste final de semana, dias 9 e 10 de fevereiro, mais um bazar em Assis.

O evento será realizado no sábado dia 9, das 9 às 17 horas e no domingo, dia 10, das 9 às 12 horas, e serão vendidas peças de roupas, sapatos, acessórios, artigos de cama, mesa e banho e brinquedos.

Todas as peças custarão R$1,00 e a renda será revertida para os trabalhos realizados voluntariamente pelo grupo, como compra de ração, medicamentos, castrações, vacinações e vermífugos.

O bazar acontece na rua Londrina, 17, no Jardim Paraná, nas dependências da escola Léo Pizzato.



A renda será destinada para a manutenção dos trabalhos prestados pelo grupo


Quais cuidados que devemos ter ao passear com os cães em dias mais quentes?

*Por René Rodrigues Júnior

Para aqueles que possuem um pet em casa, passear com o animalzinho acaba virando um hábito diário. Porém, com o calor que ultrapassa os 30 graus nos últimos tempos, alguns cuidados devem ser tomados, principalmente com os cães, no passeio na cidade, praia ou parque.

Um dos primeiros pontos que se deve ter cuidado é com a temperatura do piso, seja do asfalto, do concreto e até mesmo da areia da praia, já que os cães podem sofrer ferimentos graves nos coxins, ou seja, nas almofadinhas das patas. O ideal é sempre realizar o passeio em horários mais frescos como no início da manhã ou no fim da tarde. Além disso, a hidratação do animal não deve ser esquecida. Ofereça água constantemente ao cão durante o passeio.

Além de todos esses cuidados, é preciso ficar atento também o quanto seu parceiro consegue passear. Pode ser que ele não esteja adaptado para passear a quantidade de tempo que queremos. Um detalhe importante é checar a coloração da língua do animal. O ideal é que ela esteja sempre com um tom rosado - se estiver muito escura ou arroxeada, é sinal de que ele fez muito esforço, para evitar isso mantenha seu cãozinho sempre com a respiração tranquila, evitando que ele fique ofegante e com excesso de salivação.

E para aqueles donos que gostam de praticar exercícios físicos como corrida ao ar livre, junto com o cão, é muito importante fazer uma adaptação e um aquecimento de início, correndo primeiro alguns minutos no dia e nunca de uma vez só.

Para se ter um passeio efetivo, a duração pode variar de acordo com o tamanho do cão. Para os de pequeno porte, o ideal é realizar a caminhada até uma hora por dia. Já para os maiores, o tempo pode se estender um pouco mais, principalmente para aqueles animais que possuem muita energia e são mais elétricos.

Não podemos esquecer que é preciso ficar de olho em cães braquicefálicos, ou seja, aqueles de focinho achatado como o Bulldog Francês ou Boxer. Essas raças contam com uma capacidade respiratória menor, por isso, o cuidado com a prática de exercícios físicos deve ser redobrado.

Levando-se em consideração todos esses cuidados, você poderá aproveitar muito mais a companhia do seu cão!


É preciso ficar atento também o quanto seu parceiro consegue passear


Saiba como proteger seu animal de estimação no momento da queima de fogos de artifício

*Por René Rodrigues Júnior

Para os seres humanos, fogos de artifício representam alegria, festa e celebração. Porém, para alguns animais de estimação, a situação é bem diferente. Tanto que, para esse fim de ano, a Prefeitura de São Paulo aprovou uma lei que proíbe o uso de fogos de estampidos. Será a primeira vez que a comemoração de Réveillon na avenida Paulista terá fogos silenciosos. O motivo? O barulho que é produzido no momento do estouro e a maneira repentina que acontece pode causar medo em alguns animais e muitas vezes até sintomas de pânico.

Como identificar se seu cão ou gato está com medo? Um dos indícios é o ato de tentar se esconder, andar ou correr pela casa em busca de um local seguro ou com menos barulho, ficam ofegantes (respiração acelerada) e em alguns casos com taquicardia (coração acelerado). Animais com predisposição ou com algum problema no coração podem apresentar até crises de inconsciência. Para aqueles que já estão com uma idade avançada ou que possuem algum tipo de doença, principalmente cardíaca, o efeito pode ser fatal. A descarga de substâncias no organismo causadas pelo medo em excesso pode fazer com que tenham uma parada cardíaca ou desencadeie um ataque de epilepsia.

Para amenizar o sofrimento desses animais no período da queima de fogos, o ideal é seguir algumas dicas como:

· Oferecer um estímulo positivo – no caso de filhotes, fazer brincadeiras como jogar uma bolinha ou oferecer um petisco, ajuda a acalmar. O importante é tentar disfarçar o barulho e o medo dele com algo positivo para que se distraia enquanto acontece a queima, até que não ligue mais para os fogos.

· Manter-se junto ao animal - se já houver um histórico de medo ou pânico causado pelos fogos de artifícios, o ideal é sempre manter o animal próximo ao tutor, assim ele se sentirá mais protegido e seguro.

· Evitar locais perigosos - algumas residências possuem portas de vidro e muitos animais, no momento do medo, acabam atravessando o vidro e se machucam com a quebra, o que pode levar a óbito por lesões mais graves. Outro local a ser evitado são as sacadas de apartamentos ou sobrados, já que eles podem pular.

·Uso de medicamentos – o uso de medicamentos tranquilizantes pode ser usado, mas somente quando for necessário e sempre sob a supervisão e prescrição do médico veterinário.


Um dos indícios de medo é o ato de tentar se esconder, andar ou correr pela casa em busca de um local seguro ou com menos barulho


* René Rodrigues Júnior é médico veterinário da Magnus, fabricante de alimentos para cães e gatos.

Cachorra é resgatada após atropelamento e busca por seus tutores em Assis

Ela foi encontrada na Avenida Otto Ribeiro nesta terça-feira, 11

Uma cachorrinha foi resgatada nesta terça-feira, 11, após ser atropelada na Avenida Otto Ribeiro, em Assis.

Segundo Michele Amaro, ela viu a cachorra já machucada e fez de tudo para conseguir pagar seu tratamento.

"Eu saí com a minha família para comer pastel e vi ela se arrastando na avenida, que é super movimentada e onde os carros andam em alta velocidade. Coloquei ela na calçada e fui perguntando se alguém sabia de quem era, até que o pessoal foi me dizendo que ela já tinha sido atropelada há uma semana, mas ninguém fez nada para atendê-la. Eu não conseguiria ir embora e deixar ela lá, então liguei para três amigas e fizemos uma mobilização para conseguir pagar seu tratamento”, afirma.

A cachorra estava bastante assustada e com dor, mas com carinho conseguiu ser acalmada e levada até a clínica veterinária.

"Foi difícil fazer o resgate, porque ela estava muito assustada. Mas ela percebeu que seria cuidada e por isso deu tudo certo. Levamos ela até uma clínica e pagaremos pelo atendimento mesmo sem condições, mas porque temos respeito pela vida. Percebemos que ela estava com uma coleira que parece ser uma alça de bolsa e esperamos que isso ajude a chegarmos até os tutores dela”, salienta.

Caso alguém reconheça a cachorrinha, que é de pequeno porte e tem a pelagem marrom clara, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99744-5610.


Cachorra foi resgatada na Avenida Otto Ribeiro, em Assis


Ela está se recuperando após atendimento veterinário


Coleira é uma alça de bolsa e pode ajudar a identificação dos tutores


Cães abandonados pedem presentes de Natal em campanha realizada por voluntários de Assis

Padrinhos poderão doar ração, vacinas, cobertores e outros itens

O clima natalino mexe com os corações das pessoas, estimulando a solidariedade e as boas ações. Para tornar o final de ano ainda mais especial, os voluntários da SOS Pets de Assis iniciaram uma campanha de Natal para arrecadar doações aos animais abandonados assistidos pela entidade.

"Por um Natal melhor” é o tema da campanha que mostra, em imagens, o que os cachorrinhos mais precisam neste momento. As fotos de cada um dos animais mostra uma plaquinha com seus nomes e o que eles pedem para o Papai Noel.

As publicações também contam como os pets foram resgatados e um pouco do histórico de cada um. A Mila, por exemplo, foi abandonada com outros filhotes em um milharal de Cândido Mota. Os demais foram adotados, mas ela não conseguiu uma família até o momento e seria muito importante que, além de uma adoção responsável, ela também pudesse ganhar vacinas e castração.

Já a Vitória foi atropelada e não recebeu socorro após o acidente. Por conta disso, a cachorrinha ficou com uma limitação da cintura para baixo e chegou a ser adotada, mas foi devolvida. Na campanha de Natal, ela pede um lar com muito amor, além de ração, vacina e fraldas.

Se você deseja ajudar estes ou outros animais abandonados, confira todos os pedidos na página da SOS Pets de Assis.

Veja abaixo alguns dos pedidos e participe:



Como escolher o alimento ideal para o seu cachorro?

*Por René Rodrigues Júnior

Animais de estimação são vistos como amigos e, até mesmo, membros de uma família. O cão, por exemplo, é considerado o melhor amigo do homem. São inteligentes, trazem alegria para o lar, lidam bem com as crianças, além de serem companheiros fiéis. Porém, para cuidar de um cão é preciso muita responsabilidade, já que exige cuidados. Assim como os seres humanos, eles sentem frio, ficam doentes, precisam de banho, de passeio e, principalmente, de uma alimentação muito bem balanceada.

Aliás, você sabia que a alimentação pode interferir no desenvolvimento do seu animalzinho? Diante disso, a primeira pergunta que vem à cabeça é: como escolher o melhor alimento? Essa é uma questão muito importante, principalmente para donos de primeira viagem que nunca tiveram um cachorro. O primeiro ponto é procurar sempre por uma marca idônea. O segundo é escolher o produto ideal para a fase de vida em que o animal se encontra.

Normalmente, os alimentos para cães são divididos em duas categorias: filhotes e adultos. A principal diferença deles é que os filhotes estão em fase de crescimento e precisam de mais nutrientes, energia e proteínas para se desenvolverem de maneira adequada. Já o adulto precisa se manter no peso ideal. Para isso, é necessário um alimento com nutrientes apropriados à raça, porte, nível de atividade física entre outros fatores.

E você sabe do que é feito o alimento do cão? Dependendo do segmento, existem alguns ingredientes diferentes, mas a base feita é sempre composta por proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais. O alimento é completo e balanceado, ou seja, contém todos os nutrientes que o animal precisa e em quantidade adequada. É importante reforçar que não se deve suplementar ou misturar restos de comida, como arroz, fubá, carne etc., pois existe o risco de desbalancear a quantidade de nutrientes que o cão precisa.

No mercado, existem inúmeros tipos de alimento, entre eles, os Premium e os Super Premium. E qual a diferença entre os dois? Alimentos Premium são aqueles de excelente qualidade, com todos os nutrientes necessários e que possuem ingredientes funcionais, que melhora a saúde intestinal do animal e a absorção de nutrientes. Já a categoria Super Premium conta com uma densidade energética maior, na qual os nutrientes estão concentrados para dar mais energia e proteína. Além disso, o volume de alimento dado ao cão deve ser menor, ou seja, quanto menor o volume de alimento, menos fezes.

Outro ponto importante que devemos alertar é que não se deve dar um alimento Super Premium como Premium, pois existe uma diferença na quantidade servida ao cão e isso pode gerar um déficit ou um excesso na alimentação. Portanto, oferecer a quantidade e o alimento correto ao animal é de extrema importância para a manutenção da sua saúde.

Além de todas as questões já abordadas, é necessário falar também sobre o armazenamento, pois o alimento deve ser guardado em um lugar fresco e em um recipiente com tampa fechado, para evitar a entrada de umidade, insetos e criação de bolor. Não se deve colocar na lavanderia ou deixar o saco aberto diretamente no chão.

Na dúvida, consulte sempre um médico veterinário. Ele poderá indicar a quantidade e o melhor tipo de alimento que se adeque ao seu amigo, já que cada porte de cão possui um metabolismo diferente.


* René Rodrigues Junior é médico veterinário da Magnus, fabricante de alimentos para cães e gatos.



Alimentação pode interferir no desenvolvimento do seu animalzinho