23 de Maio de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

Exercício físico e depressão: precisamos conversar

COLUNISTA - Cláudia Bueno

Eu tenho certeza que você já ouviu aquela música do Lulu Santos: "não há tempo que volte amor, vamos viver tudo que há pra viver, vamos nos permitir"... pois bem, ele estava certíssimo.

Mal sabia ele tudo o que ainda tínhamos pra viver, tantos medos e tantas inseguranças. Esses sentimentos nos rodearam nos últimos meses e anos, e em meio a tudo isso, tivemos alguns agravantes de solidão, perda de entes queridos, perda de emprego e muita incertezas.

Algumas pessoas lidam melhor com tais situações, enquanto outras vêem tudo isso com muita dificuldade, pode ser que essa pessoa seja você, alguém da sua família ou ainda alguém que você nem imagina, mas estes últimos tempos trouxeram à tona muitas doenças mentais, e dentre elas, a depressão. Ela é caracterizada por tristeza, baixa auto-estima, pessimismo, pensamentos negativos recorrentes, desesperança e desespero. Há muitos sintomas relacionados à doença, como fadiga, irritabilidade, retraimento e ideação suicida. Por fim, ela está associada a uma alta incapacidade e perda social, ou seja, engloba todas as áreas da nossa vida.

Divulgação - Cláudia Bueno, educadora física - Foto: Divulgação
Cláudia Bueno, educadora física - Foto: Divulgação


Não quero escrever aqui coisas para lhe desanimar, por isso vou compartilhar com você apenas coisas boas e esta é uma delas. Se você está passando por este mal ou conhece alguém que esteja passando, estas informações poderão lhe ser muito úteis, seja você, seja para dividir com alguém.

Muitos estudos apontam a possibilidade de pessoas fisicamente ativas, em qualquer idade, apresentarem uma melhor saúde mental do que sedentários, e está diretamente relacionada à endorfina, o hormônio relacionado ao nosso bem estar.

Durante a prática de exercício físico este hormônio é liberado em nossa corrente sanguínea e nos dá essa sensação de prazer e bem estar, assim como quando comemos um chocolate, mas, com uma vantagem, você pode usar e abusar do exercício físico, já do chocolate, não.

A prática regular de exercícios físicos como medida de prevenção e no tratamento de algumas doenças mentais, é uma importante abordagem não farmacológica, sendo que é um diagnóstico que apenas um profissional capacitado pode dar. Procurar ajuda é sempre o melhor caminho para qualquer problema.

E aí, topa começar a se movimentar? Do que você precisa para levantar e começar a mudar o rumo da sua história, da sua saúde e da sua disposição? Eu estou aqui todos os domingos para lhe ajudar. Coragem pessoal: amanhã é segunda-feira!!!!
Divulgação
Cláudia Bueno
Cláudia Bueno, Educadora Física - CREF/PR: 017404
+ VEJA TAMBEM