30 de Novembro de 2021
20º/30º
Notícias - Local

Petrobras reajusta preço da gasolina em 7% e do diesel em 9%

De acordo com a estatal, o preço médio de venda da gasolina para as distribuidoras passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,21 por litro

A Petrobras anunciou nesta tarde nova alta no preço dos combustíveis. A alta vale a partir desta terça-feira (26). O litro da gasolina terá reajuste de 7% e para o litro do diesel a alta será de 9,1% no litro.

De acordo com a estatal, o preço médio de venda da gasolina para as distribuidoras passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,21 por litro.

O comunicado diz que a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro e 73% de gasolina para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço da gasolina na bomba passará a ser de R$ 2,33 por litro em média. Uma variação de R$ 0,15 por litro.

Para o diesel A, o preço médio de venda da Petrobras, para as distribuidoras, passará de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,28 por litro. Considerando a mistura obrigatória de 12% de biodiesel e 88% de diesel A para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da Petrobras no preço do diesel na bomba passará a ser de R$ 2,94 por litro em média. Uma variação de R$ 0,24.

"Esses ajustes são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras. O alinhamento de preços ao mercado internacional se mostra especialmente relevante no momento que vivenciamos, com a demanda atípica recebida pela Petrobras para o mês de novembro de 2021", justifica a Petrobras.

Os ajustes, diz a empresa, refletem também parte da elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo impactados pela oferta limitada frente ao crescimento da demanda mundial, e da taxa de câmbio.
Redação AssisCity
+ VEJA TAMBEM