11 de Agosto de 2020
20º/30º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Polícia recupera mais de R$ 1,5 milhão levados por quadrilha que atacou agências em Botucatu

Bandidos explodiram uma das agências, incendiaram carros, trocaram tiros com a PM e fizeram moradores reféns durante a ação. Dois policiais ficaram feridos e um suspeito morreu.

A polícia recuperou cerca de R$1,6 milhão que foram levados da agência do Banco do Brasil durante o ataque de uma quadrilha em Botucatu (SP). O crime aconteceu entre a noite de quarta-feira (29) e madrugada de quinta-feira (30) e causou pânico na cidade.

Segundo o delegado seccional de Botucatu Lourenço Talamonte Neto, o alvo dos criminosos era a agência do Banco do Brasil, que foi explodida pela quadrilha, mas outras duas agências ficaram danificadas por causa dos tiros e estilhaços da explosão. Os bancos ficam na Rua Amando de Barros no centro da cidade.

"Nós conseguimos recuperar R$ 1,6 milhão que estavam em malotes que foram devolvidos aos bancos. A resposta da polícia foi imediata, o que não aconteceu das outras vezes, e com isso eles tiveram prejuízo. Perderam carros blindados e armas”, desta o delegado.

Em entrevista à Globonews, o secretário-executivo da PM, coronel Álvaro Camilo, também destacou a ação rápida da polícia, no entanto, lamentou que não foi possível evitar os estragos e o tiroteio que assustou moradores. Ele ressaltou que os criminosos têm informações privilegiadas que dificultam a ação da polícia.

"Eles tiveram informações privilegiadas como aconteceu em Ourinhos e aconteceu no aeroporto de SP. Informações que não chegaram ao setor de inteligência da polícia. Nós estamos trabalhando duro para evitar que esse tipo de crime aconteça. Mas, se acontecer, que a ação da polícia seja imediata, como aconteceu em Botucatu. Mais de 200 policiais foram deslocados para lá a partir dos acontecimentos e atuaram em vários pontos da cidade.”

Dois policiais ficaram feridos durante o confronto na madrugada.

Os dois PMs receberam atendimento no Hospital das Clínicas e já receberam alta. Além dos dois policiais feridos, um suspeito morreu em uma nova troca tiros que aconteceu na manhã de quinta-feira.

Durante a fuga, os criminosos atearam fogo em veículos, cinco deles nas rodovias Marechal Rondon e João Hipólito Martins (Castelinho) e um em frente ao batalhão da PM.

Fizeram moradores reféns e roubaram uma joalheria. A dona da loja acompanhou a ação dos criminosos ao vivo pelo celular. A troca de tiros intensa foi ouvida de vários pontos da cidade e balas atingiram imóveis em uma das ruas usadas como rota de fuga do bando.

Na tarde desta sexta-feira (31), a polícia localizou uma moto que foi utilizada na fuga por um dos criminosos. A motocicleta tem placa de Botucatu e foi roubada na noite dos ataques, segundo boletim de ocorrência registrado pela vítima.

Foto: Polícia Civil/Divulgação - Polícia localiza moto usada por criminosos na fuga após ataque a bancos em Botucatu — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Polícia localiza moto usada por criminosos na fuga após ataque a bancos em Botucatu — Foto: Polícia Civil/Divulgação


No BO, o dono da moto relata que voltava da casa de um amigo pela rodovia Marechal Rondon, quando foi abordado por um grupo de cinco homens encapuzados e fortemente armados, três deles com armas longas (fuzil).

Um dos criminosos assumiu a moto, pegou também o capacete e seguiu pela rodovia. Os demais criminosos, segundo o dono da moto, renderam um caminhoneiro e fugiram com o veículo.

A moto foi localizada porque o celular da vítima ficou acoplado num suporte na moto e foi rastreado pelo polícia, que a encontrou perto da Rodovia João Hipólito Martins, a Castelinho.

Crime organizado

Segundo o delegado seccional, é prematuro afirmar que o crime está relacionado com facções criminosas, mas essa ligação será investigada, assim como a possibilidade do bando ter cometido outros crimes semelhantes na região, como o ocorrido em Ourinhos em maio

Foto: Reprodução - Bandidos atacam agências bancárias em Botucatu — Foto: Reprodução
Bandidos atacam agências bancárias em Botucatu — Foto: Reprodução


"Muito prematuro para falar [sobre ligação com facções criminosas>. A gente coletou muita coisa nos locais dos confrontos, material para DNA, sangue que tinha nos veículos. Tudo vai ser analisado. Logicamente que a gente faz uma comparação com outros crimes que ocorreram no interior de São Paulo para saber se há vínculos com outros crimes que tiveram aqui”, destaca.

A polícia investiga também a atuação da quadrilha em outros tipos de crime, como tráfico de drogas, mas o delegado acha difícil que a ação tenha sido uma retaliação a recentes apreensões realizadas na região, como a fiscalização em Itatinga que apreendeu mais de meia tonelada de cocaína no dia anterior ao ataque.

"A gente acredita que a quadrilha atue em várias modalidades criminosas, inclusive tráfico de drogas, mas não é retaliação aos fatos recentes porque não foi da noite do dia. Eles estão se preparando há meses”, destaca.

Foto: TV TEM/ Reprodução - Criminosos deixaram explosivos para trás durante a ação em Botucatu — Foto: TV TEM/ Reprodução
Criminosos deixaram explosivos para trás durante a ação em Botucatu — Foto: TV TEM/ Reprodução


O secretário-executivo da PM também reforçou que trata-se de uma ação do crime organizado e que a PM tem atuado no estado de São Paulo para melhorar a comunicação entre os setores e inclusive com o setor financeiro, os bancos, para coibir a atuação desses criminosos.

Ataque

Os criminosos trocaram tiros com a polícia e incendiaram veículos, um deles em frente ao batalhão da PM, para atrapalhar a ação dos policiais. Outros cinco veículos foram incendiados em rodovias nos acessos a cidade.

Pela manhã, em um novo tiroteio entre policiais e criminosos na Rodovia Marechal Rondon, um suspeito ficou ferido após ser baleado enquanto tentava fugir. Ele foi socorrido, mas chegou morto ao hospital.

Policiais do GOE (Grupo de Operações Especiais) e da Rota foram acionados e auxiliaram nas buscas. Na Rua Rangel Pestana, que foi usada na rota de fuga, os criminosos trocaram tiros com a polícia e abandonaram um veículo que foi totalmente alvejado. Os tiros também atingiram imóveis no local.

Equipes da Polícia Militar fizeram patrulhamento pelas vias que dão acesso ao município. Até o momento, foram apreendidos sete fuzis calibre 762 e um .50 e uma metralhadora 9 mm, sete veículos, dois coletes balísticos, um malote de dinheiro e um rádio comunicador. Ainda foram recolhidos 17 artefatos explosivos improvisados, dois cartuchos de emulsão e três granadas.

O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) foi acionado e um inquérito foi aberto para investigar a ação da quadrilha e tentar identificar os criminosos. A polícia não descarta a participação do grupo em outros crimes semelhantes ocorridos neste ano na região.

Terror na cidade

Em uma ação coordenada, bandidos atacaram simultaneamente pelo menos três agências bancárias na região central. Os criminosos usaram explosivos para destruir uma das agências.

Nas outras foram encontrados explosivos não detonados. Equipes do Gate foram até cidade para recolher as dinamites, que foram detonados em uma área afastada.

Foto: Polícia Militar / Divulgação - Material apreendido pela polícia sera encaminhado para perícia — Foto: Polícia Militar / Divulgação
Material apreendido pela polícia sera encaminhado para perícia — Foto: Polícia Militar / Divulgação


Em nota, o Itaú Unibanco informou que nenhum cliente ou funcionário ficou ferido durante a ação disse também que a unidade da Rua Amando de Barros está fechada temporariamente para reparos e os clientes que necessitarem de atendimento presencial poderão se redirecionar à agência no bairro Cidade Alta ou utilizar os canais digitais.

Já o Banco do Brasil, que teve a agência explodida pelos criminosos, informou que o ataque causou danos estruturais em parte da unidade pelo uso de explosivos. O local passou por perícia nesta manhã e após a liberação da unidade, equipes de engenharia e manutenção do BB serão deslocadas para o local, quando iniciarão avaliação dos danos e procedimentos de limpeza.

A nota destaca ainda que não há um prazo para normalização do atendimento. Ressalta ainda que Banco do Brasil não informa valores subtraídos durante ataques as suas unidades e que colabora com as investigações.

O Bradesco disse que a agência atacada está fechada e que ainda está apurando o ocorrido.

G1
+ VEJA TAMBÉM