07 de Março de 2021
20º/30º
Notícias - Região

Trapalhão Dedé pede ajuda a circo que não consegue sair de cidade por falta de combustível

Sem poder fazer apresentações em Bauru (SP), por causa da classificação da cidade na fase vermelha, circo não tem combustível para ir embora e abriu vaquinha para arrecadar R$ 8 mil. Prefeitura ajudou com cestas básicas.

Com os espetáculos suspensos por causa da fase vermelha, um circo que chegou a Bauru (SP) em janeiro deste ano encontra dificuldades para deixar a cidade. Os artistas estão em busca de doações para comprar combustível e até fizeram campanha online.

O trapalhão Dedé Santana, considerado o embaixador do circo no Brasil, enviou um vídeo aos colegas artistas pedindo para que a prefeitura ajudasse o circo que está em Bauru neste momento de dificuldade financeira.

"Eu não preciso falar das dificuldades que os circos estão passando, aliás a classe artística foi duramente atingida, mas o circo trabalha hoje para comer amanhã. E eu 'tô' aí com meu amigo Tititi com grande dificuldade e queria pedir à senhora [prefeita Suéllen Rosim> encarecidamente que desse uma mão para ele aí", pede Dedé na gravação.

Com a repercussão do vídeo, de acordo com a assessoria de imprensa do município, a prefeita fez a doação de 13 cestas básicas para as famílias do circo.

Divulgação - Circo não pode se apresentar em Bauru (SP) por conta da fase vermelha ? Foto: Circo Moscou/ Divulgação
Circo não pode se apresentar em Bauru (SP) por conta da fase vermelha ? Foto: Circo Moscou/ Divulgação


A turnê do espetáculo chegou em Bauru no mês de janeiro deste ano, quando a cidade estava na fase laranja do Plano São Paulo. No entanto, em 22 de janeiro, o município foi rebaixado para a fase mais restritiva da quarentena, a vermelha, e todos os serviços não essenciais tiveram que ser proibidos.

Por causa disso, após fazer apenas os espetáculos de estréia por três dias, as atividades do circo precisaram ser interrompidas.

A continuidade da turnê dependia do dinheiro da bilheteria das apresentações que estavam planejadas, mas não aconteceram. E, por isso, o circo ficou sem recursos para comprar o combustível necessário e se locomover até outras cidades onde podem continuar o seu trabalho.

Divulgação - Ex-Trapalhões Dedé Santana pede ajuda para circo poder deixar Bauru ? Foto: Arquivo pessoal
Ex-Trapalhões Dedé Santana pede ajuda para circo poder deixar Bauru ? Foto: Arquivo pessoal


Sem perspectiva de quando as atividades não essenciais retornam em Bauru e sem dinheiro, as 13 famílias que compõem a equipe de 47 pessoas do circo ficaram presas na cidade.

Doações

Uma solução surgiu quando, junto com um morador do município, o responsável pelas relações públicas do circo criou uma vaquinha online para arrecadar os R$ 8 mil necessários para a partida do grupo.

O objetivo da equipe é comprar combustível e ir para Araras (SP), município que está na fase laranja, onde o circo já tem agenda para espetáculos.

"Se conseguirmos a ajuda que estamos esperando e não liberar para trabalhar, vamos embora semana que vem", conta Sandro Lima, responsável pelas relações públicas.

A ação gerou comoção e, além da vaquinha, muitas pessoas estão entrando em contato com Sandro por telefone para ajudar.

"O pessoal da cidade se prontificou a ajudar com essa vaquinha e as pessoas estão ajudando de todas as formas. Alguns pedem o Pix e já fazem a doação", relata o relações públicas.

De acordo com Sandro, o circo já conseguiu alcançar o valor de R$ 4 mil com todas as doações e conseguir o valor total pedido na vaquinha vai ajudá-los a sair da cidade e continuar a fazer o seu trabalho.

"O circo é tudo pra gente, de onde a gente sobrevive, brinca, trabalha, a gente vive do circo e, na realidade, só queríamos trabalhar", fala.
O circo já está na sua terceira geração e faz apresentações em toda a América Latina. A vaquinha está disponível na internet.
G1
+ VEJA TAMBEM