05 de Agosto de 2021
20º/30º
Notícias - Saúde

Ácido hialurônico: Um grande aliado para tratar as dores no quadril

É importante destacar que o AH atua como um lubrificante

As dores no quadril podem provocar incômodos que necessitam uma atenção imediata. Ortopedista Dr. David Gusmão mostra que a aplicação do ácido hialurônico pode ser um grande aliado para aliviar estes transtornos.

Independentemente da idade, algumas pessoas sentem dores ou um desconforto grande no quadril. Para agravar a situação, há casos que requerem a necessidade de uma cirurgia ou a colocação de uma prótese na região, daí esses indivíduos tentam tratamentos diversos para evitar essa situação.

Mas há casos em que a pessoa não teve grande melhora com o uso de suplementos, reforço muscular ou mudanças de atividade de vida. Além de tudo isso, elas não desejam ficar usando medicações analgésicas ou anti-inflamatórias. Isso se enquadra até mesmo para quem já teve alguma melhora com essas terapias, mas deseja melhorar mais os seus sintomas. O que fazer então?

Segundo o médico ortopedista especialista em quadril, Dr. David Gusmão, a solução se chama Ácido Hialurônico (AH). "A maioria dos estudos recomenda o uso dele quando outras medidas farmacológicas e de estilo de vida não funcionam".

Para quem não conhece, o Dr. Gusmão conta que "o ácido hialurônico é um mucopolissacarídeo produzido pelos nossos condrócitos e sinoviócitos. Ou seja, a nossa própria cartilagem produz essa substância, junto com a nossa membrana sinovial, que é a 'capinha' que recobre nossa articulação. Então, podemos dizer que nossas articulações são 'auto-lubrificantes'. Além disso, é uma molécula extremamente amigável a água e que lubrifica e umidifica diversos tecidos no nosso corpo".

Por isso, é importante destacar que o AH atua como um lubrificante, hidratante e como um amortecedor dos impactos e do movimento. "Uma curiosidade é que as maiores concentrações dele no nosso corpo são nos olhos e articulações", acrescenta o médico.

Porém, "Infelizmente a nossa capacidade produtiva de ácido hialurônico nas articulações diminui com a artrose. Como este é um processo degenerativo que atinge não apenas a cartilagem, mas toda a articulação, faz sentido a própria produção do seu lubrificante ficar comprometida. O paciente que tem artrose entra em um círculo vicioso, porque quanto mais artrose ele tem menos capacidade de produção do lubrificante também. Logo tem mais atrito articular e acaba tendo mais desgaste por isso".

Por outro lado, quando o AH é implantado no corpo, a pessoa pode ter uma boa melhora nessas condições. "É interessante observar que quanto mais colocamos o ácido na articulação, o corpo terá mais capacidade de estimular a produção dele".

Assim, "ele promove a cicatrização de tecidos mantendo-os saudáveis e regula o crescimento e a viabilidade dos condrócitos, que são as células da cartilagem. Ele faz esses efeitos biológicos pela sua ligação ao receptor celular. E tem mais: ele suprime a produção e atividade de enzimas que degradam a matriz extracelular, inibe as citocinas que não fazem bem e bloqueiam o movimento de células inflamatórias. Tudo isso ajuda na diminuição da dor e da inflamação intra-articular", completa.

Mas atenção: Dr. Gusmão é não perder tempo quando as dores começarem: "A terapia do ácido hialurônico funciona melhor em casos mais precoces. Então, se a pessoa fica esperando tempo demais, pode ocorrer que o desgaste vai aumentando e fica tarde demais para que essa terapia funcione", completa o ortopedista.
Divulgação
+ VEJA TAMBEM