07 de Março de 2021
20º/30º
Notícias - Saúde

"Covid-19 não é brincadeira, nem mesmo para as crianças", alerta pediatra

Após as festas de final de ano, se observou um aumento do número de casos nos pequenos

Se passou mais de um ano desde o primeiro caso de Covid-19 registrado no mundo e apesar da evolução da ciência e surgimento de vacinas em tempo recorde, os especialistas ainda não têm todas as respostas possíveis sobre o vírus que parou o mundo. Uma dessas informações que segue sem uma resposta completa, é quanto ao risco que as crianças correm de terem um agravamento da doença.

Segundo o pediatra Dr. Marcos Bastos, é possível, que crianças possam ser internadas em decorrência do agravamento da doença e foi esse o cenário que ele observou após as festas de final de ano, tanto em serviço clínico, pronto-socorro e pediátrico.

"Na verdade, as crianças evoluem de forma assintomática em 50% dos casos, então, o número de notificações da Covid em crianças é subestimado abaixo do que ele realmente é, pois a criança desenvolve um quadro mais leve, um resfriado comum, uma gripe leve ou é assintomática, como falei, em 50% dos casos.", completou o médico.



Na maioria das vezes, segundo o pediatra, muitos casos tem sua transmissão dentro de casa, ou seja, dos pais para a criança e é importante que os responsáveis se atentem aos sintomas de seus filhos. Além da febre, dor de cabeça, tosse e coriza, muitos desenvolvem problemas gastrointestinais (diarreia e vômito).

"Nas crianças, num maior volume em comparação aos adultos, temos os quadros gastrointestinais. Diarreia e vômito, na estatística nacional, 57% de crianças confirmadas com a Covid-19 estarão nesse quadro clínico.", afirmou o médico.

Apesar de difícil, existem casos de agravamento da doença nas crianças e é importante que os pais não abram a mão dos cuidados, ainda mais em um cenário onde o início da vacinação deixe as pessoas mais tranquilas em relação ao vírus.
Redação AssisCity
+ VEJA TAMBEM