25 de Junho de 2018
17º/33º
ENTRETENIMENTO » COLUNISTAS

Clientes Ideais

COLUNISTA - Walter Roque Gonçalves

Se você parasse de trabalhar hoje, quanto tempo conseguiria manter as contas pagas em dia? Barbara Lima, publicitária, em entrevista ao "Bom dia Brasil” - 26 de fevereiro - após perder o emprego durante a fase mais aguda da crise, diz ter aprendido a poupar. Hoje, segundo ela, teria como arcar com despesas por 6 meses caso seja demitida novamente, isso sem contar com seguro desemprego. Este perfil de consumidor ajuda a reduzir a inadimplência no comercio e manter os orçamentos empresariais sustentáveis, são clientes ideais.

Ao olhar na perspectiva do consumidor, a forma mais simples de medir a prosperidade é pelo tempo que este suportaria sem trabalho remunerado, mantendo as contas em dia! O ideal é que este valor esteja entre seis meses a dois anos. Valores entre zero e seis meses acendem um sinal de alerta, pois, a estrutura financeira está fragilizada. É preciso entender que as reservas são pilares de sustentação dos orçamentos! Precisam ser levadas a sério.

Guardar dinheiro pode ser também sinônimo de comprar melhor: aproveitar descontos e pagar à vista produtos que realmente são necessários. Neste ponto é importante salientar que a linha que separa o que quer e o que realmente precisa é tênue. Por exemplo, levar crianças no supermercado ou ir às compras com fome é um prato cheio para estourar o orçamento. Isso acorre porque a emoção toma conta do processo decisório e a compra por impulso predomina, resultado: consciência pesada e bolso vazio.

Para evitar estas armadilhas leve uma lista de compras no mercado e a siga à risca; deixe o passeio com as crianças para outros lugares onde todos sintam-se à vontade; e coloque uma noite de sono entre as compras maiores. Isso quer dizer que se você estiver muito tentado a trocar o televisor por um maior, a geladeira, celular, computador ou até o carro, coloque uma noite de sono entre o desejo e o compromisso. Isto ajudará a repensar sobre a real necessidade destas compras. Questione-se, será que o dinheiro fará falta para outras necessidades mais importantes? Este é melhor momento para isso? Se o desejo sobreviver a uma noite de sono e estes questionamentos, as chances de se arrepender será bem menor.

Empresas utilizam as vendas por impulso e vão continuar, no entanto, o perfil de consumidores mais conscientes, dispostos a questionar seus impulsos, gastar menos do que ganha e guardar dinheiro, geralmente, honram compromissos, e se bem atendidos voltam e indicam a empresa. Estes são, para qualquer empresa, os clientes ideias.

Walter Roque Gonçalves
Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas , professor executivo/colunista da FGV/ABS (FGV/América Business School) de Presidente Prudente
+ VEJA TAMBÉM