24 de Outubro de 2017
17º/33º
ENTRETENIMENTO » BLOG
Bem-Estar

Sete razões pelas quais fazer listas pode mudar sua vida

Organização mental, autoestima e performance profissional podem ser impactadas positivamente pelo simples ato de pensar nas tarefas a serem cumpridas e escrevê-las em um papel

Bem, você leu corretamente: esta é uma reportagem com uma lista sobre... listas.
Listas de compras, de resoluções de ano novo e de tarefas no trabalho, por exemplo, trazem alguns benefícios interessantes para quem tem por hábito fazê-las. Veja alguns deles:

1. Listas liberam espaço na mente
Segundo o neurocientista Daniel Levitin, nós conseguimos equilibrar na mente apenas quatro pensamentos simultaneamente. A lista, portanto, ajuda a liberar espaço mental e a eliminar aquela sensação incômoda de que estamos esquecendo alguma coisa.

Fazer uma lista das tarefas a serem cumpridas também ajuda você a priorizar e planejar, gerenciar seu tempo e desmembrar projetos grandes em tarefas menores e mais gerenciáveis.
Mais ainda: ao escrever o que precisa ser feito, você leva ao papel aquela confusão de pensamentos atormentando a sua mente, o que pode ter um efeito calmante.

Fora o sentimento de satisfação pessoal e validação ao riscar as tarefas já cumpridas.

2. Listas podem torná-lo mais bem-sucedido
Pesquisas do psicólogo Jordan Peterson sobre definições de objetivos indicaram que estudantes têm desempenho notavelmente melhor quando seguem um processo que envolve refletir sobre seus hábitos e elaborar uma lista de metas para o futuro.

Os achados de Peterson estão em linha com as descobertas de um estudo de 2013, que apontou que funcionários conseguem aumentar sua produtividade em 10% ao traçarem objetivos específicos, desafiadores e realistas.

A mesma ideia vale para metas pessoais de longo prazo quando estruturadas em listas factíveis de passos a cumprir.

3. Listas ajudam a economizar dinheiro

Ao escrever tudo o que você precisa do supermercado antes de chegar, você tem mais chances de conseguir manter a objetividade, com menos compras de impulso ou extravagantes.

Isso, é claro, exige uma dose de autocontrole. Para garantir que os "desvios" se limitem ao aceitável, permita-se uma compra que não esteja na lista a cada ida ao mercado, ou estabeleça um limite de preço ao que pode ser levado para casa.

4. Listas elevam a autoconfiança
Se você está com uma sensação de insatisfação com a vida, tente fazer uma lista de tudo o que você já conquistou, das coisas pequenas às grandes. É uma forma simples de nos lembrarmos de tudo o que já fizemos, desde sucessos acadêmicos até triunfos pessoais simples - como ajudar um amigo ou concluir a leitura de um livro desafiador.

Para momentos de baixa autoestima, a ONG de combate a doenças mentais Mind recomenda que façamos uma lista de 50 coisas que gostamos a respeito de nós mesmos, ainda que levemos semanas para completar essa lista ou que tenhamos de pedir ajuda a pessoas conhecidas. Depois disso, devemos ler a cada dia um pouquinho dessa lista, para compreendermos e valorizarmos nossas qualidades.

5. Listas ajudam a prevenir erros
Aqui falamos da famosa "checklist", a lista de tarefas que não podem ser esquecidas - seja na organização de um casamento, em uma mudança de casa ou nos preparativos de uma viagem ao exterior. É ela que vai ajudá-lo a lembrar de pegar o passaporte antes de ir ao aeroporto, por exemplo.

Em hospitais, onde pequenos erros podem rapidamente escalar para fatalidades, listas desse tipo chegam a salvar vidas. Nos Estados Unidos, por exemplo, o primeiro checklist hospitalar formal ensinava cinco passos para entubar um paciente, resultando na eliminação de praticamente todas as infecções decorrentes de procedimentos equivocados.

6. Listas ajudam a manter o foco
Já ouviu falar do "efeito Zeigarnik"? Pode ser que ele esteja te atrapalhando sem que você sequer se dê conta.

Esse princípio psicológico atesta que nosso cérebro recorda tarefas que deixamos sem cumprir melhor do que as coisas que já concluímos. Como consequência, quando você está tentando focar em algo importante, muitas vezes se nota distraído por questões que deixou em aberto.

Para evitar isso, psicólogos sugerem que escrevamos em uma lista todos aqueles objetivos não cumpridos (por exemplo, aqueles e-mails que ainda não respondemos, aquela saia que precisa ser lavada manualmente, etc). Isso dará ao cérebro a sensação de que ele lidou com essas coisas, permitindo que nós nos concentremos nas tarefas mais urgentes que temos diante de nós.

7. Com a lista, você enfrenta o que vinha adiando
Todos nós temos ali no canto do cérebro algo a fazer que sempre procrastinamos. Pois bem, é a hora de escrever essas tarefas e tirá-las da frente.

Concluir as tarefas de uma lista traz uma sensação de satisfação bastante grande, fora o peso que tira da nossa frente.

Então vá em frente - escreva a sua lista e complete as tarefas dela, desde aquela arrumação no apartamento até finalmente agendar a consulta no dentista.




Bem-Estar

Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem

Pesquisadores descobriram que oligossacarídeos exercem uma função importante na proteção de infecções e já testam esse conhecimento na prevenção de doenças em prematuros.

ser humano nasce com 3,5 kg e 45 cm de comprimento, em média. A partir daí, nas primeiras semanas de vida, é quando crescemos mais rápido: quase um centímetro por semana. E o único alimento que ingerimos para sustentar esse impressionante ritmo é o leite materno, que contém tudo que é necessário para o desenvolvimento de um bebê.
Para produzi-lo, o corpo da mãe precisa usar componentes de si próprio. Por exemplo, derreter a gordura que armazena, primeiramente dos quadris e das nádegas. Por isso, pode parecer estranho que um dos principais ingredientes do leite materno não possa ser digerido por humanos.
"O leite materno é tudo o que o bebê necessita nutricionalmente e muito mais", destaca Bruce German, do Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentícia da Universidade da Califórnia em Davis, nos Estados Unidos.
"É repleto de água, proteínas, gordura, açúcar... Mas o surpreendente é que tenha uma enorme quantidade de oligossacarídeos complexos, que são totalmente indigestos para bebês."
Os cientistas descobriram há mais de meio século que essas moléculas complexas de açúcar não são absorvidas pelo intestino e não têm nenhum benefício nutritivo, mas não sabiam explicar sua presença no leite materno. German e sua equipe se dedicaram a resolver esse enigma e a descobrir por que as mães produzem grandes quantidades dessas moléculas.
"Nossa hipótese era que, se essas moléculas não alimentavam o bebê, deviam alimentar outra coisa: bactérias", diz German.

Proteção
Amostras de oligossacaerídeos foram entregues ao renomado microbiólogo David Mills. "Ele testou bactérias até encontrar uma que crescia com essas moléculas", explica German.
A bifidobacterium infantis é a única que pode se alimentar dos oligossacarídeos do leite humano. Assim, deduziu-se que as moléculas indigestas estavam presentes nele para que essas bactérias pudessem crescer e florescer.
Um bebê vive em um ambiente estéril e protegido até o nascimento, quando começa a adquirir bactérias do seu entorno. O intestino delgado é particularmente suscetível a bactérias infecciosas patogênicas.

Assim, como essa bactéria floresce nos oligossacarídeos, o intestino delgado se enche de bifidobacterium infantis, cobre o intestino do bebê e impede que qualquer patógeno cresça. Ou seja, as mães literalmente recrutam outra forma de vida para cuidar de seus bebês após o parto.

Prevenção
Na unidade neonatal de Sacramento, na Califórnia, os médicos estão testando um novo tratamento para ajudar bebês prematuros.
Um dos maiores desafios enfrentados por esses recém-nascidos é conseguir que as bactérias adequadas colonizem seus intestinos. Sem isso, correm o risco de desenvolver uma grave infecção intestinal, a enterocolite necrosante. Caso o tecido intestinal esteja infectado, podem surgir orifícios na parede do órgão, o que chega a ser fatal.
Por isso, os médicos começaram a alimentá-los com uma mistura de leite materno e bifidobacterium infantis. E mediram depois um aumento de bactérias nas amostras de fezes dos bebês. As evidências acumuladas até agora mostram que a bactéria pode prevenir a enterocolite necrosante.
O trabalho de German e sua equipe estão ampliando nossa compreensão de como bactérias podem ser benéficas e ajudar nosso organismo.
Há uma comunidade diversa de micróbios que vivem em cada um de nós: é o nosso microbioma. À medida que crescemos, ele cresce com a gente: a comida que ingerimos, os lugares que visitamos, as pessoas com quem interagimos, cada nova experiência modifica esse bioma. É algo tão individual quanto nossas digitais.
Temos milhares de espécies de bactérias vivendo em nossa pele, por exemplo. Em cada centímetro quadrado, pode haver mais de 1 milhão de bactérias ou mais. Um estudo identificou mais de 1 mil espécies que até então eram desconhecidas simplesmente a partir de amostras do umbigo.
Esses bilhões de bactérias com que convivemos não são parasitas. Há pesquisas que mostram que um desequilíbrio nas bactérias intestinais pode ter um enorme impacto no funcionamento dos nossos corpos.
A obesidade, a pressão arterial e doenças cardíacas já foram vinculadas a microbiomas deficientes. É possível ainda que afetem nosso estado de ânimo, causando depressão.
Por isso, é essencial que tenham um bioma de bactérias saudável -- desde o berço.



Bem-Estar

Pesquisa encontra milhões de fungos e bactérias em escovas de dente e chupetas novas

Em análise de itens infantis, pesquisa da Devry Metrocamp também analisou bicos de mamadeira, garrafinhas e 'cheirinhos' de crianças.

Engana-se quem pensa que um produto novo, protegido por uma embalagem, é sinônimo de limpeza ou esterilização. Nem sempre. Um estudo feito em Campinas (SP) com escovas de dente de crianças e chupetas recém-compradas apontou uma contaminação de mais de 720 milhões de fungos e bactérias. O risco supera o dos itens usados e higienizados em casa.
A análise foi feita pela Faculdade de Biomedicina da Devry Metrocamp e também incluiu bicos de mamadeira, garrafinhas tipo squeeze de crianças e aqueles "cheirinhos" (paninhos ou bichinhos de pelúcia) que os pequenos se apegam tanto a ponto de ser difícil colocar para lavar com frequência.

Entre os micro-organismos encontrados, Rosana Siqueira, doutora em microbiologia pela Unicamp, professora e orientadora da pequisa, alerta para o risco de infecções de garganta, intestino, urina mucosa, pele, além de diarreia, febre, dores abdominais, gengivite, cárie, otite e até pneumonia.

"Estão relacionados principalmente com a falta de higienização. [...> A quantidade de bactérias chama a atenção. Se a criança está trocando os dentes, com alguma lesão na gengiva, a boca dela está exposta", alerta a pesquisadora.

Escovas lacradas e usadas
Ao todo, 44 escovas de dentes de marcas diversas foram analisadas. Entre os 20 modelos novos, foi encontrada contaminação em 77% delas, chegando à marca de 250 milhões de micro-organismos.

"Muitas vezes a gente compra a escova já contaminada e, quando a gente faz a higienização [nos dentes>, nós aumentamos ainda mais, porque a gente tem as bactérias normais da boca. Por outro lado, as bactérias que estão na escova vão para a boca, então fica uma troca que não é boa", afirma Rosana.

As 24 escovas de dentes já usadas pertenceram a nove crianças - com idades entre 4 e 10 anos -, e foram estudadas após períodos e situações diferentes de uso. Em um mês, parte delas foi higienizada com enxaguante bucal à base de clorexidina (antisséptico químico, com ação antifúngica e bactericida), outra parte com enxaguante bucal comum e uma terceira parte não foi higienizada.

Com exceção das escovas expostas à clorexidina, as demais tiveram contaminação inclusive por bactérias mais temidas, como a Klebsiella pneumoniae, que possui tipos considerados superbactérias multirresistentes a antibióticos. Outros contaminantes foram Pseudomonas aeruginosa, uma bactéria oportunista que causa infecções; e E. Coli, indicadora da falta de higiene.

"Geralmente a criança vai ter uma escovinha em casa e outra para levar para a escola. A da escola é preocupante, porque muitas vezes ela nem seca e coloca no estojo, abafado e fica dentro da mochila. Isso faz com que os micro-organismos tenham um ambiente favorável para se proliferar", alerta a pesquisadora.

A boa notícia é que, segundo a pesquisadora, os fungos e bactérias encontrados não resistem às altas temperaturas, e ferver os objetos após o uso garante uma boa esterilização. A clorexidina pode ser usada como opção à fervura, de preferência diariamente.

Chupetas recém-tiradas das embalagens tinham mais de 720 milhões de bactérias, segundo pesquisa (Foto: Patrícia Teixeira/G1)

Chupetas e bicos de mamadeira
Tão comum quanto comprar uma escova de dente e não se preocupar em higienizar antes de usá-la pela primeira vez é a situação de ter um bebê ou criança aos prantos por ter perdido a chupeta. Comprar uma nova e dar uma "lavadinha" na água da torneira pode ser um alívio, mas representa risco para a saúde.

As chupetas novas foram as vilãs do estudo, com nada menos que 720 milhões de bactérias, provenientes da fabricação e armazenamento desses objetos. Ao todo, 24 modelos foram analisados.

"Foi surpreendente. Essas bactérias são resistentes, porque algumas das chupetas foram fabricadas em 2014. Não tem alimento, água para seu desenvolvimento e, mesmo assim, elas estão lá", explica a pesquisadora.

Nas outras sete chupetas usadas que passaram por testes - de bebês recém nascidos até crianças -, e costumavam ser higienizadas, havia mais de 100 mil micro-organismos.
Foram encontrados E. Coli, bactéria proveniente do intestino, Staphylococus aureus, a Candida albicans, que também faz parte da microbiota, a Klebsiella pneumoniae e a Acinetobacter, uma bactéria oportunista que pode causar bronquite, pneumonia e infecção urinária.
As análises feitas em bicos de mamadeira usados também surpreenderam, com mais de 100 mil fungos e bactérias.

"Os mesmos micro-organismos da chupeta estavam no bico da mamadeira, o que nos leva a entender que há uma contaminação cruzada. Ou eles estão vindo da criança, ou do bico da mamdeira, até da mãe que prepara o produto. [...> O ideal é deixar ferver em água bem quente", alerta Rosana.

A especialista ressalta, ainda, que as mamadeiras usadas não devem demorar muito para serem lavadas, pois o resíduo do leite permite a alta proliferação de bactérias.

'Cheirinhos'
Os bichinhos e paninhos que algumas crianças não largam de jeito nenhum, conhecidos como "cheirinhos", não escaparam da pesquisa. Seis objetos, alguns até encardidos, foram analisados, alcançando contaminação na casa dos 32 mil micro-organismos.

"O que preocupa bastante são os fungos, em torno de mil bolores, que em geral são provenientes da microbiota da criança. [...> Eles e as bactérias se multiplicam e podem provocar alergias. Acaba prejudicando a vida da criança e a mãe nem percebe. [...> É importante que faça a higienização, lavar e deixar secar muito bem", explica a professora.

Garrafinhas
Como parte da pesquisa de graduação, os estudantes de biomedicina da Devry Metrocamp Cléber Silva, que idealizou o estudo, e Thaizy Ramires analisaram 21 garrafinhas tipo squeeze, sendo oito de crianças. A contaminação, de mais de 10 mil fungos e bactérias foi encontrada no corpo das garrafas e nos bocais.

"Dentro delas encontramos E. Coli, Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, leveduras e bolores, entre elas a Candida albicans. Pode causar diarreias, vômitos, dores abdominais. Como são de crianças, elas não têm noções de higiene ainda", explica Thaizy.

Além da higienização correta, as garrafas não devem ser guardadas ainda úmidas.

"Vi minha sobrinha com essa garrafa e as amigas dela. Tive a curiosidade de abrir a tampa e vi os micro-organismos crescendo. [...> Vi os pontinhos pretos. A pessoa está com muita pressa e acaba não prestando muita atenção [...> Acaba 'bebendo' bactérias", completa Silva.

Bem-Estar

Os três tipos de alimentos que ajudam a controlar o apetite

A alimentação é mais do que a ingestão de nutrientes" - assim começa o primeiro capítulo do Guia Alimentar Para a População Brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde em parceira com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a USP.

Isso significa que uma alimentação saudável envolve, além da ingestão de determinados nutrientes, o modo como os alimentos são preparados, as diversas combinações entre eles e as características do modo de comer.

Ainda assim, a escolha de determinadas classes de alimentos pode ter impactos expressivos na redução do apetite. "Alguns alimentos promovem a sensação de saciedade prolongada e, com isso, favorecem o controle do apetite. Geralmente as fibras e os grãos, se utilizados de forma adequada, podem ajudar a moderar o apetite", afirma Denise Boia, nutricionista do Núcleo de Tratamento da Obesidade Mórbida (Nutom) do Hospital Badim, no Rio de Janeiro.

Com o crescimento dos índices de obesidade na população brasileira - entre 2006 e 2016, a doença cresceu 60% no país -, modular o apetite por meio da alimentação se tornou um grande aliado para a perda de peso e uma alternativa ao uso de medicamentos.

Abaixo listamos, com o auxílio de nutricionistas, três classes de alimentos e três comportamentos importantes, que podem ajudar na sensação de saciedade e na perda de peso:

1) Fibras e grãos
Frutas, verduras, legumes, leguminosas e grãos como aveia, linhaça, chia e gergelim são ricos em fibras solúveis e ajudam a modular o apetite.

"As fibras solúveis, quando em contato com água, aumentam o volume gástrico e oferecem sensação de saciedade", explica a nutricionista Tainá Gaspar, que atua com reeducação alimentar.

Outras diversas possibilidades incluem as folhas (alface, agrião), cereais em geral (arroz integral, aveia, centeio, cevada, milheto ou painço, milho amarelo, quinoa, trigo sarraceno, granola), oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas), sementes (chia, linhaça, girassol) e frutas secas (damascos, tâmaras, uva passa), enumera Boia.

"Esses alimentos, além de fontes de fibra, são ricos em triptofano, que é um aminoácido que participa da síntese de serotonina, um neurotransmissor que regula o humor e o sono", explica Boia.

Os alimentos possuem também boas concentrações de magnésio, cromo, selênio e vitaminas do complexo B. "Esses nutrientes participam de reações químicas vitais para o organismo, além de melhorar as defesas do corpo", complementa.

As fibras podem ser ingeridas em todas as grandes refeições, incluindo café da manhã, almoço e jantar, e também em lanches intermediários, promovendo a sensação de saciedade, recomendam as nutricionistas.

2) Proteínas e gorduras (mas as insaturadas)

Tanto as proteínas quanto as gorduras insaturadas retardam o esvaziamento gástrico, ou seja, a saída do alimento para o intestino, promovendo sensação de saciedade por mais tempo após as refeições, explica Gaspar. Entre os alimentos proteicos, estão as leguminosas, como o feijão, a lentilha, a ervilha, o grão de bico e a soja, além de carnes, ovos e laticínios.

Já os alimentos ricos em gordura insaturada incluem o abacate, as castanhas e outras sementes oleaginosas, o azeite de oliva e outros óleos vegetais. Esse tipo de gordura, encontrada principalmente nos vegetais, também possui efeito positivo no corpo, auxiliando o organismo a combater o colesterol ruim, o triglicérides e a controlar a pressão arterial, além de ajudar na modulação do apetite.

Se equilibrados corretamente, esses alimentos podem trazer benefícios para a saúde e bem-estar, bem como auxiliar no emagrecimento, aponta Gaspar. "Além disso, quando esses nutrientes chegam ao intestino, há liberação do hormônio colecistocinina, que também possui papel na geração de saciedade."

3) Alimentos de ação termogênica
Em conjunto com alimentos que ajudam a controlar o apetite, é possível adicionar opções que favorecem uma ação termogênica no organismo - ou seja, aumentam a temperatura corporal e, com isso, aceleram o metabolismo basal para a produção de energia. "Com isso as células de gordura são queimadas e transformadas em energia", explica Boia.

Em geral os ingredientes com essas características são condimentos, conforme detalha a especialista na lista abaixo:

a) Pimenta vermelha: possui a substância capsaicina, que auxilia o cérebro a acelerar a queima da gordura.

b) Canela: atua como um hipoglicemiante natural e, assim, auxilia na queima das gorduras, nivelando a glicemia.

c) Gengibre: além de acelerar a queima de gorduras, tem atividades anti-inflamatórias, auxiliando nos casos de obesidade. "Essa é uma doença crônica e progressiva, que gera inflamação em diversos tecidos do organismo, inclusive fígado e pâncreas, órgãos alvo de nosso metabolismo", explica Boia.

d) Cúrcuma: funciona como um antioxidante natural.

Alimentação também é comportamento

A prática alimentar não envolve apenas a escolha correta dos ingredientes e, para modular o apetite, é importante se atentar a uma série de questões comportamentais. Comer com regularidade, mastigar bem e comer com atenção também auxiliam na percepção de saciedade, aponta Gaspar. Abaixo listamos três comportamentos essenciais para serem adotados em conjunto com a escolha certa dos alimentos.

1) Mastigação correta
"A alimentação correta é 'orquestrada pela ação da mastigação e de hormônios, e a ação dos hormônios depende da alimentação. Uma coisa influencia a outra", explica Boia.

Alimentos ricos em fibras, por exemplo, que são os primeiros da lista recomendada pelas especialistas, exigem uma mastigação exaustiva e permanecem mais tempo no estômago. "Com isso, eles inibem a produção de grelina, que é um hormônio produzido quando o estômago está vazio e gera a sensação de fome."

Além disso, mastigar bem e devagar, além de melhorar a digestão, oferece tempo para que o organismo entenda que estamos ingerindo comida e produza os sinais de saciedade, complementa Gaspar.

2) Evite dietas restritivas
A ideia de que retirar itens importantes do cardápio, como carboidratos, irá contribuir para o emagrecimento geralmente tem efeitos negativos no médio e longo prazo. Arroz, farinha e macarrão podem ser consumidos normalmente - contudo, é importante usar preferencialmente a versão integral desses alimentos, que tem melhor qualidade.

Dietas mirabolantes também têm resultado negativo, uma vez que geram ansiedade e culpa pela impossibilidade de continuá-las por um longo período de tempo. "Dietas difíceis e impossíveis devem ser evitadas, principalmente se estiver obeso. Geralmente, essas propostas geram desânimo e depressão por não atingir os resultados esperados", alerta Boia.

Gaspar alerta que dietas restritivas, tanto em calorias quanto focadas em nutrientes específicos, têm um efeito "extremamente negativo" no comportamento alimentar. "Após certo tempo a vontade e o apetite pelos alimentos que foram restringidos aumenta, podendo gerar episódios de compulsão."

3) Alimente-se regularmente
Alimentar-se de maneira regular, respeitando os sinais de fome e saciedade, também ajuda a modular o apetite. Para evitar "ataques de fome", Boia recomenda ter sempre à mão opções como uvas passas, damascos secos, tâmaras secas, castanhas-do-pará e frutas desidratadas. "Essas opções são ótimas fontes de zinco, principalmente na forma quelada, que auxilia nos processos metabólicos", afirma.

Por outro lado, ignorar os sinais de fome e ficar longos períodos sem se alimentar pode gerar uma fome descontrolada na refeição seguinte, alerta Gaspar. "Isso faz com que o indivíduo coma com muita pressa, não mastigue direito e acabe ingerindo uma quantidade muito maior do que seria necessário para aquele momento."

Outro ponto é que, ao ficar longos períodos sem se alimentar, a escolha imediatista por um alimento pode ficar prejudicada, explica Gaspar. "A qualidade do que comemos dificilmente é levada em conta nessas situações e biologicamente somos levados a preferir alimentos mais calóricos, com maior teor de gordura ou açúcar."

Bem-Estar

Mudanças de hábitos podem prevenir doenças cardiovasculares

A adoção de medidas simples no comportamento da população pode ser a primeira medida para evitar doenças cardiovasculares

A adoção de medidas simples no comportamento da população pode ser a primeira medida para evitar doenças cardiovasculares.

Para esclarecer o assunto, o Dr. Marcelo Bertolami, diretor da área científica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, listou algumas dicas que deveriam ser seguidas por todos. Para o especialista, "esses são passos iniciais que podem impedir novos óbitos no Brasil, levando em consideração que problemas do coração são a primeira causa de óbitos no País (uma morte a cada 40 segundos)".

Cigarro

Se é fumante, então pare. Se já pensou em fumar - mesmo que em festas e baladas - não comece. O vício do cigarro pode ser um caminho sem volta. O tabagismo é um dos principais causadores de diversas doenças (podem ser até 50). Isso se dá, sobretudo, por conta da grande quantidade de substâncias químicas em sua composição. O cigarro pode causar doenças cardiovasculares - pressão alta, infarto e AVC, entre outras. Evite o tabagismo bebendo muito água, escovando os dentes logo após as refeições e não tenha comportamentos que remetam à droga: consumo de café ou bebidas alcoólicas.

Acima do peso

Não é novidade falar que o controle do peso é muito importante para evitar uma série de complicações. No caso das doenças cardiovasculares, não seria diferente. Estar com sobrepeso ou até obesidade, pode acarretar no aparecimento de diversas enfermidades, como o diabetes, colesterol e a hipertensão, aumentando os riscos em relação a doenças do coração.

O Ministério da Saúde divulgou, neste ano, dados que revelam o aumento da obesidade no Brasil: crescimento de 60% nos últimos dez anos no Brasil2. Segundo o levantamento, uma em cada cinco pessoas no País está acima do peso. A prevalência da doença passou de 11,8%, em 2006, para 18,9%, em 2016.

Alimentação e prática de atividades

No geral, os hábitos alimentares do brasileiro precisam mudar, sendo importante a inclusão de mais frutas e verduras na dieta, como um equilíbrio mais responsável no consumo de uma das preferências nacionais: carne gordurosa. Sem falar de uma avaliação mais criteriosa em relação aos alimentos refinados, industrializados e produtos prontos. É preciso entender de fato o que está sendo consumido, o que pode ser adaptado e se não é o caso da procura de um especialista para apoio.

A prática de esportes pode ser uma ótima aliada no combate às doenças cardiovasculares. A recomendação é de que a população separe 30 minutos para qualquer atividade física, em torno de 5 dias por semana. Combater o sedentarismo é uma forma de ajudar a proteger a saúde, não apenas de doenças do coração, mas de outras patologias.

O óbito em virtude de doenças cardiovasculares ocorre em consequência de alguns fatores de risco que, muitas vezes, não são bem observados pela população. Por exemplo, metade destas mortes poderia ter sido evitada caso o colesterol LDL - que é o colesterol ruim - dos pacientes fosse controlado3.

E como fazer isso?

É importante que haja acompanhamento adequado de fatores de risco. Não se pode negligenciar as consequências de não se tratar questões que podem levar às complicações cardiovasculares. Fatores que merecem atenção: diabetes, obesidade, hipertensão, colesterol elevado. Lembre-se, ainda, que o colesterol alto e a hipertensão arterial, por si só não produzem sintomas. Estes somente aparecem quando ocorrem as complicações. Assim, a forma de identificar a presença desses problemas é com a consulta médica, avaliação da pressão arterial e determinação do colesterol do sangue. O paciente precisa estar com os exames em dias.

A falta de controle do colesterol pode ser um dos principais fatores que leva às doenças cardiovasculares. Neste caso, quando o paciente não consegue controlar a enfermidade, por meio de hábitos de vida, se faz necessário o uso de tratamentos que facilitam o controle.

Lançadas há cerca de três décadas, as estatinas foram um marco na redução das taxas de colesterol ruim. Elas seguem como a primeira linha de tratamento para a maioria dos casos e podem ser facilmente obtidas pela população, uma vez que, além de genéricos, também estão disponíveis no SUS, por meio da Farmácia Popular.

Já em casos mais acentuados, sobretudo para os pacientes que já tiveram algum evento cardiovascular, hoje estes contam com alternativas capazes de melhorar o controle do colesterol: os inibidores de PCSK9. Essa classe degrada receptores no fígado responsáveis por captar o LDL-colesterol da circulação. Um exemplo é o caso do alirocumabe, um anticorpo monoclonal. Esse tratamento chegou diante de um panorama em que 80% das pessoas no Brasil estão fora da meta recomendada de colesterol, considerando ainda outras opções disponíveis para ajudar nesse controle.

Bem-Estar

Quem não toma café da manhã acumula mais gordura nas artérias

A aterosclerose, até quando não apresenta sintomas, pode ser causa de um acidente vascular cerebral

Ter no cardápio do café da manhã apenas um café ou menor de 5% das calorias diárias (100 em uma de 2 mil recomendadas) pode aumentar os riscos de sofrer aterosclerose, o acúmulo de gordura no interior das artérias. A constatação é de um estudo do Centro Nacional de Investigações Cardiovasculares Carlos III (CNIC), em Madri, na Espanha, realizado em colaboração com o Banco Santander. A aterosclerose, até quando não apresenta sintomas, pode ser causa de um acidente vascular cerebral.

Os pesquisadores usaram nova tecnologia de ultrassom que produz ecografías precisas em 3D para medir o acúmulo de gordura nas artérias de 4 mil pessoas sem problemas cardiovasculares aparentes. Os voluntários, que tinham entre 40 e 54 anos, também responderam a um questionário detalhado sobre sua dieta durante os 15 dias anteriores à pesquisa.

Analisando seus dados, publicados na revista do Colégio Maericano de Cardiologia (JACC), os pesquisadores determinaram que apenas um quinto dos participantes tomava um café da manhã reforçado, com mais de 20% das calorias diárias, enquanto que 3% não fazia a primeira refeição do dia ou a fazia mal, consumindo menos de 5% das calorias diárias.

No primeiro grupo, 57 pessoas de cada 100 mostraram algum tipo de aterosclerose subclínica (sem sintomas), mas os casos aumentaram a quase 75 por cada 100 no segundo grupo.

Os resultados são independentes de outros fatores de risco cardiovascular, como obesidade, diabetes ou hipertensão. Além disso, tratando-se de alter esclerose subclínica generalizada - aquela que afeta ao menos quatro das seis artérias principais do corpo e, portanto, a mais séria - a incidência quase triplica mas pessoas que não tomam o café da manhã se comparadas àquelas que comem bem antes de sair de casa: passa de 10% dos casos a 29%.

Um café da manhã reforçado "acorda" o relógio biológico do corpo, responsável por regular a fome durante o resto do dia, acreditam os cientistas.

"Se não toma o café da manhã, o relógio biológico entra em um caos", afirmou Valentín Fuster, principal autor do estudo, que também é diretor do CNIC e editor da JACC. "Come-se mais tarde e ingere mais calorias do que deveria". Essa seria uma razão para explicar porque também havia mais pessoas obesas ou com colesterol elevado no grupo que não se alimentava pela manhã.

No entanto, o estuo não estabelece se a primeira refeição do dia influencia diretamente na obstrução das artérias. Uma possibilidade é que o hábito de não comer venha ligado a um estilo de vida pouco saudável e, por isso, percebe-se essa associação entre o consumo calórico pela manhã e a saúde cardiovascular. Nesse caso, não tomar café da manhã poderia funcionar como um indicador para identificar pessoas que precisam fazer mudanças significativas em seu estilo de vida, apontou Vila Costa.

O grupo de participantes que pulava o café da manhã incluía, proporcionalmente, mais fumantes e consumidores assíduos de álcool e carne vermelha ou processados.

O cachorro é a cara do dono: Conheça os motivos científicos para tanta semelhança

O zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti, explica que a genética, ambiente e aprendizagem definem o temperamento dos cães e os deixam parecidos com seus tutores

Muita gente costuma dizer que os cães são a cara do dono! Afinal, é comum que muitos tutores identifiquem diversas semelhanças com seus cachorros, como: comportamento, reações, manias, expressões, entre outros. O que poucos sabem, é que há explicações científicas para tanta semelhança.

O zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti, explica que há alguns fatores que determinam o temperamento do pet. São eles: genética, ambiente e aprendizagem. Porém, mesmo esses elementos sendo determinantes para a personalidade do cão, eles não atuam de maneira proporcional.

O especialista explica que, se de uma ninhada, você escolheu um cão esperto, destemido e brincalhão, consequentemente ele tem uma genética muito ativa. Se a sua família é animada, que sempre brinca com o cão, mantendo uma interatividade constante com o pet, ele também terá o fator ambiente, que faz com que ele continue elétrico. Logo, o cão aprende que sempre que fizer uma "baguncinha" ele terá interações e bons momentos com os membros da família.

"Desta forma, o cão conta com a sinergia dos três elementos determinantes para o seu comportamento, (genética, ambiente e aprendizagem) e adquiri características semelhantes ao do dono", afirma o zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti.

Zanetti ressalta ainda, que esse mesmo cão geneticamente ativo pode ter outro tipo de comportamento, de acordo com diferentes ambientes e perfis de donos.

"Imagine que este mesmo cão vá morar numa casa com um casal de idosos, com baixa interação física e pouca interatividade. Toda vez que o cão fica quietinho no colo e no sofá, enquanto o casal assiste TV, por exemplo, ele recebe carinho e outros estímulos. O ambiente é o mais pacato possível e o cão aprende que sempre há uma recompensa quando está calmo. Ele é o mesmo cão geneticamente ativo, mas em ambientes e aprendizagens diferentes", afirma Zanetti.


Há explicações científicas para tanta semelhança


Bem-Estar

Um livro de cabeceira para ajudar a envelhecer bem

Aproveitando que hoje é o Dia Internacional do Idoso: se eu tivesse que indicar um livro de "iniciação" a quem pretende transformar seus dias de maturidade numa fase ativa e prazerosa, meu voto iria para "Como envelhecer". Escrito pela jornalista e socióloga Anne Karpf, a obra faz parte da coleção "The School of Life" ("A escola da vida"), que se dedica a refletir sobre questões fundamentais para o ser humano. Ela usa como fio condutor a personagem Gina, que acaba de completar 30 anos e se angustia ao descobrir o segundo fio branco em seus cabelos. Seus pais, na faixa entre 55 e 65 anos, comportam-se como se tivessem 15 a menos – e a filha também tem pavor da velhice. A partir daí, a autora vai apresentar o envelhecimento como um processo que dura a vida toda, já que começa no momento em que nascemos. Não é algo confinado aos seus estágios mais avançados e, principalmente, trata-se de mais uma oportunidade para a gente se desenvolver. A propósito, em hebraico, a palavra guil significa tanto alegria quanto idade.

Anne ensina que temos que nos livrar do chamado "modelo deficitário" do envelhecimento, como se ele só trouxesse perdas. Para começar, o cérebro é mais elástico do que se acreditava e, se a memória de curto prazo pode diminuir, as conexões entre as informações que retemos são melhores. E lembra: Winston Churchill se tornou primeiro-ministro aos 66, Verdi compôs "Otello" aos 72 e Sófocles escreveu "Édipo Rei" com 68. Um dos meus trechos preferidos é quando ela dá nova moldura a uma frase recorrente de idosos: "Não me sinto velha, ainda me sinto como se tivesse 18 anos por dentro". Na verdade, temos todos os nossos tempos dentro de nós ou, como diz a autora: "as idades anteriores não são estripadas pela idade, e sim cobertas umas pelas outras, como anéis no tronco de uma árvore". Ao assumir o envelhecimento, abraçamos o processo da vida em si, com suas dores, alegrias e dificuldades. Anne escreve que as pessoas que envelhecem melhor são aquelas capazes de se livrar das ideias a que se apegaram quando veem que não são mais adequadas: "Todos sabemos que desapegar-se de velhas narrativas pode ser extremamente doloroso".

Quando nos depararmos com uma pessoa mais velha, devemos imaginá-la como o nosso futuro. "Em vez de nos horrorizarmos com suas rugas e enfermidades", propõe Anne, "devemos aplaudir sua resiliência. Precisamos reumanizar as pessoas mais velhas, atribuir a elas o mesmo mundo interior rico e cheio de paixões que presumimos existir dentro dos mais jovens e em nós mesmos". Por isso o contato entre gerações é tão importante: segundo o gerontólogo Bill Bytheway, há uma conexão direta entre segregação por idade e preconceito contra os mais velhos. O livro é dividido em seções que tratam do medo de envelhecer, da importância de abraçar a idade que se tem e até o que a autora chamou de "Um capítulo bem curto sobre a morte". Curto mesmo, tem menos de dez páginas, mas uma das melhores frases da obra, retirada de "Memento mori", da escritora Muriel Spark: "A morte, quando se aproxima, não deve pegar a pessoa de surpresa. Deve fazer parte do que esperamos da vida. Sem um senso de morte sempre presente, a vida é insípida". Vale ter lugar cativo na sua mesinha de cabeceira.

Anne Karpf, autora de "Como envelhecer"

Crédito: Divulgação / London Metropolitan University

Espaços pequenos: Aproveitando a varanda

Pequenas varandas e sacadas podem ter um charme muito especial se elaborados com criatividade e cuidado.

Hoje vamos falar das varandas e sacadas. Existentes em pequenas casas e apartamentos – que surgem cada vez mais em nossa cidade e região – esse espaço pode ser aproveitado para criar um ambiente de contemplação e relaxamento.

Para quem mora em apartamento ou quintal concretado e sente falta de contato com a natureza a dica principal é: invista em vasos de plantas e jardins verticais. Observar uma planta nos reconecta com o meio ambiente e o cuidado com elas pode ser uma terapia:

-Plantas suspensas ou em suportes deixam o piso livre para outros itens de decoração e uso;
-Você pode criar um conjunto com diversas espécies, só tenha cuidado quanto a insolação do local para que elas vinguem;
-Plantas e flores coloridas deixam o ambiente mais alegre;
-Espécies frutíferas podem ser uma boa aposta, enquanto hortinhas com temperos também são de grande utilidade;
-Para criar uma composição diferente, aposte em vasos de tamanhos diferentes e em tons diferentes, porém próximos;
-Dependendo da disposição dos vasos e plantas, você pode construir uma "barreira visual" contra os vizinhos, o que trará mais privacidade para sua casa.

Algumas estruturas e revestimentos também podem trazer diferenciais a sua varanda:
-Instalar um deck em madeira pode deixar sua varanda muito mais aconchegante e convidativa;
-Bancos fixos em toda extensão da varanda, com almofadas confortáveis, permitem apoio a itens de decoração e rendem lugares extras para visitas;
-Além das plantas, cortinas em bambú e outras estruturas como treliças e lambris podem ajudar a tampar a visão de vizinhos em pontos estratégicos, mas em caso de apartamentos esteja ciente quanto as permissões e proibições do seu condomínio;
-Lambris de madeira ou metal também podem ajudar a esconder itens como máquina de ar-condicionado, etc;
-Se as regras do seu prédio permitirem, invista em revestimentos como tijolinhos, madeira ou invista em uma cor diferente para uma parede de destaque;
-A grama sintética também pode ser utilizada contanto que esteja em uma varanda coberta.

Quanto ao restante da decoração, tenha em mente um estilo de design que goste para compor o espaço:
-Mesas e cadeiras permitem um novo espaço para refeições e atividades. Tenha cuidado ao escolher um modelo que não tome muito espaço e invista em itens dobráveis que possam ser recolhidos quando necessário;
-Futons – aquelas ‘almofadas gigantes’ incorporadas a estruturas – transformarão sua varanda em um local de relaxamento e descanso;
-Quadros deixam uma parede sem graça com mais vida;
-Se a sua varanda é gourmet, aposte em móveis planejados para melhor aproveitar cada centímetro;
-Tapetes drenantes, mantas e almofadas trarão um ar de conforto para o ambiente;
-As redes para descanso são sempre uma boa ideia, assim como poltronas maiores e até mesmo balanços almofadados;
-Abuse da iluminação diferenciada, como com lanternins, varais de lâmpadas e até abajures.

E por último, se você tem crianças, por que não investir neste espaço para ser um local de diversão e distração para elas?
-Tenha sempre uma rede de proteção para segurança delas e para que brinquedos não caiam facilmente. O fechamento da varanda em vidro, neste caso, é muito bem-vindo para evitar sujeira e quedas;
-Aposte em um piso confortável para que elas não se machuquem, como os tapetes EVA ou grama sintética;
-Tenha caixas para organização de brinquedos;
-Mesinha e cadeira para fazer atividades e tarefas da escola são uma boa ideia;
-Uma cabaninha ou um Teepee pode ser um refúgio para elas.

Pequenas varandas e sacadas podem ter um charme muito especial se elaborados com criatividade e cuidado.

Confira algumas ideias:

































Você escova os dentes do seu cão?

Especialista alerta para a importância da saúde bucal canina e dá dicas de como realizar a higiene nos animais de estimação

Você já ouviu falar na doença periodontal? Essa afecção atinge a gengiva e –os dentes dos caninos e felinos, e geralmente é causada pelo acúmulo de tártaro ao longo dos anos. A especialista da Hercosul Alimentos, Dra. Laís Alarça, explica que o problema é progressivo, ou seja, tende a piorar com o tempo.

"É difícil regredir uma doença periodontal, principalmente porque as pessoas não sabem que ela existe. Como os humanos, os animais também acumulam placa bacteriana e isso uma série de problemas desde dor moderada, perda dos dentes e até uma infecção mais grave", diz.

Segundo a médica veterinária, há algumas formas de prevenir essas doenças e devem ser feitas em conjunto. Uma é levando o animal ao consultório para limpeza de tártaro a cada seis meses e a outra pode ser escovar os dentes dos cães. Outra é fornecer alimentos que possuem ingredientes que auxiliem na redução do acumulo de tártaro, como hexametafosfatos ou tripolifosfatos.

"Apesar da doença não regredir, o tutor pode iniciar a escovação em qualquer idade, pois isso evitará a progressão do problema. As escovas e pastas dentais são feitas exclusivamente para animais, por isso, não há motivo para preocupação se o pet engolir o creme dental", acrescenta.

Para uma higiene eficaz, Laís recomenda uma escovação por dia. "Se for possível fazer isso por 10 ou 15 minutos, o efeito será ainda maior. Porém, dependendo do caso, fazer isso uma vez por semana também ajuda", conta.

Fique atento aos sinais

Os primeiros sinais de problemas dentários nos cães são quase imperceptíveis. O mau hálito é um deles, conforme explica a especialista. "Outro sintoma importante é a gengiva inflamada, que se tratada com agilidade, pode ser estagnada. Abra a boca do seu pet e verifique os estados dos dentes, se possível, faça essa primeira análise com o médico veterinário da sua confiança", completa.

Muito embora seja um problema pouco comentado, a doença pode ser grave se não for diagnosticada com rapidez. "Quando o animal não recebe esse atendimento, pode ocorrer perda dos tecidos de sustentação dos dentes, o que gera a perda dos dentes, seguida de dor ao mastigar e até tomar água", diz.

Além disso, a endocardite bacteriana, também causada pelas infecções bucais, podem ocasionar problemas em órgãos importantes como fígado, rins e pulmões. "A infecção generalizada, que atinge os animais no último estágio da doença, pode ser fatal", conclui.

Como escovar os dentes do meu cão?

O primeiro passo é escolher a escova e o creme dental, que precisam ser de uso veterinário. Encontre um local que o seu cão goste de estar e não seja bruto, pois a impulsividade pode traumatizar o animal.

Saiba 10 passos para manter uma vida saudável na Melhor Idade

Veja 10 passos recomendados pela profissional, que trazem benefício à saúde das pessoas idosas, com pequenos cuidados

Manter uma alimentação saudável durante todas as fases da vida é essencial para conquistar uma boa saúde, mas a Melhor Idade traz mudanças em nosso corpo, exigindo alguns cuidados especiais.

De acordo com a nutricionista da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Milene Gonçalves, as alterações fisiológicas e anatômicas próprias do envelhecimento têm repercussão na nutrição e na saúde do idoso. "Essas mudanças incluem a redução da capacidade funcional, alterações do paladar, alterações de processos metabólicos do organismo e modificação da composição corporal’’, disse a nutricionista, que atua na Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro), da Pasta.

Veja 10 passos recomendados pela profissional, que trazem benefício à saúde das pessoas idosas, com pequenos cuidados. As dicas foram extraídas do livro "O melhor alimento para a melhor idade", publicação da Secretaria que traz orientações e receitas e está disponível gratuitamente neste link.

· Faça pelo menos três refeições e dois lanches saudáveis ao dia. Aprecie as refeições, mastigando bem os alimentos e diminua o volume de cada uma;

· Consuma diariamente seis porções do grupo dos cereais, tubérculos e raízes. Dê preferência aos grãos integrais e aos alimentos na sua forma mais natural. Distribua esses alimentos nas principais refeições diárias, pois são ricos em carboidratos, importante fonte de energia;

· Consuma no mínimo três porções de legumes e verduras e três porções de frutas por dia. São ricos em vitaminas, minerais e fibras e contribuem para a proteção à saúde e diminuição do risco de várias doenças. Sucos naturais de fruta feitos na hora são os melhores;

· Coma feijão com arroz todos os dias ou, pelo menos, cinco vezes por semana. Essa combinação é completa de proteínas de boa qualidade. Varie os tipos de feijões usados. Use também outros tipos de leguminosas, como soja, grão-de-bico, ervilha seca, lentilha, fava;

· Consuma diariamente três porções de leite e derivados e uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos. Leite e derivados são as principais fontes de cálcio na alimentação. Carnes, aves, peixes e ovos também fazem parte de uma alimentação nutritiva. Os peixes são ricos em gorduras poliinsaturadas, dentre elas destaca-se o ômega 3;

· Consuma, no máximo, uma porção por dia de óleos vegetais, azeite, manteiga ou margarina. Consuma preferencialmente alimentos assados, cozidos, ensopados e grelhados;

· Evite refrigerantes, sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas. Consuma no máximo uma porção do grupo dos açúcares e doces por dia. Valorize o sabor natural dos alimentos e das bebidas e opte por bolos, pães e biscoitos doces preparados em casa;

· Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa. Para temperar e valorizar o sabor natural dos alimentos, utilize temperos como cheiro verde, alho, cebola, ervas frescas e secas ou suco de frutas, como limão. O consumo diário de sal deve ser de, no máximo, 1 colher de chá.

· Beba pelo menos dois litros (seis a oito copos) de água por dia. A água é muito importante para o bom funcionamento do organismo. Bebidas açucaradas como refrigerantes e sucos industrializados não devem substituir a água.

· Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite bebidas alcoólicas e fumo. Além da alimentação, a atividade física é importante para manter um peso saudável.

Bem-Estar

Aeróbico ou musculação? Saiba qual é mais eficiente para mudar o corpo

Alinhar os objetivos a um treino adequado e um cardápio correto pode acelerar os resultados e garantir o sucesso

Os exercícios aeróbicos são os que mais atraem quando o assunto é perda de peso, mas, geralmente, eles vêm acompanhados de um treino de musculação em sequência prescrito por personal trainers e profissionais de educação física. Nessa hora, muitas pessoas questionam o motivo, afinal o objetivo é emagrecer e não ganhar músculos, certo? É aí que muitos se enganam, pois, os exercícios voltados ao desenvolvimento da musculatura também contribuem para o emagrecimento e, se praticados da forma correta, podem alavancar os efeitos positivos de todos os esforços investidos.

Da mesma forma, aqueles que visam o aumento da massa magra costumam torcer o nariz para as atividades aeróbicas. O senso popular dita que esses exercícios não favorecem a musculatura, pelo contrário, prejudicam o desenvolvimento e retardam os resultados, mas será que é isso mesmo que acontece no organismo? De acordo com estudos, os aeróbicos são altamente benéficos para nossa saúde, especialmente a cardíaca, mas seus efeitos não param por aí, além de servirem como uma ótima forma de aquecimento pré-treino, eles ainda otimizam a respiração celular e favorecem o metabolismo.

Portanto, antes de decidir como encaixar essas modalidades à sua rotina, é preciso saber aonde se quer chegar primeiro, dessa forma, é possível alinhar ambas em prol de conquistar a composição corporal desejada.

Primeiro passo: definindo o objetivo

Perder peso ou ganhar massa? Essa é uma das primeiras questões indagadas quando alguém começa uma rotina de atividades físicas. Isso porque, o treino deve priorizar os exercícios que mais favorecem os efeitos almejados, portanto, antes de mais nada, é necessário traçar a meta principal. Para eliminar gordura os aeróbicos são muito indicados, pois eles são excelentes queimadores de calorias, já para ganhar massa magra e hipertrofia a musculação é a atividade ideal, mas isso não significa que um exercício elimine a necessidade do outro, o que irá variar são fatores como ordem, duração e intensidade, mas ambos podem ser combinados de maneira estratégica para impulsionar os resultados.

Gasto calórico não é o único fator indicativo

Independente da meta escolhida, os exercícios que fortalecem a musculatura, conhecidos também como anaeróbicos, devem estar sempre presentes. É verdade que os aeróbicos queimam mais calorias que a musculação, mas isso se limita apenas ao momento em que o indivíduo está realizando a atividade. Para uma análise correta, é necessário levar em consideração o gasto total diário, ou seja, a soma do quanto foi eliminado durante o treino mais a energia utilizada pelo corpo para se recuperar após os exercícios. Isso quer dizer então que, quanto maior for a intensidade do treino, mais energia o corpo requer para realizar sua reparação.

Isso significa que, por mais que a atividade aeróbica permita queimar um maior número de calorias na execução do exercício em si, a musculação permite prolongar essa queima durante todo o dia. O nutricionista Willian Reis, especialista em nutrição esportiva, explica que existe uma diferença entre gasto calórico e emagrecimento: "O primeiro consiste na queima de calorias promovida pela aceleração do metabolismo que é causada pela atividade física, já o emagrecimento se dá pelo déficit de calorias ao final do dia". Segundo o profissional da Nature Center o aumento no gasto calórico e o estímulo ao metabolismo é que resultam no emagrecimento.

Como o metabolismo reage

Reis explica que o exercício físico provoca alterações fisiológicas, como o aumento da temperatura corporal, da frequência cardíaca e da pressão arterial, o refluxo sanguíneo e de fluídos corporais, danos nos tecidos e, até mesmo, alterações hormonais. Mas, ao contrário do que muitos pensam, após a pratica as taxas metabólicas do organismo não retornam imediatamente aos níveis de repouso. "O corpo leva cerca de 1 hora para se recuperar de um exercício aeróbico, mas após a musculação, o metabolismo continua com uma demanda energética elevada até 15 horas" – afirma o especialista.

Isso ocorre porque quando o músculo é submetido ao esforço intenso, suas fibras são destruídas, mas durante o período de descanso, o corpo trabalha para recompô-las, aumentando de tamanho, é aí que acontece o chamado ganho de massa magra, tornando os músculos mais fortes e resistentes. O nutricionista afirma que corpo exige mais calorias para realizar essa tarefa, e por isso mantém o metabolismo num ritmo acelerado por mais tempo. Essa é a razão pela qual não se deve treinar o mesmo grupo muscular todos os dias, pois é preciso respeitar o tempo de descanso para a regeneração muscular.

A musculação é a melhor aliada


Segundo o nutricionista a musculatura é considerada um tecido metabolicamente ativo e o corpo exige um grande aporte de energia para realizar a manutenção das células desse tecido. Quando os músculos estão bem desenvolvidos essa demanda é ainda maior, porque eles aumentam nossa Taxa de Metabolismo Basal (TMB) – medida que define a quantidade mínima de energia usada para realizar as funções vitais do organismo enquanto o corpo repousa. A TMB elevada promove, consequentemente, a queima do tecido adiposo.

Essa taxa pode variar de pessoa para pessoa, de acordo com fatores como o sexo, altura, idade, genética, sedentarismo e a composição corporal, portanto, quanto maior o percentual de massa magra no organismo, mais acelerado será o metabolismo, pois cada quilo de músculo no corpo requer cerca de 100 calorias a mais por dia.

"Os músculos exigem um esforço maior do metabolismo em relação às células de gordura. Se compararmos uma pessoa com maior quantidade de massa gorda no corpo a outra com o mesmo percentual, só que de massa magra, há um aumento de cerca de 15 a 25% na aceleração do metabolismo" acrescenta Reis. Justamente por isso é costumamos ter uma percepção distorcida de que algumas pessoas magras podem comer de tudo sem engordar, no entanto, o que acontece é que essas pessoas certamente possuem uma taxa de massa magra maior, ou seja, a presença dos músculos desenvolvidos promove uma queima maior de calorias.

O aeróbico não deve ser descartado

A musculação, portanto, não só é o melhor caminho para a definição e hipertrofia, mas também é o exercício mais eficaz quando se trata de emagrecimento, no entanto, os aeróbicos não devem ser renegados, tanto por quem quer queimar gorduras, quanto por aqueles que visam a massa magra. A atividade aeróbica contribui para uma melhora na densidade, volume e quantidade das mitocôndrias, onde acontece a respiração celular e ainda colabora com a perfusão sanguínea, ou seja, otimiza o aporte de nutrientes para as células, o que é essencial para o processo de recuperação após o treino.

Além disso, a atividade impulsiona a queima de calorias durante a realização dos exercícios, contribuindo para a queima de gorduras localizadas, portanto serve como um excelente meio de aquecimento. Já para quem objetiva a definição muscular, a atividade é indicada após a realização do exercício muscular e pode ser feita com menos intensidade e em curta duração.


A balança não é a fonte mais confiável


De acordo com o nutricionista, emagrecer efetivamente significa eliminar gordura e elevar a taxa de massa magra, ou, no mínimo, mantê-la estável, portanto, perder peso na balança nem sempre é sinônimo de emagrecimento, pois, muitas vezes os quilos a menos podem ser sinais da eliminação de líquidos ou, até mesmo, da redução do volume muscular que é mais preocupante. "O processo saudável de emagrecimento consiste na eliminação de gorduras e não se resume apenas aos números da balança, pois eles, sozinhos, não significam nada, a análise é feita com base na composição corporal" – explica o nutricionista.

O especialista explica que ao praticar atividades anaeróbicas é comum ver o ponteiro da balança subir, mas, nesse caso, não quer dizer que o indivíduo engordou, pelo contrário, o aumento do peso geralmente ocorre devido ao crescimento muscular. " Por isso, o ideal é manter um acompanhamento das medidas, afinal, os músculos ocupam menos espaço no corpo, porém, pesam mais, o que faz com que os números na balança sejam positivos aos que buscam o crescimento, mas se tornem irrelevantes para quem visa emagrecer".

Dieta estratégica é fundamental

De acordo com Reis, apesar da extrema importância das atividades físicas, a maior parte dos resultados provem da alimentação correta e é justamente por isso que a dieta deve ser o foco de quem deseja enxugar a silhueta ou conquistar um abdômen sarado "A alimentação é um fator essencial, pois assim como ela pode potencializar, ela também pode sabotar os esforços investidos nos treinos, portanto, não é preciso se atentar apenas às restrições, mas é necessários atenção principalmente em relação às escolhas certas de acordo com os objetivos definidos".

O cardápio não é igual para todos, aqueles que querem massa magra possuem mais variedades e flexibilidade, especialmente em relação às quantidades, já quem visa emagrecer precisa de um controle maior e mais moderação no prato. "Alguns alimentos podem auxiliar na aceleração do metabolismo, como os termogênicos: cafeína e chá verdade, por exemplo. Também é importante investir naqueles capazes de ajudar na reconstrução dos tecidos, como as proteínas. Além disso, existem alguns alimentos funcionais e suplementos que podem ser inseridos estrategicamente na dieta, impulsionando ainda mais os efeitos desejados, mas, vale ressaltar que, tanto na dieta, quanto na hora de aderir a uma rotina de exercícios, é fundamental contar sempre com a supervisão de um profissional habilitado" - finaliza o especialista.

Saiba quais são as vacinas necessárias para cães e gatos

Médica veterinária explica quais são as vacinas fundamentais para manter a saúde dos pets em dia

Animais de estimação são sinônimo de alegria e companheirismo. Eles costumam recepcionar seus donos com latidos, ronronares e lambidas. Porém, às vezes, os amiguinhos de quatro patas mudam de comportamento, ficam cabisbaixos e desanimados. Isso pode ser um sinal de que há algo errado com a saúde deles.

Pra evitar que isso aconteça é necessário manter a caderneta de vacinação em dia. A tosadora de Sorocaba (SP), Juliana Corcini, que é dona de sete cães e de dois gatos, sabe bem disso.

"Mantenho as vacinas em dia para prevenir que eles fiquem doentes. Sempre vacino meus pets de acordo com as datas de nascimento. Além disso, todos os anos eles tomam o reforço da vacina antirrábica e V10", conta Juliana.

A médica veterinária Bruna Rosa destaca a importância de vacinarmos os pets. "A vacinação é de extrema importância, pois a imunização acontece de forma preventiva. Quando o animal não está vacinado, ele fica suscetível a contrair doenças como a raiva, cinomose e leptospirose, que podem levar o animal a óbito", explica a veterinária.

Respeitar o calendário de vacinação dos pets é fundamental para garantir que os animais fiquem saudáveis e felizes. Apesar de apenas a vacina antirrábica ser obrigatória, outras vacinas também são importantes.

"De acordo com a nossa legislação, somente a vacina antirrábica é obrigatória, já que se trata de uma zoonose, doença que pode ser transmitida a seres humanos. Porém, os animais devem receber também doses da V8 ou V10", alerta Bruna.

Vacinas necessárias para cães

Vacina antirrábica – A vacina antirrábica protege contra a raiva e deve ser aplicada em uma única dose após os três primeiros meses de vida dos cães. Essa vacina é aplicada gratuitamente por órgãos ligados ao setor de zoonoses das cidades.

Vacina V8 – Essa vacina protege o cão contra cinomose, parvovírus, adenovírus tipo 2, parainfluenza, coronavírus, leptospirose causada pelas cepas icterohaemorrhagiae e canicola. A aplicação é dividida em três seções, com intervalos de 21 a 30 dias entre cada uma.

Vacina V10 – Além de proteger contra as mesmas doenças que a V8, a vacina V10 também protege o cachorro de outras duas cepas causadoras da leptospirose, a grippotyphosa e a Pomona. As aplicações seguem a mesma indicação da V8.

Outras vacinas indicadas para os cães são contra a gripe canina, giárdia e leishmaniose.

Vacinas necessárias para gatos

Vacina Antirrábica – No caso dos gatos, a vacina antirrábica segue as mesmas especificações para os cães.

Vacina V3 – A tríplice felina protege os animais contra o calicivírus, inotraqueite e panleucopenia. A primeira dose deve ser aplicada depois dos primeiros 60 dias do animal, a segunda após o intervalo de 21 dias.

Vacina V4 – Além de proteger os bichanos das mesmas doenças que a tríplice, a quádrupla felina protege também contra a clamidiose.

Vacina V5 – Essa vacina protege das mesmas doenças que a V4 e contra a leucemia felina. As doses devem ser aplicadas a partir dos nove meses do animal e com intervalo de 21 a 30 dias.
É importante ressaltar que as vacinas devem ser aplicadas anualmente e apenas por médicos veterinários. A imunização do animal só acontece após a aplicação da última dose das vacinas, por isso, quando o pet estiver no quadro vacinal, não deve ter contato com outros animais.

Brasileiro gasta, em média, R$189,00 por mês com animais de estimação

Principal gasto dos donos com os animais é com a alimentação

O brasileiro que tem bicho de estimação gasta em média R$ 189 por mês com o animal, segundo pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com 796 internautas de todas as capitais. O levantamento concluiu que 76% das pessoas com acesso à internet têm animais de estimação e apenas 8% delas associam seus animais a despesas.

O principal gasto dos donos com os animais é com a alimentação. As rações foram citadas por 88% dos entrevistados e os petiscos, por 52%. Mais da metade (52%) afirma só comprar itens de alimentação de linha premium. Entre os gastos, os donos de bichos também citaram xampus e condicionadores (57%), medicamentos e vitaminas (50%) e brinquedos (44%).

Entre os serviços, as vacinas lideram a lista de mais procurados, lembradas por 63% dos ouvidos na pesquisa; seguidas por idas ao veterinário (44%) e banhos em pet shop (37%). Apesar de menos citados, chamam a atenção cuidados como tratamentos estéticos (13%), passeadores de cachorros (13%), tratamentos contra obesidade (8%) e acompanhamento comportamental (8%).

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a pesquisa mostra que o tratamento humanizado dos pets é uma tendência e há espaço para ampliação do setor de produtos e serviços para bichos. "A composição da cesta de compras dos donos de animais de estimação está mudando. É cada vez maior a demanda por cuidados especializados", avaliou.

"Moda e estética, alimentação saudável, hospedagem, atendimento em casa, exercícios físicos e saúde comportamental são algumas das áreas que deverão se desenvolver intensamente nos próximos anos", afirmou Pellizzaro.

A pesquisa também procurou saber onde os donos de animais de estimação compram produtos para seus bichos. As lojas de bairro especializadas foram citadas por 53% deles. Grandes redes de pet shops e supermercados foram lembrados por 20% e 16% dos entrevistados, respectivamente. Os motivos para a escolha são preço (59%), qualidade dos produtos e serviços (49%) e confiança (44%).

O perfil de quem tem animal de estimação é bem dividido entre homens e mulheres (50%). Pouco mais da metade (54%) está das classes C, D e E e na faixa etária dos 25 aos 44 anos (58%). Os cães são os preferidos por 79% das pessoas, seguidos por gatos (42%), pássaros (17%), peixes (13%), tartarugas (6%) e pequenos roedores (5%).

O levantamento foi feito em duas etapas. Na primeira, foram ouvidos 796 consumidores para identificar o percentual de quem tem animais de estimação. Uma segunda rodada, com 610 entrevistados, desenhou o perfil das pessoas que têm pets.

Bem-Estar

Beber água não emagrece, mas ajuda na dieta; entenda o porquê

Durante o jejum, a água é muito bem-vinda para evitar uma falsa sensação de fome

A relação entre a ingestão de maiores quantidades de água por dia e a perda de peso é um tema bastante discutido e ainda controverso. Especialistas garantem que a água, por si só, não emagrece ninguém, mas é fundamental para quem faz dieta e também para quem não faz.

"O que faz emagrecer é comer menos e gastar mais energia", garante a professora do Departamento de Ciências Fisiológicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Cássia Thais Zaia. Segundo ela, biomédica que estuda o controle neural da ingestão alimentar, a água dá condições para um emagrecimento saudável, mas não promove a perda de peso.

"A água é importante para todas as reações bioquímicas do nosso organismo, incluindo o emagrecimento, porque nosso metabolismo depende do oxigênio e do hidrogênio presentes na água. Todo esse processo promove um gasto de energia, mas não é suficiente para emagrecer", explica.

Com isso, a professora desmistifica a informação de que tomar água gelada emagrece porque exige um esforço do organismo para aquecê-la. Em relação a uma outra ideia bastante difundida, a de que beber água antes das refeições ajuda a emagrecer, ela acredita ser mais eficiente para quem quer perder alguns quilos. "A água vai ajudar a preencher o estômago e o cérebro vai entender que é hora de parar de comer, vai trazer a sensação de saciedade sem comer muito."

Beber um copo de água antes das refeições é uma das dicas que a nutricionista Valéria Mortara dá aos pacientes que querem perder peso. "É que a sensação de sede pode ser confundida com a sensação de fome. No nosso cérebro, o centro da fome está muito próximo ao centro da sede", explica. Assim, e também durante o jejum, a água é muito bem-vinda para evitar uma falsa sensação de fome.

A nutricionista também afirma que a água facilita o emagrecimento, mas não pode ser responsável pela perda de peso. "A boa ingestão de água torna mais fácil emagrecer, porque quando nosso organismo está hidratado tudo acontece mais fácil. Além disso, a água é veículo de eliminação das toxinas, é o verdadeiro detox."

Água alcalina

Uma das mais recentes "fórmulas mágicas" para emagrecer, a água ionizada, ou alcalina, tornou-se uma grande polêmica. Difundida pelo médico alemão Andreas Moritz, no livro 'Limpeza do fígado e da vesícula', essa água seria capaz de eliminar a acidez do sangue, promovendo o emagrecimento e vários outros benefícios ao organismo.

Assim como muitos especialistas, inclusive da comunidade internacional, Valéria não vê fundamento nessa argumentação. "Nosso organismo tem mecanismos assustadoramente sofisticados para manter o equilíbrio da acidez, eliminar toxinas. Eu acredito em água, da torneira, mineral, com gás.", justifica.

Bem-Estar

Obesos saudáveis' e 'magros doentes' têm maior risco de doença cardiovascular, diz estudo

Pesquisa indica que cálculo para o risco de eventos cardiovasculares é complexo: não depende apenas do peso, nem somente da ausência de condições como diabetes e colesterol alto

édicos não devem ignorar o risco de doenças cardiovasculares em indivíduos tidos como "obesos saudáveis" ou aqueles com "peso normal", mas com doenças metabólicas como diabetes, advertem pesquisadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

O estudo foi publicado nesta segunda-feira (11) no "Journal of the American College of Cardiology".

Para os pesquisadores, dados indicam que o conceito de "obesidade saudável" deve ser visto com maior atenção porque esses indivíduos ainda estão em maior risco para doenças cardiovasculares. Um obeso é considerado saudável quando, apesar do peso elevado, não há indícios de doenças metabólicas como diabetes, hipertensão e colesterol elevado.

Do mesmo modo, o fato de uma pessoa ser magra não implica que ela esteja livre do risco de desenvolver doenças cardiovasculares. A pesquisa também apontou aumento de risco nesse grupo.

"A chamada 'obesidade metabolicamente saudável' não é uma condição inofensiva e o termo não deve mais ser usado para levar as pessoas a acreditarem que a obesidade possa ser saudável", diz Rishi Caleyachetty, um dos autores do estudo, em nota.

No estudo, cientistas analisaram registros de saúde de 3,5 milhões de adultos britânicos. A análise foi feita em duas etapas: primeiro, foram identificados indivíduos livre de doenças cardiovasculares; depois, pesquisadores reavaliaram o registro desses mesmos indivíduos 5 anos depois para verificar a ocorrência de alguma condição cardiovascular.

Depois da análise, indivíduos foram divididos em quatro grupos "fenotípicos": 1) Indivíduos abaixo do peso (Índice de Massa Corporal menor que 18.5); índividuos com peso normal ( IMC maior que 18m mas menor de 25); sobrepeso (maior que 25, mas menor que 30); e obesos (IMC menor que 30).

A pesquisa mostrou que indivíduos obesos "metabolicamente saudáveis" apresentam maior risco de doenças cardiovasculares em comparação com aqueles que também não possuem doenças metabólicas, mas têm peso normal.

Resultados mostraram que há um risco 49% maior de doença cardíaca coronária, 7% maior risco de doença cerebrovascular e um risco aumentado de insuficiência cardíaca de 96%.

Ainda, pesquisadores demonstraram que indivíduos com peso normal, mas portadores de doenças metabólicas, também estão em maior risco.

"O fato do estudo mostrar que magros também terem risco aumentado tem uma implicação importante: sugere ainda que o peso não deve ser o único critério para identificar o risco cardiovascular", diz o professor Neil Thomas, da Universidade de Birmingham, em nota.

As implicações práticas da pesquisa

Segundo os pesquisadores, os dados indicam que médicos devem encorajar indivíduos obesos a perderem peso, mesmo que eles não tenham indicações de doença metabólica.

Do mesmo modo, o peso não deve ser o único indicador de risco de doença cardiovascular, já que magros com doenças metabólicas também estão em maior risco.

O que acontece se cortarmos os bigodes do gato?

Conheça os mitos e verdades sobre essa curiosa lenda urbana

Uma curiosa lenda urbana diz que se os fios do bigode de um gato forem cortados o animal ficará perdido e não encontrará o caminho de volta para casa. Quem trabalha com animais é direto ao afirmar: a história não passa de um mito.

O biólogo Guilherme Domenichelli, do Zoológico de São Paulo, desmente a teoria e confirma que, no caso de perda dos pêlos faciais, os felinos são afetados apenas na hora de caçar ou fugir de um predador. Segundo ele, os fios, chamados de vibrissas (pêlos sensoriais de orientação), têm a capacidade de auxiliar no tato e também na movimentação do animal, alertando-o sobre eventuais perigos no caminho.

"As vibrissas, que vão desde os bigodes até as sobrancelhas e os pêlos nas pontas das orelhas, funcionam como um importante mecanismo do corpo dos felinos", explica Domenichelli. No escuro, por exemplo, os longos bigodes conseguem perceber os perigos próximos ao gato que ele não enxerga. Estímulos são enviados ao cérebro para produzir os reflexos necessários à proteção.

"O leopardo fecha os olhos quando ataca uma presa para não se ferir caso ela esteja viva. Seus bigodes ficam virados para frente de forma que possa identificar se o animal atacado está vivo ou morto, através do tato", informa. De acordo com o biólogo, o mesmo mecanismo sensorial também existe em outras espécies, entre elas os leões marinhos, as focas e as lontras.

Os gatos geralmente possuem uma dúzia de bigodes, que se localizam em quatro fileiras sobre os lábios superiores, alguns nas bochechas, e outros fios sobre os olhos e o queixo. Os fios mais elevados têm uma movimentação independente, diferente dos inferiores, para a obtenção de medições ainda mais precisas.

Domenichelli avaliou que o posicionamento dos bigodes também indicam o estado de humor do animal, como tranqüilidade e postura defensiva ou agressiva, quando estiverem mais colados à cabeça.

Para o biólogo, diferentemente dos felinos selvagens, os bigodes não fazem tanta falta ao gato doméstico. "O animal de estimação é bem cuidado e pode tranquilamente sobreviver sem os fios, até porque ele cresce rapidamente", completa. Assim como o cabelo dos seres humanos, o bigode do gato cresce, em média, mais de 1 cm por mês.

Algumas raças de gatos criadas pelo homem em laboratórios, a partir de cruzamentos, não possuem pêlos pelos corpo e podem não apresentar os fios sensoriais, como é o caso do Sphynx. Já os tigres são os felinos que possuem os maiores bigodes e também os mais grossos.

Bem-Estar

7 alimentos para fortalecer a imunidade e evitar resfriados

Especialista dá dicas sobre como fortalecer e aquecer o organismo durante este período de frio intenso que estamos vivenciando

Ainda resta pouco menos de um mês para o fim do inverno, mas nos últimos dias da estação o frio resolveu se intensificar por todo o Estado. Associado à umidade que está mais proeminente nestes dias, a variação de temperatura – o vento gelado na rua e ambientes fechados em casa ou no escritório – colaboram para facilitar com que as pessoas peguem gripe ou resfriado com maior facilidade.

Para evitar o desconforto gerado por essas doenças, além de se agasalhar bem, é possível investir na alimentação adequada para potencializar o sistema imunológico. Afinal, já é difícil sair da cama todo dia de manhã com este frio para ir trabalhar, imagine ter que fazer isso com o corpo todo dolorido mais o mal-estar que estas doenças causam.

Uma boa alternativa para melhorar a imunidade e diminuir à propensão a ter pequenas ou grandes infecções e quadros como gripes está em atentar-se com a alimentação. "Os alimentos são ricos em vitaminas, minerais e outras substâncias que auxiliam na manutenção do sistema imunológico. Muitos alimentos também ajudam a proteger as células do organismo contra alterações que podem levar a problemas de saúde, além de ajudar a combater infecções e reduzir inflamações", explica Rita Scarpato, nutricionista da Splendido Alimentação.

Segundo Ida Helena Poltronieri, nutricionista e diretora comercial da Splendido, não só funcionários, mas empresas também podem e devem se atentar com a alimentação neste período. "Muitas empresas estão percebendo que proporcionar alimentação para seus colaboradores é muito mais do que um benefício de ‘RH’, é proporcionar qualidade de vida que será refletida no desempenho deste trabalhador. Essas empresas que se preocupam com a alimentação de seus colaboradores possuem equipes mais dispostas e sofrem menos com ausências e licenças de trabalhadores por conta de doenças que podem ser facilmente evitadas como uma boa nutrição", comenta ela ao recordar que obesidade, pressão alta e diabetes também sofrem influência de uma boa alimentação.

Para Rita uma ótima pedida para evitar estes infortúnios é apostar em um prato de comida bem equilibrado e colorido, principalmente com os ingredientes certos. Confira a seguir alguns alimentos que a nutricionista sugere acrescentar no cardápio neste período:

1. Tomate

O tomate é rico em vitaminas A, B e C, bem como em sais minerais como fósforo, potássio, cálcio e magnésio. Por isso, ele auxilia na proteção do sistema imunológico. A substância responsável por esses benefícios, que dá a coloração vermelha ao alimento, é o licopeno. Esse nutriente é antioxidante, auxiliando no combate aos radicais livres, que leva ao envelhecimento precoce, e também a manter o coração saudável. "Muitas pessoas não gostam de comer salada no inverno. Por isso, uma boa opção para ingerir este alimento é prepara-lo em sopa ou mesmo um caldo de tomate. Além de consumir o nutriente, a versão quente do alimento ainda serve para aquecer o organismo neste frio", comenta Rita.

2. Temperos: alho, cebola, pimenta e gengibre

O alho tem função imunoprotetora e uma boa dose de selênio e zinco, nutrientes importantes para evitar gripes, resfriados e outras doenças, explica Rita. "É por isso que muitas pessoas, quando gripadas, recorrem ao chá de alho para melhorar os sintomas das doenças", comenta a nutricionista. Sobre a maneira de utilizá-lo na prevenção, ela recomenda que ele pode ser consumido no tempero das preparações e adicionado cru para temperar o tofu, por exemplo. A cebola possui quercitina, outro potencializador da função imune, prevenindo doenças virais e alérgicas.

Durante os períodos de festa juninas e julhinas, o gengibre é muito utilizado para o preparo do quentão. Elaborado desta forma ele pode ficar até muito saboroso, mas não é nada recomendado ingerir bebidas alcóolicas para trabalhar. Rico em vitamina C e B6, o gengibre é expectorante, reduz a inflamação e a dor, tem ação bactericida e também auxilia no fortalecimento do sistema imunológico. O alimento também é um excelente termogênico capaz de diminuir inflamações da garganta, típicas de gripes e resfriados. Porém, é muito importante atentar ao organismo ao ingerir este alimento, porque algumas pessoas são alérgicas e podem passar mal com uma tosse seca e muito forte, obstrução da garganta e surgimento de manchas avermelhadas pelo corpo. "De toda forma, nunca use grandes pedaços, e sim, lascas fininhas e pequenas", recomenda Rita. A nutricionista indica que o gengibre pode ser usado em muitas sobremesas doces, mas também pode ser utilizado ralado em molhos salgados, sucos, chás e outros alimentos

Já a pimenta por si só já é considerada um alimento que provoca "calor" em muitas pessoas. Não é à toa que na Bahia, ela é sinônimo de "quente". Isso também se deve ao fato de ser um alimento termogênico, que auxilia na aceleração do metabolismo e, assim, favorecem o emagrecimento. O fitoquímico responsável pelos benefícios é denominado de capsaicina, responsável pelo "ardido" do alimento, comenta Rita. Esta substância tem a capacidade de reduzir a quantidade de radicais livres no organismo, sendo considerada um antioxidante e também um expectorante natural. As pimentas vermelhas também são fontes de vitaminas A, C e do complexo B, podem ser utilizadas moderadamente.

3. Vegetais verde-escuros

"Brócolis, couve, couve de Bruxelas, rúcula e espinafre são fontes importantes de ácido fólico e vitaminas A, B6 e B12, que possuem papel na maturação das células imunes, ajudando na resistência às infecções", diz a nutricionista da Splendido Alimentação. Rita complementa que os alimentos ricos em ácido fólico são importantes porque este nutriente participa da formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo. "O brócolis é um dos vegetais mais saudáveis que você pode colocar na sua refeição e um dos alimentos que ajudam na imunidade. A chave para manter seu poder intacto é cozinhá-lo o mínimo possível, no vapor, para que não perca suas propriedades. Pode ser colocado em molhos, arroz, risotos, lanches, saladas, recheio de tortas e onde mais a imaginação permitir", aconselha Rita.

4. Iogurte ou leite fermentado

Segundo a nutricionista, o iogurte natural e o leite fermentado são ricos em lactobacilos com propriedades probióticas, que melhoram a flora intestinal e fortalecem o sistema imunológico. "Além de ser consumidos no café da manhã e no lanche da tarde, eles são ótima opção de serem ingeridos antes de dormir ou para quando bate aquela fome de madrugada, pois é justamente neste período noturno que a ação dos lactobacilos é mais eficiente" indica Rita. A nutricionista acrescenta que ainda é possível utilizá-lo na preparação de molhos para saladas.

5. Ômega 3

O ômega 3 presente, por exemplo, no azeite e no salmão, auxilia as artérias a permanecerem longe de inflamações, ajudando a imunidade do corpo. "Salmão, cavala e arenque são exemplos de mariscos ricos em gorduras ômega-3, que reduzem a inflamação, aumentam o fluxo de ar e protegem os pulmões de resfriados e infecções respiratórias", observa Rita.

6. Morango

Assim como outras frutas cítricas (laranja, acerola, limão e kiwi), o morango é rico em vitamina C, antioxidantes, fibras, flavonoides e propriedades anti-inflamatórias. "A vitamina C é importante porque aumenta a produção das células de defesa do corpo, aumentando assim a resistência a infecções. Além de serem ricas em antioxidantes, que evitam a ação dos radicais livres responsáveis por enfraquecer as células, deixando o organismo mais propenso para a ação de agentes invasores, grande parte das frutas cítricas têm percentual significativo de água, fator que acaba auxiliando na hidratação. ", pondera a nutricionista. Ela recorda que, apesar de teoricamente a temporada do morango começar só em setembro, já é possível encontrar esta fruta em grandes quantidades pelas feiras, sacolões e supermercados. "Em muitos destes locais o morango já está com preço bem acessível ou em promoção, por isso é ótima pedida para incluir na alimentação neste período", pondera completando que, além de consumir a fruta in natura, é uma excelente opção para sucos e vitaminas, que auxiliam a dar um ‘up’ no organismo.

7. Cogumelos

Cogumelos (como o champignon) contêm selênio, um forte antioxidante que combate os radicais livres, melhorando a imunidade do corpo e acelerando a cicatrização do organismo. Já o shitake é rico em lentinana, nutriente capaz de estimular a produção das células de defesa e aumentar a imunidade. "Cogumelos diferentes como shiitake, champignon, shimeji podem trazer inúmeros benefícios. Pode-se consumir um punhado todos os dias. Ficam deliciosos em risotos, massas, saladas ou acompanhado de carnes" orienta Rita.

Calendário de saques do PIS/Pasep sairá até o dia 15

O pagamento será iniciado em outubro

O governo vai divulgar até o dia 15 de setembro o calendário de saque do PIS/Pasep (Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) para homens a partir de 65 anos e mulheres a partir dos 62 anos. Segundo o Ministério do Planejamento, a prioridade será dada a quem tem mais idade. O pagamento será iniciado em outubro.

Pelos cálculos do governo, a liberação deve injetar cerca de R$ 16 bilhões na economia brasileira, o que representa 0,25% do Produto Interno Bruto do País (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no Brasil. A medida vai atingir 8 milhões de pessoas, sendo que a maioria tem saldo na conta do PIS/Pasep em torno de R$ 750.

Segundo o ministério, a Medida Provisória 797/2017, que libera o saque, elevará o volume mensal de saques do Fundo PIS/Pasep em 26 vezes, de acordo com as projeções iniciais elaboradas com os dados dos agentes administradores, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

No último exercício financeiro do fundo (de julho de 16 ao mês passado), a média mensal de saques do fundo estava em R$ 104 milhões. Após a medida provisória, os bancos se preparam para receber solicitações que totalizam, pelo menos, R$ 2,6 bilhões por mês, informou o ministério.

Saques devem somar 1,3 milhão por mês

Em número de atendimentos, a expectativa é que os bancos recebam um volume de solicitação de saques da ordem de 1,3 milhão por mês: 23 vezes acima da média de 56 mil atendimentos por mês, realizados até junho passado, acrescentou o Ministério do Planejamento.

"Esse salto no volume de saques exige um planejamento apropriado para que seja garantido o atendimento de maneira adequada a todos os cotistas. A formulação do calendário de atendimento está sendo feita para que os recursos sejam disponibilizados o mais rápido possível, porém, de forma organizada para evitar transtornos aos beneficiados", explicou o governo.

O ministério lembrou que os saques por falecimento, invalidez e doenças continuam sendo feitos imediatamente conforme os critérios vigentes, ou seja, independentemente do calendário.

O ministério destaca ainda que será possível fazer consulta eletrônica sobre existência de saldo, por meio de telefone ou internet, evitando visitas às agências; haverá depósito direto na conta do beneficiário ou crédito direto na folha de pagamentos; e será possível fazer transferência para outros bancos sem custo;

"Os sites eletrônicos dos bancos já estão se preparando e várias informações já podem ser encontradas em www.bb.com.br/pasep, para os cotistas do Pasep, e em www.caixa.gov.br/cotaspis, para os cotistas do PIS", concluiu o ministério.


Calendário de saque do PIS/Pasep contemplará homens a partir de 65 anos e mulheres a partir de 62 anos


Bem-Estar

Veja como os lácteos ajudam a prevenir a osteoporose e o diabetes

Os lácteos se destacam pelo alto teor de proteínas, que contêm todos os aminoácidos indispensáveis para o corpo

Estima-se que 20% da população mundial tenha mais de 60 anos em 2050, de acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No Brasil, a expectativa média de vida é de 74,6 anos, mas a tendência é que se viva mais nas próximas três décadas. Com essa perspectiva, é importante ter uma alimentação adequada para poder aproveitar a terceira idade com saúde, evitando assim doenças como a osteoporose e o diabetes. Os lácteos são fundamentais para isso e Ana Paula Del'Arco, nutricionista e consultora da Viva Lácteos - Associação Brasileira de Laticínios - mostra como eles contribuem para o bem-estar dos mais velhos.

"Os casos de diabetes e osteoporose são mais comuns na terceira idade, geralmente como consequência de hábitos alimentares inadequados durante a vida, sendo o consumo de lácteos como leite, queijo e principalmente iogurte aliados na prevenção dessas doenças. Além do cálcio que contribui para a saúde dos ossos, os lácteos possuem uma grande quantidade de nutrientes, proteínas de alto valor biológico, peptídeos bioativos, essenciais para o bom funcionamento do organismo", explica Ana Paula.

Os lácteos se destacam pelo alto teor de proteínas, que contêm todos os aminoácidos indispensáveis para o corpo, ajudando na prevenção da sarcopenia (que é a diminuição da massa muscular e força física com o avanço da idade), e por ser fonte de cálcio, fósforo e magnésio, que contribuem para a manutenção da saúde óssea, ajudando na prevenção da osteoporose. O iogurte é ainda uma ótima fonte de probióticos que podem aumentar a sensibilidade à insulina e reduzir inflamações, ajudando na prevenção ao diabetes. Os produtos lácteos fermentados também têm papel importante neste processo, já que estão relacionados com a microbiota intestinal, envolvida no contexto da síndrome metabólica e do diabetes.

No caso das mulheres, o cuidado deve ser redobrado, já que a perda de massa óssea pode chegar a até 5% por ano durante a menopausa. Isso ocorre devido à redução do hormônio estrogênio e a consequência dessa perda ao fim de cinco anos é a osteoporose pós-menopausa.

O leite é a principal fonte alimentar de cálcio na nossa dieta e seus benefícios na saúde óssea e na prevenção da osteoporose há muito foram comprovados. Além disso, é possível adicionar ao leite, outros alimentos como frutas batidas, aveia e outros cereais para aumentar a densidade energética e nutricional e melhorar a consistência, para aqueles que têm disfagia.

"Na terceira idade, os lácteos são muito importantes na alimentação, tanto do ponto de vista nutricional, como pelo fato de dispensarem a mastigação, ajudando àqueles aqueles que têm problemas de dentição. Para quem tem disfagia, que é a dificuldade de engolir, a consistência pastosa do iogurte e do leite, quando batido com frutas e aveia, por exemplo, é excelente", afirma Ana Paula.

Células-tronco auxiliam no tratamento de animais

Terapia celular já é largamente utilizada para a cura de enfermidades em cães e gatos e também em outras espécies, como equinos e coelhos

Tratamentos com células-tronco ajudam não só os seres humanos, mas também os animais. Segundo Jorge Morais, veterinário e diretor da rede especializada em cuidados para pets Animal Place, a terapia celular já é largamente utilizada para a cura de enfermidades em cães e gatos e também em outras espécies, como equinos e coelhos, por exemplo. "As células-troncos dão origens a todas as outras e possuem um enorme poder anti-inflamatório", explica.

As células-mães, como também são chamadas, são retiradas do corpo do animal, levadas para um laboratório onde serão separadas e transformadas em novas células para então serem implantadas novamente diretamente na enfermidade ou através da via endovenosa. "Elas regeneram as células doentes. Os resultados são sentidos após três sessões, em média. A melhora é gradativa e contínua mesmo após o término do tratamento, já que continuam atuando nos tecidos após as aplicações", comenta Morais.

Mas, apesar da grande eficácia e do sucesso em muitos casos, o profissional lembra que infelizmente não há milagres. "A terapia é uma importante coadjuvante no tratamento de algumas enfermidades, mas cada caso deve ser avaliado separadamente", finaliza.

Arquitetos renomados dão dicas pra quem quer decorar uma casa pequena

Você mora em uma casa ou apartamento pequeno e um arquiteto ou decorador não cabem em seu orçamento? Pois o limaonagua entrou em contato com renomados arquitetos que gentilmente compartilharam sua experiência conosco. São informações valiosas, que podem melhorar significativamente a qualidade de vida de quem vive em uma casa pequena. O mais importante: é de graça! Então, faça bom proveito.

Fizemos a alguns escritórios de arquitetura a seguinte pergunta: se você tivesse que dar uma dica para uma pessoa que vai morar em um espaço pequeno, qual seria ela?

Uma boa marcenaria!
Uma marcenaria bem feita aproveita cada centímetro do seu apartamento. Essa é a maior vantagem deste serviço. As demandas que mais chegam até nós, profissionais, são: guarda-roupa grande e mais espaço para guardar utensílios de cozinha. Pensando nisso, nasce o projeto de marcenaria.

Outra dica boa é não utilizar muitos padrões de madeira e escolher até três tons. Assim, é mais fácil criar ambientes harmônicos e aproveitar as peças em MDF.

Neste projeto, elegemos o destaque com o verde-limão em contraste com o cinza e o tom amadeirado. Optamos também pelo armário com portas de abrir que, além de ocupar 7cm a menos do que o armário com portas de correr, é mais barato, pois não inclui os trilhos.

Os detalhes fazem a diferença! Os puxadores estão cada vez mais camuflados na marcenaria, eles vêm no formato cava ou apenas um perfil em alumínio discreto.






A iluminação é um fator decisivo ao bom uso de espaços pequenos e a luz natural é a melhor opção

A primeira dica é o bom aproveitamento dos espaços, com móveis versáteis e, quando possível, ambientes integrados.

A iluminação também é um fator decisivo ao bom uso de espaços pequenos. A luz natural é sempre a melhor opção, porém, quando o ambiente não puder abrigá-la, focos de luz artificial ajudam a destacar certos espaços ou objetos e assim melhor distribuir o projeto.

Além dessas dicas, outros "truques" para melhor aproveitar estes ambientes é o uso de espelhos, que dão a sensação de amplitude, e de outros objetos específicos no décor. O tapete é um deles. O uso de um grande tapete retangular que envolva algum cômodo, como a sala de estar, também pode proporcionar o efeito desejado. Algumas estampas, como as quadriculadas, podem dar um efeito "ilusório" que é interessante para a ampliação dos projetos.





Você sabia que cães podem doar sangue?

Assim como nos hemocentros humanos, o banco de sangue canino possui demanda alta

Os cães são animais bem diferentes dos humanos, porém, em pelo menos uma coisa ambos se assemelham: a possibilidade de salvar vidas por meio da doação de sangue. Com o Projeto Vida – Banco de Sangue de Cães, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), centenas de vidas caninas já foram salvas graças à doação de sangue dos "melhores amigos do homem".

A docente do curso de Medicina Veterinária da UEL e coordenadora do projeto, Patrícia Mendes Pereira, afirma que o abastecimento do banco de sangue canino é de extrema importância para a vida dos bichinhos internados no Hospital Veterinário (HV).

"Atendemos muitos cães na emergência, em estado grave. Muitos desses animais atropelados, com doenças crônicas ou agudas. Eles chegam extremamente anêmicos. A gravidade da anemia deles é tão grande que às vezes não dá para esperar duas, três horas para começar a transfusão sanguínea", explica Patrícia.

Assim como nos hemocentros humanos, o banco de sangue canino possui uma demanda alta se comparada ao estoque. Dessa forma, a equipe está sempre em busca de novos doadores. "Como faltam doadores, às vezes chega um animal precisando de transfusão e a gente não tem sangue estocado. E muitas vezes esse animal acaba morrendo, por falta do atendimento imediato com o sangue."

A veterinária alerta, contudo, que nem todo cão pode ser doador. Além de uma criteriosa avaliação para verificar o estado de saúde dele, outras particularidades devem ser respeitadas, como: o cão deve ser de grande porte; pesar mais de 28 kg; ter entre dois e oito anos de idade; ser vacinado anualmente; e ser manso para que permita a coleta do sangue na presença do guardião.

"Isso é feito [os exames> tanto para que, de forma alguma, eles sejam prejudicados com a coleta de sangue, como para sabermos que estamos passando um sangue saudável, sem doença."

Além da chance de salvar a vida de outros cães, os animais doadores "de carteirinha" ainda recebem exames e vacinação gratuitos, mesmo após atingirem a idade máxima permitida.

Atendimento especial

O banco de sangue canino possui uma estrutura privativa dentro do campus universitário, a fim de gerar mais comodidade aos doadores e seus guardiões. "O laboratório para colher o sangue é separado do Hospital Veterinário. É um ambiente à parte", frisa Patrícia.

Os interessados devem entrar em contato com a equipe do Projeto Vida através da página no Facebook ou pelo Instagram.

Através desse contato, um agendamento será feito no horário mais cômodo para o guardião do animal. "O proprietário deve agendar o atendimento. Por se tratar de um projeto de extensão, se chegar um doador de sangue sem agendamento, nós não temos uma equipe para colher o sangue na hora."

Bem-Estar

Anvisa aprova medicamento biológico para hemofilia A

Zonovate possui fator de coagulação que evita hemorragias em hemofílicos

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o medicamento Zonovate para o tratamento da hemofilia A. O composto possui o fator de coagulação VIII, que está ausente nessas pessoas.

A hemofilia A é uma condição genética que causa dificuldades de coagulação do sangue, levando a sangramentos excessivos em seus portadores.

Como a coagulação do sangue ocorre por meio da interação de estruturas chamadas pela medicina como ‘fatores de coagulação’, uma injeção da substância repõe a proteína e evita a hemorragia.

O Zonovate é considerado um medicamento biológico, classe de substâncias produzidas a partir de células e substâncias vivas -- e não com compostos químicos sintéticos. A droga foi produzida pelo laboratório Novo Nordisk.

A aprovação do medicamento foi registrada no Diário Oficial nesta segunda-feira (7).



Bem-Estar

Ciência tenta 'explicar' identidade de gênero com DNA, mas ativistas levantam preocupações

Iniciativa europeia e americana coletou sangue de 10.000 pessoas para mapear genoma e comparar DNA de pessoas transgêneros e não transgêneros. Ativistas temem 'terapias reparadoras'.

Um consórcio de cinco instituições de pesquisa na Europa e nos Estados Unidos -- incluindo o Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, a Universidade George Washington e o Hospital Infantil de Boston -- está buscando no genoma algumas pistas que nos ajudem a explicar o porquê de algumas pessoas serem transgêneros e outras não, informa a Reuters.

Para entender qual o papel que o genoma desempenha na identidade de gênero, cientistas extraíram DNA das amostras de sangue de 10.000 pessoas: 3.000 deles transgêneros e o restante não transgênero, diz a Reuters. O objetivo é comparar cerca de 3 milhões de variações genéticas em todo o genoma dos participantes.

Atualmente, segundo a agência de notícias, a única maneira de determinar se as pessoas são transgêneros é pela autoidentificação. Enquanto ativistas afirmam que isso deveria ser suficiente, cientistas decidiram levar essa busca para o laboratório.

Sabendo quais as variações que as pessoas transgêneros têm em comum, e comparando esses padrões com aqueles das pessoas cisgêneros (aqueles que se identificam com o gênero em que nasceram), pesquisadores podem entender melhor o que ocorre – inclusive, se os genes têm ou não papel preponderante.

"Se a característica é fortemente genética, pessoas que se identificam como trans irão compartilhar mais o mesmo genoma entre si", disse à Reuters Lea Davis, líder do estudo e professora-assistente de medicina do Centro Médico da Universidade de Vanderbilt.

Ativistas e pessoas trans, no entanto, estão reagindo, diz a Reuters. Isso porque, se uma "causa" for encontrada, ela teoricamente poderia levar a uma "cura", potencialmente abrindo a porta para as chamadas ‘terapias reparadoras’ -- semelhantes às que tentam transformar homossexuais em heterossexuais. Outros suscitam preocupações sobre os direitos daqueles que podem se identificar como trans, mas que não possuem "provas" biológicas.

Nos Estados Unidos, a busca pelos fundamentos biológicos de transgêneros está assumindo nova relevância à medida que a batalha por direitos se desenrola na arena política.

Na semana passada, o presidente Donald Trump anunciou no Twitter que pretende proibir pessoas transgênero de servir nas forças armadas. Ainda, um dos primeiros atos de sua administração foi revogar a decisão de Obama de permitir que pessoas transgêneros utilizem banheiros de sua preferência em escolas públicas.

Questões de saúde

A pesquisadora do grupo, Lea Davis, enfatizou à Reuters que o estudo não procura produzir um teste genético para identificar uma pessoa transgênero - e nem os cientistas seriam capazes de fazê-lo. Em vez disso, disse, pesquisadores esperam que os dados levem a um melhor entendimento sobre o bem-estar de pessoas transgêneros, que experimentam grandes disparidades de saúde em comparação com a população em geral.

Um terço das pessoas transgênero relataram uma experiência de saúde negativa no ano anterior, como assédio verbal, recusa de tratamento ou a necessidade de ensinar seus médicos sobre cuidados, de acordo com uma pesquisa com cerca 28 mil pessoas divulgadas no ano passado pelo Centro Nacional para Transgender Equality, nos Estados Unidos. Ainda, cerca de 40% tentaram suicídio, quase 9 vezes a taxa para a população em geral.

"Nós podemos usar essa informação para ajudar a capacitar médicos e enfermeiros e também desenvolver esclarecimentos para apoiar a legislação de direitos iguais", Lea Davis disse à Reuters.




Cachorra recém-castrada está desaparecida em Assis

Kika foi vista pela última vez nas proximidades da Avenida Rui Barbosa

Uma cachorra que atende pelo nome de Kika está desaparecida, em Assis. De acordo com sua tutora, ela tem oito meses e foi castrada recentemente e está com os pontos da cirurgia na barriga.

Kika é bastante dócil, tem porte médio e foi vista pela última vez na Avenida Rui Barbosa, nas imediações da altura do número 1.700.

Caso alguém tenha informações sobre Kika, o telefone de contato é (18) 99608-2166.


Kika


Tutora oferece recompensa para encontrar sua gata, em Assis

Lua, como é chamada, fugiu no dia 15 de junho

Os tutores da gata Lua estão muito preocupados desde que ela sumiu, no dia 15 de junho, no Jardim Monte Carlo, em Assis.

Segundo sua tutora, Vanessa Gava Moretti, a gata foi levada juntamente com um caminhão de mudança para Cândido Mota. Lua estava em uma casa na Rua Manoel Casado, no Bairro Santa Terezinha, mas já fugiu do local.

Seus tutores oferecem uma recompensa caso alguém ajude a encontrar a gata. Para informações, o telefone de contato é (18) 99777-7828.


Lua


Seis filhotinhas estão disponíveis para adoção, em Assis

Elas têm aproximadamente 50 dias e precisam de um lar

Uma cadela de rua deu à luz a seis filhotes fêmeas que precisam de um lar. As filhotinhas estão sendo assistidas provisoriamente por Letícia de Freitas, mas ela não tem condições de ficar com elas.

Os filhotes têm 50 dias e estão em um abrigo temporário no Jardim Eldorado. Quem quiser adotá-las de maneira responsável, para que elas não voltem para as ruas, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99731-4601.

Veja algumas das filhotinhas:







Assisense procura cachorro perdido na Vila Mercedes

Hot, como é chamado, desapareceu na tarde desta quinta-feira, 15

Os tutores do cachorro Hot estão à sua procura, em Assis. O animal desapareceu na tarde desta quinta-feira, 15, na Rua Humberto de Campos, nas proximidades do Supermercado São Judas Tadeu.

Ele é de porte grande, pelagem preta e tem o céu da boca manchadinho de preto.

Quem tiver informações sobre Hot, os telefones de contato são (18) 99719-9736 (Allana) e (18) 99654-2619 (Claudia).


Hot

Hot


Filhotes de cachorro estão disponíveis para adoção, em Assis

São quatro fêmeas com apenas um mês de vida

Quatro filhotes de cachorro estão à procura de um novo lar, em Assis. São quatro fêmeas, sem raça definida, e que estão com um mês de vida.

Quem puder adotá-los deve lembrar que a adoção responsável é importante para que eles não sejam abandonados.

Os interessados em adotar os filhotinhos podem entrar em contato pelo telefone (18) 99746-8434.


Filhotes disponíveis para adoção

Filhotes disponíveis para adoção

Filhotes disponíveis para adoção


Como adestrar um cachorro: mitos e verdades

Com o adestramento de cães, você ensina não apenas o que o animal pode fazer, mas principalmente, o que ele não deve

Criar uma comunicação eficiente para ter um cachorro calmo e educado é possível, desde que você não caia nos mitos do adestramento de cães

Os cachorros são capazes de executar diversas funções, como é o caso dos cães policiais, dos guias de cegos e dos cães pastores. Esses exemplos só provam que o melhor amigo do homem pode ser adestrado, fazendo com que a sua vida e a de seu tutor melhorem, afirmam os veterinários especializados em comportamento canino do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Com o adestramento de cães, você ensina não apenas o que o animal pode fazer, mas principalmente, o que ele não deve. Seu pet passará socializar, a se exercitar e a se comportar de forma muito mais tranquila, enquanto que você evitará os principais problemas que ele pode causar, como destruir objetos, fazer xixi no lugar errado e latir em excesso.

Para ser bem-sucedido nesse treinamento, é importante seguir apenas as técnicas de adestramento eficazes, estabelecendo uma comunicação adequada para que o animal possa compreender e respeitar as ordens do seu tutor.

Descubra quais são as que realmente funcionam para evitar o mau comportamento e incentivar as atitudes positivas dos pets:

Preciso de um adestrador profissional


Mito. Não é preciso contratar um adestrador profissional para ensinar os "truques" mais simples para os cães, como sentar e ficar, embora o investimento em algumas aulas para que você possa dar continuidade seja uma boa opção.

Agora, para resolver problemas temperamentais, como medo e agressividade caninos, é recomendado contratar um especialista para que ele receba um tratamento adequado.

É possível adestrar filhotes

Verdade. É possível e recomendado começar o treinamento dos animais de estimação quando eles ainda são pequenos, mas lembre-se que eles possuem uma capacidade limitada de aprendizado e concentração nessa fase.

Desde o início, ensine-o o próprio nome, chamando-o e associando a resposta a um carinho ou um brinquedo. Já nos primeiros meses, o que você pode fazer é não dar atenção para os hábitos indesejados, como latir ou chorar, e ajudá-lo a se ambientar ao local onde deve fazer as necessidades, levando-o até lá a cada duas horas e após as refeições.

Bater no cachorro é uma forma de adestrá-lo


Mito. Pelo contrário, bater e ameaçar são as piores atitudes que você pode ter em relação ao animal, mesmo quando ele aprontou uma daquelas! Bater em seu cachorro, principalmente quando você está com raiva, pode machucá-lo e torná-lo agressivo com outras pessoas.

Agredir o seu cachorro pode torná-lo hostil

A punição ideal para os cães deve ser feita apenas quando você flagrá-lo fazendo algo indesejado, bastando causar um pequeno susto desconforto, como levantá-lo pela pele atrás do pescoço (o cangote), bater palmas ou mesmo com um borrifador de água (uma boa opção caso você tenha mais de um pet em casa), dependendo do perfil do seu cão.


Deixar o cachorro de castigo do lado de fora é prejudicial

Verdade. Você provavelmente já tem pouco tempo para ficar com o seu animal de estimação devido a uma rotina atribulada. Se você o isolar quando flagrar algo errado (ou logo após o ato), você estará ensinando que ficar sozinho não é algo legal, provocando ansiedade de separação. Nesses casos, é comum que o cachorro comece a latir, a chorar e a destruir objetos como uma forma de recuperar a atenção do dono o mais rápido possível.

É normal o cachorro puxar a coleira durante o passeio


Verdade, mas esse comportamento não é desejável. Cães que puxam a guia com muita força podem tornar esse momento um pesadelo, fazendo com que você em pouco tempo desista de sair para passear diariamente com ele. O ideal é evitar esse comportamento usando guias curtas ideais para treinamento, que limitam o movimento do pet.

Usar um petisco para que ele vá seguindo também serve como estímulo para um bom comportamento ao passear. Se ele começar a puxar, imediatamente vire para o outro lado e, quando ele estiver ao seu lado novamente, use o comando "junto" e faça um carinho ou dê o petisco.

É possível acabar com os latidos dos cães

Mito. O que você conseguirá fazer com o adestramento é minimizar os latidos, pois esse é um ato natural e sua frequência depende da raça do animal, sendo que os de pequeno porte costumam ser mais barulhentos.

A melhor forma de evitar os latidos é não fazer com que eles convençam o dono a fazer algo, como pegar o brinquedo embaixo do sofá ou colocar ração, pois isso dá a entender que o seu pet precisa "avisar" algo para que você possa atendê-lo. Use uma técnica de punição para reprimir os latidos e continue a agir naturalmente. Apenas quando o barulho cessar, confira o que o seu pet precisa que você faça.

Fazer o cachorro dar a patinha é uma das tarefas mais difícies do adestramento de cães

Mito. Tanto para fazer esse truque charmoso quanto para ensinar o seu amigo a sentar ou deitar, use a mesma técnica: pegue um petisco e posicione na direção dos olhos do animal para que ele se sente, no chão para que ele se deite e próximo à patinha para que ele dê um toque na sua mão.

Ao posicionar o petisco, dê os comandos para que o cão vá associando e, quando ele finalmente executar o movimento desejado, entregue a recompensa. Repita esse tipo de exercício diariamente para que o seu pet vá se acostumando e, em pouco tempo, ele já obedecerá sem a necessidade de um petisco (mas esperando ao menos um carinho).



Tutores buscam cachorras desaparecidas na Vila Xavier, em Assis

Elas desapareceram próximo à Rua Olavo Bilac

Duas cachorras vira-latas estão desaparecidas na Vila Xavier, em Assis. Os tutores estão buscando informações sobre as duas, que atendem pelo nome de Pitica e Fulô. Elas fugiram na madrugada deste domingo, 11, próximo à Rua Olavo Bilac.

Pitica tem a pelagem preta e marrom, sem rabo e tem cerca de 10 anos. Já Fulô é filhote e tem cerca de 4 anos.

Quem tiver informações, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99751-1116 ou (18) 99751-1119 (Martinho e Midori).


Fulô


Mitos e verdades de como adestrar um cachorro

Criar uma comunicação eficiente para ter um cachorro calmo e educado é possível, desde que você não caia nos mitos do adestramento de cães

Os cachorros são capazes de executar diversas funções, como é o caso dos cães policiais, dos guias de cegos e dos cães pastores. Esses exemplos só provam que o melhor amigo do homem pode ser adestrado, fazendo com que a sua vida e a de seu tutor melhorem, afirmam os veterinários especializados em comportamento canino do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Com o adestramento de cães, você ensina não apenas o que o animal pode fazer, mas principalmente, o que ele não deve. Se pet passará socializar, a se exercitar e a se comportar de forma muito mais tranquila, enquanto que você evitará os principais problemas que ele pode causar, como destruir objetos, fazer xixi no lugar errado e latir em excesso.

Para ser bem-sucedido nesse treinamento, é importante seguir apenas as técnicas de adestramento eficazes, estabelecendo uma comunicação adequada para que o animal possa compreender e respeitar as ordens do seu tutor.

Descubra quais são as que realmente funcionam para evitar o mau comportamento e incentivar as atitudes positivas dos pets:

Preciso de um adestrador profissional

Mito. Não é preciso contratar um adestrador profissional para ensinar os "truques" mais simples para os cães, como sentar e ficar, embora o investimento em algumas aulas para que você possa dar continuidade seja uma boa opção.

Agora, para resolver problemas temperamentais, como medo e agressividade caninos, é recomendado contratar um especialista para que ele receba um tratamento adequado.

É possível adestrar filhotes

Verdade. É possível e recomendado começar o treinamento dos animais de estimação quando eles ainda são pequenos, mas lembre-se que eles possuem uma capacidade limitada de aprendizado e concentração nessa fase.

Desde o início, ensine-o o próprio nome, chamando-o e associando a resposta a um carinho ou um brinquedo. Já nos primeiros meses, o que você pode fazer é não dar atenção para os hábitos indesejados, como latir ou chorar, e ajudá-lo a se ambientar ao local onde deve fazer as necessidades, levando-o até lá a cada duas horas e após as refeições.

Bater no cachorro é uma forma de adestrá-lo

Mito. Pelo contrário, bater e ameaçar são as piores atitudes que você pode ter em relação ao animal, mesmo quando ele aprontou uma daquelas! Bater em seu cachorro, principalmente quando você está com raiva, pode machucá-lo e torná-lo agressivo com outras pessoas.

Agredir o seu cachorro pode torná-lo hostil

A punição ideal para os cães deve ser feita apenas quando você flagrá-lo fazendo algo indesejado, bastando causar um pequeno susto desconforto, como levantá-lo pela pele atrás do pescoço (o cangote), bater palmas ou mesmo com um borrifador de água (uma boa opção caso você tenha mais de um pet em casa), dependendo do perfil do seu cão.

Deixar o cachorro de castigo do lado de fora é prejudicial

Verdade. Você provavelmente já tem pouco tempo para ficar com o seu animal de estimação devido a uma rotina atribulada. Se você o isolar quando flagrar algo errado (ou logo após o ato), você estará ensinando que ficar sozinho não é algo legal, provocando ansiedade de separação. Nesses casos, é comum que o cachorro comece a latir, a chorar e a destruir objetos como uma forma de recuperar a atenção do dono o mais rápido possível.

É normal o cachorro puxar a coleira durante o passeio

Verdade, mas esse comportamento não é desejável. Cães que puxam a guia com muita força podem tornar esse momento um pesadelo, fazendo com que você em pouco tempo desista de sair para passear diariamente com ele. O ideal é evitar esse comportamento usando guias curtas ideais para treinamento, que limitam o movimento do pet.

Usar um petisco para que ele vá seguindo também serve como estímulo para um bom comportamento ao passear. Se ele começar a puxar, imediatamente vire para o outro lado e, quando ele estiver ao seu lado novamente, use o comando "junto" e faça um carinho ou dê o petisco.

É possível acabar com os latidos dos cães

Mito. O que você conseguirá fazer com o adestramento é minimizar os latidos, pois esse é um ato natural e sua frequência depende da raça do animal, sendo que os de pequeno porte costumam ser mais barulhentos.

A melhor forma de evitar os latidos é não fazer com que eles convençam o dono a fazer algo, como pegar o brinquedo embaixo do sofá ou colocar ração, pois isso dá a entender que o seu pet precisa "avisar" algo para que você possa atendê-lo. Use uma técnica de punição para reprimir os latidos e continue a agir naturalmente. Apenas quando o barulho cessar, confira o que o seu pet precisa que você faça.

Fazer o cachorro dar a patinha é uma das tarefas mais difícies do adestramento de cães

Mito. Tanto para fazer esse truque charmoso quanto para ensinar o seu amigo a sentar ou deitar, use a mesma técnica: pegue um petisco e posicione na direção dos olhos do animal para que ele se sente, no chão para que ele se deite e próximo à patinha para que ele dê um toque na sua mão.

Ao posicionar o petisco, dê os comandos para que o cão vá associando e, quando ele finalmente executar o movimento desejado, entregue a recompensa. Repita esse tipo de exercício diariamente para que o seu pet vá se acostumando e, em pouco tempo, ele já obedecerá sem a necessidade de um petisco (mas esperando ao menos um carinho).



Morte de cãozinho serve de alerta para os riscos de determinados alimentos

Donos decidiram divulgar história para servir de alerta.

Saffy, tinha dois anos, era uma cachorrinha muito simpática e saudável que adorava caminhar com sua tutora, Joanne, em Chester, Inglaterra.

Numa destas caminhadas, sem Joanne perceber, Saffy comeu uma espiga de milho. Uma semana depois a cadelinha começou a vomitar sem parar.

Em um primeiro momento, Joanne e o marido acreditaram que fosse um caso de envenenamento. Mas os veterinários, ao apalparem o estômago de Saffy sentiram algo duro. A cirurgia foi imediata.

A explicação foi que a espiga percorreu o intestino de Saffy como um ralador de queijo, perfurando-o. Saffy não resistiu ao sangramento e morreu no mesmo dia.

Mesmo assim, os tutores pediram um laudo toxicológico que confirmou a verdadeira causa da morte. Joanne e o marido continuam de coração partido. Nenhum deles desconfiou do que havia acontecido e como a situação era grave. O laudo toxicológico revelou que o núcleo do milho era tão duro que rompeu os intestinos, acarretando a morte de Saffy por septicemia grave.

Joanne decidiu tornar pública a história para evitar que a mesma situação se repita com outros cães. Talvez por Saffy ser um cão pequeno, o caso tenha sido fatal, acredita Joanne. Possivelmente cães maiores, do porte de labradores, teriam tido melhor sorte.



Papel de parede no banheiro é possível e o resultado é lindo

O banheiro sempre foi um ambiente deixado mais de lado quando o assunto é decoração, mas os tempos estão mudando. Cada vez mais as pessoas ao reformarem ou adquirirem um imóvel, estão preocupadas com cada cantinho da casa. Finalmente, o banheiro ganha destaques das maneiras mais criativas.

O papel de parede era algo impensável de se ter no banheiro há um tempo atrás, mas com novas tecnologias desenvolvidas, esta não é mais a realidade. Além de dar um grande destaque para os banheiros e lavabos, os papeis de parede são uma alternativa linda e prática para quem não quer uma reforma cheia de quebra quebra.

Além de tudo, pode ser uma opção mais barata em relação à ladrilhos e porcelanatos. De qualquer forma, quando o assunto é revestimento, com certeza vale a pena investir um pouco mais, porque o resultado, geralmente vale a pena.


É sempre importante lembrar, que a alternativa do papel de parede para este ambiente é muito original e o resultado é incrível, mas não pode ser aplicada sem alguns preparativos. Primeiro, é essencial saber qual o tipo de papel pode ser colocado no banheiro, e se este tem uma janela maior/menor, se é mais úmido, se vai ser colocado em todas as paredes, é preciso procurar uma profissional que esteja acostumado com este tipo de trabalho. Tudo isso é importante para que tudo tenha o resultado desejado, por isso a pesquisa e consulta de profissionais são necessárias.

Depois da pesquisa feita e decisão tomada é só aplicar e ver o resultado, os papeis de parede são bem versáteis, com temáticas e cores para todos os gostos. Desde o clean e minimalista ao romântico florido, ou até, o moderninho.

Confira abaixo fotos de banheiros e lavabos para se inspirar:







Bem-Estar

Veja quais alimentos podem te ajudar a dormir melhor

Leite e aveia estão entre as comidas que evitam a ansiedade na hora de ir para a cama

Alimentar-se adequadamente é essencial para ter uma boa noite de sono. Especialmente no fim do dia, vale a pena prestar atenção ao tipo de alimento que se ingere, pois ele pode contribuir para bons sonhos ou atrapalhá-los.

Aliar alimentação saudável, exercícios e disciplina com horários é uma grande arma para combater a insônia, que afeta 36,5% dos brasileiros, segundo dados do Instituto do Sono.

Para começar a busca por bons hábitos, evitar itens gordurosos e doces pelo menos 5 horas antes de dormir é a indicação da nutricionista da Sanavita, Andrea Hirga.

"Se a digestão fica comprometida no momento de dormir, é mais possível que se tenha dificuldade em descansar à noite", aconselhou. Por isso, alimentos leves e quentes são recomendáveis para gerar sensação de conforto e bem estar.

Veja uma lista de comidas recomendáveis para evitar problemas com insônia:

Aveia
A aveia é fonte de triptofano — um aminoácido que ajuda a sintetizar serotonina, o "hormônio do prazer" — e ajuda também a manter um sono contínuo. Além disso, segundo o nutricionista Daniel Novais, é um cereal rico em melatonina, que também potencializa os efeitos do triptofano.

Legumes
A couve e o alface, segundo Daniel Novais, são ricos em magnésio. Ajudam a carregar mais rápido o triptofano para produzir serotonina, importante contribuidora de um sono leve e tranquilo, além de essencial no relaxamento muscular.

Banana e cacau
A dica da nutricionista Andrea Hirga é misturar os dois alimentos, aquecendo a banana no microondas e colocando cacau em pó por cima. A combinação também gera mais serotonina. Daniel Novais indica que, caso se opte por chocolate antes de dormir, é ideal escolher um que tenha pelo menos 85% de cacau.

Cereja
A fruta é rica em melatonina — hormônio indutor do sono. O ideal é optar pela cereja fresca. Uma boa combinação é chá de camomila com pedaços de cereja. "O chá quente ajuda a relaxar e desestressar", aconselhou Daniel.

Leite
Essa é mais uma fonte de triptofano. A dica da Andrea Hirga é aquecê-lo para gerar relaxamento. "Evitar excessos à noite é sempre a melhor opção para manter e cuidar das horas de sono", afirmou.



A saúde dos pets começa pela boca

O cuidado com a higiene bucal é fundamental para garantir mais qualidade de vida aos pets e evitar doenças como a periodontite

Muitas pessoas não dão a atenção necessária para a saúde bucal e esquecem a importância da correta higienização e visitas ao dentista. Com os pets, a situação não é diferente. Muitos donos se preocupam com as vacinas e os antiparasitários, mas esquecem que a saúde bucal é fundamental para os cães e gatos terem qualidade de vida.

A questão também é de sanidade animal, pois algumas doenças começam na boca e se espalham por órgãos como coração, rins e fígado, através da corrente sanguínea. "Os tutores notam mau hálito do animal, mas acham que é algo comum. Acontece que esse não é o problema mais importante. A halitose é apenas um sinal de que algo pode estar errado com a saúde do seu pet. Por isso, a atenção deve ser constante para evitar futuros incômodos e problemas mais sérios, como a periodontite. A escovação deve ser um hábito e ainda é o método mais eficaz para a boa saúde bucal de cães e gatos", explica Fabiana Porto, gerente de produtos de Animais de Companhia da Boehringer Ingelheim Saúde Animal.

A periodontite é causada pelo acúmulo de placa bacteriana e, muitas vezes, começa com uma gengivite que não foi tratada adequadamente, sendo a doença mais comum entre os animais de estimação. A partir daí ocorre a inflamação dos tecidos que sustentam os dentes na boca, deixando-os moles e, consequentemente, causando a dificuldade do animal em se alimentar. Além disso, a doença pode causar desdobramentos mais preocupantes como distúrbios sistêmicos causados pelas toxinas produzidas pelas bactérias.




Conheça os mitos e verdades na obesidade de cães e gatos

Renato Zanetti, especialista em comportamento animal, lista o que deve ser levando em consideração em relação a obesidade dos pets

A obesidade em cães e gatos é muito mais comum do que se parece, é um problema intimamente relacionado com os hábitos alimentares e o sedentarismo dos tutores. O sobrepeso e a obesidade causam outros problemas de saúde, reduzindo a longevidade do pet, Assim como nos humanos, a obesidade está relacionada ao alto consumo de alimento e a baixa atividade física (descartando-se problemas endócrinos).
Renato Zanetti apresenta os mitos e verdade em relação ao que já se ouviu falar sobre obesidade animal

1. Obesidade causa outros problemas de saúde para o animal:
VERDADE. Cães e gatos obesos têm um risco maior de apresentar outros problemas de saúde: diabetes, doenças pulmonares e de coração, problemas na articulação, de pele, problemas reprodutivos, intolerância ao exercício, maior estresse calórico, maior risco em anestesias.

2. A castração engorda o animal:
VERDADE. Animais castrados têm probabilidade 2x maior de se tornarem obesos em função de alterações hormonais e a redução da atividade física. PORÉM, isto não deve ser motivo para não castrar, pois é possível minimizar o problema com o aumento das atividades físicas e o controle da alimentação.

3. A obesidade está relacionada APENAS ao excesso de comida:
MITO. Há duas causas da obesidade: metabólica (menor incidência, cerca de 5%) e comportamental (mais frequente).
Causas metabólicas: problemas endócrinos (disfunção da glândula tireoide, das adrenais, do pâncreas, da hipófise e do hipotálamo.
Causas comportamentais: fornecimento excessivo de comida, espaço físico reduzido, sedentarismo, hábitos alimentares prejudiciais.

4. Atividade física colabora com a redução de peso:
VERDADE. Aumentar o gasto calórico colabora com a redução de peso SE estiver relacionada com uma reeducação alimentar (tal qual para humanos).

5. Cães comem por ‘gula’:
VERDADE. Fome (necessidade fisiológica decorrente do déficit nutricional) é diferente de apetite (disposição em comer sempre). Cães conseguem ingerir uma quantidade de alimento em uma única refeição muito superior ao necessário para sua manutenção. Como não sabem quando será sua próxima refeição, estão sempre dispostos a ingerir alimentos.

6. Existe um peso ideal para cada raça (cães e gatos):
VERDADE. Mesmo havendo uma variação de indivíduo para indivíduo, há um padrão de peso para cada raça que pode ser usada como referência para se definir se o Pet está gordinho.

7. Existem alimentos que são proibidos para cães e gatos:
VERDADE. Alguns alimentos são apenas tóxicos para cães e gatos, outros são proibidos, podendo ser letais se ingerido em grandes quantidades.

8. Posso dar frutas e legumes para cães e gatos:
VERDADE. Sim, frutas e legumes (que não estiverem na lista dos tóxicos ou proibidos) podem ser oferecidos aos cães e gatos.



Bem-Estar

Para convencer, é preciso se autoconhecer

Eficiência significa priorizar o que tem grande chance de êxito e descar­tar, rapidamente, casos em que não tenha aptidão para fazer bem-feito

*Eduardo Ferraz

Uma das principais características de alguém com ótimo poder de convencimento é o autoconhecimento. Afinal, um bom persuasor sabe que não adianta aceitar atribuições que não domina, pois perderá cre­dibilidade e, com isso, seu poder de convencer. Quem se conhece bem avalia rapidamente as oportunidades e consegue se po­sicionar com eficiência em diferentes situações.

Eficiência, aqui, significa priorizar o que tem grande chance de êxito e descar­tar, rapidamente, casos em que não tenha aptidão para fazer bem-feito. Pessoas com bom autoconhe­cimento possuem características marcantes. Confira algumas dessas características, aprenda a se conhecer melhor e, consequentemente, ser mais convincente:

Conhecer seus pontos fortes: pontos fortes são apti­dões naturais ou atividades em que a pessoa tem ótimo desempenho, mesmo com pouco esforço. Quem se auto­conhece faz o possível para usar a maior parte de seu tempo no aprimoramento dos talentos. O detalhista, por exemplo, procurará atividades que tenham regras claras e em que possa ser reconhecido e valorizado por ser meticuloso;

Conhecer seus pontos limitantes: pontos limitan­tes são pontos fracos que prejudicam seu desempenho atual. Quem se autoconhece sabe que precisa melhorar sua performance em algumas áreas nas quais não tem afinidade. Por exemplo, o impaciente sabe que precisará diminuir o ritmo em atividades que exijam precisão e controle, mesmo preferindo ser rápido na maioria das outras situações;

Procurar ambientes em que possa atuar com "poucos filtros": uma das situações mais estressantes para qual­quer ser humano é passar muito tempo controlando seus comportamentos mais marcantes. Poder agir na­turalmente se traduz em qualidade de vida e melhor desempenho;

Ser autoconfiante: demonstrar confiança não significa arrogância, mas pleno conhecimento dos próprios limites;

Gente que se autoconhece costuma ser mais segura em seus argumen­tos, pois sabe mensurar sua capacidade de entregar o que promete. Isso gera uma reputação vencedora em seus posicionamentos. Afinal, para convencer, é preciso estar convencido!

* Eduardo Ferraz é consultor em Gestão de Pessoas há mais de 25 anos e autor do recém-lançado "Gente que convence – como potencializar seus talentos, ideias, serviços e produtos", da Editora Planeta.

Mega-Sena sorteia R$ 6 milhões nesta quarta

Prêmio pode render R$ 31 mil mensais se aplicado na Poupança da CAIXA

Nesta quarta-feira (22), a Mega-Sena promete pagar o prêmio de R$ 6 milhões. O sorteio do concurso 1.914 será às 20h, em Teodoro Sampaio (SP), onde está estacionado o Caminhão da Sorte.

Aplicado na Poupança da CAIXA, o prêmio pode render R$ 31 mil por mês ao apostador que acertar sozinho os seis números da sorte. Também é possível adquirir uma frota de 200 carros populares ou 13 casas de R$ 450 mil cada.

A aposta mínima na Mega-Sena é de R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer lotérica do país. Clientes com acesso ao Internet Banking CAIXA podem fazer suas apostas na Mega-Sena pelo computador pessoal, tablet ou smartphone. Basta ter conta corrente na CAIXA e ser maior de 18 anos. O serviço funciona das 8h às 22h (horário de Brasília), exceto em dias de sorteio, quando as apostas se encerram às 19h, retornando às 21h para o concurso seguinte.