21 de Agosto de 2017
17º/33º
ENTRETENIMENTO » BLOG

Arquitetos renomados dão dicas pra quem quer decorar uma casa pequena

Você mora em uma casa ou apartamento pequeno e um arquiteto ou decorador não cabem em seu orçamento? Pois o limaonagua entrou em contato com renomados arquitetos que gentilmente compartilharam sua experiência conosco. São informações valiosas, que podem melhorar significativamente a qualidade de vida de quem vive em uma casa pequena. O mais importante: é de graça! Então, faça bom proveito.

Fizemos a alguns escritórios de arquitetura a seguinte pergunta: se você tivesse que dar uma dica para uma pessoa que vai morar em um espaço pequeno, qual seria ela?

Uma boa marcenaria!
Uma marcenaria bem feita aproveita cada centímetro do seu apartamento. Essa é a maior vantagem deste serviço. As demandas que mais chegam até nós, profissionais, são: guarda-roupa grande e mais espaço para guardar utensílios de cozinha. Pensando nisso, nasce o projeto de marcenaria.

Outra dica boa é não utilizar muitos padrões de madeira e escolher até três tons. Assim, é mais fácil criar ambientes harmônicos e aproveitar as peças em MDF.

Neste projeto, elegemos o destaque com o verde-limão em contraste com o cinza e o tom amadeirado. Optamos também pelo armário com portas de abrir que, além de ocupar 7cm a menos do que o armário com portas de correr, é mais barato, pois não inclui os trilhos.

Os detalhes fazem a diferença! Os puxadores estão cada vez mais camuflados na marcenaria, eles vêm no formato cava ou apenas um perfil em alumínio discreto.






A iluminação é um fator decisivo ao bom uso de espaços pequenos e a luz natural é a melhor opção

A primeira dica é o bom aproveitamento dos espaços, com móveis versáteis e, quando possível, ambientes integrados.

A iluminação também é um fator decisivo ao bom uso de espaços pequenos. A luz natural é sempre a melhor opção, porém, quando o ambiente não puder abrigá-la, focos de luz artificial ajudam a destacar certos espaços ou objetos e assim melhor distribuir o projeto.

Além dessas dicas, outros "truques" para melhor aproveitar estes ambientes é o uso de espelhos, que dão a sensação de amplitude, e de outros objetos específicos no décor. O tapete é um deles. O uso de um grande tapete retangular que envolva algum cômodo, como a sala de estar, também pode proporcionar o efeito desejado. Algumas estampas, como as quadriculadas, podem dar um efeito "ilusório" que é interessante para a ampliação dos projetos.





Você sabia que cães podem doar sangue?

Assim como nos hemocentros humanos, o banco de sangue canino possui demanda alta

Os cães são animais bem diferentes dos humanos, porém, em pelo menos uma coisa ambos se assemelham: a possibilidade de salvar vidas por meio da doação de sangue. Com o Projeto Vida – Banco de Sangue de Cães, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), centenas de vidas caninas já foram salvas graças à doação de sangue dos "melhores amigos do homem".

A docente do curso de Medicina Veterinária da UEL e coordenadora do projeto, Patrícia Mendes Pereira, afirma que o abastecimento do banco de sangue canino é de extrema importância para a vida dos bichinhos internados no Hospital Veterinário (HV).

"Atendemos muitos cães na emergência, em estado grave. Muitos desses animais atropelados, com doenças crônicas ou agudas. Eles chegam extremamente anêmicos. A gravidade da anemia deles é tão grande que às vezes não dá para esperar duas, três horas para começar a transfusão sanguínea", explica Patrícia.

Assim como nos hemocentros humanos, o banco de sangue canino possui uma demanda alta se comparada ao estoque. Dessa forma, a equipe está sempre em busca de novos doadores. "Como faltam doadores, às vezes chega um animal precisando de transfusão e a gente não tem sangue estocado. E muitas vezes esse animal acaba morrendo, por falta do atendimento imediato com o sangue."

A veterinária alerta, contudo, que nem todo cão pode ser doador. Além de uma criteriosa avaliação para verificar o estado de saúde dele, outras particularidades devem ser respeitadas, como: o cão deve ser de grande porte; pesar mais de 28 kg; ter entre dois e oito anos de idade; ser vacinado anualmente; e ser manso para que permita a coleta do sangue na presença do guardião.

"Isso é feito [os exames> tanto para que, de forma alguma, eles sejam prejudicados com a coleta de sangue, como para sabermos que estamos passando um sangue saudável, sem doença."

Além da chance de salvar a vida de outros cães, os animais doadores "de carteirinha" ainda recebem exames e vacinação gratuitos, mesmo após atingirem a idade máxima permitida.

Atendimento especial

O banco de sangue canino possui uma estrutura privativa dentro do campus universitário, a fim de gerar mais comodidade aos doadores e seus guardiões. "O laboratório para colher o sangue é separado do Hospital Veterinário. É um ambiente à parte", frisa Patrícia.

Os interessados devem entrar em contato com a equipe do Projeto Vida através da página no Facebook ou pelo Instagram.

Através desse contato, um agendamento será feito no horário mais cômodo para o guardião do animal. "O proprietário deve agendar o atendimento. Por se tratar de um projeto de extensão, se chegar um doador de sangue sem agendamento, nós não temos uma equipe para colher o sangue na hora."

Bem-Estar

Anvisa aprova medicamento biológico para hemofilia A

Zonovate possui fator de coagulação que evita hemorragias em hemofílicos

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o medicamento Zonovate para o tratamento da hemofilia A. O composto possui o fator de coagulação VIII, que está ausente nessas pessoas.

A hemofilia A é uma condição genética que causa dificuldades de coagulação do sangue, levando a sangramentos excessivos em seus portadores.

Como a coagulação do sangue ocorre por meio da interação de estruturas chamadas pela medicina como ‘fatores de coagulação’, uma injeção da substância repõe a proteína e evita a hemorragia.

O Zonovate é considerado um medicamento biológico, classe de substâncias produzidas a partir de células e substâncias vivas -- e não com compostos químicos sintéticos. A droga foi produzida pelo laboratório Novo Nordisk.

A aprovação do medicamento foi registrada no Diário Oficial nesta segunda-feira (7).



Bem-Estar

Ciência tenta 'explicar' identidade de gênero com DNA, mas ativistas levantam preocupações

Iniciativa europeia e americana coletou sangue de 10.000 pessoas para mapear genoma e comparar DNA de pessoas transgêneros e não transgêneros. Ativistas temem 'terapias reparadoras'.

Um consórcio de cinco instituições de pesquisa na Europa e nos Estados Unidos -- incluindo o Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, a Universidade George Washington e o Hospital Infantil de Boston -- está buscando no genoma algumas pistas que nos ajudem a explicar o porquê de algumas pessoas serem transgêneros e outras não, informa a Reuters.

Para entender qual o papel que o genoma desempenha na identidade de gênero, cientistas extraíram DNA das amostras de sangue de 10.000 pessoas: 3.000 deles transgêneros e o restante não transgênero, diz a Reuters. O objetivo é comparar cerca de 3 milhões de variações genéticas em todo o genoma dos participantes.

Atualmente, segundo a agência de notícias, a única maneira de determinar se as pessoas são transgêneros é pela autoidentificação. Enquanto ativistas afirmam que isso deveria ser suficiente, cientistas decidiram levar essa busca para o laboratório.

Sabendo quais as variações que as pessoas transgêneros têm em comum, e comparando esses padrões com aqueles das pessoas cisgêneros (aqueles que se identificam com o gênero em que nasceram), pesquisadores podem entender melhor o que ocorre – inclusive, se os genes têm ou não papel preponderante.

"Se a característica é fortemente genética, pessoas que se identificam como trans irão compartilhar mais o mesmo genoma entre si", disse à Reuters Lea Davis, líder do estudo e professora-assistente de medicina do Centro Médico da Universidade de Vanderbilt.

Ativistas e pessoas trans, no entanto, estão reagindo, diz a Reuters. Isso porque, se uma "causa" for encontrada, ela teoricamente poderia levar a uma "cura", potencialmente abrindo a porta para as chamadas ‘terapias reparadoras’ -- semelhantes às que tentam transformar homossexuais em heterossexuais. Outros suscitam preocupações sobre os direitos daqueles que podem se identificar como trans, mas que não possuem "provas" biológicas.

Nos Estados Unidos, a busca pelos fundamentos biológicos de transgêneros está assumindo nova relevância à medida que a batalha por direitos se desenrola na arena política.

Na semana passada, o presidente Donald Trump anunciou no Twitter que pretende proibir pessoas transgênero de servir nas forças armadas. Ainda, um dos primeiros atos de sua administração foi revogar a decisão de Obama de permitir que pessoas transgêneros utilizem banheiros de sua preferência em escolas públicas.

Questões de saúde

A pesquisadora do grupo, Lea Davis, enfatizou à Reuters que o estudo não procura produzir um teste genético para identificar uma pessoa transgênero - e nem os cientistas seriam capazes de fazê-lo. Em vez disso, disse, pesquisadores esperam que os dados levem a um melhor entendimento sobre o bem-estar de pessoas transgêneros, que experimentam grandes disparidades de saúde em comparação com a população em geral.

Um terço das pessoas transgênero relataram uma experiência de saúde negativa no ano anterior, como assédio verbal, recusa de tratamento ou a necessidade de ensinar seus médicos sobre cuidados, de acordo com uma pesquisa com cerca 28 mil pessoas divulgadas no ano passado pelo Centro Nacional para Transgender Equality, nos Estados Unidos. Ainda, cerca de 40% tentaram suicídio, quase 9 vezes a taxa para a população em geral.

"Nós podemos usar essa informação para ajudar a capacitar médicos e enfermeiros e também desenvolver esclarecimentos para apoiar a legislação de direitos iguais", Lea Davis disse à Reuters.




Cachorra recém-castrada está desaparecida em Assis

Kika foi vista pela última vez nas proximidades da Avenida Rui Barbosa

Uma cachorra que atende pelo nome de Kika está desaparecida, em Assis. De acordo com sua tutora, ela tem oito meses e foi castrada recentemente e está com os pontos da cirurgia na barriga.

Kika é bastante dócil, tem porte médio e foi vista pela última vez na Avenida Rui Barbosa, nas imediações da altura do número 1.700.

Caso alguém tenha informações sobre Kika, o telefone de contato é (18) 99608-2166.


Kika


Tutora oferece recompensa para encontrar sua gata, em Assis

Lua, como é chamada, fugiu no dia 15 de junho

Os tutores da gata Lua estão muito preocupados desde que ela sumiu, no dia 15 de junho, no Jardim Monte Carlo, em Assis.

Segundo sua tutora, Vanessa Gava Moretti, a gata foi levada juntamente com um caminhão de mudança para Cândido Mota. Lua estava em uma casa na Rua Manoel Casado, no Bairro Santa Terezinha, mas já fugiu do local.

Seus tutores oferecem uma recompensa caso alguém ajude a encontrar a gata. Para informações, o telefone de contato é (18) 99777-7828.


Lua


Seis filhotinhas estão disponíveis para adoção, em Assis

Elas têm aproximadamente 50 dias e precisam de um lar

Uma cadela de rua deu à luz a seis filhotes fêmeas que precisam de um lar. As filhotinhas estão sendo assistidas provisoriamente por Letícia de Freitas, mas ela não tem condições de ficar com elas.

Os filhotes têm 50 dias e estão em um abrigo temporário no Jardim Eldorado. Quem quiser adotá-las de maneira responsável, para que elas não voltem para as ruas, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99731-4601.

Veja algumas das filhotinhas:







Assisense procura cachorro perdido na Vila Mercedes

Hot, como é chamado, desapareceu na tarde desta quinta-feira, 15

Os tutores do cachorro Hot estão à sua procura, em Assis. O animal desapareceu na tarde desta quinta-feira, 15, na Rua Humberto de Campos, nas proximidades do Supermercado São Judas Tadeu.

Ele é de porte grande, pelagem preta e tem o céu da boca manchadinho de preto.

Quem tiver informações sobre Hot, os telefones de contato são (18) 99719-9736 (Allana) e (18) 99654-2619 (Claudia).


Hot

Hot


Filhotes de cachorro estão disponíveis para adoção, em Assis

São quatro fêmeas com apenas um mês de vida

Quatro filhotes de cachorro estão à procura de um novo lar, em Assis. São quatro fêmeas, sem raça definida, e que estão com um mês de vida.

Quem puder adotá-los deve lembrar que a adoção responsável é importante para que eles não sejam abandonados.

Os interessados em adotar os filhotinhos podem entrar em contato pelo telefone (18) 99746-8434.


Filhotes disponíveis para adoção

Filhotes disponíveis para adoção

Filhotes disponíveis para adoção


Como adestrar um cachorro: mitos e verdades

Com o adestramento de cães, você ensina não apenas o que o animal pode fazer, mas principalmente, o que ele não deve

Criar uma comunicação eficiente para ter um cachorro calmo e educado é possível, desde que você não caia nos mitos do adestramento de cães

Os cachorros são capazes de executar diversas funções, como é o caso dos cães policiais, dos guias de cegos e dos cães pastores. Esses exemplos só provam que o melhor amigo do homem pode ser adestrado, fazendo com que a sua vida e a de seu tutor melhorem, afirmam os veterinários especializados em comportamento canino do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Com o adestramento de cães, você ensina não apenas o que o animal pode fazer, mas principalmente, o que ele não deve. Seu pet passará socializar, a se exercitar e a se comportar de forma muito mais tranquila, enquanto que você evitará os principais problemas que ele pode causar, como destruir objetos, fazer xixi no lugar errado e latir em excesso.

Para ser bem-sucedido nesse treinamento, é importante seguir apenas as técnicas de adestramento eficazes, estabelecendo uma comunicação adequada para que o animal possa compreender e respeitar as ordens do seu tutor.

Descubra quais são as que realmente funcionam para evitar o mau comportamento e incentivar as atitudes positivas dos pets:

Preciso de um adestrador profissional


Mito. Não é preciso contratar um adestrador profissional para ensinar os "truques" mais simples para os cães, como sentar e ficar, embora o investimento em algumas aulas para que você possa dar continuidade seja uma boa opção.

Agora, para resolver problemas temperamentais, como medo e agressividade caninos, é recomendado contratar um especialista para que ele receba um tratamento adequado.

É possível adestrar filhotes

Verdade. É possível e recomendado começar o treinamento dos animais de estimação quando eles ainda são pequenos, mas lembre-se que eles possuem uma capacidade limitada de aprendizado e concentração nessa fase.

Desde o início, ensine-o o próprio nome, chamando-o e associando a resposta a um carinho ou um brinquedo. Já nos primeiros meses, o que você pode fazer é não dar atenção para os hábitos indesejados, como latir ou chorar, e ajudá-lo a se ambientar ao local onde deve fazer as necessidades, levando-o até lá a cada duas horas e após as refeições.

Bater no cachorro é uma forma de adestrá-lo


Mito. Pelo contrário, bater e ameaçar são as piores atitudes que você pode ter em relação ao animal, mesmo quando ele aprontou uma daquelas! Bater em seu cachorro, principalmente quando você está com raiva, pode machucá-lo e torná-lo agressivo com outras pessoas.

Agredir o seu cachorro pode torná-lo hostil

A punição ideal para os cães deve ser feita apenas quando você flagrá-lo fazendo algo indesejado, bastando causar um pequeno susto desconforto, como levantá-lo pela pele atrás do pescoço (o cangote), bater palmas ou mesmo com um borrifador de água (uma boa opção caso você tenha mais de um pet em casa), dependendo do perfil do seu cão.


Deixar o cachorro de castigo do lado de fora é prejudicial

Verdade. Você provavelmente já tem pouco tempo para ficar com o seu animal de estimação devido a uma rotina atribulada. Se você o isolar quando flagrar algo errado (ou logo após o ato), você estará ensinando que ficar sozinho não é algo legal, provocando ansiedade de separação. Nesses casos, é comum que o cachorro comece a latir, a chorar e a destruir objetos como uma forma de recuperar a atenção do dono o mais rápido possível.

É normal o cachorro puxar a coleira durante o passeio


Verdade, mas esse comportamento não é desejável. Cães que puxam a guia com muita força podem tornar esse momento um pesadelo, fazendo com que você em pouco tempo desista de sair para passear diariamente com ele. O ideal é evitar esse comportamento usando guias curtas ideais para treinamento, que limitam o movimento do pet.

Usar um petisco para que ele vá seguindo também serve como estímulo para um bom comportamento ao passear. Se ele começar a puxar, imediatamente vire para o outro lado e, quando ele estiver ao seu lado novamente, use o comando "junto" e faça um carinho ou dê o petisco.

É possível acabar com os latidos dos cães

Mito. O que você conseguirá fazer com o adestramento é minimizar os latidos, pois esse é um ato natural e sua frequência depende da raça do animal, sendo que os de pequeno porte costumam ser mais barulhentos.

A melhor forma de evitar os latidos é não fazer com que eles convençam o dono a fazer algo, como pegar o brinquedo embaixo do sofá ou colocar ração, pois isso dá a entender que o seu pet precisa "avisar" algo para que você possa atendê-lo. Use uma técnica de punição para reprimir os latidos e continue a agir naturalmente. Apenas quando o barulho cessar, confira o que o seu pet precisa que você faça.

Fazer o cachorro dar a patinha é uma das tarefas mais difícies do adestramento de cães

Mito. Tanto para fazer esse truque charmoso quanto para ensinar o seu amigo a sentar ou deitar, use a mesma técnica: pegue um petisco e posicione na direção dos olhos do animal para que ele se sente, no chão para que ele se deite e próximo à patinha para que ele dê um toque na sua mão.

Ao posicionar o petisco, dê os comandos para que o cão vá associando e, quando ele finalmente executar o movimento desejado, entregue a recompensa. Repita esse tipo de exercício diariamente para que o seu pet vá se acostumando e, em pouco tempo, ele já obedecerá sem a necessidade de um petisco (mas esperando ao menos um carinho).



Tutores buscam cachorras desaparecidas na Vila Xavier, em Assis

Elas desapareceram próximo à Rua Olavo Bilac

Duas cachorras vira-latas estão desaparecidas na Vila Xavier, em Assis. Os tutores estão buscando informações sobre as duas, que atendem pelo nome de Pitica e Fulô. Elas fugiram na madrugada deste domingo, 11, próximo à Rua Olavo Bilac.

Pitica tem a pelagem preta e marrom, sem rabo e tem cerca de 10 anos. Já Fulô é filhote e tem cerca de 4 anos.

Quem tiver informações, pode entrar em contato pelo telefone (18) 99751-1116 ou (18) 99751-1119 (Martinho e Midori).


Fulô


Mitos e verdades de como adestrar um cachorro

Criar uma comunicação eficiente para ter um cachorro calmo e educado é possível, desde que você não caia nos mitos do adestramento de cães

Os cachorros são capazes de executar diversas funções, como é o caso dos cães policiais, dos guias de cegos e dos cães pastores. Esses exemplos só provam que o melhor amigo do homem pode ser adestrado, fazendo com que a sua vida e a de seu tutor melhorem, afirmam os veterinários especializados em comportamento canino do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Com o adestramento de cães, você ensina não apenas o que o animal pode fazer, mas principalmente, o que ele não deve. Se pet passará socializar, a se exercitar e a se comportar de forma muito mais tranquila, enquanto que você evitará os principais problemas que ele pode causar, como destruir objetos, fazer xixi no lugar errado e latir em excesso.

Para ser bem-sucedido nesse treinamento, é importante seguir apenas as técnicas de adestramento eficazes, estabelecendo uma comunicação adequada para que o animal possa compreender e respeitar as ordens do seu tutor.

Descubra quais são as que realmente funcionam para evitar o mau comportamento e incentivar as atitudes positivas dos pets:

Preciso de um adestrador profissional

Mito. Não é preciso contratar um adestrador profissional para ensinar os "truques" mais simples para os cães, como sentar e ficar, embora o investimento em algumas aulas para que você possa dar continuidade seja uma boa opção.

Agora, para resolver problemas temperamentais, como medo e agressividade caninos, é recomendado contratar um especialista para que ele receba um tratamento adequado.

É possível adestrar filhotes

Verdade. É possível e recomendado começar o treinamento dos animais de estimação quando eles ainda são pequenos, mas lembre-se que eles possuem uma capacidade limitada de aprendizado e concentração nessa fase.

Desde o início, ensine-o o próprio nome, chamando-o e associando a resposta a um carinho ou um brinquedo. Já nos primeiros meses, o que você pode fazer é não dar atenção para os hábitos indesejados, como latir ou chorar, e ajudá-lo a se ambientar ao local onde deve fazer as necessidades, levando-o até lá a cada duas horas e após as refeições.

Bater no cachorro é uma forma de adestrá-lo

Mito. Pelo contrário, bater e ameaçar são as piores atitudes que você pode ter em relação ao animal, mesmo quando ele aprontou uma daquelas! Bater em seu cachorro, principalmente quando você está com raiva, pode machucá-lo e torná-lo agressivo com outras pessoas.

Agredir o seu cachorro pode torná-lo hostil

A punição ideal para os cães deve ser feita apenas quando você flagrá-lo fazendo algo indesejado, bastando causar um pequeno susto desconforto, como levantá-lo pela pele atrás do pescoço (o cangote), bater palmas ou mesmo com um borrifador de água (uma boa opção caso você tenha mais de um pet em casa), dependendo do perfil do seu cão.

Deixar o cachorro de castigo do lado de fora é prejudicial

Verdade. Você provavelmente já tem pouco tempo para ficar com o seu animal de estimação devido a uma rotina atribulada. Se você o isolar quando flagrar algo errado (ou logo após o ato), você estará ensinando que ficar sozinho não é algo legal, provocando ansiedade de separação. Nesses casos, é comum que o cachorro comece a latir, a chorar e a destruir objetos como uma forma de recuperar a atenção do dono o mais rápido possível.

É normal o cachorro puxar a coleira durante o passeio

Verdade, mas esse comportamento não é desejável. Cães que puxam a guia com muita força podem tornar esse momento um pesadelo, fazendo com que você em pouco tempo desista de sair para passear diariamente com ele. O ideal é evitar esse comportamento usando guias curtas ideais para treinamento, que limitam o movimento do pet.

Usar um petisco para que ele vá seguindo também serve como estímulo para um bom comportamento ao passear. Se ele começar a puxar, imediatamente vire para o outro lado e, quando ele estiver ao seu lado novamente, use o comando "junto" e faça um carinho ou dê o petisco.

É possível acabar com os latidos dos cães

Mito. O que você conseguirá fazer com o adestramento é minimizar os latidos, pois esse é um ato natural e sua frequência depende da raça do animal, sendo que os de pequeno porte costumam ser mais barulhentos.

A melhor forma de evitar os latidos é não fazer com que eles convençam o dono a fazer algo, como pegar o brinquedo embaixo do sofá ou colocar ração, pois isso dá a entender que o seu pet precisa "avisar" algo para que você possa atendê-lo. Use uma técnica de punição para reprimir os latidos e continue a agir naturalmente. Apenas quando o barulho cessar, confira o que o seu pet precisa que você faça.

Fazer o cachorro dar a patinha é uma das tarefas mais difícies do adestramento de cães

Mito. Tanto para fazer esse truque charmoso quanto para ensinar o seu amigo a sentar ou deitar, use a mesma técnica: pegue um petisco e posicione na direção dos olhos do animal para que ele se sente, no chão para que ele se deite e próximo à patinha para que ele dê um toque na sua mão.

Ao posicionar o petisco, dê os comandos para que o cão vá associando e, quando ele finalmente executar o movimento desejado, entregue a recompensa. Repita esse tipo de exercício diariamente para que o seu pet vá se acostumando e, em pouco tempo, ele já obedecerá sem a necessidade de um petisco (mas esperando ao menos um carinho).



Morte de cãozinho serve de alerta para os riscos de determinados alimentos

Donos decidiram divulgar história para servir de alerta.

Saffy, tinha dois anos, era uma cachorrinha muito simpática e saudável que adorava caminhar com sua tutora, Joanne, em Chester, Inglaterra.

Numa destas caminhadas, sem Joanne perceber, Saffy comeu uma espiga de milho. Uma semana depois a cadelinha começou a vomitar sem parar.

Em um primeiro momento, Joanne e o marido acreditaram que fosse um caso de envenenamento. Mas os veterinários, ao apalparem o estômago de Saffy sentiram algo duro. A cirurgia foi imediata.

A explicação foi que a espiga percorreu o intestino de Saffy como um ralador de queijo, perfurando-o. Saffy não resistiu ao sangramento e morreu no mesmo dia.

Mesmo assim, os tutores pediram um laudo toxicológico que confirmou a verdadeira causa da morte. Joanne e o marido continuam de coração partido. Nenhum deles desconfiou do que havia acontecido e como a situação era grave. O laudo toxicológico revelou que o núcleo do milho era tão duro que rompeu os intestinos, acarretando a morte de Saffy por septicemia grave.

Joanne decidiu tornar pública a história para evitar que a mesma situação se repita com outros cães. Talvez por Saffy ser um cão pequeno, o caso tenha sido fatal, acredita Joanne. Possivelmente cães maiores, do porte de labradores, teriam tido melhor sorte.



Papel de parede no banheiro é possível e o resultado é lindo

O banheiro sempre foi um ambiente deixado mais de lado quando o assunto é decoração, mas os tempos estão mudando. Cada vez mais as pessoas ao reformarem ou adquirirem um imóvel, estão preocupadas com cada cantinho da casa. Finalmente, o banheiro ganha destaques das maneiras mais criativas.

O papel de parede era algo impensável de se ter no banheiro há um tempo atrás, mas com novas tecnologias desenvolvidas, esta não é mais a realidade. Além de dar um grande destaque para os banheiros e lavabos, os papeis de parede são uma alternativa linda e prática para quem não quer uma reforma cheia de quebra quebra.

Além de tudo, pode ser uma opção mais barata em relação à ladrilhos e porcelanatos. De qualquer forma, quando o assunto é revestimento, com certeza vale a pena investir um pouco mais, porque o resultado, geralmente vale a pena.


É sempre importante lembrar, que a alternativa do papel de parede para este ambiente é muito original e o resultado é incrível, mas não pode ser aplicada sem alguns preparativos. Primeiro, é essencial saber qual o tipo de papel pode ser colocado no banheiro, e se este tem uma janela maior/menor, se é mais úmido, se vai ser colocado em todas as paredes, é preciso procurar uma profissional que esteja acostumado com este tipo de trabalho. Tudo isso é importante para que tudo tenha o resultado desejado, por isso a pesquisa e consulta de profissionais são necessárias.

Depois da pesquisa feita e decisão tomada é só aplicar e ver o resultado, os papeis de parede são bem versáteis, com temáticas e cores para todos os gostos. Desde o clean e minimalista ao romântico florido, ou até, o moderninho.

Confira abaixo fotos de banheiros e lavabos para se inspirar:







Bem-Estar

Veja quais alimentos podem te ajudar a dormir melhor

Leite e aveia estão entre as comidas que evitam a ansiedade na hora de ir para a cama

Alimentar-se adequadamente é essencial para ter uma boa noite de sono. Especialmente no fim do dia, vale a pena prestar atenção ao tipo de alimento que se ingere, pois ele pode contribuir para bons sonhos ou atrapalhá-los.

Aliar alimentação saudável, exercícios e disciplina com horários é uma grande arma para combater a insônia, que afeta 36,5% dos brasileiros, segundo dados do Instituto do Sono.

Para começar a busca por bons hábitos, evitar itens gordurosos e doces pelo menos 5 horas antes de dormir é a indicação da nutricionista da Sanavita, Andrea Hirga.

"Se a digestão fica comprometida no momento de dormir, é mais possível que se tenha dificuldade em descansar à noite", aconselhou. Por isso, alimentos leves e quentes são recomendáveis para gerar sensação de conforto e bem estar.

Veja uma lista de comidas recomendáveis para evitar problemas com insônia:

Aveia
A aveia é fonte de triptofano — um aminoácido que ajuda a sintetizar serotonina, o "hormônio do prazer" — e ajuda também a manter um sono contínuo. Além disso, segundo o nutricionista Daniel Novais, é um cereal rico em melatonina, que também potencializa os efeitos do triptofano.

Legumes
A couve e o alface, segundo Daniel Novais, são ricos em magnésio. Ajudam a carregar mais rápido o triptofano para produzir serotonina, importante contribuidora de um sono leve e tranquilo, além de essencial no relaxamento muscular.

Banana e cacau
A dica da nutricionista Andrea Hirga é misturar os dois alimentos, aquecendo a banana no microondas e colocando cacau em pó por cima. A combinação também gera mais serotonina. Daniel Novais indica que, caso se opte por chocolate antes de dormir, é ideal escolher um que tenha pelo menos 85% de cacau.

Cereja
A fruta é rica em melatonina — hormônio indutor do sono. O ideal é optar pela cereja fresca. Uma boa combinação é chá de camomila com pedaços de cereja. "O chá quente ajuda a relaxar e desestressar", aconselhou Daniel.

Leite
Essa é mais uma fonte de triptofano. A dica da Andrea Hirga é aquecê-lo para gerar relaxamento. "Evitar excessos à noite é sempre a melhor opção para manter e cuidar das horas de sono", afirmou.



A saúde dos pets começa pela boca

O cuidado com a higiene bucal é fundamental para garantir mais qualidade de vida aos pets e evitar doenças como a periodontite

Muitas pessoas não dão a atenção necessária para a saúde bucal e esquecem a importância da correta higienização e visitas ao dentista. Com os pets, a situação não é diferente. Muitos donos se preocupam com as vacinas e os antiparasitários, mas esquecem que a saúde bucal é fundamental para os cães e gatos terem qualidade de vida.

A questão também é de sanidade animal, pois algumas doenças começam na boca e se espalham por órgãos como coração, rins e fígado, através da corrente sanguínea. "Os tutores notam mau hálito do animal, mas acham que é algo comum. Acontece que esse não é o problema mais importante. A halitose é apenas um sinal de que algo pode estar errado com a saúde do seu pet. Por isso, a atenção deve ser constante para evitar futuros incômodos e problemas mais sérios, como a periodontite. A escovação deve ser um hábito e ainda é o método mais eficaz para a boa saúde bucal de cães e gatos", explica Fabiana Porto, gerente de produtos de Animais de Companhia da Boehringer Ingelheim Saúde Animal.

A periodontite é causada pelo acúmulo de placa bacteriana e, muitas vezes, começa com uma gengivite que não foi tratada adequadamente, sendo a doença mais comum entre os animais de estimação. A partir daí ocorre a inflamação dos tecidos que sustentam os dentes na boca, deixando-os moles e, consequentemente, causando a dificuldade do animal em se alimentar. Além disso, a doença pode causar desdobramentos mais preocupantes como distúrbios sistêmicos causados pelas toxinas produzidas pelas bactérias.




Conheça os mitos e verdades na obesidade de cães e gatos

Renato Zanetti, especialista em comportamento animal, lista o que deve ser levando em consideração em relação a obesidade dos pets

A obesidade em cães e gatos é muito mais comum do que se parece, é um problema intimamente relacionado com os hábitos alimentares e o sedentarismo dos tutores. O sobrepeso e a obesidade causam outros problemas de saúde, reduzindo a longevidade do pet, Assim como nos humanos, a obesidade está relacionada ao alto consumo de alimento e a baixa atividade física (descartando-se problemas endócrinos).
Renato Zanetti apresenta os mitos e verdade em relação ao que já se ouviu falar sobre obesidade animal

1. Obesidade causa outros problemas de saúde para o animal:
VERDADE. Cães e gatos obesos têm um risco maior de apresentar outros problemas de saúde: diabetes, doenças pulmonares e de coração, problemas na articulação, de pele, problemas reprodutivos, intolerância ao exercício, maior estresse calórico, maior risco em anestesias.

2. A castração engorda o animal:
VERDADE. Animais castrados têm probabilidade 2x maior de se tornarem obesos em função de alterações hormonais e a redução da atividade física. PORÉM, isto não deve ser motivo para não castrar, pois é possível minimizar o problema com o aumento das atividades físicas e o controle da alimentação.

3. A obesidade está relacionada APENAS ao excesso de comida:
MITO. Há duas causas da obesidade: metabólica (menor incidência, cerca de 5%) e comportamental (mais frequente).
Causas metabólicas: problemas endócrinos (disfunção da glândula tireoide, das adrenais, do pâncreas, da hipófise e do hipotálamo.
Causas comportamentais: fornecimento excessivo de comida, espaço físico reduzido, sedentarismo, hábitos alimentares prejudiciais.

4. Atividade física colabora com a redução de peso:
VERDADE. Aumentar o gasto calórico colabora com a redução de peso SE estiver relacionada com uma reeducação alimentar (tal qual para humanos).

5. Cães comem por ‘gula’:
VERDADE. Fome (necessidade fisiológica decorrente do déficit nutricional) é diferente de apetite (disposição em comer sempre). Cães conseguem ingerir uma quantidade de alimento em uma única refeição muito superior ao necessário para sua manutenção. Como não sabem quando será sua próxima refeição, estão sempre dispostos a ingerir alimentos.

6. Existe um peso ideal para cada raça (cães e gatos):
VERDADE. Mesmo havendo uma variação de indivíduo para indivíduo, há um padrão de peso para cada raça que pode ser usada como referência para se definir se o Pet está gordinho.

7. Existem alimentos que são proibidos para cães e gatos:
VERDADE. Alguns alimentos são apenas tóxicos para cães e gatos, outros são proibidos, podendo ser letais se ingerido em grandes quantidades.

8. Posso dar frutas e legumes para cães e gatos:
VERDADE. Sim, frutas e legumes (que não estiverem na lista dos tóxicos ou proibidos) podem ser oferecidos aos cães e gatos.



Bem-Estar

Para convencer, é preciso se autoconhecer

Eficiência significa priorizar o que tem grande chance de êxito e descar­tar, rapidamente, casos em que não tenha aptidão para fazer bem-feito

*Eduardo Ferraz

Uma das principais características de alguém com ótimo poder de convencimento é o autoconhecimento. Afinal, um bom persuasor sabe que não adianta aceitar atribuições que não domina, pois perderá cre­dibilidade e, com isso, seu poder de convencer. Quem se conhece bem avalia rapidamente as oportunidades e consegue se po­sicionar com eficiência em diferentes situações.

Eficiência, aqui, significa priorizar o que tem grande chance de êxito e descar­tar, rapidamente, casos em que não tenha aptidão para fazer bem-feito. Pessoas com bom autoconhe­cimento possuem características marcantes. Confira algumas dessas características, aprenda a se conhecer melhor e, consequentemente, ser mais convincente:

Conhecer seus pontos fortes: pontos fortes são apti­dões naturais ou atividades em que a pessoa tem ótimo desempenho, mesmo com pouco esforço. Quem se auto­conhece faz o possível para usar a maior parte de seu tempo no aprimoramento dos talentos. O detalhista, por exemplo, procurará atividades que tenham regras claras e em que possa ser reconhecido e valorizado por ser meticuloso;

Conhecer seus pontos limitantes: pontos limitan­tes são pontos fracos que prejudicam seu desempenho atual. Quem se autoconhece sabe que precisa melhorar sua performance em algumas áreas nas quais não tem afinidade. Por exemplo, o impaciente sabe que precisará diminuir o ritmo em atividades que exijam precisão e controle, mesmo preferindo ser rápido na maioria das outras situações;

Procurar ambientes em que possa atuar com "poucos filtros": uma das situações mais estressantes para qual­quer ser humano é passar muito tempo controlando seus comportamentos mais marcantes. Poder agir na­turalmente se traduz em qualidade de vida e melhor desempenho;

Ser autoconfiante: demonstrar confiança não significa arrogância, mas pleno conhecimento dos próprios limites;

Gente que se autoconhece costuma ser mais segura em seus argumen­tos, pois sabe mensurar sua capacidade de entregar o que promete. Isso gera uma reputação vencedora em seus posicionamentos. Afinal, para convencer, é preciso estar convencido!

* Eduardo Ferraz é consultor em Gestão de Pessoas há mais de 25 anos e autor do recém-lançado "Gente que convence – como potencializar seus talentos, ideias, serviços e produtos", da Editora Planeta.

Mega-Sena sorteia R$ 6 milhões nesta quarta

Prêmio pode render R$ 31 mil mensais se aplicado na Poupança da CAIXA

Nesta quarta-feira (22), a Mega-Sena promete pagar o prêmio de R$ 6 milhões. O sorteio do concurso 1.914 será às 20h, em Teodoro Sampaio (SP), onde está estacionado o Caminhão da Sorte.

Aplicado na Poupança da CAIXA, o prêmio pode render R$ 31 mil por mês ao apostador que acertar sozinho os seis números da sorte. Também é possível adquirir uma frota de 200 carros populares ou 13 casas de R$ 450 mil cada.

A aposta mínima na Mega-Sena é de R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer lotérica do país. Clientes com acesso ao Internet Banking CAIXA podem fazer suas apostas na Mega-Sena pelo computador pessoal, tablet ou smartphone. Basta ter conta corrente na CAIXA e ser maior de 18 anos. O serviço funciona das 8h às 22h (horário de Brasília), exceto em dias de sorteio, quando as apostas se encerram às 19h, retornando às 21h para o concurso seguinte.

Adestramento de cachorros: mitos e verdades

Segundo os especialistas, até mesmo gatos podem ser adestrados, pois todo animal tem um nível de inteligência

Sobre o adestramento são muitas as questões que são abordadas. Diante de tanta informação é possível que algumas delas acabem ficando de lado ou ainda distorcidas. O resultado: a criação de diversos mitos e a falta de resultados positivos no adestramento, com a consequente frustração do dono do pet.

Com o adestramento é possível ter uma série de benefícios como: o pet vai obedecer aos comandos e ordens de seu dono, respeitar as regras, melhorar o seu comportamento, ser um cão mais tranquilo e equilibrado, e o melhor: parar com comportamentos indesejáveis. Além destes benefícios é comum escutar alguns mitos relacionados ao adestramento e você vai compreender porque são mitos.

Mito 1) Cachorro velho não aprende nada: claro que quanto mais cedo se iniciar o adestramento, melhor será. Se houver a orientação de um profissional será possível adestrar o cachorro para evitar comportamentos errados, como fazer xixi no sofá, entre outras coisas. Só que essa não é uma desculpa para que cachorros mais velhos não aprendam. Eles podem aprender sim, só que o tempo para ensinar algo pode ser maior, caso eles não sejam filhotes. Tanto que cães idosos aprendem truques novos e são excelentes quando adotados por possuírem a personalidade bem definida nesse estágio da vida.

Mito 2) Só raças inteligentes aprendem: este também não é verdade. Claro que existem raças inteligentes que acabam aprendendo com maior facilidade, mas isso não impede que outras raças aprendam algo novo. Segundo os especialistas, até mesmo gatos podem ser adestrados, pois todo animal tem um nível de inteligência. Quem vai conseguir realizar todo o processo de, por exemplo, aprender a andar junto, deitar, ficar e pular obstáculos é o adestrador ou o dono do pet. Cabe a ele todo o processo. Mesmo que seja um desafio, não é impossível. Não pode haver apenas descontentamento por parte do dono e o maior erro é tratá-los como criança e gritar.

Mito 3) o cachorro vira um robô: este também é um mito. Nenhum cachorro vai perder a sua personalidade ao ser adestrado. O adestramento vai apenas vai melhorar a comunicação entre o cão e o ser humano. O pet vai se tornar mais autoconfiante e a relação com o dono vai proporcionar experiências positivas e não negativas, o que acaba ocorrendo quando o cachorro não é adestrado. Ou seja, seu cachorro não vai virar um robô, ele vai obedecer aos seus comandos, mas continuará tendo a sua personalidade.



Pelas minhas lentes, música em minha vida

Pelas minhas lentes, música em minha vida

Acredito que quase todo ser humano gosta de ouvir músicas, para mim a música é uma expressão cultural que me toca constantemente.

Muitas músicas são quase como trilhas sonoras em minha vida. Quando vou aos shows dos músicos que gosto, procuro apreciar o bom som e fazer registros fotográficos.

Hoje compartilho algumas fotos de shows que apreciei e falo sobre a importância das bandas e dos músicos em minha vida. Veja a seguir:



Vi o show do Humberto Gessinger, ex Engenheiros do Hawaii, no dia 7 de dezembro de 2014, em Tupã, a apresentação em questão foi da turnê Insular. Ele é um músico sensacional, várias músicas do tempo de Engenheiros e da sua carreira solo são importantíssimas para mim, são mesmo trilhas sonoras do meu dia a dia. Destaco: "Faz Parte", "Pra Ficar Legal", "Dom Quixote", "Infinita Highway", "Esportes Radicais", entre outras.




Não tive a oportunidade de acompanhar o Pink Floyd no auge, até porque tenho 24 anos, mas através da influência do meu pai e do meu tio, escutei alguns discos como o "The Wall", "The Dark Side of the moon" e "Wish You Were Here".

Em 2012, o músico Roger Waters, ex- baixista do Pink Floyd, fez uma turnê solo e passou pelo Brasil, no dia 1° de abril do ano em questão, se apresentou no Estádio Morumbi, em São Paulo, e tocou o álbum The Wall na íntegra, foi sensacional. Em relação à foto postada no blog, informo que o músico não é o Waters, e sim o guitarrista de sua banda, que fez um grande solo na música "Comfortably Numb", que se assemelhou ao David Gilmour, célebre guitarrista dos Floyds, na apresentação.




Biquíni Cavadão é um nome estranho para uma banda de rock, pelo menos na minha modesta opinião. Conheci a banda na minha adolescência, assim como o biquíni em uma mulher me contagia, fui contagiado pela performance do grupo, que toca grandes sucessos como "Zé Ninguém", "Vento, Ventania", "Dani", "Janaína", "Quanto tempo demora um mês", "Quando eu te encontrar", "Roda Gigante", entre outros.

A foto é do Bruno Gouveia e do saxofonista do grupo, em um show realizado em Tupã no dia 12 de maio de 2013. O show foi sensacional, me recordei da tarde em que conheci o grupo através de um DVD pirateado.



Capital Inicial é uma banda muito conhecida por muitas pessoas, já tive oportunidade de assistir ao show do grupo em duas ocasiões, em 2008 e em 2012. O grupo possui grandes sucessos, como "Fátima", "Veraneio Vascaína", "Primeiros Erros", "Como se sente" e "Não olhe pra trás", que são os meus prediletos.

Essa fotografia foi em um show em Ourinhos, no dia 12 de junho de 2012.




O que dizer de um grupo musical que faz apresentações circenses em um palco? A mistura de acrobacias, malabares e música é algo pouco imaginado, mas o Teatro Mágico faz isso como ninguém.

No dia 30 de janeiro de 2015 tive a oportunidade de assistir ao show do Teatro Mágico, em Tarumã, o show foi sensacional, quase não conhecia o grupo, mas me encantei com a apresentação, sobretudo das músicas: "Anjo mais velho", "Ana e o mar" e "Só enquanto eu respirar".




O sertanejo raiz é outro estilo musical que me atrai, e um ícone do ramo que admiro é o Almir Sater, brilhante músico, seja como cantor, compositor e tocador de viola caipira.

A foto dele é em um show em Ourinhos, no dia 11 de junho de 2014. Encanto-me pelos sucessos: "Tocando em frente", "No rastro da lua cheia", "Ana Raia e Zé Trovão", "Chalana" e "Maneiras Simples", que em muitos momentos serviram como trilhas sonoras para mim.




No mesmo dia em que o Almir Sater se apresentou em Ourinhos, tive a honra de apreciar a reunião de outros dois célebres músicos, o Renato Teixeira e o Sérgio Reis se juntaram ao palco e contagiaram o público. Não tenho palavras para descrever o encontro, acredito que a foto pode dizer muitas coisas para mim e para os fãs dos músicos.




Zé Ricardo & Vignini, músicos pouco conhecidos do grande público apresentam acordes de Rock and Roll, com violas caipiras, os sucessos são do Mettalica, Iron Maiden, Slaywer, Pink Floyd, entre outros.

Tive a honra de ver o show dos músicos no mês de fevereiro de 2016.


Bem-Estar

Por que você deveria lavar as toalhas de banho com mais frequência do que imagina

Tecido pode ser um local perfeito para a proliferação de micro-organismos – e, com isso, uma ameaça à saúde.

Não há dúvida que todo mundo adora sair do banho e se secar com uma toalha macia, felpuda e, principalmente, limpa.

Mas, além do prazer de uma toalha perfumada, existe mais uma razão para se preocupar com a questão da limpeza: os fungos e bactérias.

Cientistas afirmam que as toalhas que usamos diariamente para secar mãos, rosto ou todo o corpo são locais de cultivo de todo tipo de bactérias e fungos, além de acumularem células de pele morta e secreções salivares, anais e urinárias.

Para piorar, as toalhas também podem acumular ácaros e outros agentes prejudiciais à saúde.

Esses pedaços de tecido são ambientes ideais para a proliferação de tudo isso, pois têm muitas das condições indispensáveis para garantir a vida dos micróbios, entre elas água, temperatura alta e oxigênio.

Na toalha e no corpo

Nosso corpo também apresenta estas condições ideais para bactérias e fungos – nós estamos cobertos de micro-organismos dos pés à cabeça.

Desta forma, quando você se seca com a toalha, os micróbios e secreções de nosso próprio corpo ficam depositados no tecido.

Os resíduos celulares, junto ao oxigênio do ambiente, servem de alimento para os micróbios. E a umidade constante do banheiro favorece sua sobrevivência e reprodução.

A maioria dos micróbios provavelmente não vai causar nenhum problema, já que eles estão saindo de nosso próprio corpo. Mas eles estão ali, na toalha, se multiplicando rapidamente...
E tudo muda se você compartilha toalhas: neste caso, o corpo fica exposto aos micróbios do outro.

E o pior é que as toalhas também podem acumular micróbios que estão presentes no próprio banheiro.

Cama e mesa

Estudos realizados em hospitais confirmam que as toalhas e os lençóis são veículos para a disseminação de vírus e bactérias.

Apesar de, comparativamente, residências não serem ambientes de alto risco, é certo que as toalhas podem se transformar em um problema.

Uma pesquisa realizada pela revista "Women's Health" em 2015 sugeriu que 44% das mulheres ouvidas trocavam os lençóis e toalhas uma vez por semana. Mas 47% faziam isso duas vezes por mês ou menos.

"Não há dados científicos para determinar com exatidão com qual frequência devemos trocar lençóis e toalhas", disse à BBC a cientista Sally Bloomsfield, especialista em doenças infecciosas e
consultora do Fórum Científico Internacional de Higiene do Lar.
Porém, acrescenta a especialista, há provas de que existem riscos de infecção dentro de casa.

São desde infecções na pele até uma variedade de doenças como as causadas por bactérias Escherichia coli ou Staphylococcus aureus.

E aí surgem as dúvidas de como minimizar estes riscos.

Em primeiro lugar Bloomsfield desaconselha o compartilhamento de toalhas, especialmente as toalhas de mão, assim como outros objetos relacionados à higiene pessoal.

"Os tecidos úmidos são um refúgio especial para organismos prejudiciais", alertou a pesquisadora.

Quanto ao intervalo para substituir as toalhas, durante muito tempo o conselho foi de trocas semanais como uma forma de evitar infecções.

Mas agora os cientistas acreditam que até uma semana é tempo demais para usar uma toalha.

"Se você consegue secá-las completamente, não deve usá-las mais do que três vezes. Este é o máximo", aconselha Philip Tierno, microbiólogo e patologista da Escola de Medicina da Universidade de Nova York em uma entrevista para o Business Insider.

Tudo seco

A chave, segundo os especialistas, é que entre um uso e outro a pessoa consiga secar a toalha completamente. Algo que nem sempre acontece em espaços sem janelas ou com pouca ventilação - por exemplo, se a porta do banheiro onde a toalha fica pendurada fica fechada.

"Bactérias e mofo começam a se acumular, mas seu crescimento é freado à medida que a toalha seca", explicou Kelly Reynolds, professor de saúde ambiental da Universidade do Arizona.
Bloomsfield, por sua vez, é mais radical: acredita que, em uma situação ideal, as pessoas deveriam lavar as toalhas depois de cada uso.

Se isso não for possível, "é preciso enxaguá-las imediatamente depois do uso e secar muito bem a toalha".

Para acabar com os micro-organismo, é preciso enxaguar a toalha com água a 60 graus. Ou, caso a água esteja em uma temperatura mais baixa que esta, usar detergentes que incluam agentes branqueadores que tenham como base o oxigênio.

Também ajuda usar uma pequena dose de vinagre branco para evitar o cheiro de umidade e, em seguida, lavar a toalha com o sabão que geralmente é usado na casa.

E, se possível, o melhor é secar as toalhas ao livre.

Bloomsfield afirma que, na dúvida, é melhor lavar demais do que de menos.
Os especialistas também apontam para um sinal de alerta: o cheiro de umidade na toalha é sinal de que os micróbios estão se multiplicando no tecido – é preciso jogá-la na máquina de lavar roupas o mais rápido possível.



Bem-Estar

Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no mundo

Análise da Anvisa mostrou que a laranja é o alimento campeão em concentração de agrotóxicos. Além dela, muitas frutas, legumes e verduras têm índices acima do permitido.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e pela primeira vez, uma análise da Anvisa mostrou que consumir laranjas pode causar contaminação aguda.

E não é só a laranja, não. Muitas frutas, verduras e legumes têm concentração de produtos químicos acima do permitido, mas será que tirar a casca resolve? E lavar? O Bem Estar desta segunda-feira (09) fala sobre o assunto e as nutricionistas Vanderli Marchiori e Mariana Garcia explicam o que o consumidor pode fazer. E você sabe a diferença entre agroecológicos, orgânicos e hidropônicos? Pensando na saúde, será que vale a pena pagar mais caro?

Saiba mais

Em geral, os agrotóxicos são utilizados de maneira errada, o agricultor não segue a recomendação de quantidades, modo de aplicar, tempo para colheita, tipo de cultura que pode receber aquele produto, etc, e isso resulta em resíduos no alimento acima do permitido.

Preferir alimentos orgânicos certificados é sempre melhor, verifique se o produtor possui o selo de certificação ou a embalagem. Outra dica é preferir alimentos da época, pois eles precisam, em tese, de menos agrotóxicos. Alimentos in natura que são da sua região também precisam de menos produtos químicos para estarem em boas condições, mas em todos os casos, nunca devemos deixar de comer frutas, legumes e verduras por causa dos agrotóxicos porque os benefícios são muito maiores que os riscos.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) preparou um mapa que mostra onde tem feira orgânica pelo Brasil.

Os alimentos orgânicos precisam ser lavados antes do consumo com hipoclorito de sódio, como todo alimento in natura. Os procedimentos de lavagem e a retirada de cascas e folhas externas contribuem para a redução dos resíduos de agrotóxicos presentes no exterior do alimento, mas são incapazes de eliminar os contidos no interior.



Sede excessiva e muito xixi podem ser sintomas de diabetes; saiba mais sobre a doença

Sede excessiva, aumento da produção de urina e perda de peso sem motivo aparente são sintomas do diabetes, doença que, assim como nos humanos, pode provocar complicações nos pets.

A doença se caracteriza pela deficiência hormonal que reduz a capacidade do sangue de metabolizar a glicose dos alimentos. O tipo 1 é o mais comum entre os cães, e ocorre quando as células do pâncreas não produzem insulina suficiente –e precisam de reposição do hormônio.

É mais comum em cães adultos e idosos, e as causas variam. Segundo o veterinário Antonio Marquesim, da Norte Dog, obesidade, dietas desequilibradas e falta de exercício podem levar à doença. Mas também há o fator genético.

"Existe a predisposição por algumas raças, como poodle, beagle e schnauzer. Mas cães sem raça definida também podem ser afetados", afirma.

O diagnóstico leva em conta exames clínicos e laboratoriais, e o tratamento inclui dieta e aplicações diárias de insulina.

"O profissional definirá quando e quanto esse animal precisará de insulina", alerta Marquesim.

Isso porque pode ocorrer hipoglicemia –baixa quantidade de açúcar no sangue–, e o animal ter tremores, fraqueza e até convulsões, ou hiperglicemia –taxa elevada de açúcar no sangue–, e o pet ter, por exemplo, mais sede do que quando está equilibrado.

Catarata, cegueira, pancreatite, infecções e problemas renais podem ser complicações da doença.

"A boa noticia é que 90% dos proprietários de animal com diabetes conseguem muito bem fazer o tratamento em casa, e com o tempo conseguem perceber sozinhos quando o animal não está bem e precisa de cuidados veterinários", diz a veterinária Carla Berl, diretora do hospital veterinário Pet Care.

De acordo com o hospital, fêmeas devem ser castradas, já que os hormônios ovarianos podem interferir no controle da glicemia pela insulina.

Animais com a doença controlada podem viver bastante, apesar das possíveis complicações.

"É importante ficar atento aos principais sintomas como sede excessiva, aumento da quantidade de urina e do apetite e perda de peso. Quanto antes for descoberta a doença, melhores serão os resultados do tratamento", afirma a veterinária Camila Canno Garcia, da Petz.




Conheça o perfil do cachorro brasileiro

Brasil é o segundo país do mundo com maior número de cães, de acordo com o IBGE

O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de cães, de acordo com o IBGE. Para conhecer melhor o perfil desses bichinhos, a DogHero (www.doghero.com.br), plataforma digital que oferece hospedagem domiciliar para cachorros, fez um levantamento inédito com os 108 mil cães cadastrados na base de clientes. O "censo animal" foi feito a partir da análise de características principais: nome, idade, raça e sexo.

Entre os nomes, houve uma grande variedade. Foram mais de 3.700 identificados, sendo os mais populares Mel, Nina, Lola, Belinha e Luna para fêmeas e Thor, Bob, Fred, Billy e Marley para machos. "Vemos que os tutores escolhem cada vez mais nomes e apelidos usados por humanos. Isso ressalta o caráter de filho do bichinho, visto como um membro da família. Há também claras referências a personagens de filmes e de programas de TV infantis, como no caso de Thor e Luna", explica Eduardo Baer, cofundador da DogHero.

Na classificação de raças, o campeão de registros na base é o sem raça definida (25%), popularmente conhecido como vira-lata. Em seguida vêm raças de pequeno porte, que se adaptam bem a apartamento, como Shih Tzu (11%), Yorkshire (8%), Poodle (6%) e Lhasa Apso (5%).

A pesquisa revelou ainda que há na base uma predominância de cães jovens, de 1 a 3 anos (41%), mas com destaque para cachorros adultos, de 4 a 8 anos (27%). Filhotes com até 11 meses representam 19% do total, enquanto os com mais de 8 anos são 13%. Na divisão entre os sexos, o resultado é bastante próximo: 51% para fêmeas e 49% machos.





Sobre a DogHero

Empresa que oferece residência domiciliar e personalizada aos cachorros, a DogHero é uma plataforma digital que permite que o tutor do animal selecione o melhor anfitrião para receber e cuidar de seu animal em sua ausência. Com atendimento diferenciado e afetuoso, a empresa cuida de todos os detalhes da estadia do pet, oferecendo assistência em caso de eventuais acidentes, além de todo o suporte de contato à distância entre os responsáveis e seus bichos. Qualquer amante de animais pode se candidatar para ser um anfitrião DogHero, basta entrar no site e se cadastrar - mas só são aprovadas as pessoas que possuem perfil e oferecem uma estadia confortável e satisfatória ao cachorro.

Osvaldo Luiz Silva

O novo beijo de Francisco

Francisco, o de Assis, tinha uma repulsa imensa pelos leprosos, nojo mesmo. Aversão pela então doença fatal e contagiante, que apodrecia a carne dos enfermos, desfigurava seus rostos e causava mau cheiro. Mas, como o jovem que queria vestir as mesmas vestes e comer a mesma comida dos pobres poderia evitar os mais miseráveis de todos?

Um encontro por acaso, tornou-se oportunidade dele firmar sua opção por Cristo, pobre e crucificado. Certo dia, passeando pelas campinas de Assis, Francisco desce do cavalo e a mão ensanguentada do leproso ganha não só uma moeda, mas também um beijo. Foi preciso um esforço sobre-humano, mas o santo diz em seu testamento: "o Senhor me conduziu entre eles, e fiz misericórdia com eles... aquilo que me parecia amargo se me converteu em doçura da alma e do corpo".

Hoje, 800 anos depois, em Assis, o Papa que escolheu se "vestir" de Francisco e "comer" com os pobres, aponta a grande doença do nosso tempo: a indiferença; "É um vírus que paralisa, nos torna inertes e insensíveis, um morbo (enfermidade) que afeta o próprio centro da religiosidade produzindo um novo e tristíssimo paganismo: o paganismo da indiferença".

Na cidade do santo dos pobres, para marcar os 30 anos do Encontro pela Paz, de São João Paulo II com líderes religiosos, Papa Francisco nos "sacode" e desperta para a cruel situação pela qual passam crianças, velhos, mulheres: "imploram paz os nossos irmãos e irmãs que vivem sob a ameaça dos bombardeamentos ou são forçados a deixar a casa e emigrar para o desconhecido, despojados de tudo".

Francisco, em Assis, repete e atualiza a mística do crucificado, do "amor (que) não é amado": "Todos eles são irmãos e irmãs do crucificado, pequeninos do seu Reino, membros feridos e sedentos da sua carne. Têm sede. Mas, frequentemente, é-lhes dado, como a Jesus, o vinagre amargo da rejeição. Quem os ouve? Quem se preocupa em responder-lhes? Deparam-se muitas vezes com o silêncio ensurdecedor da indiferença, o egoísmo de quem se sente incomodado, a frieza de quem apaga o seu grito de ajuda com a mesma facilidade com que muda de canal na televisão".

A volta da doçura do beijo, que quer espantar a barreira que nos prende em nós mesmos, na mediocridade de nossos "castelos". Francisco desceu de novo de seu cavalo e fez misericórdia com os que sofrem com a guerra.

Também precisamos "cair do cavalo" e fazer misericórdia. De quem temos mantido distância? De moradores de rua, de dependentes químicos, de pessoas que vivem em extrema pobreza? De Assis, diz Francisco: "os cristãos são chamados a ser 'árvores de vida', que absorvem a poluição da indiferença e restituem ao mundo o oxigênio do amor". Francisco ainda inspira amor.