05 de Julho de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

A favela e o ESG

COLUNISTA - Elisa Barbosa

Se a população das favelas fossem um estado, esta seria, hoje, o sétimo mais populoso do Brasil. Com 14 milhões de pessoas, as favelas possuem um PIB de 130 bilhões de reais. No entanto, Edu Lyra, fundador da organização e plataforma Gerando Falcões, que promove o empreendedorismo na base da pirâmide, muitas empresas ignoram este mercado.

Mesmo com o surgimento de artistas reconhecidos, como Kondzilla, Emicida, Celso Athayde, Anitta, dentre tantos outros, que vieram das favelas, há dificuldade de as empresas conectarem seus produtos a esses territórios, que têm culturas, demandas e linguajares próprios.

Divulgação - Elisa Barbosa, especialista em ESG - Foto: Divulgação
Elisa Barbosa, especialista em ESG - Foto: Divulgação


É por conta disso que foi criado o programa Favela Beta, em parceria com a consultoria Accenture e a Gerando Falcões, para propor soluções de problemas das favelas, como moradia, saneamento básico, saúde, renda, etc. O programa já está sendo desenvolvido e um dos primeiros projetos, junto à BRK Ambiental, irá implementar um projeto piloto em Vergel do Lago, Maceió, para levar saneamento à população.

Hoje, não basta à empresa ser a melhor. Para Lyra, "A era da melhor empresa do mundo acabou. Agora, a busca é por ser a melhor empresa para o mundo".
Divulgação - Elisa Barbosa
Elisa Barbosa
Elisa é advogada atuante na área de migração pelo Instituto ProBono e ProMigra/USP, mestre pela UNESP e consultora em ESG - OAB/SP 365.622
+ VEJA TAMBEM