18 de Agosto de 2019
17º/33º
ENTRETENIMENTO » BLOG
Bem-Estar

Nutricionista dá dicas de como não engordar ao parar de fumar

Solução pode estar em uma dieta ajustada e com a mandioca como grande protagonista

No dia 29 de agosto é comemorado o Dia Nacional do Combate ao Fumo. A data tem como principal objetivo, conscientizar a população sobre os males do cigarro e de seus componentes, por isso o objetivo é incentivar o abandono do hábito de fumar para quem já aderiu esse costume na rotina.

Apesar da campanha, o Brasil é um dos países que mais reduziu o número de fumantes diários. Segundo uma pesquisa publicada em 2017, pela revista britânica The Lancet, o País teve uma queda de 29% para 12% entre homens e de 19% para 8% entre mulheres. A pesquisa foi feita entre o ano de 1990 e 2015.

Mas o que muita gente não sabe, é que ao parar de fumar, os ex-fumantes têm uma melhora no paladar e no olfato. Junto a isso, existe também uma necessidade de ter algo para fazer com a boca e com as mãos, a única saída: comer.

Dicas da Nutri!

"Ao parar de fumar, os ex-fumantes utilizam os alimentos da mesma forma que eles utilizavam o cigarro, seja para lidar com o estresse, escapar do tédio, da tensão ou como uma ajuda na integração social”, explica Fernanda Alferes, nutricionista e responsável pelo controle de qualidade da Uni Alimentos.

Segundo uma pesquisa feita pelo Hospital Universitário da USP, as pessoas que param de fumar, ganham na maioria das vezes entre 3 e 4 kg e aproximadamente, porém 10% das pessoas que param de fumar ganham uma quantidade avantajada de peso. Além dos novos hábitos, a mudança de metabolismo e a ansiedade são os principais fatores para as pessoas engordarem nesse período.

A nutricionista explica que a alimentação balanceada é o primeiro passo para evitar o ganho de peso durante o período de abstinência. "Para uma alimentação saudável, é preciso consumir alimentos que possuam substancias importantes para o bom funcionamento do organismo, desta forma, o metabolismo do ex-fumante voltará a ter uma normalidade e a dieta não será mais um sacrifício”.

Os principais alimentos na hora de iniciar a dieta são os ricos em vitaminas, nutrientes e carboidratos. "O cigarro geralmente deixa os fumantes sem apetite, por isso eles não possuem uma rotina alimentar. Uma dica legal é ter horários fixos para as refeições e também alimentos saudáveis entre elas. Um alimento que eu gosto bastante é a mandioca, além de ser rica em fibras - substância que transforma o carboidrato em energia, a mandioca também aumenta os níveis de seretonina – o neurotransmissor que age nas regiões do cérebro responsáveis pela sensação do bem-estar”.

A mandioca também pode ser encontrada em diversos alimentos para dar uma quebra na disciplina alimentar. Fundada em 2015, a Uni Alimentos entrou nesse mercado para contribuir ainda mais com a rotina dos brasileiros. Tendo como carro chefe a mandioca, a empresa oferece tapiocas em sachês individuais – para evitar o desperdício – no sabor tradicional e de espinafre, além de uma linha completa de chips de mandioca e batata-doce.

"Este ingrediente tão rico no Brasil, ainda conta com fonte de fibras e é isenta de glúten. Auxilia ainda a regular o funcionamento do intestino e traz saciedade entre as refeições. Além disso, a tapioca pode substituir o pão no café da manhã e os chips de mandioca podem ser o lanche perfeito durante a rotina do dia-a-dia”, conclui a nutricionista.

Ilustrativa - Segundo nutricionista, uma dica legal é ter horários fixos para as refeições e também alimentos saudáveis entre elas
Segundo nutricionista, uma dica legal é ter horários fixos para as refeições e também alimentos saudáveis entre elas


Bem-Estar

Saiba como facilitar a rotina de sono do seu filho e evite problemas futuros

Entre as consequências mais comuns às crianças que não dormem bem estão: queda no desempenho escolar, desatenção, irritabilidade e até mesmo agressividade

A quantidade de sono adequada é sempre alvo de questionamentos. Quanto tempo meu filho precisa dormir? Pesquisa publicada no Journal of the National Sleep Foundation aponta que recém-nascidos precisam dormir de 14 a 17 horas por dia; já entre os bebês de quatro a 11 meses, a indicação é de 12 a 15 horas.

Conforme a idade aumenta, a necessidade de sono diminui; crianças de um a cinco anos precisam de 10 a 14 horas de sono; dos seis aos 13 anos, a recomendação cai para nove a 11 horas. No entanto, não só quantidade é importante, mas também qualidade.

"Dormir bem, seja em quantidade como em qualidade, evita o registro de problemas futuros no desenvolvimento da criança. Se não há sono reparador, pode haver consequências diurnas como queda no desempenho escolar, desatenção, irritabilidade e até mesmo agressividade”, alerta a Otorrinolaringologista especializada em Medicina do Sono, Dra. Sandra Doria Xavier.

O problema é que, muitas vezes, os pais têm dificuldades para impor essa necessidade e fazer com que os filhos sigam as orientações, resultando em noites mal dormidas e com um tempo menor do que o recomendado. "Estabelecer uma rotina antes da hora de dormir ajuda a criança a entender que aquele é o momento de desacelerar. O que fazer para mostrar isso à criança varia de família para família. Um exemplo é adotar uma sequência de atividades, como tomar banho, escovar os dentes, colocar o pijama, cantar ou ler uma história”, orienta Sandra.

Segundo a médica, uma das principais causas da qualidade inadequada de sono são os distúrbios respiratórios do sono, como a apneia do sono, caracterizada por roncos, respiração pela boca, babação no travesseiro, entre outros problemas.

Vida normal durante o dia e cuidados especiais no período da noite, essa é a indicação da profissional para ajudar a estabelecer uma rotina à criança. "Ensiná-los o que é dia e o que é noite é uma tarefa que deve começar desde cedo, de preferência já na segunda semana de vida. Não precisa mudar a rotina da casa durante o dia, ou seja, a família deve mantê-la iluminada e não evitar barulhos da rotina doméstica, como o telefone, as conversas, as visitas, o liquidificador ou o aspirador de pó. Porém, quando estiver próximo ao horário de dormir, evite brincadeiras agitadas, aparelhos eletrônicos, barulhos e diminua as luzes. Quanto mais calmo o ambiente estiver, melhor para a criança, que entenderá que aquele é o momento de descansar”, revela a Otorrinolaringologista.

A mudança de rotina é outro complicador. Aos finais de semana é comum as crianças acordarem e dormirem mais tarde, irem para a casa de coleguinhas ou dos avós, enfim, alterações que mexem com o relógio biológico.

"Durante o final de semana cabe aos pais determinar horários um pouco mais flexíveis, sabendo que o ideal é não fugir muito daqueles habitualmente praticados. Quanto mais exceções a família der aos horários de dormir e acordar, mais difícil é para a criança entendê-los e incorporá-los. Para retomar a rotina semanal é muito importante conversar com as crianças e estabelecer regras, mas isso deve fazer parte de um acordo entre pais e filhos e não uma imposição sem sentido. As crianças, ainda pequenas, devem começar a entender que faz parte da vida ter tarefas e responsabilidades. Diálogo sobre a rotina deve ser incorporado junto com diálogo sobre respeito, empatia, preconceito, entre outros assuntos”, declara a médica membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

A alimentação também interfere no sono, por isso é importante estar atento ao que as crianças comem em horários próximos de deitar. "Quando se faz uma refeição muito gordurosa, de difícil digestão, isso pode prejudicar o sono. Muito líquido também não é recomendável, já que a vontade de ir ao banheiro irá despertá-los no meio da noite. Por isso, o último copo de água deve ser ingerido, preferencialmente, pelo menos uma hora antes da criança ir para a cama”, explica Sandra Doria Xavier.

Por fim, a especialista em Medicina do Sono esclarece a questão dos cochilos no meio do dia.

"Até os três anos é comum algumas crianças ainda dormirem durante o dia. A partir de cinco anos a maioria já não tem essa necessidade. Porém é importante ressaltar que essa não é uma regra, depende de cada criança e é importante que se observe as características individuais. Os cochilos também devem seguir uma rotina, de preferência sempre no mesmo horário. Geralmente, as crianças preferem fazer isso após o almoço. Evite os horários das 9h ao meio-dia, que pode postergar a soneca da tarde, e o das 17h às 20h, que pode atrapalhar a rotina noturna”, finaliza.

Ilustrativa - Segundo pesquisa, para bebês de quatro a 11 meses, a indicação é de 12 a 15 horas de sono por dia
Segundo pesquisa, para bebês de quatro a 11 meses, a indicação é de 12 a 15 horas de sono por dia


Bem-Estar

Como lidar com a birra das crianças

Segundo especialista, é necessário compreender o que está por trás deles, o que está levando a criança a agir daquela maneira

Toda criança apresenta problemas de comportamento em alguma fase da sua vida, seja ela de desenvolvimento típico ou atípico.

Lidar com esses comportamentos, com as birras e as crises, não é uma tarefa fácil para os pais, e no caso das crianças com atraso no desenvolvimento esse processo tende a ser ainda mais difícil.

Para lidar com os problemas de comportamento é necessário compreender o que está por trás deles, o que está levando a criança a agir daquela maneira.

Para facilitar esse processo, a analista do comportamento Michelli Freitas listou algumas dicas:

Identifique os comportamentos típicos da idade: alguns comportamentos são típicos de qualquer criança, por isso é importante saber diferenciar um problema real, um atraso no desenvolvimento ou na linguagem, de uma reação natural da idade.

Verifique a motivação por trás do comportamento problemático: identifique a razão que está motivando e mantendo o comportamento problemático (chamar atenção, obter um item desejado, escapar ou evitar uma situação, dor, cansaço, fome).

Não ignore o comportamento problemático: não deixe que a dúvida quanto ao nível de compreensão da criança, a vontade de proteger, o sentimento de pena e a dificuldade de lidar com a situação sejam empecilhos para lidar com o comportamento problemático do seu filho.

Lide com o comportamento problemático agora: inicie o processo para combater o comportamento problemático o quanto antes, de preferência quando a criança ainda for pequena, pois nessa fase tende a ser mais fácil lidar com o comportamento inadequado.

Use estratégias para reduzir ou eliminar o comportamento problemático: desenvolva a cooperação com a criança, use reforçadores, siga instruções, substitua o comportamento problemático por outro mais adequado e ensine novos comportamentos.

Deixe claro o que é e não é negociável: esclareça para a criança o que ela pode e não pode fazer, seja firme nas suas decisões, mostre para a criança que não adianta ela protestar com o que não é negociável.

Selecione um comportamento problemático por vez: trabalhe com um comportamento problemático por vez, dê preferência para aquele que não seja tão frequente e muito difícil de monitorar, e selecione outro somente quando o primeiro começar a mudar.

Seja firme para lidar com os protestos: mantenha-se firme e siga com as restrições para lidar com os protestos da criança, use estratégias para evitar os comportamentos inadequados e demonstre ações com tons de voz e expressões.

Verifique a necessidade de buscar ajuda especializada: alguns problemas de comportamento podem prolongam-se por muito tempo ou ter consequências mais sérias, como agressões e autolesão, por isso é importante estar atento para saber identificar quando a criança precisa de ajuda especializada.

*Michelli Miguel de Freitas é Pedagoga, Psicopedagoga Clínica e Institucional, com licenciatura em Letras, Analista do Comportamento e Mestranda em Ciências do Comportamento. É diretora do IEAC (Instituto de Educação e Análise do Comportamento), que ministra cursos para pais, profissionais da educação e saúde.

Ilustrativa - Segundo especialista, é necessário compreender o que está levando a criança a agir daquela maneira
Segundo especialista, é necessário compreender o que está levando a criança a agir daquela maneira


Bem-Estar

Quais os benefícios da amamentação para a saúde bucal?

Higiene bucal também deve ser feita em bebês

O aleitamento materno pode contribuir para a prevenção de diversas doenças, mas você sabia que ele também pode evitar problemas bucais? Estudo sugere que o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade pode diminuir a prevalência da má oclusão dental, que é quando o contato dos dentes superiores com os dentes inferiores fica desalinhado.

O cirurgião-dentista e diretor de Operações do INPAO Dental, Dr. José Henrique de Oliveira, explica que o ideal é que o arco dentário superior fique ligeiramente encobrindo o arco dentário inferior. "Modificações nesse, digamos, ‘encaixe’ pode causar problemas nos dentes, na musculatura facial e na gengiva, por exemplo”.

Alguns sinais da má oclusão dental são: alterações faciais (queixo muito pequeno ou muito alongado), dentes desgastados, dores de cabeça, zumbido, desconforto ao mastigar e problemas na articulação da mandíbula.

A fala e a respiração também estão relacionadas à amamentação, pois ela estimula o desenvolvimento da musculatura da boca, bochechas e língua da criança.

Higiene bucal do bebê - Os cuidados bucais na infância devem ser pensados desde o nascimento do bebê. "As gengivas precisam ser higienizadas com uma gaze úmida, em movimentos delicados, pelo menos duas vezes ao dia, após a amamentação. Isso contribui para evitar o acúmulo de leite e garantir dentes mais fortes e saudáveis”, conta Dr. José Henrique.

O uso da escova somente é indicado quando surgirem os primeiros dentes de leite. Muita atenção na quantidade usada de creme dental, que deve ser do tamanho de uma ervilha. Também é recomendado o uso de creme dental sem flúor para crianças até os cinco anos de idade.

Ilustrativa - Amamentação estimula o desenvolvimento da musculatura da boca, bochechas e língua da criança
Amamentação estimula o desenvolvimento da musculatura da boca, bochechas e língua da criança


Bem-Estar

As 12 melhores profissões para quem gosta de viajar

Saiba como decidir e em qual curso investir

Para definir a carreira certa, é necessário ponderar três itens essenciais antes de tomar qualquer decisão:

- Quais são as profissões que pedem habilidades que a pessoa domine?
- Como as profissões pré-escolhidas estão no mercado de trabalho atualmente?
- Em quais profissões é possível, na maior parte do tempo, exercer tarefas que a pessoa goste?

Ao unir os três pontos de observação acima, o candidato provavelmente terá um leque de carreiras bem mais restrito e que ajudará a decidir em qual curso investir.

Para aqueles cujo sonho é uma profissão que permita conhecer outras cidades ou países (e ainda receber para isso), o site Quero Bolsa fez uma lista com as 12 profissões ideais para quem gosta de viajar:

1 - Arqueologia

A pessoa que é formada em arqueologia analisa objetos e materiais encontrados no solo para descobrir como sociedades antigas viveram e colaboraram para desenvolvimento humano e o mundo que vivemos atualmente. Por isso, é possível que um arqueólogo viaje o mundo, para diversos sítios arqueológicos, atrás dessas informações.

2 - Comércio Exterior

Esse profissional é responsável por mediar a relação entre vendedores e compradores dos mais diversos países. Assim, essa carreira pode exigir que o profissional viaje constantemente.

3 - Fotógrafo

Sendo um profissional autônomo ou trabalhando em uma redação de um jornal, o fotógrafo possui muitas oportunidades para ir atrás dos seus cliques, inclusive realizar a cobertura fotográfica de acontecimentos importantes em outros países.

4 - Jornalismo

Assim como o fotógrafo, alguns jornalistas podem trabalhar em áreas mais especializadas que demandam muitas viagens.

5 - Produção de Eventos

Dependendo do estilo de negócio no qual o produtor de eventos trabalha, ele pode precisar viajar frequentemente para auxiliar na realização dos eventos sob sua responsabilidade.

6 - Piloto de aviação

Bom, não é preciso falar muito sobre um piloto, não é mesmo? Afinal, ele é um dos responsáveis por fazer com que as suas viagens para outras cidades e países aconteçam, ou seja, um piloto de aviação viaja muito!

7 - Comissário de Bordo

Assim como o piloto de aviação, os comissários de bordo são responsáveis por auxiliar aqueles que estão no trajeto de uma viagem.

8 - Turismo

Responsável pela elaboração, organização e divulgação de viagens e eventos. Um turismólogo precisa fazer algumas viagens para realizar o planejamento dos eventos sob a sua supervisão.

9 - Diplomata

O diplomata é o representante oficial em um país em outras embaixadas. Por isso, ele pode trabalhar em escritórios, consulados ou embaixadas de outros países.

10 - Tradutor

Um tradutor pode ser responsável por fazer a tradução de eventos, palestras, discursos, reuniões e conversas. Assim, em muitos casos, ele precisa acompanhar empresários ou governantes em eventos internacionais.

11 - Professor de Idiomas

Se o profissional souber mais de um idioma, é possível se aventurar em outros países para ensiná-lo. Entretanto, é importante lembrar que é preciso ter metodologias de ensino para conseguir ensinar outras pessoas.

12 - Au Pair

A pessoa que é Au Pair trabalha como cuidadora de crianças em outros países e, além do salário, ganha moradia e alimentação. Na maioria dos casos, o Au Pair é considerado um intercâmbio de trabalho, no qual você aprimora o seu conhecimento em uma língua, além da remuneração.

Divulgação - Fotógrafo possui oportunidades para ir atrás dos seus cliques, inclusive realizar a cobertura fotográfica de acontecimentos importantes em outros países
Fotógrafo possui oportunidades para ir atrás dos seus cliques, inclusive realizar a cobertura fotográfica de acontecimentos importantes em outros países


Bem-Estar

Confira os dez erros na hora de retirar a fralda do bebê

Esse deve ser um momento tranquilo que exige muita paciência e dedicação

O início do desfralde sempre gera grandes dúvidas nos pais. Esse deve ser um momento tranquilo que exige muita paciência e dedicação.

Retirar a fralda das crianças é um processo que exige muita paciência. "Algumas crianças levam poucas semanas para aprender a usar o banheiro, enquanto outras podem demorar até seis meses e precisar de maior atenção, ” informa Drª Loretta Campos. Conheça os 10 erros mais comuns.

1) Começar antes da hora - o ideal é a partir dos dois anos pois nesta fase as crianças têm autonomia para andar, tirar a roupa e expressar que estão incomodadas com o cocô.

2) Expor a criança em lugares públicos - ir ao banheiro é algo privado, portanto, tente utilizar o sanitário com a porta fechada e penico sempre no banheiro, nunca na sala, quarto.

3) Delegar a tarefa unicamente para a escola - tente começar a retirada das fraldas em casa, de preferência nas férias, sem muito estresse. A escola deve ser só um apoio.

4) Pressionar a criança para ser rápida - o desfralde requer tempo e paciência. Leve livrinhos, joguinhos para tornar o momento prazeroso.

5) Não providenciar itens de apoio - precisa providenciar um penico ou redutor de vaso sanitário. A criança precisa de conforto. E se faz necessário o apoio para os pés!

6) Esperar a criança pedir para ir ao banheiro - comece retirando a fralda do dia e pergunte ou leve a criança ao banheiro a cada duas horas.

7) Dar bronca se a criança não consegue se segurar - nunca diga você se sujou de novo ou você não aprende.

8) Fazer cara de nojo quando acontece um escape - os escapes, principalmente os noturnos, são frequentes. Pode durar em média até os quatro anos e algumas crianças até seis anos de idade.

9) Colocar roupas difíceis de tirar - se a criança pede para ir ao banheiro os pais têm de agir rápido.

10) Escolher um momento de estresse para tirar a fralda - toda paciência é pouca.

Loretta Campos

Pediatra pela Universidade de São Paulo (USP), Consultora Internacional em Aleitamento Materno (IBCLC), Consultora do sono, Educadora Parental pela Discipline Positive Association e membro das Sociedades Goiana e Brasileira de Pediatria. A médica aborda temas sobre aleitamento materno com ênfase na área comportamental da criança e parentalidade positiva.

Ilustrativa - Segundo especialista, algumas crianças levam poucas semanas para aprender a usar o banheiro, enquanto outras podem demorar até seis meses
Segundo especialista, algumas crianças levam poucas semanas para aprender a usar o banheiro, enquanto outras podem demorar até seis meses


Bem-Estar

Mobilidade urbana está relacionada à qualidade de vida, diz estudo

A pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis

Os problemas de mobilidade urbana podem afetar negativamente o bem-estar e a qualidade de vida dos cidadãos, de acordo com pesquisa levantada pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com as Universidades Federais Rio Grande do Sul e Santa Catarina e a Oxford Brookes University, da Inglaterra. A publicação foi intitulada de Projeto Mobilidade Urbana Saudável e teve como objetivo entender o impacto da malha urbana nas comunidades de baixa e média renda.

No Brasil foram analisadas três cidades: Brasília, Porto Alegre e Florianópolis. Já no Reino Unido, mais especificamente na Inglaterra, a escolhida foi a cidade de Oxford. Em todas elas foram relatadas queixas, mesmo com realidades econômicas e sociais totalmente diferentes.

O estudo apontou, por exemplo, a necessidade de se reduzirem os deslocamentos dentro das cidades. A solução seria aumentar o número de alternativas possíveis de atividades que possam ser feitas dentro da cidade, investindo em ciclovias e pistas para caminhada - ou ainda melhorar as condições das calçadas. Isso não só permitiria que as pessoas ficassem mais saudáveis, como também diminuiria os custos com tratamentos pela saúde pública.

A pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis. Já as que utilizam o automóvel, são propensos a desenvolver doenças como diabetes, hipertensão e depressão. Para os pesquisadores, a gestão pública precisa investir em estruturas que promovam a caminhadas ciclismo e transporte público.

Os dados coletados e analisados pelas equipes brasileiras e do Reino Unido foram: o mapeamento espacial para entender o ambiente no qual ocorre o deslocamento; pesquisa social para obter perfis de saúde e bem-estar das comunidades selecionadas; entrevistas, para entender as razões que levam à escolha do meio de transporte; uso de recursos como GPS e câmeras e a participação ativa das comunidades locais na identificação de problemas e soluções para a mobilidade urbana saudável e bem-estar social.

O resultado da pesquisa foi apresentado recentemente em uma conferência sobre Mobilidade Urbana Saudável, promovida pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados, em conjunto com a Universidade de Brasília (UnB).

Solução para o trânsito

O uso de bicicleta para se deslocar para o trabalho já foi adotado como hobby por algumas pessoas. A escolha economiza o dinheiro de transporte e gasolina, evita o estresse dos congestionamentos e falta de estacionamento, além de fazer muito bem à saúde e ser uma solução para diminuir a quantidade de automóveis na rua. A melhor escolha do equipamento depende de quem for usar, pois opções não faltam e vão desde as bicicletas comuns, até as inovadoras como as bicicletas dobráveis e elétricas.

Ainda que alguns ainda insistam na atividade e se arrisquem pelas ruas disputando espaço com os carros, de acordo com os profissionais envolvidos, são muitos os que até querem caminhar e pedalar, mas não vão em frente por não confiar na estrutura existente.

Os cidadãos estão mais conscientes sobre os benefícios tanto no corpo quanto para o meio ambiente, mas a infraestrutura atual das cidades ainda não as permite utilizar desses meios com a devida segurança.

Pixabay - Pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis
Pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis


Bem-Estar

Meu filho não sai do celular, o que fazer? Especialista responde

Segundo especialista, é necessário em primeiro lugar ensinar a criança a lidar com o tédio

Em 2018, o canal da Galinha Pintadinha ultrapassou em visualizações até mesmo grandes nomes da música mundial como Rihanna e Justin Bieber, ficando no ranking entre os mais populares do YouTube, e isto não foi à toa. Uma pesquisa divulgada em setembro de 2018 pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil mostrou que 85% das crianças e adolescentes com idades entre 9 e 17 anos são usuárias de internet, o equivalente a 24,7 milhões que estão nesta faixa etária em todo o País. Se em 2012, 21% das crianças acessaram a rede por meio do celular, em 2018 são 93%. O aumento impressionante do acesso tem preocupado cada vez mais os pais e profissionais que lidam com os pequenos e coloca em questão o possível vício infantil em celulares. O que fazer?

A neuropsicóloga Roselene Espírito Santo Wagner é uma das especialistas que tem estudado esta guinada no comportamento infanto-juvenil: "Precisamos considerar que a tecnologia, já está incorporada à vida. O celular hoje é mais que uma ferramenta, tornou-se uma dimensão humana muito frequentada. O smartphone hoje é mais que televisão, é "biblioteca”, é jornal, cinema, é playlist, dicionário. Estamos reféns dele. No entanto, embora seja inevitável a presença e o uso do celular no cotidiano, é necessário explicar e fazer a criança entender que a tecnologia é um meio para um fim, e não o contrário”.

Transações bancárias, notícias, imagens, e até consultas médicas. Tudo está ali na palma da mão. Basta um toque. Não temos mais como desconectar. Mas até onde isto é saudável para a criança e o adolescente? A Dra. responde: "Todos nós devemos aprender a usar a tecnologia com parcimônia. Isto é, encarar como uma ferramenta de resolução de problemas de ordem prática, rápida e superficial. Esta ferramenta tecnológica pode ser usada inclusive com fins recreativos, porém, nós não devemos usá-la abusivamente, para não virarmos dependentes. A dependência é uma "doença comportamental” em todos os seus aspectos, logo retirando o comportamento, retiramos também a doença. Mas a facilidade de se adquirir o hábito e transforma-lo em vício não condiz com a dificuldade de sair desta armadilha”.

A Dra. Roselene Espírito Santo Wagner traz algumas dicas para retirar as crianças do celular e evitar o vício dos pequenos. Confira:

Ensinar a criança a lidar com o tédio

É necessário em primeiro lugar ensinar a criança a lidar com o tédio, para que comecem a entender e trabalhar algo que acontecerá na vida, que é a frustração. Aprender a lidar com frustrações é pedagógico e terapêutico. Nosso cérebro se devolve de trás para frente. Portanto, não tenha medo de conversar e explicar as formas de lidar com a rotina e disciplina dentro dos sistemas familiares. A área de Wernicke responsável pela compreensão, interpretação da fala, fica pronta antes da área de Broca, responsável pela emissão da fala.
As crianças mesmo não falando tudo corretamente, compreendem tudo o que lhes é explicado (de forma simples).

Explique, converse e estabeleça limites

Dar limites é dar amor. Crianças precisam compreender o funcionamento do mundo. Cabe aos adultos, pais, cuidadores, explicar.

Observar a natureza de seu filho, as inclinações naturais, os gostos, as habilidades, a estrutura do corpo para perceber onde ele "caberia melhor”. No âmbito de uma atividade física, isso significa dizer que o corpo já vem "talhado” com características que facilitariam uma atividade. Identificar no seu filho para quais atividades que ele tem pré disposição, gosto ou aptidão pode ajudar muito a produzir uma rotina onde ele possa se adequar. E ter prazer nesta atividade.

Ensinar que um bom dia começa com a organização do seu espaço, o quarto em que dorme, produzir uma convivência de união familiar, onde todos os sistemas (sistema conjugal, parental, etc.) devem ser tido como uma "equipe”. Onde cada um pode colaborar com uma tarefa, colocar a mesa, retirar as louças, levar o lixo. Tudo isto tem a ver com limites e educação.

Dê atividades para o seu filho

Crianças gostam de ar livre. Leve seu filho para atividades ao ar livre, como pedalar, passear, caminhar, praia, piscina. Ter lazer, atividades intelectuais, responsabilidades e até mesmo bom sono.

Crianças gostam de estar com outras crianças, em acampamentos, noite do pijama, sessão de cinema, piquenique.

Crianças amam animais. Visitar o zoológico, dar de presente um animal de estimação que ele possa "cuidar”, dentro de suas possibilidades iniciais. Conforme vai crescendo, vai se apropriando e tomando mais responsabilidades sobre este "ser vivo” que exige cuidados e carinho.

Todas essas atividades irão retirando o "tempo de uso” do smartphone. Claro que a retirada total é quase que impossível, pois, há uma "necessidade " do uso da tecnologia, inclusive por ser uma forma rápida, prática de "estudar”, fazer trabalho de aula e afins.

Qual a melhor forma de prevenção do vício em celular?

A Dependência Digital é de difícil tratamento, mas a melhor prevenção é a Psicoeducação, no sentido de desenvolvermos uma rotina saudável desde crianças, pois, os "nativos digitais”, nascidos na era "virtual” são mais propensos a tornarem-se "adictos virtuais”. Então ainda que as crianças não sejam capazes de emitir, falar todas as palavras de forma correta. Elas estão aptas a compreender quase tudo, por isso, é preciso acompanhá-las em todas as fases de seu desenvolvimento. Ensinando, preparando, guiando e amando.

Ilustrativa - Segundo especialista, é necessário em primeiro lugar ensinar a criança a lidar com o tédio
Segundo especialista, é necessário em primeiro lugar ensinar a criança a lidar com o tédio


Bem-Estar

Em tempos de redes sociais, como manter uma amizade real?

Tiago Marcon é missionário celibatário da Comunidade Canção Nova, apresentador do programa de TV "Revolução Jesus” e autor de livros

Sou um jovem, entre milhares, que está continuamente conectado e usufrui das redes sociais para se relacionar, interagir, reencontrar pessoas, trocar experiências. O Papa Francisco nos mostra que "emails, mensagens de texto, redes sociais podem ser formas de comunicação totalmente humanas. A internet pode ser usada para construir uma sociedade saudável e aberta” (Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Comunicação Social).

Sim, é possível fazer e estreitar amizades por meio das redes sociais, contudo, sem fecharmos os olhos para os riscos, por isso, a prudência e a cautela sempre precisam estar presentes. Já me aproximei, estabeleci relacionamentos de amizade, fortaleci aquelas que já existiam, mas não posso negar que, mesmo com todos esses benefícios, a presença física continua sendo indispensável. Porque mesmo que as novas tecnologias nos aproximem a ponto de termos a sensação de quase tocarmos fisicamente, o contato direto, onde podemos olhar nos olhos, e não por uma tela, devemos abraçar, ter a presença física, primordial para que os laços de amizade se fortaleçam e se estreitem.

Corremos o risco de viver uma certa "substituição”, tentando suprir virtualmente aquilo que é indispensável fisicamente, pois somos seres com necessidade de contato, de relação e comunhão profunda.

A questão está em entendermos que os "meios” são "meios” e não fim, o objetivo final. Se temos, hoje, esses meios propícios e eficazes, que colaboram para que nossas relações de amizade cresçam, é desperdício não fazermos uso deles. Ao mesmo tempo, não podemos cair no extremo de achar que as redes sociais são suficientes para construirmos uma amizade verdadeira, pois esta sempre vai precisar ser cultivada e regada e, para isso, é preciso ir além dos cliques, visitar e estar. Que tal, pelos cliques, combinar um bom encontro com aquele amigo que, há tempo, você não vê?

Certo dia, impressionei-me ao perceber que estava me sentindo um tanto perdido, sem jeito, quando tive contato com alguns amigos que, há tempos, não estavam juntos presencialmente. É como se eu tivesse desaprendido de estar presente fisicamente. Achei estranho, fiquei incomodado com isso; então, comecei a retomar o estar com o outro, isto é, estar inteiro, até fazendo o exercício de deixar o smartphone de lado e olhar nos olhos, perguntar, escutar, falar… Gestos tão comuns, mas dos quais precisei redescobrir a riqueza e o valor.

O conceito da verdadeira e duradoura amizade não pode se perder! Amigos a gente não conquista somente baseado em cliques, aceitação de amizade no perfil, em seguimento, curtidas e compartilhamentos. Os stories me ajudam a contar minhas histórias, mas meus amigos esperam que eu as conte pessoal e presencialmente. Fazendo esses ajustes, tomando esses cuidados, preservando o essencial, penso que as redes sociais se tornam mais eficazes na arte de fazer e cultivar amizades.

Bem-Estar

Julho Amarelo: diagnóstico precoce de câncer ósseo aumenta em até 3 vezes a chance de cura

Medicina Nuclear conta com dois exames que identificam as metástases de câncer ósseo, antes das alterações anatômicas Campanha visa conscientizar a população sobre a doença e o diagnóstico precoce para um tratamento mais efetivo

Os tumores ósseos, apesar de raros, acometem crianças, adolescentes e adultos e têm alta taxa de mortalidade. Eles podem atingir qualquer osso do corpo, mas são mais comuns em ossos como os dos braços, pernas, coluna e bacia. Além disso, estes tumores podem surgir diretamente no osso (primário) ou decorrer de câncer em outro órgão, com metástase nos ossos (secundário). Entre os sintomas estão dor nos ossos, inchaço e sensibilidade na área afetada, ossos quebradiços, fadiga, perda de peso e febre.

O mês de julho, denominado Julho Amarelo, foi escolhido para conscientizar a população sobre a doença e a importância do diagnóstico precoce para um tratamento mais rápido e efetivo, já que a doença não pode ser prevenida. O diagnóstico precoce aumenta em duas ou três vezes a chance de cura em comparação com um paciente que descobre tardiamente, pois é possível determinar o melhor tratamento (cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou uma combinação delas). A Medicina Nuclear conta com dois exames que identificam as metástases câncer ósseo, antes das alterações anatômicas, ou seja, antes que elas estejam visíveis. Conheça:

Cintilografia Óssea

O exame avalia o funcionamento dos órgãos e apresenta um diagnóstico por imagem, gerado pela injeção intravenosa do radiofármaco 99mTc-MDP, que é captado pelo tecido ósseo remodelando decorrente da presença da lesão - visualizados por meio de equipamento especial que cria uma imagem do esqueleto, além de indicar possíveis metástases - se a doença se disseminou para outros ossos, e avaliar o dano causado no osso acometido.

A Cintilografia Óssea pode também diagnosticar uma fratura, quando ela não pode ser vista no raio X. Além disso, o exame pode diagnosticar também infecção óssea (osteomielite) e distúrbios metabólicos, como osteomalacia, hiperparatiroidismo primário, osteoporose, síndrome de dor regional complexa e doença de Paget. Esta técnica permite detectar lesões com até quatro meses de antecipação em relação à radiografia simples.

A quantidade de radioatividade utilizada é baixa, não oferecendo risco para o paciente ou para pessoas próximas.

PET/CT

O PET/CT é um exame que utiliza traçadores (radiofármacos) que são captados pelas células cancerígenas. Com isso, o PET/CT consegue localizar os sítios de concentração do câncer, pela incidência do radiofármaco no organismo.

Neste exame, injeta-se um radiofármaco na veia do paciente, que se concentra nas lesões tumorais, localizando os focos de metástases. Uma análise do corpo inteiro é realizada com alta precisão. De acordo com o médico nuclear e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Barberio Coura Filho – responsável clínico da Dimen SP (www.dimen.com.br), o PET scan pode ajudar a diagnosticar se a doença evoluiu para determinar qual o melhor tratamento para combater o câncer e garantir maior qualidade de vida ao paciente. "Esta tecnologia nos permite conhecer a localização exata do câncer e determinar sua extensão, o que possibilita escolher o tratamento correto para o tipo de lesão", explica o especialista.

Bem-Estar

"Golpe do Motoboy": fraude atinge aposentados e correntistas de bancos

Orientação é para sempre que o consumidor tiver que inutilizar o cartão, corte ao meio, inutilizando a tarja magnética

É crescente o número de correntistas de instituições financeiras, principalmente aposentados e idosos, que têm sido vítimas da fraude popularmente conhecida como o "Golpe do Motoboy”. Nesse golpe, "falsos” funcionários do banco entram em contato com o correntista e informam que o sistema detectou uma suposta compra com características fraudulentas em sua conta bancária e questionam a sua veracidade. Por se tratar de uma "falsa” compra, o cliente informa que não a realizou, assim o suposto funcionário do banco explica que houve uma fraude no cartão e sugere o seu cancelamento através do telefone da central de atendimento localizado atrás do cartão.

Os estelionatários mencionam na ligação os dados pessoais da vítima como nome, CPF e instituição financeira. Após esse primeiro passo, o golpista, se passando por funcionário do banco, orienta o aposentado a realizar uma ligação posterior na qual confirmará alguns dados e questionará de fato as compras realizadas indevidamente em seu cartão. Então, neste intervalo de tempo, do término de uma ligação para a discagem de uma nova, estes criminosos "prendem" a linha de seu telefone, de forma que a ligação posterior, que o correntista acredita ser direcionada ao banco, fica novamente sob o controle dos golpistas. É também neste momento que é solicitado que a vítima digite a senha de seu cartão. Desta forma, todos os dados ficam expostos permitindo que os golpistas façam transações comerciais em seu nome.

E os próprios golpistas realizam um "falso” cancelamento do cartão e "por motivos de segurança” solicitam ao cliente que envie o cartão à agencia bancária, mantendo o chip, junto com uma carta escrita a próprio punho acerca do ocorrido, para que seja realizada uma sindicância, disponibilizando um motoboy para a retirada. Ocorre que, o cancelamento de fato não ocorreu e o motoboy que retira o cartão na residência do correntista é o próprio golpista, que na sequencia realiza diversas compras, empréstimos e saques na conta bancária.

Ao descobrir que caiu no "Golpe do Motoboy”, o correntista solicita ao banco o bloqueio de fato do cartão, bem como o cancelamento das compras realizadas pelos golpistas. Contudo, na maioria dos casos, a instituição bancária rejeita a solicitação e o consumidor tem que arcar com o prejuízo.

Dessa forma, muitos correntistas estão recorrendo à Justiça para pleitearem o cancelamento das compras e empréstimos realizados pelo golpista, bem como a devolução de valores sacados ou pagos. É possível também solicitar, liminarmente, a suspensão das cobranças até o término da ação, não correndo durante esse período, caso seja deferida a liminar, juros sobre o débito.

Na maioria dos casos, a liminar é deferida, sendo confirmada ao final do processo, condenando o banco a cancelar o valor cobrado e a devolver os valores pagos ou debitados da conta do correntista. Ainda existe a possibilidade de condenação em danos morais, tendo em vista todo transtorno passado pelo correntista, o abalo psicológico sofrido, além de ter todos os seus dados pessoais e bancários expostos a terceiros que o utilizam de má-fé.

Não obstante tudo isso, a orientação é para sempre que o consumidor tiver que inutilizar o cartão, corte ao meio, inutilizando a tarja magnética e também, quando possuir, corte ao meio o chip, adotando tal procedimento as chances de qualquer fraude diminuem consideravelmente. E também é recomendável nunca entregar seu cartão para qualquer funcionário. E caso tenha sido vítima do golpe, registrar de imediato um Boletim do Ocorrência (BO) na delegacia mais próxima. O "Golpe do Motoboy" é o mais utilizado por quadrilhas especializadas em aplicar golpes em pessoas da terceira idade.

*Isabela Perrella é advogada do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados

Bem-Estar

Meu filho é viciado em tecnologia? Conheça os principais sinais

Pesquisa mostra que 50% dos pais acham que os filhos usam o smartphone mais do que deveriam

Os smartphones já estão no dia a dia das crianças. De acordo com pesquisa do Panorama Mobile Time/Opinion Box, 85% das crianças brasileiras - de 0 a 12 anos - têm acesso a dispositivos móveis, sejam em celulares e tablets próprios ou emprestados dos responsáveis. Em contrapartida, 50% dos pais acham que seus filhos usam os aparelhos mais do que deveriam.

Além do diálogo, o controle parental pode ser uma alternativa para monitorar a garotada na web. O AppGuardian - app de controle parental que conecta pais e filhos - pode ser um aliado, pois permite que os pais organizem o tempo dos filhos online - seja em celulares ou tablets. Indicado para crianças de 7 a 14 anos, a tecnologia ajuda a administrar o tempo nas redes sociais, verificar a localização das crianças em tempo real, bloquear o acesso aos aplicativos instalados, organizar a rotina de uso dos aparelhos por dia e hora e até travar todas as funcionalidades dos dispositivos móveis.

Como saber se meu filho é viciado em tecnologia

De acordo com um estudo publicado no periódico científico Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, que avaliou 89 mil pessoas em 31 países, a dependência da internet afeta cerca de 6% da população mundial. A condição apresenta alguns sintomas. A especialista Luiza Mendonça, psicoterapeuta e criadora do app de controle parental listou 3 sinais para os pais ficarem de olho, veja:

Abstinência

Se a criança fica estressada, agitada, ansiosa ou mesmo zangada quando longe dos eletrônicos ou sem conexão com a internet, este pode ser um sintoma de dependência. Principalmente se ela se acalmar imediatamente com o acesso.

Falta de interesse pela vida off-line

Se o seu filho parar de demonstrar interesse em atividades offline, como brincar, correr e passear é preciso prestar atenção. Essa falta de interesse pode inclusive prejudicá-lo na escola.

Alteração de humor e brigas

Crianças nesta situação não costumam lidar bem com a simples menção ao consumo excessivo e a limites. Tendem a acusar os pais e outros de implicância e a não respeitarem os limites. Se isto estiver acontecendo, o sinal vermelho foi aceso.


Além do diálogo, o controle parental pode ser uma alternativa para monitorar a garotada na web


Bem-Estar

Ano Novo Astrológico: agora 2019 começa para valer!

Quando o relógio apontar exatamente para as 18 horas e 59 minutos do próximo dia 20 de março, o ano de 2019 começará no astral. Nesse momento, o Sol cruzará o Equador celeste, em um fenômeno astronômico e astrológico denominado Equinócio. Para a Astrologia, esse ponto no céu marca o ingresso do Sol no signo de Áries, o primeiro do zodíaco. Assim, astrologicamente, teremos o início de mais um ciclo solar que dura, em média, 365 dias.

O fato de o ano astrológico começar com o Equinócio de Primavera, no Hemisfério Norte – e do Outono, no Hemisfério Sul –, remonta às origens da Astrologia. O zodíaco astrológico descreve um ciclo de fertilidade que se estende ao longo do caminho aparente que o Sol faz em volta da Terra. Assim, cada signo tem uma simbologia derivada do planejamento da agricultura e da pecuária de antigas civilizações. O ingresso do Sol em Áries, portanto, descreve o início de um ciclo de fertilidade, da necessidade se começar a trabalhar na terra para o plantio, já que as sementes serão enterradas com o Sol no signo de Touro.

Ainda que hoje tenhamos as diferenças de calendário – o início do ano em 1° de janeiro, como temos atualmente, se deu somente a partir de 1582, com a adoção do calendário gregoriano – o mapa do ingresso do Sol em Áries é o que norteia as previsões astrológicas anuais. No astral, teremos um momento para reforçar aqueles votos que fizemos na ocasião do Réveillon, aproveitando para revisar o que conseguimos avançar em direção aos nossos projetos desde a virada do calendário.

Mesmo que você não consiga parar exatamente no horário do Equinócio, vale meditar ou refletir sobre seus objetivos para o ano, pois agora é que teremos a regência pelo planeta Marte mostrando sua atuação de maneira mais vigorosa. Para aproveitar essa energia para promover novos começos e a abertura de caminhos, pode-se acender uma vela vermelha lambuzada com mel e azeite. Acrescenta-se a esse pequeno ritual de magia planetária um incenso aceso para simbolizar o elemento Ar, uma taça cheia para representar a Água e, por fim, alguns cristais ou moedas dedicados ao elemento Terra para trazer prosperidade. Mentalize seus desejos e reforce a sua Vontade.

Bem-Estar

Psicóloga dá dicas para lidar com as crianças durante a separação dos pais

Diálogo e sinceridade são essenciais para que os pequenos se sintam seguros nesta etapa

A separação é um momento difícil, principalmente se o casal tiver filhos. Não importa a idade, para eles é sempre complicado aceitar e entender a decisão dos pais de não viverem mais juntos. A psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde, Aline Cristina de Melo, sugere a melhor forma de abordar o assunto e ajudar as crianças a lidarem com o divórcio.

Para a profissional, o melhor momento para informar aos filhos é quando esta decisão está seguramente resolvida pelos pais. "Isso evita gerar angústias desnecessárias para a criança ou adolescente, caso eles mudem de ideia”.

Não existe receita, mas a especialista lembra que a adaptação do discurso para a realidade dos pequenos e a sinceridade são pontos que devem ser levados em conta. "Posicioná-los sobre a separação de forma clara, sincera e verdadeira, transparecendo tranquilidade e segurança, faz com que a criança identifique tais sentimentos e apazigue sua angústia por meio deste acolhimento”, diz. Ela explica que não há necessidade de expor os reais motivos do divórcio, porém é muito importante que fique claro para a criança que ela não teve qualquer culpa ou participação nesta decisão.

Paciência e sensibilidade também são muito importantes diante das dúvidas que surgirão no decorrer deste processo. Segundo a psicóloga, na maioria dos casos, a criança não absorve bem a notícia, pois tal aspecto implica no surgimento de muitas fantasias em suas mentes, que vão desde a culpa e a contribuição delas para a separação dos pais, até a possibilidade de o divórcio afetar o amor que sentem por ela. "Isso sem falar na angústia da ausência do cônjuge que sairá de casa”, complementa.

Aline Melo ressalta que a rejeição da criança pode ser temporária. "Ela dura até que perceba que, embora sua rotina mude, o carinho e amor que recebe dos pais não mudará. Com o tempo, essa reação de rebeldia tende a se dissipar, conforme os filhos forem recuperando a segurança na família e nos laços afetivos”, acrescenta a psicóloga do São Cristóvão.

Em alguns casos, as crianças podem apresentar uma mudança no seu comportamento e no seu rendimento em algumas atividades, inclusive na escola. Quando isso acontece, Aline aponta que é importante que os pais, juntamente com seu filho, reflitam sobre o que pode estar interferindo. Segundo ela, a falta de motivação para as atividades pode estar ligada a aspectos emocionais relacionados à dificuldade em compreender e aceitar o divórcio, "como também uma forma de chamar atenção, mesmo que seja por meio de um aspecto negativo e prejudicial”, diz.

A especialista aconselha que os pais conversem com os educadores sobre ao assunto. "Investiguem se a criança expõe suas insatisfações e angústias perante a separação dos pais em ambiente escolar. Essa é também uma forma de compreender melhor o que ocorre”, explica.

Para a psicóloga, evitar expor os filhos aos conflitos do casal deve ser a maior preocupação dos pais. "É importante tomar cuidado para não acabar usando os filhos para afetar o outro, isso poderá se refletir negativamente na criança”. Ela explica que um cônjuge não pode falar mal do outro para a criança, o ideal é que eles saibam separar a relação deles como casal da relação deles como pais.

A dica da profissional é que os pais mantenham um relacionamento saudável, ou pelo menos, tenham um diálogo cordial. "Ter um bom relacionamento é importante, pois eles precisam dialogar e se organizar quanto aos cuidados, atenção e rotina dos filhos”. Dessa forma, as crianças perceberão que sua família passou por uma grande mudança, mas que isso não afetou no carinho e amor dos pais. "Quando isso acontece, os filhos percebem que não há motivo para sentirem-se abandonados”, reforça.

Em alguns casos a separação traz alívio, principalmente quando as situações de conflitos vivenciados pelo casal eram presenciadas pelos filhos. "Muitos pais depois da separação conseguem até melhorar a convivência com as crianças, gerando uma relação ainda mais próxima”, diz a psicóloga. E, caso a criança tenha dificuldade em lidar com todas as mudanças causadas pela separação dos pais, a profissional explica que a psicoterapia pode ser um auxílio valioso na compreensão dos sentimentos e nas mudanças que serão enfrentadas.


Para a psicóloga, evitar expor os filhos aos conflitos do casal deve ser a maior preocupação dos pais


Bem-Estar

Os riscos das receitas caseiras para produtos de limpeza

A combinação de água sanitária e amaciante, por exemplo, pode resultar na liberação de cloro na forma de gás

O compartilhamento de vídeos com instruções e receitas para a produção de produtos de limpeza a partir de ingredientes caseiros, como vinagre e bicarbonato de sódio, é cada vez mais comum. A tendência do "do it yourself" ou "faça você mesmo" já não se restringe apenas aos trabalhos manuais.

Embora a ideia de receitas com efeitos milagrosos pareça interessante, elas nem sempre possuem a eficácia esperada e, pior que isso, são potencialmente perigosas. Enquanto os produtos de limpeza disponíveis no mercado são o resultado de diversas pesquisas e testes para comprovar performance, compatibilidade e estabilidade; a mistura indiscriminada de ingredientes pode originar subprodutos com efeitos tóxicos e prejudiciais à saúde.

A combinação de água sanitária e amaciante, por exemplo, pode resultar na liberação de cloro na forma de gás, uma substância com efeitos asfixiantes e tóxicos. Com mecanismo semelhante, combinações com limpadores amoniacais levam à formação de cloraminas, também danosas. O vinagre, muito comum nas receitas da internet também apresenta riscos. Quando misturado ao bicarbonato de sódio, há a formação de subprodutos potencialmente prejudiciais à saúde pois, caso inalados ou em contato com a pele, podem levar à irritação, sensibilidade e problemas respiratórios.

Os formuladores responsáveis pelo desenvolvimento de produtos de limpeza realizam inúmeros testes e combinações de ingredientes em várias dosagens para avaliar a efetividade da fórmula, além da sua segurança. Assim, mesmo para usos mais específicos, como a remoção de manchas, existem opções adequadas no mercado. As consequências e os riscos das receitas caseiras não devem ser ignorados, a opção mais segura é utilizar os produtos desenvolvidos por especialistas e de acordo com a recomendação dos fabricantes.


Mistura indiscriminadas de ingredientes podem originar subprodutos com efeitos tóxicos e prejudiciais à saúde


Bem-Estar

7 dicas para estimular a independência das crianças

É muito comum que os pais sintam saudades da fase em que os filhos eram pequenos ou bebês. Mas, não há como parar o tempo. Por isso, é importante aproveitar ao máximo cada fase do desenvolvimento infantil. Entretanto, também faz parte da maternidade e da paternidade incentivar a autonomia e a independência dos pequenos.

De acordo com a fonoaudióloga e psicopedagoga, Marli Kondo, profissional da equipe de Fisioterapia Neurológica Pediátrica da Clínica Walkíria Brunetti, alguns aprendizados são naturais, por observação e imitação do comportamento dos colegas da escola, dos pais ou irmãos. "Além da imitação, a criança também precisa de vários estímulos para desenvolver as habilidades necessárias para sua autonomia”, reforça a especialista.

Pais não devem fazer tudo pela criança

De acordo Marli, as atividades da vida diária como vestir-se, tomar banho, escovar os dentes, comer, entre outras, estimulam a coordenação motora, a cognição e são fundamentais para o processo de aprendizagem escolar.

"Portanto, quanto mais os pais incentivarem a criança a se independer, melhor. O oposto também é verdadeiro: quando os pais fazem tudo pela criança, podem ocorrer sérios prejuízos ou atrasos no processo de desenvolvimento que podem prejudicar a vida escolar e a vida como um todo”, ressalta Marli.

Cada coisa no seu tempo

Não existe um manual de como ser mãe ou pai ou ainda do que é certo ou errado na criação dos filhos. Assim, o mais importante é que os pais se tornem conscientes e procurem se informar sobre o assunto para aplicar os estímulos certos, de acordo com cada fase do desenvolvimento.

"Os pais devem procurar conhecer o que é esperado para cada idade, o que pode e deve ser estimulado, o que precisa de supervisão, entre outros aspectos”, comenta a psicopedagoga.

Com a ajuda da especialista, preparamos sete dicas para ajudar os pais a incentivarem a autonomia dos filhos, de acordo com as fases do desenvolvimento infantil. Confira.

Hora da comida: Hoje há diversos métodos para a introdução alimentar. Deixar a criança comer com as mãos no início pode ser muito bom, pois irá incentivar a coordenação motora fina, assim como o tato. Ao longo do processo, é possível introduzir os talheres, como as colheres e os garfos, que já podem ser usados por bebês a partir de um ano. Este aprendizado é longo. Espera-se que por volta dos quatro anos completos a criança já seja capaz de se alimentar sozinha, pelo menos usando a colher.

Com que roupa eu vou? Os atos de vestir-se ou despir-se são atividades da vida diária essenciais. Os pais podem começar a treinar ou a incentivar o interesse depois que a criança completar um ano e meio ou menos. Tirar ou colocar sapatos e meias, tirar as peças íntimas, colocar uma calça, um vestido, etc. Espera-se que ao longo do tempo a criança aprimore essa habilidade. Vale lembrar que para os mais velhos é fundamental que os pais ensinem a fechar e abrir zíperes, amarrar cadarços, abrir e fechar botões. Todas essas habilidades contribuem para o desenvolvimento da coordenação motora fina.

Uma mão lava a outra: Lavar as mãos é um ato altamente recomendado para qualquer pessoa, inclusive para as crianças. Esse aprendizado pode e deve ser feito por volta dos 12 meses. Aos dois anos, espera-se que a criança já saiba lavar e secar as mãos sozinha.

Banho é muito bom: O banho já é uma atividade que necessita de supervisão por mais tempo, por vários motivos. Para as crianças que tomam banho na banheira, a principal razão é prevenir afogamentos. O banho é um momento que exige cuidados para a criança não escorregar, cair, entre outros. Além disso, lavar a cabeça, o corpo e todo o resto são aprendizados que demoram mais tempo. O ideal é que por volta dos seis anos a criança consiga tomar banho sozinha, mas ainda com a supervisão de um responsável. O aprendizado pode começar por volta dos três anos em diante ou antes, de acordo com o perfil de cada criança.

Dentinhos limpos: A higiene bucal deve começar ainda no primeiro ano de vida. Entretanto, escovar os dentes é uma atividade mais complexa, com uma curva de aprendizado mais longa. Aos quatro anos, a criança pode escovar os dentes sozinha, desde que os pais supervisionem a atividade. A autonomia total na higiene oral só ocorre por volta dos sete anos em diante.

Desfralde: O desfralde deve ser iniciado por volta dos dois anos e meio. Espera-se que por volta dos quatro anos a criança já tenha desfraldado, tanto da urina, quanto das fezes. Até por volta dos sete anos, os pais precisam ajudar ou ainda supervisionar os pequenos a fazer a higiene correta na hora de usar o banheiro, para evitar infecções, como a cistite, por exemplo. Crianças com quatro anos completos, que ainda não conseguiram desfraldar, devem ser avaliadas por um especialista. Isto vale tanto para a urina, quanto para as fezes.

Tarefas domésticas: Outra forma de incentivar a autonomia da criança é envolvê-la nas atividades da casa. Lavar a louça, regar as plantas, ajudar a colocar a mesa para o jantar, jogar a roupa suja no devido lugar, guardar os próprios brinquedos. Engajar a criança a participar da vida doméstica estimula a independência e contribui para que se sinta parte da família. Além disso, a participação nas tarefas domésticas ajuda no aprendizado do valor da responsabilidade, do trabalho em equipe, da colaboração e da importância da organização.


"Além da imitação, a criança também precisa de vários estímulos para desenvolver as habilidades necessárias para sua autonomia”, reforça especialista


Bem-Estar

Jovens revelam ter problemas de autoestima

Alguns dizem viver altos e baixos e outros comentam ter grandes dificuldades para se autoafirmar

Segundo a OMS - Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país mais ansioso da América Latina. Ou seja, atinge 5,8% dos habitantes. Nos últimos dez anos, o número de pessoas com depressão aumentou 18,4%, isso corresponde a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da terra. Em meio a dificuldades diárias para se manter bem, o Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios realizou uma pesquisa com o seguinte enfoque: "Como é sua autoestima?”. O resultado apontou jovens com bloqueios em manter o equilíbrio quanto ao amor próprio.

O estudo ocorreu com 49.673 jovens entre 15 e 28 anos. Os dados foram colhidos de participantes de todo o Brasil, entre 21 de janeiro e 1º de fevereiro de 2019. Uma parcela relevante exaltou problemas com o tema. Assim, 21,52% ou 10.689 disseram: "vivo altos e baixos”. Outros 3,25% (1.615) ressaltaram: "muito baixa, tenho até dificuldades por isso”. Para Lizandra Bastos, pedagoga e analista de treinamento do Nube, a faixa etária analisada passa por um período da vida, no qual ocorrem grandes mudanças físicas, psicológicas e sociais. Logo, é comum o sentimento de incerteza diante do novo.

"Todavia, a inconstância de emoções pode afetar a vida profissional e pessoal, pois esses picos influenciam a forma de ser e se posicionar diante das situações cotidianas”, enfatiza. Por isso, avaliar como anda a auto percepção também é relevante. "Às vezes, pela velocidade das transformações, não percebemos tais oscilações”, completa. Assim, quem enfrenta desafios com o assunto deve tentar algumas saídas. "Cinco itens auxiliam: se esforçar para ter pensamentos positivos; evitar conviver com quem o deixa mal; parar com as comparações, pois cada indivíduo é único; buscar o autoconhecimento e fazer atividades físicas regulares”, incentiva a especialista.

Na contramão, 53,78% (26.712) afirmaram: "sou bem tranquilo e não tenho embaraços”. Enquanto 21,45% (10.657) confirmaram: "eu me valorizo muito e não deixo ninguém me afetar”. Ou seja, 75% dos respondentes estão bem com a questão proposta. Isso é importante, pois a manutenção do brio pode ser a diferença entre estar ou não saudável. De acordo com Lizandra, há níveis variados de autoestima e quando ela fica muito baixa tende a causar transtornos prejudiciais à saúde. "Pessoas nessas condições sofrem para estabelecer e manter relacionamentos afetivos, se colocam em situações de risco eminente e têm dificuldades para se comprometer e desempenhar tarefas acadêmicas e profissionais”, assegura. Em casos mais sérios é fundamental procurar ajuda.

Afinal, todos têm inseguranças. Entretanto, uma das principais características, capazes de diferenciar os mais confiantes, é o fato deles conseguirem buscar forças em suas próprias qualidades para lidar com tais questões. "Indico não perder tempo lamentando os percalços. Somos únicos, especiais do nosso jeito e, certamente, temos muitos pontos positivos”, finaliza a analista.

A valorização é essencial. Se aceitar e ter uma boa autoimagem influenciará desde pequenas escolhas, até a decisões mais relevantes. Portanto, a dica é evitar excessos e prezar pela saúde mental!

Bem-Estar

Bonsai exige cuidados especiais

Tradicional pequena árvore precisa de cuidados constantes para se manter saudável e bonita

O bonsai, uma pequena árvore em um vaso, agrada todos os tipos de gosto e combina com qualquer ambiente. Tradicional no Japão, no Brasil ele conta com muitos apaixonados, que criam e cuidam dos mais variados tipos da árvore. O que pouca gente sabe é que são necessários cuidados especiais para manter a planta bonita e saudável.

Marcelo Muller, especialista da Esalflores, maior floricultura e Garden Center do Sul do país, explica qualquer planta pode virar um bonsai. "O tamanho do bonsai depende do vaso, que é essencial para fazer essa tradicional planta”, explica. A troca do vaso também deve ser realizada frequentemente (de dois em dois anos), de preferência por profissionais especializados.

Para o bonsai crescer e ser saudável, o sol, a água e os adubos são indispensáveis. De acordo com Muller, a árvore deve ficar próxima da janela para ter incidência solar direta por no mínimo 3 horas diárias. Ela também pode ficar nos ambientes externos, mas deve-se evitar que a planta sofra com as mudanças climáticas, como sol demais ou, até mesmo, geadas.



A quantidade de água é um dos cuidados mais importantes. Essa medida depende da temperatura. "A terra deve estar sempre úmida, nunca encharcada, e a planta não deve ter um pratinho embaixo. A checagem visual deve ser feita com frequência para perceber se o bonsai está precisando de água”, destaca o especialista.

O fertilizante deve ser usado no mínimo a cada 20 dias, sempre seguindo as indicações do fabricante. Em excesso, pode até mesmo matar o bonsai. "O tipo do produto pode ser tanto os genéricos, quanto os específicos para árvores com flores e frutas”, completa Marcelo Muller.

Bem-Estar

Caminhe na direção da felicidade

*Gustavo Arns



O primeiro trimestre de um ano é sempre um momento onde grande parte das pessoas buscam traçar novas metas e objetivos para cumprir nos próximos meses. Promessas como "neste ano vou começar a frequentar a academia”, "vou buscar uma promoção no trabalho” e "vou me alimentar e dormir melhor do que no ano passado” foram pronunciadas, sem dúvida alguma, milhões de vezes pelos brasileiros. Todos esses "compromissos mentais” de início de ano acabam direcionados para um objetivo: ser feliz.



Tão difícil quanto definir o que é felicidade, é saber como atingir a idealização social que temos do que é ser feliz. A definição do termo pelo especialista em psicologia positiva e professor da aula mais concorrida de Harvard, Tal Bem Shahar, diz que a felicidade é, na verdade, a combinação de bem-estar físico, espiritual, intelectual, relacional e emocional. O equilíbrio entre esses aspectos é que irá definir se estamos caminhando em direção aos nossos objetivos.



Bem-estar físico: começamos a pensar em fatores como: qualidade do sono, hábitos alimentares, exercícios físicos. Esse tipo de cuidado básico que o corpo humano necessita para estar em harmonia, muitas vezes são deixados de lado no estilo de vida que vivemos hoje, com multitarefas e inúmeros afazeres que parecem nunca estarem concluídos. É necessário dar a atenção necessária ao bem-estar físico, pois ele será um dos grandes responsáveis pela nossa capacidade de concluir as nossas metas nos demais campos de ação.



Bem-estar intelectual: é também muito importante refletir a respeito do nosso bem-estar intelectual. Analisar se de fato estamos buscando conhecimento em áreas que gostaríamos de ter ou que já temos domínio, mesmo que não estejam necessariamente ligadas a um objetivo profissional. Sentir que o aprofundamento em algum tema está nos trazendo uma construção de sabedoria e conhecimento impacta diretamente na realização de felicidade.



Bem-estar relacional e emocional: no aspecto relacional e emocional, é preciso refletir em como estão os relacionamentos, se o nosso círculo de amizades tem sido algo construtivo e importante, se são pessoas confiáveis e que existe um sentimento verdadeiro mútuo. Um ambiente seguro, onde se possa ser quem realmente é, sem a necessidade de performar um papel que não é seu. Avaliar se você está dedicando um tempo de qualidade para essas pessoas que são significativas na sua vida, estando presente de verdade e se importando com eles da forma correta. Como, por exemplo, desfrutar de uma boa companhia em um jantar agradável sem concentrar os pensamentos em alguma conta para pagar, uma situação estressante do dia ou em mensagens no celular.



Bem-estar espiritual: o bem-estar espiritual é uma avaliação sobre a sua real presença nas atividades que você se propôs a realizar. Estar focado no presente nem sempre é uma tarefa fácil, mas a concentração em desfrutar e aproveitar o momento fará toda a diferença na sua percepção do presente e afetará positivamente suas realizações para o futuro.



É preciso ter um olhar cuidadoso para as sensações do nosso corpo, a forma como você está se sentindo, a vitalidade que você tem tido para realizar as tarefas e demais sintomas que possam surgir e afetar seus objetivos. A partir daí, é possível construir boas metas pessoas e profissionais, focando na direção certa para você quer caminhar neste ano de 2019. Entenda qual é o seu grande objetivo a longo prazo e quais são as pequenas realizações que vão te fazer atingir ele. Traçar metas semestrais, mensais, semanais e diárias que te auxiliem a construir uma possibilidade factível de chegar onde você almeja.



Dentro disso, tem mais uma colocação da psicologia positiva que podemos acrescentar, que o aspecto profissional é uma das esferas humanas, mas que por diversas vezes podemos acabar depositando toda nossa esperança de ser feliz nisso e acabar nos frustrando constantemente. Claro que a realização material é importante e até linhas espirituais vem afirmando que não existe problema em galgar um caminho de conforto, para que tenha uma vida prazerosa e com condições de realizar os sonhos pessoais.



A necessidade de ser feliz que encaramos constantemente na nossa realidade, faz com que estejamos sempre em busca disso e não se pode deixar que os momentos de tristeza, amargura, raiva e sofrimento nos façam desistir do que buscamos. Compreender essas sensações e aceitá-las, faz com que possamos passar pelas dificuldades mais rápido e estejamos mais preparados para construir um futuro como planejado.



*Gustavo Arns é idealizador do congresso internacional da felicidade e coordenador do curso "GBA da Felicidade: Transformando pessoas e organizações”, promovido pelo ISAE Escola de Negócios (www.isaebrasil.com.br)

Bem-Estar

Infestação de carunchos e traças nos alimentos em casa? Pesquisador ensina a combater

Um produto infestado significa dezenas a centenas de ovos ou larvas que continuarão a se desenvolver no produto

Os carunchos e traças que às vezes encontramos em alimentos estão presentes o ano todo. Nos meses mais quentes, percebemos melhor a presença deles e, com o calor, encontram condições mais favoráveis para a reprodução e desenvolvimento. Uma única fêmea pode depositar algumas centenas de ovos e as larvas após a emergência poderão chegar à fase adulta entre 30 e 40 dias. No Inverno, o ciclo se prolonga - podendo no caso das lagartas (larvas) se estender por 150 dias.

Na época quente do ano, o risco de uma infestação é maior se você trouxer algum produto infestado para sua despensa de alimentos. Um produto infestado significa dezenas a centenas de ovos ou larvas que continuarão a se desenvolver no produto, ou migrar para um próximo gerando uma infestação cruzada.

O pesquisador Marcos Potenza, do Centro de Pesquisa de Proteção Ambiental do Instituto Biológico (IB), lembra que "a partir do início da Primavera estes problemas começam a ficar mais frequentes", infestando alimentos muito consumidos pelos brasileiros como biscoitos, bombons, chás, milho de pipoca, arroz, feijão, macarrão, farinhas e até chocolate em pó. Algumas espécies infestam carnes secas e salgadas, carnes frescas mal acondicionadas ou com refrigeração precária, embutidos (presunto) e queijos, por exemplo.

Uma curiosidade valiosa destacada por Potenza é que nem sempre o alimento que você identificou com traças ou carunchos é a origem do problema, ou seja, a infestação pode ter surgido em outro produto – que continua dentro do seu armário e pode perpetuar essa infestação.

Uma notícia um pouco melhor é que traças e carunchos não transmitem doenças ao ser humano – ao contrário, por exemplo, das baratas e moscas. Mas quem gosta de ficar comendo traças e carunchos? Ninguém! Então veja algumas dicas do pesquisador sobre como evitar esse problema.

- Observe a higiene, conservação predial e o acondicionamento dos produtos do local onde você costuma comprar seus alimentos industrializados ou a granel. Se observar mariposa ou besourinhos significa uma infestação presente em um ou mais produtos.

- Verifique se o produto não está com a embalagem perfurada, rompida ou com algum tipo de dano mecânico. Isto favorece a entrada de insetos.

- Após abertos, mantenha os alimentos em recipientes bem fechados.

- Se identificou um produto com infestação, confira os outros que estão no armário porque pode haver migração de insetos para outros alimentos.

- Não jogue fora na mesma hora o produto infestado. Congele-o por 24 horas antes de dispensá-lo para matar os bichinhos e quebrar o ciclo de vida deles, evitando a sua dispersão.


Traças e carunchos não transmitem doenças ao ser humano


Bem-Estar

Rejuvenescimento facial sem cirurgia

Saiba como deixar seu rosto mais jovem! Agende sua avaliação gratuita no Centro Avançado de Estética Bem Estar, em Assis

O rejuvenescimento da face sem cirurgia é um conjunto de procedimentos que devem ser realizados com frequência. O profissional de estética é quem pontuará suas principais queixas em relação ao envelhecimento do seu rosto e encontrará a melhor forma de suavizá-las com os tratamentos certos para cada uma delas.

Para que haja o rejuvenescimento efetivo da face esse combinado de tratamentos deve ser levado em conta, já que cada método é destinado a corrigir um tipo de queixa: rugas dinâmicas ou estáticas, foto envelhecimento (que se apresenta de diversas maneiras), flacidez, melasma ou cloasma, etc. Portanto, para se obter uma pele saudável, com aparência jovem, é preciso tratá-la por inteiro.

O que é?

O rejuvenescimento facial é o ato de prevenir ou tratar o envelhecimento facial. Este é um fenômeno caracterizado pela perda da elasticidade da pele, surgimento de rugas, pela queda dos tecidos, pele, músculos, gordura, e pela absorção óssea (esqueletização).

Como se desenvolve?

A ação da força da gravidade é um dos fatores que causa envelhecimento, por exemplo: na queda das "bochechas", no "queixo duplo", no aspecto triste que a sobrancelha caída aparenta.
Outro fenômeno que tem papel importante na gênese do envelhecimento é a radiação solar. A exposição excessiva, tão caracteristicamente desenfreada na nossa sociedade, é causa de dano intenso nas células da pele, fazendo com que apareçam rugas, manchas e outras marcas de envelhecimento.

Fatores genéticos, ou características familiares e raciais, também têm o seu papel no aparecimento mais ou menos precoce dos sinais de envelhecimento.

Outro dado importante é o ganho e perda de peso, na tradicional "gangorra", contribui para a aceleração do processo entre outros fatores.

Sara Brandão - Centro Avançado de Estética Bem Estar
Agende já a sua avaliação gratuita!
Telefone: (18) 3324-2425
Endereço: Rua Capitão Francisco Rodrigues Garcia, nº 633


Profissional pontuará principais queixas em relação ao envelhecimento do rosto e encontrará a melhor forma de suavizá-las


Sara Brandão atende no Centro Avançado de Estética Bem Estar em Assis


Bem-Estar

Cuidados que se deve ter no verão

Todo mundo precisa respeitar os limites de seu corpo para poder desfrutar algumas horas ao sol, sem problemas



Tem quem ame e quem odeie a estação mais quente do ano. Mas ninguém fica indiferente a ele. O Verão chegou e devemos ter muito cuidado, não apenas com as crianças e os idosos. Todo mundo precisa respeitar os limites de seu corpo para poder desfrutar algumas horas ao sol, sem problemas.

Beba líquidos

Se você já leu que é preciso ingerir muito mais água, mas não acreditou, aqui vão péssimas notícias: Acredite! Mas não precisa se desesperar. Caso não consiga mesmo lembrar-se de beber água, engane a si mesmo! Faça um bom chá com suco de frutas, deixe um abacaxi ou uma linda melancia cortada em cubos na geladeira.

É fácil consumir mais líquidos – não se está falando de álcool – através de alimentos suculentos como laranja, melancia, abacaxi, kiwi, caqui e outras frutas. A água de coco também é muito bem vinda, em qualquer estação do ano, difícil encontrar quem não goste de consumi-la.



Dinheiro não deve ser uma desculpa para não se cuidar, afinal o dinheiro não pode comprar saúde! Cuide-se e desfrute dos passeios ao ar livre, na praia ou até mesmo de um bom banho de mangueira com as crianças no quintal de casa, tomando sol na laje.

Cuide de sua pele

E a pele? Precisa hidratá-la também, afinal de contas, se você hidratar pouco o corpo, pode estar fazendo um serviço inútil, se não manter a pele saudável. A água que você ingerir poderá ser eliminada pela pele e você fica desidratado da mesma maneira.

Compre um bom protetor solar – bem mais barato, atualmente – e mantenha sua pele protegida. Após o banho, passe hidratante no corpo inteiro e evite tomar sol nos horários perigosos, não menospreze os avisos porque a vida cobra em forma de câncer de pele, num futuro próximo.

Não tenha medo do verão, mas não o subestime. Respeite os limites do seu corpo e divirta-se!

Bem-Estar

Volta às aulas: aprenda a tirar manchas e deixar os uniformes em bom estado

Antes de lavar as roupas é necessário verificar a etiqueta das peças

O início do ano marca o período de volta às aulas, em que é preciso deixar tudo preparado para o ano letivo dos pequenos. Além de preparar a lista de material escolar, escolher a mochila e comprar os livros, uma das preocupações é manter a qualidade dos uniformes, que podem ser utilizados nos próximos anos se estiverem em boas condições de uso e no tamanho ideal. Um dos desafios é tirar as mais diversas manchas causadas por crianças, seja ao comer, ao brincar ou até mesmo durante os estudos. Para acalmar as mamães de plantão, separamos algumas dicas da especialista em cuidados têxteis da 5àsec, Marinês Cassiano, para deixar os uniformes como novos para a volta às aulas.

Antes de tudo, leia as etiquetas
Existem no mercado alguns produtos específicos para tirar manchar ou para o clareamento de roupas, mas tais substâncias devem ser utilizadas com cautela, seguindo as instruções do fabricante e as informações contidas na etiqueta de cada peça. Caso tenha dúvidas sobre os significados dos símbolos, faça uma busca rápida na internet, assim você evita danificar o tecido.

Uniformes brancos
A primeira medida a tomar é tentar tirar as manchas amareladas antes das lavagens, com produtos específicos para esta finalidade e que não comprometam as fibras. Como a roupa branca suja com muita facilidade, é importante que a lavagem seja feita com sabão alcalino e água fria. Após deixa-las de molho para que fiquem mais brancas e para eliminar resquícios de outras manchas, é importante enxagua-las bem, tirando todo o tipo de resíduo existente. As peças brancas devem ser lavadas separadamente, não podendo ser misturadas outras coloridas, que podem manchar ou danificar o tecido. Utilize a dose certa de sabão, pois o excesso do produto pode gerar o efeito contrário. Ao terminar, estenda as peças à sombra e do avesso.

Canetinha
Caso a caneta estoure, a indicação é tentar absorver a tinta com um pano limpo ou algodão umedecido, sem esfregar, apenas pressionando levemente no local. Se a mancha estiver na peça por mais tempo ou em casos de riscos, sugiro que seja aplicada uma porção de sabão líquido concentrado diretamente no local em questão. Espalhe levemente com as pontas dos dedos, deixe agir por alguns minutos e retire o excesso com um pano limpo, algodão ou papel toalha. Caso seja necessário, repita o processo antes de lavar normalmente.

Gordura
Alimentos fritos ou gordurosos podem sujar facilmente os uniformes. Para retirar a mancha, sugiro que aplique uma camada de detergente neutro no local afetado, com a roupa ainda seca. Após deixar o produto agir por 15 minutos, lave normalmente com as outras peças.

Meias
Parte integrante e que ajuda a compor o uniforme, as meias ficam encardidas quando as crianças decidem caminhar descalças. Para resolver esta questão indico o uso de um sabão em barra neutro. Basta esfregar as meias com sabão e água e deixa-las de molho, sem enxagua-las, com uma mistura de água e um pouco de alvejante sem cloro. Aconselhamos que as peças sejam deixadas de molho até o dia seguinte para, em seguida, serem lavadas normalmente.

Tintas à base de água
A melhor opção é enxaguar as roupas imediatamente com água morna para, em seguida, lavar bem com sabão líquido concentrado. Se a tinta estiver seca há muito tempo, isso pode danificar as fibras. Neste caso, procure uma lavanderia profissional e verifique se há a possibilidade de remover a mancha.

Alimentos como sorvete ou chocolate
Toda e qualquer roupa que contenha manchas, principalmente de alimentos, não devem ser misturadas com outras peças antes de tentarmos remover a sujeira. O primeiro passo é lavar previamente utilizando água morna e um removedor de manchas, sempre respeitando as especificações da etiqueta de cada roupa. Se a mancha não desaparecer, coloque a peça na máquina de lavar e utilize um alvejante adequado para o tipo de cor e material do tecido em questão.



Bem-Estar

Aproveitando o verão no mar e piscina? Cuidado com a otite!

Casos da doença se multiplicam por causa do excesso de água e umidade nos ouvidos

Como resistir? Os dias estão quentes e ideais para banhos de mar, piscinas e cachoeiras, que divertem e amenizam o calor. Mas é preciso tomar alguns cuidados de saúde, inclusive com os ouvidos. A entrada de água no conduto auditivo externo pode provocar otite, uma infecção no ouvido médio, que fica atrás do tímpano.

No verão, os casos de otite aumentam em até 70%, segundo os médicos. Por isso, a prevenção é importante. Não se deve esquecer de proteger os ouvidos na hora do mergulho. E para isso, nada melhor do que usar protetores auriculares, que promovem o vedamento completo do conduto auditivo.

"Os protetores de ouvido são importantes para quem gosta de praia e piscina, além de fundamentais para quem pratica natação e outros esportes aquáticos. A Telex possui modelos de protetores que são confeccionados a partir de uma pré-moldagem personalizada, para cada pessoa, inclusive para as crianças. Deste modo, impedem completamente a entrada da água”, explica a fonoaudióloga Isabela Papera, da Telex Soluções Auditivas.

A fonoaudióloga, que é especialista em audiologia, também faz um alerta: "Seque bem seus ouvidos e os das crianças, mas apenas com uma toalha ou lenço de papel enrolado na ponta do dedo indicador. Não se deve usar hastes flexíveis ou outros objetos nas orelhas, pois eles podem retirar a cera protetora do ouvido e machucá-lo”, aconselha.

As otites têm várias causas. Podem surgir por meio de vírus e bactérias após gripes e resfriados; podem ser causadas por germes e fungos presentes na água do mar e piscinas, que provocam inflamação e obstrução do canal auditivo; e até mesmo ser consequência de trauma local causado por algo inserido no ouvido para coçar ou "limpar", como hastes flexíveis, grampo e até tampa de caneta. E o que é pior. Se não tratada corretamente, a otite pode causar danos à audição.

Se houver sintomas que podem estar relacionados a otite - coceira, vermelhidão, inchaço, secreção, dores, sensação de abafamento ou diminuição da audição- é necessário procurar um médico otorrinolaringologista, que irá prescrever o tratamento mais adequado. E se depois de um tempo ainda houver dificuldades de audição, é preciso investigar com o médico se há outras doenças associadas.



Bem-Estar

Indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos eliminará o uso de micropartículas plásticas sólidas insolúveis em produtos enxaguáveis

Setor assume compromisso voluntário de buscar alternativas de outros ingredientes, com função semelhante, mas biodegradáveis

Empresas brasileiras de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos assumiram o compromisso voluntário de substituir o uso de micropartículas plásticas sólidas insolúveis (MPSIs) por outros ingredientes com função semelhante, mas biodegradáveis, em produtos enxaguáveis, como os esfoliantes. Ainda que o impacto decorrente das micropartículas utilizadas nestes produtos seja muito pequeno, o setor decidiu eliminar o uso de MPSIs em sua fabricação, atendendo a um movimento global para redução da poluição oceânica, sem comprometer a qualidade e a segurança para os consumidores. Reino Unido, França, EUA e, mais recentemente, o Japão, já adotam medidas para proibir ou inibir o usos destes ingredientes em produtos cosméticos e de higiene pessoal.

As MPSIs são utilizadas na formulação de alguns produtos de cuidados pessoais e podem ser definidas como quaisquer partículas de plástico sólido, insolúveis em água, intencionalmente adicionadas (com tamanho igual ou menor que 5 mm), usadas para esfoliar ou limpar, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC).

Estudos independentes realizados internacionalmente comprovam ser muito baixo o impacto ambiental oriundo dos produtos cosméticos que utilizam estes ingredientes. Relatório do PNUMA - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, por exemplo, intitulado Marine Plastics debris and microplastics (2016), conclui que "embora o uso de micro plásticos em produtos de cuidados pessoais possa parecer representar uma fonte significativa, é relativamente pequeno em comparação com outras fontes". De acordo com estudos realizados na Europa, o setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos contribui apenas com cerca de 0,1% a 1,5% dos microplásticos emitidos em todo o mundo.

O desafio para atender a este compromisso voluntario é grande, tendo em vista a complexidade em identificar outros ingredientes que sejam comprovadamente seguros e eficazes para o uso dos consumidores, destaca a ABIHPEC. Novas formulações e ingredientes necessitam ser avaliadas e testadas, bem como submetidos às exigências legais que normatizam este segmento. Apesar das dificuldades, a indústria pretende que a contribuição do setor seja reduzida, eliminando o uso de micropartículas plásticas sólidas insolúveis em produtos enxaguáveis até 2021.


MPSIs serão substituídas por ingredientes com função semelhante, mas biodegradáveis, em produtos enxaguáveis, como os esfoliantes


Bem-Estar

Tire agora suas maiores dúvidas sobre como montar uma horta

Horta permite o consumo de alimentos mais frescos e com maior valor nutricional

Cultivar uma horta pode trazer diferentes benefícios, pois permite o consumo de alimentos mais frescos e com maior valor nutricional, já que é você quem cuida de cada detalhe, desde a escolha das sementes até os produtos que serão usados no plantio. Também ajuda crianças e jovens da comunidade a terem acesso à experiência prática na produção de alimentos, o que os ensinam a cuidar mais da natureza e saber um pouco mais sobre como ela funciona.

Isso sem contar as melhorias à saúde, visto que podem servir como terapia para quem sofre de estresse ou depressão causados pela vida corrida na cidade. Até mesmo quem possui problemas de hipertensão ou diabetes, a produção de ervas aromáticas pode auxiliar na substituição de sal e açúcar nas produções culinárias, levando a uma vida de maior qualidade.

Então que tal começar 2019 montado sua própria horta em casa ou em jardins comunitários? Mesmo quem mora em apartamento ou quer plantar em lugares com pouco espaço também pode começar hoje mesmo. E para te ajudar nessa nova empreitada, o Biólogo e Técnico Agropecuário da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Alexandre Moreira, explica como produzir esses alimentos de forma adequada:

· Qual o local mais adequado para montar uma horta?

Observe se o local escolhido recebe luz suficiente exigido pela maioria das plantas (no mínimo 7 horas por dia), se não tem encharcamento do solo nos dias de muita chuva, se não ocorre muitas plantas daninhas no local escolhido, plantar as espécies de acordo com a sua época adequada de plantio (cada uma tem sua época correta para se plantar). E não esqueça de fazer adubação, correção do solo com calcário e alguns cuidados básicos diários.

· Como posso saber se a terra onde vou plantar é produtiva?

No site do IAC há informações sobre como mandar uma análise do solo. Coletada uma porção do solo, com as técnicas corretas para essa coleta, tais são enviadas para um laboratório onde serão feitos testes de fertilidade desse solo. O custo é baixo, algo em torno de 30,00 a 50,00 por análise.

· Posso usar algum tipo de adubo?

Sim, de acordo com as recomendações que serão baseadas na análise do solo.

· Onde posso conseguir sementes ou mudas de qualidade para plantar?

Na página de serviços da Cati você confere informações, diretamente do Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM)/CATI, sobre onde comprar, os preços de cada uma e como fazer o recebimento pelo correio.

· Quais materiais eu preciso para montar uma horta vertical e sem gastar muito?

Você vai precisar de:

- Tesoura
- Garrafa pet ou balde velho
- Argila expandida (em pedra) ou areia
- Substrato de cultivo (terra)
- Muda ou semente à sua escolha

· E para uma horta em terreno?

Considerando que o espaço já esteja cercado, com acesso a água, algum lugar para guardar as ferramentas e os insumos, seria preciso algumas coisas básicas como carrinho de mão, enxada, enxadão, pá, regador, rastelo, cavadeira, bandejas de isopor ou plástico para semeadura mangueira de jardim e alguns baldes plásticos.

· Onde se pode conseguir terra para fazer o plantio?

Para as semeaduras pode-se comprar o substrato próprio para isso nas agropecuárias ou floriculturas. Pede-se substrato para sementes de hortaliças.


Hortas podem servir como terapia para quem sofre de estresse ou depressão causados pela vida corrida na cidade


Bem-Estar

Como economizar em 2019!



Pensando em fazer uma viagem dos sonhos? Em trocar de carro? Todo mundo tem um desejo quase possível, muitas vezes adiado por causa de problemas econômicos. Mas a dificuldade não deve ser uma limitação impossível de ser ultrapassada.

Algumas dicas mínimas podem fazer uma diferença grande, ao longo dos meses. Você precisa ser disciplinado e mirar num objetivo. Pense nestas dicas abaixo e programe-se. Quem sabe sua vida não vai mudar para sempre, depois destas pequenas mudanças?

Vamos a elas!



- Diminua os lanches. Sei que uma coxinha pode ser irresistível, mas 20 reais aqui, 30 ali fazem uma grande diferença durante o mês. Em um ano, pode significar mais de mil reais, que se colocados numa aplicação financeira, servem para pagar passagens aéreas, por exemplo.



- Nem todo mundo tem sorte, mas reservar 15 reais ao mês para jogar na loteria – 4 bilhetes na megasena – não tem um impacto grande no orçamento e podem fazer toda a diferença. Ganhar o primeiro prêmio é sempre muito difícil, mas acertar 4, 5 números é uma possibilidade real que chega a render algumas dezenas de milhares de reais aos vencedores.



- Lazer! Todo mundo merece. Mas você já percebeu que ir ao cinema com o filho custa 4, 5x o valor de uma mensalidade de streaming? E pela Netflix, HBO Go ou Telecine Play todos da família assistem inúmeros filmes! Durante alguns meses, vale à pena fazer esta economia.



- Roupas de criança. Perde-se muito rápido. Existem grupos de troca e doação no Facebook, existem sites de venda e compra de produtos infantis, trocas de experiência, etc. Economiza-se muito dinheiro, basta procurar opções diferentes.



- Escolhas... Carro próprio gasta demais, paga-se pelo conforto. O motorista vai a um local próximo, onde poderia ir a pé e precisa pagar, além da gasolina, o estacionamento. Coloque no papel e veja se não dá para utilizar menos o automóvel, realizar um programa de caronas entre colegas ou usar mais o metrô e o uber. A economia vai te surpreender!

Bem-Estar

Aproveite o verão com o "Manual de Sucos" da Codeagro

Você encontra as melhores informações sobre como escolher as melhores frutas e até receitas deliciosas não só de sucos, mas também de vários sabores de vitaminas

Quer começar uma nova dieta em 2019, mas não sabe por onde? Então comece substituindo sucos industriais por sucos naturais feitos em casa. Com o intuito de te auxiliar na preparação, a Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, criou o "Manual de Sucos”, que você pode baixar gratuitamente no link, onde você encontra as melhores informações sobre como escolher as melhores frutas e até receitas deliciosas não só de sucos, mas também de vários sabores de vitaminas.

Como escolher a fruta:

Na hora da compra, sempre escolha aquelas de casca firme, sem amassados, furos ou manchas. Se preferir sucos de legumes ou hortaliças também são uma ótima opção, mas fique atento se estão frescos, têm aparência brilhante e viçosa e com a cor uniforme. Certifique-se de que estão livres de manchas ou rachaduras, pois podem estar estragados ou com vermes.

Armazene corretamente:

Quando chegar em casa, mantenha as frutas sob refrigeração até o momento de uso, com exceção da banana. No caso dos legumes e hortaliças, prefira usar no mesmo dia da compra para se obter mais dos nutrientes que eles carregam. Caso não seja possível, mantenha-os em sacos plásticos próprios na parte de baixo da geladeira, sem encostar nas paredes para que não umedeçam.

Não se esqueça de higienizar antes do uso:

A hora da lavagem é essencial para o consumo, pois evita o contato com produtos químicos que podem fazer mal à saúde. Frutas, legumes e verduras devem ser lavados em água corrente, a fim de retirar qualquer resíduo de terra, pequenos insetos ou contaminantes químicos. Depois, deixe-os de molho em uma mistura de 1 colher (sopa) de água sanitária para cada 1 litro de água, durante 30 minutos, e passe pela água corrente novamente.

Açúcar e adoçantes:

Como são sucos naturais, o sabor já é doce naturalmente. Porém, se achar necessário, pode adicionar açúcar ou adoçante, a seu gosto. Procure adotar hábitos mais saudáveis, então uma alternativa ao açúcar refinado é o açúcar mascavo, que contem menor valor calórico e fornece boas doses de fósforo e potássio, ou até mesmo o mel, excelente na produção de vitaminas C e B.

Veja abaixo a saborosa receita de suco da selva:

Ingredientes:

· ½ melancia pequena (3.074g)
· 2 maracujás grandes (538g)
· 1 ramo pequeno de hortelã (2g)

Modo de preparo:

Higienize a melancia, o maracujá e a hortelã. Corte a polpa da melancia em cubos grandes e reserve. Corte o maracujá e retire a polpa. Em um liquidificador, coloque a melancia, a polpa do maracujá e a hortelã e bata bem. Passe o líquido em uma peneira fina. Leve à geladeira e sirva gelado.


Substitua sucos industriais por sucos naturais feitos em casa


Bem-Estar

Dez curiosidades sobre o champanhe, bebida estrela das festas de fim de ano

Ele foi 'descoberto' por um monge e, para receber esse nome, precisa necessariamente ser produzido com uvas da região francesa de Champagne. O quanto você sabe sobre este vinho espumante?

Não há dúvida: a bebida por excelência do Natal e do Ano Novo - e, em geral, de todas as celebrações - é um vinho francês de coloração dourada e cheia de bolhas: o champanhe.

A cada ano, são produzidas 268 milhões de garrafas desta bebida espumante e, só na noite de Ano Novo, são consumidas no mundo 360 milhões de taças de champanhe para festejar a virada.

Conheça a seguir dez curiosidades do vinho mais efervecente do mundo.

1. Quem inventou o champanhe?

A tradição atribui a descoberta do champanhe a Dom Pierre Pérignon, um monge beneditino francês que viveu entre 1638 e 1715 e que passou boa parte de seus 77 anos de vida na abadia de Hautvilliers, situada em plena região de Champagne, onde o espumante francês é feito.

A lenda conta que ele chegou à fórmula do famoso método de dupla fermentação por acaso e que, quando bebeu pela primeira vez, sentiu em sua boca uma explosão de bolhas e disse aos outros monges: "Venham correndo, estou bebendo estrelas!".

2. Bebida dos reis

Contam que, quando Hugo Capeto foi coroado rei da França em 987, em uma cerimônia solene que teria ocorrido na catedral de Reims, em Champagne, começou uma tradição que logo seria seguida pelos monarcas seguintes de brindar com vinhos daquela região, que, mesmo elaborados com as mesmas uvas do champanhe, ainda não tinham suas bolhas características.

A partir de Hugo Capeto, cerca de 30 reis franceses foram coroados em Reims e, nas festas, sempre eram oferecidos vinhos dali, que, pouco a pouco, foram ganhando fama.

Até o ponto em que, depois de Luis 14 tornar-se monarca, em 1643, ele pedir que fossem levados ao Palácio de Versalhes litros e mais litros desse "vinho de cor de palha do padre Pérignon".

3. Bebida de amantes dos reis

Luis 15 foi um grande degustador de champanhe e bebia sobretudo na companhia de suas amantes.

A mais famosa de todas elas, Madame de Pompadour, foi quem imortalizou a frase: "O champanhe é a única bebida capaz de fazer uma mulher mais bela".

Conta a lenda que as primeiras taças criadas especificamente para beber champanhe, de boca larga e em formato de um seio, foram feitas por ordem de Luis 15, tomando como modelo a mama esquerda de Madame Pompadour.

Mas há também quem diga que, na verdade, a inspiração foram os seios de Madame du Barry, outra amante de Luis 15.

4. Quantas bolhas há no champanhe?

Há mais de sete milhões de bolhas em cada garrafa, um milhão em cada taça.

5. De onde vêm as bolhas?

As bolhas do champanhe são resultado de um fungo microscópico, a levedura, que precisa do açúcar para sobreviver e, quando o consome, libera um gás: o dióxido de carbono.

A levedura é responsável por transformar o açúcar em álcool através do processo de fermentação.

O champanhe é feito por meio de uma fermentação dupla. Na primeira, dificilmente se formam bolhas, porque as uvas com as quais o vinho é feito não são muito doces, então, elas têm pouco açúcar e, de qualquer forma, o dióxido de carbono pode escapar.

Mas, na segunda fermentação, os produtores de champanhe adicionam um pouco de açúcar e mais levedura ao vinho e selam bem as garrafas com uma rolha especial.

A fermentação do açúcar produz grandes quantidades de dióxido de carbono, que não consegue escapar e permanece dentro da garrafa. O champagne tem, portanto, um maior teor alcoólico.

6. Sob enorme pressão

Dentro da garrafa de champanhe há uma enorme pressão, equivalente a três vezes aquela do interior do pneu de um carro.

7. Só é champanhe se é francês

Somente se pode chamar de champanhe a bebida feita com uvas com da região de Champagne, onde crescem três variedades - pinot noir, pinot meunier e chardonnay -, e seguindo o método tradicional de fermentação dupla, o "método champenoise".

Além disso, deve ficar pelo menos 15 meses envelhecendo, como o processo de amadurecimento dos vinhos é chamado, para obter as melhores nuances e aromas.

8. O que a região de Champagne tem de especial?

A região onde o champanhe nasce fica quase no extremo norte da França. É uma das áreas de vinhedos em maior latitude da Europa, superada apenas pela parte sul da Inglaterra.

Uma de suas peculiaridades é que seu solo é calcário, o que lhe permite reter água e calor, favorece a drenagem e confere às uvas uma mineralidade muito particular. Em Champagne, há um total de 34 hectares de vinhedos. Em 2016, essa região foi declarada Patrimônio da Humanidade.

9. Ouro líquido

O champanhe tem geralmente uma coloração dourada suave e, acima de tudo, um preço elevado. É raro encontrar nas lojas uma garrafa desse vinho espumante por menos de US$ 34 (R$ 132), e há alguns que são vendidos por milhares de dólares.

Um hectare de vinhedos na região de Champagne custa mais de US$ 1 milhão.

A isso, se acrescenta o fato de que a Avenue de Champagne, na cidade de Epernay, é uma das ruas mais caras do mundo. Ela se estende por mais de 1 km e abriga grandes casas de champanhe, como Pol Roger, Mercier e Moët & Chandon.

E, abaixo desta avenida, há 110 km de adegas que abrigam, a uma temperatura constante, entre 10ºC e 12ºC, e protegidas pela escuridão, mais de 200 milhões de garrafas de champanhe que valem uma fortuna.

10. Como bebê-lo?

Frio, mas não gelado. A temperatura ideal é de 8ºC, de acordo com especialistas - abaixo disso, parte de seus aromas se perderiam. Algumas variedades podem ser consumidas a 10-12ºC para acentuar suas qualidades.

A melhor maneira de resfriar o champanhe é em um recipiente cheio de gelo, onde deve permanecer por cerca de 20 a 30 minutos. Se for colocado na geladeira, deve ser permanecer na parte menos fria por quatro horas, para evitar que se percam algumas de suas propriedades.

É absolutamente proibido colocar no congelador, seria um sacrilégio. E também é fortemente desencorajado servir em copos previamente resfriados, porque isso afetaria as bolhas.

Os apreciadores dizem que deve ser servido em copos que tenham sido lavados à mão, apenas com água quente, sem qualquer sabão ou detergente, pois estes podem afetar as bolhas.

As taças finas e altas que são usadas há anos para beber champanhe estão agora caindo em desuso. Os especialistas aconselham o uso de taças em forma de tulipa, pois proporcionam às bolhas o espaço de que necessitam e, ao mesmo tempo, concentram os aromas.

Para servir o champanhe, pegue a garrafa pelo fundo (nunca pelo gargalo) e despeje seu conteúdo no copo com um fluxo lento e constante para que as bolhas se acumulem nas laterais.

Não sirva o champanhe de uma só vez, mas em duas etapas pelo menos, para que as bolhas possam se assentar. Nunca encha o copo acima de dois terços.

E um aviso final: uma vez que uma garrafa de champanhe é aberta, não há absolutamente nenhum método para preservar esse vinho com todas as suas propriedades intactas. Então, é melhor terminá-la.


Qualquer momento é um bom momento para brindar com champanhe


Bem-Estar

Ceia de Natal, cuidado para não "pecar" nessa hora

LOC:Sabe aquela sensação de arrependimento, cansaço e que passou do limite na ceia de Natal? Pois é, isso é um grave sinal de que a ceia de Natal estava deliciosa e foi impossível resistir às tentações E às quantidades absurdas. Mas sabia que é possível provar todos os itens do buffet de Natal sem o saldo adiposo positivo? Nós conversamos com a nutricionista Thais Trivelato que vai ajudar (e muito)em suas decisões degustativas para que você não passe passar mal na ceia de natal. Para ela o planejamento é essencial.


"Pra quem quer comer bem na ceia de natal e não passar mal, seria fazer um planejamento da nossa ceia. Sabe quando você senta ali com os familiares com os amigos, para poder ver o que que realmente vai entrar no cardápio dessa noite tão especial, que é o natal, é uma hora decisiva dos nossos jantar, porque ali é um dia a gente decide tudo que vai”

Para a nutricionista, o pecadocometido por comer demais no natal passado, sempre volta.

"Não peque pelo excesso, primeira coisa que você pode faze, você chegou viu a mesa posta, dá uma olhada, observa tudo que tem ver o que que você gostaria de comer, veja o que que você gosta, nossa esse prato é indispensável para mim nascer de natal e ali monte um prato, veja se você não está pecando pelo excesso. Porque se você comer uma quantidade que é muito maior do que você está acostumado que o seu corpo aguenta, ele vai reclamar no final da noite e, você vai ficar com aquele velho peso na consciência”

Fazer escolhas simples e evitar frituras é sempre a melhor opção em um cardápio. E com as bebidas dê preferência a sucos e nunca deixe de incluir bastante água em sua dieta, com essas dicas sua ceia de natal, fica inesquecível e saudável.

De Brasília, Fabrício Lázaro

Bem-Estar

Escolha as cores para o Ano Novo

Com base nas relações entre cores e planetas, fica mais fácil eleger o traje do Réveillon e realizar pequenos rituais com objetivos específicos

A origem da atribuição de diferentes propriedades mágicas às cores é incerta, mas sabe-se que já constam de obras fundamentais do Hermetismo que remetem à Antiguidade. "Pela Lei da Correspondência, princípio do Hermetismo segundo o qual o que é verdadeiro no macrocosmo é também verdadeiro no microcosmo e vice-versa, as cores estão relacionadas, por exemplo, aos astros.”, explica a astróloga e coach holística Virginia Gaia. Assim, a cor de Marte é o vermelho, a de Vênus, o rosa e o verde-esmeralda, a de Mercúrio, o laranja e assim por diante.

No Brasil, a tradição do uso de cores específicas na passagem de ano também é influenciada pelas religiões de matriz africana. A disseminação do branco nas festas de ano novo, por exemplo, vem dos rituais umbandistas e está associada a Oxalá, o maior dos orixás.

Embora a maior parte das pessoas não se dê conta disso, os objetivos para o ano relacionados às cores refletem exatamente as associações herméticas entre as cores e os astros, com exceção do branco, que é a mistura de todas as cores.

Confira abaixo os planetas, os temas que eles encarnam, os signos que regem e as respectivas cores. A dica para a entrada de 2019 são os tons de vermelho, pois o ano será regido por Marte, o guerreiro, grande ativador da Astrologia e patrono do desejo sexual.



"Além de contemplar os tons do planeta regente do ano, também é válido apostar nas cores relacionadas ao signo solar ou ascendente de cada indivíduo.”, complementa a astróloga. Para quem quiser escolher de acordo com os objetivos do próximo ano, a dica é não somente contemplar o vestuário como também elaborar um pequeno ritual. Pode-se lambuzar com mel uma vela da cor do planeta escolhido e depois acender, mentalizando os votos e desejos para 2019.

Para quem quiser aproveitar a regência de 2019 pelo planeta Marte para promover novos começos e a abertura de caminhos, pode-se acender uma vela vermelha lambuzada com mel e azeite. Acrescenta-se a esse pequeno ritual de magia planetária um incenso aceso para simbolizar o elemento Ar, uma taça cheia para representar a Água e, por fim, alguns cristais ou moedas dedicados ao elemento Terra para trazer prosperidade.

"Na noite da virada estaremos com a Lua em fase Minguante e isso é ótimo para refletirmos sobre o que precisamos deixar para trás no ano que passou”, diz Virgínia. Assim, os votos para 2019 podem ser complementados por uma reflexão sobre hábitos que precisam ser abandonados para garantir o sucesso nos desejos para o ano-novo.

Perfil

Virginia Gaia é astróloga, taróloga e estudiosa de mitologia e religião comparada há mais de 15 anos. Tem um quadro no programa A Tarde É Show com Nani Venâncio (Rede Brasil de Televisão) e leva o conhecimento que acumulou nas Ciências Herméticas para os mais diversos públicos. Propagadora do Vama Marga Tantra, foi iniciada no Vajrayana – o chamado Budismo Tântrico ou Budismo Tibetano –, além de ter sido integrante de ordens iniciáticas e ocultistas. Com base na certificação de Capacitação em Sexualidade que obteve pela ABEME (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual), é também educadora sexual, ministrando cursos e palestras sobre o amor e os relacionamentos que abordam o estreito vínculo entre sexualidade, afetividade e espiritualidade.

Bem-Estar

Cuidado com os enfeites natalinos

Distribuidora de energia dá dicas para que você ilumine seu Natal com segurança e economia

Nesta época do ano, casas, prédios, ruas e avenidas, praças e até automóveis se cobrem de luz e cor para saudar essa verdadeira ‘festa das luzes’ que é o Natal. Mas é preciso tomar cuidado para evitar que a iluminação e os enfeites natalinos provoquem acidentes, como choques elétricos, curtos-circuitos e incêndios, e também com o desperdício de energia elétrica.

Mesmo sendo novos, é preciso uma atenção especial para prevenir acidentes elétricos. "O primeiro cuidado é escolher produtos de boa qualidade. Todas as informações de segurança estão nas embalagens, além de indicações de potência, tensão e as corretas instruções de uso”, explica Fernando Bombarda de Moraes, engenheiro de Segurança da Energisa Sul-Sudeste.

O engenheiro também alerta para prevenção dos riscos de incêndios. "Evite colocar vários equipamentos em uma mesma tomada, fazendo uso de ‘T’, também chamado de benjamin, pois pode haver sobrecarga de energia ou aquecimento, que gera perda de energia e aumento no valor da conta. Outra medida importante é fazer uma revisão nas instalações elétricas, contando sempre com um eletricista capacitado. É de extrema importância que os equipamentos elétricos não fiquem de materiais inflamáveis como papel, papelão, tecido, isopor, madeira ou plástico”.

Também é preciso ficar atento para evitar que os choques aconteçam. "É preciso verificar a possível existência de fios desencapados, com a parte metálica aparente. Com a capa de proteção, evitam-se choques e fuga da corrente elétrica, que é desperdício de energia. Se o material a ser usado foi comprado ano passado ou em anos anteriores, ligue o sinal de alerta: verifique se esse material está em condições de uso, se ele está ou não desgastado”, destaca Fernando.

Para contribuir com a segurança e também com a economia de energia, escolha equipamentos com menor potência e dê preferência às lâmpadas de LED, elas são mais eficientes, com brilho intenso e duram mais que as convencionais. "O uso consciente também é muito bem-vindo: só ligue os equipamentos quando houver, de fato, necessidade”, enfatiza o engenheiro.

E tem mais dicas para que essa época seja a mais tranquila possível:

- Evite colocar luzes e piscas-piscas em estruturas metálicas, pois elas podem conduzir energia caso haja algum tipo de fuga de eletricidade no equipamento e provocar choque elétrico;

- Luzes em áreas externas devem ser instaladas de modo que não haja possibilidade de contato das pessoas com a fiação elétrica. Pois estando sob os efeitos da chuva, do sol e do vento, pode haver um desgaste dos fios e aumentar riscos de acidentes. Lembrando que o serviço deve ser sempre executado por profissionais capacitados. E nunca instale nada perto da rede de energia;

- É importante que material comprado seja atestado pelo Inmetro;

- Para evitar desperdício de energia, desligue os aparelhos e enfeites de Natal quando sair de casa ou na hora de dormir;

- Evite deixar a instalação em área sujeita à chuva ou alagamento;

- Mantenha os fios fora do alcance das crianças.


Escolha equipamentos com menor potência e dê preferência às lâmpadas de LED


Bem-Estar

Como se planejar para viajar nas férias

Especialista dá dicas para descansar e visitar lugares novos, mesmo para quem tem pouco dinheiro para gastar

Depois de um ano de trabalho duro, é natural querer descansar, viajar e conhecer lugares novos. Infelizmente, muitas vezes não "sobra” dinheiro para isso. É por isso que é preciso se planejar – como indica Grazielle Ueno Maccoppi, coordenadora do curso de Gestão de Turismo do Centro Universitário Internacional Uninter.

A professora orienta que, antes de tudo, é preciso definir a data da viagem e o investimento financeiro. Outros fatores a serem levados em consideração são: quem participará da viagem, qual é a faixa etária dos viajantes, seus desejos individuais e disposição física.

Só então é feita a escolha do destino – o que pode contar com o apoio de agentes ou consultores de turismo. "É importante desmistificar o trabalho do profissional de turismo. Ele pode ser um importante aliado na hora de planejar uma viagem e promover economia”, defende. Esses profissionais têm um conhecimento extenso para orientar as escolhas, além de acessar promoções especiais e fornecedores diversificados.

Escolhido o destino, é importante programar os detalhes, como hospedagem, transporte e atividades a serem realizadas – considerando até mesmo tempo para descanso ou brincadeiras, principalmente quando se viaja com idosos e crianças. Antes de colocar o pé na estrada, é preciso preparar os documentos, renovar a identidade, fazer passaporte e solicitar visto, por exemplo.

"Para estabelecer um bom planejamento de férias, um ano de antecedência é um tempo interessante. Assim se torna possível pagar antecipadamente e viajar de forma mais tranquila”, explica Grazielle.

Não me programei. E agora?

Para aqueles que não se programaram com dinheiro ou com tempo para viajar, Grazielle dá algumas dicas. Para economizar, é possível utilizar hospedagens compartilhadas ou estar atento à localização do hotel, que pode contribuir para economizar com transporte público ou táxi. Viajar em baixa temporada também garante custos mais baixos.

Na hora de programar o que será feito, é possível buscar atividades gratuitas ou cupons de desconto. Nas grandes cidades, é cada vez mais comum a existência de passeios gratuitos chamados de free walking tour.

Se mesmo assim não é possível viajar, a professora recomenda turismo próximo de onde se mora. No Brasil, existem muitas belezas naturais e passeios a serem feitos em todo lugar. Dentro da própria cidade, vale descobrir coisas novas: pedalar em uma ciclovia, visitar um parque ou praça, conhecer um prédio histórico, fazer passeios guiados.

"É possível viajar gastando pouco. O turismo não é caro. É preciso organização para planejar com antecedência, mas sempre existem formas de economizar”, afirma a especialista.

Especialista dá dicas para descansar e visitar lugares novos, mesmo para quem tem pouco dinheiro para gastar

Depois de um ano de trabalho duro, é natural querer descansar, viajar e conhecer lugares novos. Infelizmente, muitas vezes não "sobra” dinheiro para isso. É por isso que é preciso se planejar – como indica Grazielle Ueno Maccoppi, coordenadora do curso de Gestão de Turismo do Centro Universitário Internacional Uninter.

A professora orienta que, antes de tudo, é preciso definir a data da viagem e o investimento financeiro. Outros fatores a serem levados em consideração são: quem participará da viagem, qual é a faixa etária dos viajantes, seus desejos individuais e disposição física.

Só então é feita a escolha do destino – o que pode contar com o apoio de agentes ou consultores de turismo. "É importante desmistificar o trabalho do profissional de turismo. Ele pode ser um importante aliado na hora de planejar uma viagem e promover economia”, defende. Esses profissionais têm um conhecimento extenso para orientar as escolhas, além de acessar promoções especiais e fornecedores diversificados.

Escolhido o destino, é importante programar os detalhes, como hospedagem, transporte e atividades a serem realizadas – considerando até mesmo tempo para descanso ou brincadeiras, principalmente quando se viaja com idosos e crianças. Antes de colocar o pé na estrada, é preciso preparar os documentos, renovar a identidade, fazer passaporte e solicitar visto, por exemplo.

"Para estabelecer um bom planejamento de férias, um ano de antecedência é um tempo interessante. Assim se torna possível pagar antecipadamente e viajar de forma mais tranquila”, explica Grazielle.

Não me programei. E agora?

Para aqueles que não se programaram com dinheiro ou com tempo para viajar, Grazielle dá algumas dicas. Para economizar, é possível utilizar hospedagens compartilhadas ou estar atento à localização do hotel, que pode contribuir para economizar com transporte público ou táxi. Viajar em baixa temporada também garante custos mais baixos.

Na hora de programar o que será feito, é possível buscar atividades gratuitas ou cupons de desconto. Nas grandes cidades, é cada vez mais comum a existência de passeios gratuitos chamados de free walking tour.

Se mesmo assim não é possível viajar, a professora recomenda turismo próximo de onde se mora. No Brasil, existem muitas belezas naturais e passeios a serem feitos em todo lugar. Dentro da própria cidade, vale descobrir coisas novas: pedalar em uma ciclovia, visitar um parque ou praça, conhecer um prédio histórico, fazer passeios guiados.

"É possível viajar gastando pouco. O turismo não é caro. É preciso organização para planejar com antecedência, mas sempre existem formas de economizar”, afirma a especialista.

Bem-Estar

O que não fazer nos dias que antecedem o Enem

Mais do que saber o que realizar, é fundamental ter ciência do que não fazer na reta final

Restando menos de uma semana para o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é fundamental que os estudantes saibam controlar a ansiedade para não terem o desempenho prejudicado. Nessa semana derradeira, mais do que saber o que realizar, é fundamental ter ciência do que não fazer na reta final.

"O estudante que é ansioso vai ter dificuldade de se concentrar, interpretar e de ter atenção porque o pensamento dele é marcado pela aceleração e não está na prova, e sim no futuro”, explica Cintya Carvalho, coordenadora do Curso de Psicologia do Centro Universitário Farias Brito (FB UNI), instituição ligada ao Sistema Farias Brito de Ensino (SFB).

De acordo com a psicóloga, algumas ações devem ser evitadas nos dias que antecedem o Enem. É recomendável que os candidatos evitem dormir tarde, revisar conteúdo – em especial na véspera da prova – pensar em compromissos futuros ou em acontecimentos passados. Tais medidas contribuem para manter o foco.

O principal conselho é buscar atividades que distraiam e sirvam como momento de aliviar a tensão. Vale assistir a um filme, ir ao teatro, passear no shopping ou sair com os amigos. O primordial é estar em paz consigo mesmo.

Nesse sentido, a família é peça-chave no aspecto emocional do aluno. Cabe aos pais, tios, avós, irmãos, primos e outros, o papel de apoiar o estudante e garantir que, independentemente do resultado da prova, eles estarão sempre juntos. "O aluno precisa se sentir apoiado, elogiado e estimulado pela família. É lá onde ele tem que encontrar uma fonte de segurança”, destaca Carvalho.

Cuidar da alimentação também é importante

Além de estar tranquilo e com os estudos em dia, é importante que os candidatos estejam atentos à alimentação nesta reta final de preparação. O consumo irregular de alimentos às vésperas do Enem pode impactar negativamente nos resultados. O essencial é evitar ficar muitas horas sem comer ao longo do dia.

"Ficar com o estômago vazio pode ocasionar taxas de hipoglicemia no sangue, que é a concentração baixa de glicose. Isso ocasiona sonolência, dificulta a concentração e pode provocar em alguns indivíduos tontura, queda na pressão arterial, fraqueza e dores de cabeça”, esclarece Fabiana Belini, nutricionista do Sistema Farias Brito (SFB).

Dentre as dicas da nutricionista, a principal é evitar a ingestão de alimentos pesados – como feijoada, por exemplo – porque são mais difíceis de serem digeridos. O ideal é optar por alimentos integrais e proteínas magras, assim como frutas, legumes e cereais, uma vez que colaboram para o fornecimento adequado de energia ao organismo.

Outro ‘vilão’ dos estudantes é a bebida energética. O uso desses aditivos não é recomendável, pois podem gerar taquicardia, alteração da pressão ou hiperglicemia. "Isso deixa o estudante extremamente ansioso, agitado e irritado, o que pode prejudicar na interpretação dos itens”, finaliza Belini.

Dicas para a semana final de preparação para o Enem

- Evite a ansiedade, busque fazer algo que o distraia e tranquilize
- Não durma tarde, o corpo e a mente devem estar descansados
- Busque o apoio da família
- Fuja de alimentos pesados e de bebidas energéticas


Principal conselho é buscar atividades que distraiam e sirvam como momento de aliviar a tensão


Bem-Estar

Será que meu filho está viciado na internet?

Segundo estudo publicado, dependência da internet afeta cerca de 6% da população global

Em mundo globalizado e cada vez mais conectado, é quase impossível proibir crianças e adolescentes de usarem a tecnologia. Porém, se seu filho (a) fica excessivamente preocupado com o sinal do wi-fi quando sai de casa, sente necessidade cada vez maior de ficar conectado, anda muito irritado (a) ou depressivo (a), apresenta ataques de ansiedade quando não pode usar o celular, passa mais tempo online do que em passeios ou com os amigos e mente sobre o tempo gasto com a internet, atenção!

Estes podem ser indícios de que a dependência da internet está se instalando. Segundo um estudo publicado no Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, que avaliou 89 mil pessoas em 31 países, a dependência da internet afeta cerca de 6% da população global.

Para a neuropsicóloga Thaís Quaranta, os pais realmente precisam prestar mais atenção na questão do uso da tecnologia pelos filhos. "As crianças e adolescentes costumam adotar os padrões de comportamentos da família, ou seja, dos pais. Assim, se os pais usam demasiadamente o celular, a internet, as mídias sociais ou até mesmo o vídeo game, estão contribuindo para que a criança ou o adolescente siga este mesmo padrão”, comenta.

E por falar nos pais, um estudo divulgado este ano, avaliou a associação entre o vício de adolescentes na internet com o relacionamento parental. Os resultados mostraram que a pouca disponibilidade materna é um preditor da dependência. "Este é um achado muito importante, pois corrobora com a percepção que temos das dinâmicas familiares atuais. Pais cada vez mais ocupados e menos presentes. Os eletrônicos, em muitos casos, acabam sendo usados para preencher esse espaço, essa ausência parental”, reflete Thaís.

Um cérebro vulnerável

O grande problema, de acordo com a neuropsicóloga, é que um cérebro em formação, como é o caso das crianças e dos adolescentes, é mais vulnerável à dependência. "Há inúmeros efeitos negativos bem documentados pela literatura. Depressão, isolamento social, ansiedade, distúrbios do sono, déficit de atenção e queda do desempenho escolar. Todas essas condições podem ser causadas quando o uso da tecnologia ultrapassa os limites”, explica Thaís.

Outro ponto levantado pela neuropsicóloga é que houve uma mudança importante relacionada a inversão da hierarquia geracional. "Hoje, as crianças e adolescentes já nascem em um mundo altamente tecnológico. É muito comum que ensinem os pais a usarem o celular, o computador e outros dispositivos. Esse conhecimento digital pode criar um ambiente familiar menos equilibrado, dificultando que os pais delimitem o uso da tecnologia, pois perdem a autoridade”, diz.

Pais precisam se empoderar

O mais importante é que os pais, em um primeiro momento, avaliem o próprio comportamento em relação ao uso da tecnologia. Não é possível exigir da criança ou do adolescente um modelo diferente daquele que existe.

"sso quer dizer que se os pais usam o celular na hora das refeições em família, por exemplo, e dedicam mais tempo para a tecnologia do que para os próprios filhos, a mudança precisa começar por eles. Depois, é fundamental retomar a autoridade e impor limites. Crianças e adolescentes precisam disso”, ressalta Thaís.

Veja algumas dicas da neuropsicóloga para ajudar os pais na educação digital, evitando que a tecnologia se torne um problema. Confira:

Dose certa: Proibir o uso não irá funcionar. Assim, é preciso definir o tempo que poderá ser dedicado ao vídeo game, mídias sociais, internet, etc. Os pais podem e devem controlar o conteúdo acessado. Hoje em dia é possível colocar senhas e usar aplicativos para bloquear conteúdos inapropriados para menores de idade. Lembrando que para crianças menores de 2 anos, o uso de qualquer tipo de dispositivo é contraindicado, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria.

Atenção aos comportamentos: Ninguém melhor que os pais para conhecerem os seus filhos. Portanto, mudanças nos comportamentos, queda do desempenho escolar, perda ou ganho de peso, alterações no sono, irritabilidade e ansiedade devem ser investigados, pois podem ter relação com o uso abusivo da tecnologia.

Presença e disponibilidade: Crianças e adolescentes precisam de pais presentes e disponíveis. Não adianta a mãe ou pai sentar para brincar com a criança com o celular na mão. É preciso dedicar um tempo de qualidade e isso implica em estar disponível por completo, inclusive sem o celular por perto ou a TV ligada.

Locais estratégicos: Uma dica importante é não instalar computadores no quarto das crianças e adolescentes e, se possível, nem televisores. Claro que temos os dispositivos móveis, como celulares e tablets, que também devem ter o uso supervisionado pelos pais.

"A tecnologia, a internet e as mídias sociais fazem parte do mundo atual e do contexto social em que vivemos. O mais importante é fazer um bom uso e estar consciente de que os pais são responsáveis por limitar e supervisionar o uso, assim como são os modelos de comportamento para os filhos. Além claro de prestar atenção aos sinais que possam indicar um atitude de dependência destes dispositivos”, finaliza Thaís.


Dispositivos móveis, como celulares e tablets, também devem ter o uso supervisionado pelos pais


Bem-Estar

Jovens revelam qual fator mais chateia no trabalho

Para muitos, lidar com reclamações e até mesmo com o bom humor exacerbado é um grande implicativo

Ter altos e baixos é normal na jornada de qualquer ser humano. Contudo, conforme as gerações mudam, transformam-se também os anseios, as ambições, o modo de ver a vida e, consequentemente, as frustrações. Diante desse contexto, o Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios realizou um estudo com a seguinte questão: "hoje, o que mais te chateia no trabalho?”. O resultado apontou a dificuldade da operação em equipe!

Se antigamente as funções eram mais individualizadas e não havia tantos meios de comunicação e necessidade de interação, nos dias atuais, a realidade mudou. O relacionamento interpessoal é ponto chave para o sucesso. Todavia, uma pesquisa realizada com 41.058 jovens, entre 15 e 26 anos, em todo o Brasil, apontou ser essa a principal barreira de quem está ingressando no mundo corporativo.

Para 72,55% dos entrevistados, ou 29.789, o pior é "estar ao lado de pessoas reclamonas”. Outros 2,16% (886) afirmaram ser irritante "lidar com quem tem bom-humor constante”. Apesar de um possível estresse gerado pelos extremos dessas situações, é importante saber atuar em grupo. Afinal, nos times, cada integrante assume um papel e impacta na dinâmica geral. "Nesse estudo é possível ver o quanto as relações humanas vivenciadas no ambiente organizacional podem sensibilizar o bem-estar e satisfação do colaborador”, explica a analista de treinamento, Jéssica Alves.

Por isso, o ideal é observar de maneira consciente as atitudes e impulsionar comportamentos positivos. "Nem tudo funciona de acordo com as expectativas criadas. O indicado é estabelecer com a gestão uma relação positiva e aberta”, explica a especialista. Assim, será mais fácil solucionar problemas, bem como expor ao colega o quanto ele pode ser inconveniente em algumas ocasiões. Além disso, é válido lembrar: ninguém é feliz o tempo todo, mas o entusiasmo é uma ferramenta muito útil para proporcionar bom rendimento.

Já para 12,36% (5.076) o obstáculo é "ter prazos curtos e viver sobre pressão”, enquanto para 12,21% (5.014) é "fazer sempre as mesmas coisas”. Para esses, é fundamental se auto conscientizar a respeito da realidade corporativa. "É necessário adaptar-se a rotinas e também a mudanças rápidas trazidas pela globalização”, enfatiza Jéssica. Já para as organizações, o segredo é despertar em seu quadro de funcionários a visão de quais resultados serão agregados ao mundo como um todo, por meio das atividades desempenhadas. "Isso brilha aos olhos dos colaboradores”, indica.

Por fim, 0,71% (293) enfatizaram o quanto é péssimo "serem obrigados a cumprir regras e horários”. Todavia, muitos se esquecem do fato das empresas possuírem indivíduos com pontos de vista diversos. "Então, as normas existem para garantir uma convivência saudável e respeitosa entre todos os envolvidos, assim como para proporcionar ao cliente final a entrega de serviços e produtos eficazes”, ressalta Jéssica.

Para quem deseja se aperfeiçoar, Jéssica cita algumas dicas: "Indico praticar o autoconhecimento, ou seja, descobrir quais são os comportamentos sabotadores e impulsionadores. Também é preciso ser flexível, manter o respeito e impactar de maneira benéfica quem está ao redor”, finaliza. Portanto, o conselho é motivar os colegas, estabelecer uma relação de confiança com os pares e supervisores e, com isso, fazer a diferença no meio no qual está inserido.

Bem-Estar

Laxante não ajuda a emagrecer e prejudica a saúde intestinal

Atriz Bruna Marquezine publicou no seu perfil no Instagram, que no passado utilizou laxante na busca do emagrecimento, por conta da cobrança pelo "corpo perfeito”

Nesta última quarta-feira (05), a atriz Bruna Marquezine publicou no seu perfil no Instagram, que no passado utilizou laxante na busca do emagrecimento, por conta da cobrança pelo "corpo perfeito”. O medicamento provoca contrações intestinais e estimula a eliminação de fezes.

Críticas às medidas dos corpos não são exclusividades das celebridades: famosos e anônimos são atacados constantemente por tais comentários. É no estimulante intestinal que muitos buscam uma forma inadequada de emagrecer rapidamente. O dado é confirmado por pesquisa publicada pelo periódico Pediatrics: aos 23 anos, mesma idade de Marquezine, aproximadamente 20% das mulheres já usaram laxante para emagrecer.

"Esse número é grave e lança luz a um perigoso problema de saúde pública. O uso excessivo e inadequado de laxantes prejudica a absorção intestinal e causa desequilíbrio na concentração de minerais. Assim, aumenta-se o risco de desnutrição, desidratação e distúrbio hidroeletrolítico”, alerta Tomazo Franzini, médico endoscopista e diretor da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED).

O especialista afirma que laxantes podem causar a perda de peso justamente por interferir na absorção de nutrientes. Ou seja, com o medicamento, o corpo elimina água e sais minerais nas fezes, que são em geral líquidas, e reduz a sensação de inchaço. "Além de o emagrecimento ser passageiro, o uso do laxante acarreta alto custo à saúde, já que pode levar à deficiência nutricional e inflamações no intestino”.

Importante reiterar que laxante não são formulados para uso contínuo – o intestino pode se "acostumar” com a eles, tornando-se dependente e causar constipação – retenção das fezes. "A administração crônica pode lesionar os nervos intestinais e viciar. Assim, para ter o efeito desejado, é necessário aumentar a dose do medicamento”, adiciona o médico da SOBED.

Excesso de laxante pode causar até câncer

Em julho deste ano, o jornal científico Annals of Epidemiology publicou estudo que relacionou o uso de laxante ao maior risco de câncer colorretal (CCR). Quando a substância é a base de fibras, nota-se aumento significativo nas chances de desenvolver a neoplasia. "No Brasil, o CCR é o segundo tipo mais frequente em mulheres, responsável por quase 19 mil diagnósticos por ano (INCA). A partir da pesquisa divulgada no periódico e a ligação que faz com a doença, precisamos pensar a conscientização sobre o perigo do uso de laxantes para emagrecimento como uma das medidas para prevenção do câncer colorretal. Sobretudo ao considerar que o público feminino é o maior consumidor do medicamento para este fim”, reforça Franzini.

Setembro é o mês de prevenção do câncer colorretal, por isso, declarações como a de Marquezine salientam a necessidade de informar-se sobre a doença e condições que a predispõem.

Bem-Estar

Do tradicional ao de Chip, Cirurgião Plástico detalha os tipos de Silicone

O silicone industrial, indevidamente utilizado por "profissionais” despreparados como próteses em humanos, é tema de matérias recorrentes nos últimos dias.

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Marco Cassol, somente um especialista médico é capaz de avaliar o biotipo da paciente. Segundo o especialista, há três tipos de superfícies que podem ser utilizadas na aplicação da cirurgia plástica: lisa, revestida de poliuretano e texturizada. A lisa é a menos utilizada, já que indica uma maior possibilidade de ocorrência de contratura capsular (endurecimento da cápsula de revestimento que o corpo forma naturalmente em torno da prótese). A prótese texturizada tem menos chance de retração capsular que a prótese lida e é a mais utilizada. A poliuretano é opção mais recomendada, visto que há menos chances de uma contratura capsular de todas e a que tem mais aderência.

Formatos

Próteses arredondadas – entre as mais pedidas pelas pacientes por marcar bastante o colo. Indicada para quem tem um tórax proporcional e um volume considerável nas mamas. Dentro deste tipo de prótese, há subcategorias de formatos que são capazes de projetar a mama para frente. Entre as subcategorias estão:

Baixa: tem uma base mais larga e menos volume no polo superior que os outros perfis, mas, ainda assim, é maior de que a prótese anatômica. É indicada quando se deseja maior projeção do colo;

Moderada: tem uma base mais ou menos larga e volume médio no polo superior da mama. Serve para preenchimento moderado do colo e pouca projeção para frente;

Alta: conta com uma base menor e projeta o polo superior da mama para frente, sem tanto preenchimento do colo;

Super alta: possui uma base ainda menor e tem maior projeção. É recomendada quando se deseja preencher bem o colo e nos casos em que as mamas não se projetem para as axilas.

Próteses Anatômicas ou Silicone Formato Gota – esse modelo tem a maior parte do volume de silicone concentrado na parte de baixo, proporcionando o aumento da mama, mas sem perder o contorno natural. Todavia, estas próteses deixam a mama sem nenhuma projeção, o colo fica pouco marcado e a parte de baixo dos seios fica com maior volume, deixando um resultado mais natural. É a menos utilizada na estética;

Próteses ovais - utilizada basicamente em cirurgias para reconstrução em mulheres que tiveram câncer de mama.

Bem-Estar

Mau-hálito pode ser um aviso sobre outras doenças

O constrangimento causado pela halitose afeta o convívio social e pode ser o alerta para doenças graves no organismo

Ao pensar em mau hálito, os primeiros pensamentos são relacionados à carie, tártaro e doenças periodontais. No entanto, o que muitos não sabem é que o odor desagradável vindo da boca pode acontecer devido a diversos fatores. Além da má higienização da boca, infecções na gengiva e doenças periodontais, a halitose pode ser sinal de disfunções mais sérias que surgem no organismo.

Alguns problemas corriqueiros das estações mais secas e frias do ano, como a bronquite, sinusite e laringite, afetam o hálito. Segundo o cirurgião dentista Carlos Cordeiro, as doenças respiratórias podem produzir secreções nos brônquios e laringe, que é possível notar através da fala por conta do odor exalado. "Ao resfriar ou ser afetado por um desses problemas o ideal é aliar o tratamento da patologia, com os cuidados com a boca. Escovar os dentes após cada refeição, usar fio dental e gargarejar com um enxaguante bucal são passos fundamentais para controlar o mau hálito nessa fase”, alerta.

A halitose também pode ser indício de doenças mais graves, provenientes de deficiências ou complicações em partes do organismo. Nesse âmbito, são diversos os motivos pelos quais o corpo reage em forma de mau hálito bucal, como exemplo doenças renais, estomacais e diabetes.

No caso das doenças renais, o corpo acumula grandes quantidades de ureia e creatina no organismo, pois a função de filtrar do rim está comprometida. Essas substâncias se acumulam na corrente sanguínea e são expelidas via pulmonar. "O ar expelido possui um odor bem característico, semelhante à amônia ou urina. Por isso conseguimos desconfiar da doença e encaminhar o paciente para a especialidade a ser consultada”, afirma Carlos. Já os diabéticos também possuem um hálito característico. Devido a alteração na glicose, a pessoa é capaz de produzir um hálito cetônico, semelhante a frutas envelhecidas. Outro caso que merece atenção especial é o câncer de estômago, no qual o avanço do tecido canceroso provoca um hálito necrótico.

"A halitose, na maioria dos casos, é uma resposta do organismo para indicar o mau funcionamento de determinada parte do corpo. No caso dos problemas bucais, o tratamento pode ser facilmente realizado por tratamento odontológico indicado”, explica Carlos. Em todos os casos, a halitose é um aviso vital para que o paciente dê uma atenção redobrada ao funcionamento de seu corpo, haja visto que o mau hálito só é natural do organismo quando se passam horas sem comer, sem ingerir líquidos ou após a noite de sono.


Halitose pode ser sinal de disfunções mais sérias que surgem no organismo


Bem-Estar

Como evitar o esgotamento profissional

Razões para o número tão alto de profissionais mental e fisicamente esgotados podem estar ligadas a um mercado cada vez mais competitivo

A International Stress Management Association constatou que 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com a chamada Síndrome de Burnout, ou Síndrome do Esgotamento Profissional, ou seja, vivem com exaustão emocional, dores de cabeça e musculares e stress contínuo.

As razões para o número tão alto de profissionais mental e fisicamente esgotados podem estar ligadas a um mercado cada vez mais competitivo. "Os comentários mais comuns são com relação às expectativas dos e à sobrecarga de trabalho", comenta Carolina Silva, Especialista em RH da Luandre, empresa que atende 200 das 500 maiores empresas do país.

Aí você pergunta: "E existe alguma forma de contornar este problema a fim de que o profissional consiga render o seu melhor e ainda sim fugir do stress do cotidiano".

Para Carolina, existe sim. Quem trabalha tem que saber balancear algumas atitudes que podem fazer toda diferença. Confira abaixo quais as "ferramentas" que podem fazer do seu dia-a-dia no trabalho algo mais agradável e estimulante:

Priorize

Multifuncional sim, multifoco não. Carolina acredita que para boa parte dos gestores está mais do que claro que ninguém consegue ter atenção em tudo ao mesmo tempo. E isso significa o quê? Que você deve se organizar de modo a estabelecer uma ordem de prioridades: "Só existe uma "primeira" prioridade, como o próprio nome diz, não dezoito. Caso tenha dúvidas sobre qual é ela, converse com seu gestor e defina o melhor roteiro", explica.

Esclareça

De acordo com o livro "Essencialismo", um dos mais vendidos, de acordo com o "The New York Times", é preciso entender qual é a missão da empresa e também do profissional, pois é ela que irá te guiar ao objetivo. Os desvios se tornam o todo quando não há clareza e eles, invariavelmente, geram stress. "Equipes sem propósito se sentem sem liderança. No trabalho em equipe, muitos projetos disparatados, sem relação entre si, nada acrescentam ao nível máximo de contribuição do grupo", diz o autor do livro, Greg Mckeown.

Saiba dizer "não"

Esta é mais uma dica com relação à sobrecarga, que é uma das maiores queixas destes profissionais. Segundo a especialista "em tempos de profissionais multifuncionais cabe definir bem sua missão na empresa e prioridade, com o propósito de entender se a presença em um call ou uma reunião é realmente necessária, por exemplo, ou se o tempo poderia ser melhor empregado em outra atividade".

Diga adeus à ansiedade

Os três pontos acima levam a este último, que só é possível a partir da clareza da função e o estabelecimento da prioridade. A partir disso, é possível se planejar e evitar a ansiedade de ter um relatório gigante para entregar e não ter o tempo necessário para fazer. "Programação é fundamental para que uma urgência não ponha a perder prazos, assim todos conseguem trabalhar mais sossegados", conclui Carolina.

Se exercite

A prática de exercícios físicos é um ótimo aliado para manter o foco, dá resistência e renova as energias do corpo, além de oxigenar o cérebro e clarear os pensamentos. Todas as atividades são bem vindas, então, faça algo que gosta. Dance, faça uma caminhada, ande de bicicleta, saia para passear com o cachorro. Manter o corpo em movimento só trará benefícios.

Conheça os seus limites

Entenda seu corpo, escute o que ele diz. Todas as pessoas são feitas de limites e você precisa obedecer aos seus. A busca por foco no objetivo tem única e exclusivamente a função de realizar seus sonhos e tudo gira em torno de você. Não esqueça que o que está em jogo é sua felicidade.


30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com a Síndrome do Esgotamento Profissional